Crônicas Veríssimo: A Foto – Comédias para se Ler na Escola

Depois de algumas semanas de folga, as crônicas voltam a sua periodicidade semanal aqui no blog. 🙂

Comprar pela Amazon BR!
Mais detalhes sobre o livro, veja no site da Editora Objetiva.

A Foto

Foi numa festa de família, dessas de fim de ano. Já que o bisavô estava morre não morre, decidiram tirar uma fotografia de toda a família reunida, talvez pela última vez. A bisa e o bisa sentados, filhos, filhas, noras, genros e netos em volta, bisnetos na frente, esparramados pelo chão. Castelo, o dono da câmara, comandou a pose, depois tirou o olho do visor e ofereceu a câmara a quem ia tirar a fotografia. Mas quem ia tirar a fotografia?

– Tira você mesmo, ué.
– Ah, é? E eu não saiu na foto?

O Castelo era o genro mais velho. O primeiro genro. O que sustentava os velhos. Tinha que estar na fotografia.

– Tiro eu – disse o marido da Bitinha.
– Você fica aqui – comandou a Bitinha.

Havia uma certa resistência ao marido da Bitinha na família. A Bitinha, orgulhosa, insistia para que o marido reagisse. “Não deixa eles te humilharem, Mário Cesar”, dizia sempre. O Mário Cesar ficou firme onde estava, do lado da mulher. A própria Bitinha fez a sugestão maldosa:

– Acho que quem deve tirar é o Dudu…

O Dudu era o filho mais novo de Andradina, uma das noras, casada com o Luiz Olavo. Havia a suspeita, nunca claramente anunciada, de que não fosse o filho do Luiz Olavo. O Dudu se prontificou a tirar a fotografia, mas Andradina segurou o filho.

– Só faltava essa, o Dudu não sair.

E agora?

– Pô, Castelo. Você disse que essa câmara só faltava falar. E não tem nem timer!

O Castelo impávido. Tinham ciúmes dele. Porque ele tinha um Santana do ano. Porque comprara a câmara num duty free da Europa. Aliás, o apelido dele entre os outros era “Dutifri”, mas ele não sabia.

– Revezamento – sugeriu alguém – Cada genro bate uma foto em que ele não aparece, e…

A idéia foi sepultada em protestos. Tinha que ser toda a família reunida em volta da bisa. Foi quando o próprio bisa se ergueu, caminhou decididamente até o Castelo e arrancou a câmara da sua mão.

– Dá aqui.
– Mas seu Domício…
– Vai pra lá e fica quieto.
– Papai, o senhor tem que sair na foto. Senão não tem sentido!
– Eu fico implícito – disse o velho, já com o olho no visor.

E antes que houvesse mais protestos, acionou a câmara, tirou a foto e foi dormir.

Gostou? 🙂

Luis Fernando Veríssimo é um dos grandes nomes da Literatura Brasileira. Adoro suas crônicas, sempre inteligentes e criativas e com o humor na dose certa. Alguns anos atrás a editora Objetiva adquiriu o direito de publicar as obras do autor, desde então foram publicados 8 livros de crônicas . As melhores já feitas com os mais diversos temas. Com o intuito de mostrar um pouco das obras do autor, de tempos em tempos irei transcrever algumas das melhores crônicas dos livro já publicados.

Espero que gostem da novidade e acompanhem os próximos textos. Nós, brasileiros, temos o péssimo hábito de fugir da leitura. Temos desprezo pela leitura. Eu gosto de ler desde criança, então sempre incentivei amigos, conhecidos, familiares e colegas ao hábito da leitura. Seja de livros, quadrinhos, jornais ou até internet. Realmente espero que os leitores do Blog curtam a ideia.

modelo-squareCurtiu esse texto? Gostou do site?

Então dê aquela força seguindo e curtindo a nossa página no Facebook! — Quer mais interação? Temos um grupo (ainda pequeno) para leitores por lá, o Clube Secreto. Fica aí o convite! Quer ver o site crescer? Talvez você possa contribuir com isso se tornando um apoiador do site lá no Apoie.se.

More from Thiago Machuca

Assassin's Creed III e a Revolução Americana!

Chega de locações Européias! Tá aí. Agora é oficial, graças a capa...
Read More