Dando Nota!Jogando

TurnOn | Ligue as luzes de um simpático Indie Game! (Impressões)

A primeira coisa que passou pela minha cabeça após jogar um pouco TurnOn foi que este não se tratava de um indie game cheio de aspirações ou que estivesse tentando reinventar um gênero. De fato, é um título bem casual, na qual acabei jogando ao longo da última semana durante curtos momentos em meu horário de almoço, apenas para relaxar mesmo, e porque geralmente não tenho tempo para longas jogatinas nesse horário.

TurnOn é um game de plataforma simples, que consiste em viajar com essa criaturinha que tem a forma de uma pequena esfera elétrica através de cabos de eletricidade, restaurando a energia de Electro City (ou Cidade Electro em nossa localização) que sofreu um blecaute total justamente devido a chegada dessa criatura, vinda do espaço, caindo justamente na central de força da cidade, onde lá conhece um humano (que poderia ser um funcionário da usina, mas tem cara de cientista) amigão da vizinhança e que vai ajuda-lo a voltar para casa, mas só depois que toda a energia da cidade volte ao normal.

TurnOn (11)

Dá para dizer que é uma historinha até um pouco boba para adultos, apesar de funcionar bem com crianças pequenas, meu filho de 3 anos ficou interessado pelo conto em si, mas que está ali para justificar o próprio jogo em si, então acaba sendo importante como um todo que ela existe.

Pequeno começo!

É um indie game realmente pequeno, mas charmoso, desenvolvido por uma equipe de quatro desenvolvedores, que possuem esse estúdio chamado Brainy Studio, que fica lá na Rússia! O protótipo do game chegou inclusive a ganhar um prêmio em 2014 na Imagine Cup, que é um concurso mundial da Microsoft que prestigia diversos setores de tecnologia por várias regiões do mundo. E somente agora, de protótipo a um game completo, em 1º de junho é que TurnOn foi lançado nas plataformas da Steam e do Xbox One.

TurnOn (4)

Não é um game hardcore, daqueles que apresentam um grande desafio ou que faça o jogador suar. Vi mais como um game até mesmo indicado para a galerinha mais nova. Crianças podem jogá-lo sem o menor problema, e para elas talvez haja um desafio que requeira prestar a atenção na trilha na qual a bolinha elétrica deve percorrer nas fases onde o percurso nem sempre é tão óbvio de por onde começar ou para onde subir ou descer.

Porém devo dizer que me surpreendi com certos elementos de TurnOn. Apesar de ser extremamente acessível, o que é algo que pode soar ruim para alguns jogadores mais veteranos, o game tem um charme inegável, especialmente em se tratando de um título casual e por ser um indie game realmente feito por um pequeno grupo de desenvolvedores. É notável o esforço por parte de seus criadores para tornar as fases do game diferentes e instigantes para que os jogadores continuem avançando fase após fase.

TurnOn (3)

É claro que se fosse qualquer outro estúdio famoso e conhecido, de maior porte, seria fácil criticar TurnOn como um game fraco, carente de elementos e recursos de jogabilidade. Só que há casos em que se faz necessário aplicar pesos e medidas diferentes para cada situação de desenvolvimento de um título, especialmente quando o jogador corre atrás para saber de onde um game veio e quem são os responsáveis pelo mesmo. E é por isso que não se pode pegar pesado com TurnOn nesse sentido. Todo mundo começa de algo ponto, e as vezes é de forma pequena mesmo e não há nada errado com isso!

Mecânicas e jogabilidade

Há basicamente dois tipos de fases em TurnOn: aquelas na qual o jogador deve iluminar tudo que aparecer em seu caminho e com isso cumprir certos objetivos, e aquelas com um suave toque de fases musicais, na qual o jogador em linha reta pelos fios elétricos, vai subindo e descendo entre eles colhendo os pequenos raios que garantem o melhor ranking ao final da fase. Assista o trailer do game no final do texto.

TurnOn (2)

Eu sinceramente gostei das fases musicais, ainda que em sua grande parte elas não apresentem uma grande dificuldade, exceto pular no momento exato para a trilha continuar tocando. Apesar de que a fase do ônibus elétrico tenha me dado um pouco de trabalho no que diz respeito ao ponto certo para atingi-lo.

O que mais me encantou nas fases musicais foi a trilha sonora, quase sempre, um som de piano ao fundo, dando aquele toque suave ao efeito sonoro que ao clima e ambiente de estar viajando por longas distâncias que estas fases passam ao jogador.

TurnOn (15)

No que diz respeito as fases normais, aqui o mérito fica por conta do level design inteligente, que as tornam curiosas para o jogador. Muitas delas passam por objetivos como iluminar uma área para afastar cachorros, ou ligar o alarme para avisar a polícia de ladrões ou até mesmo criar um clima para um casa de namorados. E quando não há objetivos, cabe ao jogador explorar a área e ligar tudo que estiver ao seu alcance, fazendo a pontuação para o ranking de três posições que cada fase pode vir a ter (1 lâmpada, 2 lâmpadas ou 3 lâmpadas).

Há algumas fases bem peculiares, como uma onde o jogador entra em vários cômodos de uma casa e trabalha com objetivos dentro de cada um deles, como ligar uma TV ou o chuveiro. Parece bobo relatando dessa maneira, porém é a trilha da eletricidade e bem construida pelos desenvolvedores que acaba instigando o jogador a explorar estes ambientes em pró da solução dos problemas mundanos das pessoas em meio a um blecaute geral que acaba deixando o game divertido de ser jogado, ainda que disso não saia qualquer desafio extremo. É como passear por uma grande cidade, por meio de seus cabos elétricos.

TurnOn (19)

Gostei bastante das fases finais do game, pois elas são mais verticais do que as fases dos mundos anteriores. O objetivo é subir através de dois enormes arranhas céus, utilizando pulos para subir em cabos e descobrindo onde estão as caixas de energia para abrir passagem por conduítes elétricos.

Existem também fases que se assemelham com o que poderia ser fases de chefes, aquelas que concluem os mundos do game (ao todo são cinco áreas). Estas exigem um pouco mais de paciência do jogador, já que elas exigem certas metas que são concluídas com certos objetivos ao ir iluminando tudo ao redor. Gosto em particular da fase da Roda Gigante, onde existe o desafio de chegar ao centro dela, em meio a outros raios vermelhos que desligam a pequena bolinha elétrica.

TurnOn (17)

Aliás este é um dos pontos que talvez valha a pena colocar em perspectiva aqui. TurnOn poderia ser muito mais interessante se os desenvolvedores tivessem criados mais formas de inimigos e ameaças para a esfera elétrica ao longo das fases normais, até porque estes elementos estão presentes no game.

Por exemplo, há uma fase ao final do primeiro mundo onde pequenos drones perseguem o jogador, ou pegue essa ideia dos raios vermelhos nas fases de fim de mundo e nas musicais. São inimigos e ameaças, certo? Por que não aplicar isso de forma mais frequente ao longo de todo o game? Isso poderia estar bem mais presente em todo o jogo. Mais ameaças que desafiem o jogador a descobrir como passar por tais problemas. No geral, a bolinha elétrica só morre nas fases normais se errar um pulo e cair no chão (afinal a eletricidade se dissipa no solo). Senti que faltou um pouco disso no game como um todo.

É fácil relevar esse ponto quando se olha da perspectiva de que é um indie game realmente pequeno, porém é inegável que existem boas ideias aqui e ali que poderiam ter sido aprimoradas. Então acaba que isso se torna uma crítica construtiva também. Importante para que desenvolvedores pensem no que poderia ter sido melhor dentro do game criado.

TurnOn (13)

Um game casual

Afinal o gênero plataforma nem sempre consiste em ter um personagem andando no chão. A ideia de seguir fios elétricos, subindo e descendo por eles, além de ver qual é nível de interação que é permitida ao jogador acaba sendo algo divertido, e meio que é a única recompensa do jogador. É diferente, porém realmente bem simples. Sabe aquele parente que nunca jogou um videogame? Parece ser um game legal para deixá-lo ver como é controlar um personagem interativo, onde você apenas pula ou desce de um fio elétrico para o outro.

TurnOn (9)

Um dos pontos interessantes da jogabilidade é a ausência as vezes da perspectiva tridimensional. O cenário tem profundidade, mas as vezes você pula de um fio que está a frente da tela e vai parar ao fundo do cenário, como se esse mundo de Electro City fosse bidimensional.  Isso cria momentos inesperados onde apenas experimentando e pulando é que o jogador descobre para onde ir. Ainda que tais momentos são bem mais escassos do que eu gostaria.

TurnOn não é um game muito longo. O terminei em 4 horas acirradas, e olha que até joguei devagar, tentando conseguir o melhor ranking em todas as fases (o game libera muitas conquistas no Xbox One, apenas passando de fase com três lâmpadas). Não há qualquer replay após terminá-lo, exceto jogar tudo de novo. Não há novos níveis de dificuldade também.

TurnOn (22)

Assim não é título que posso recomendar para qualquer tipo de jogador, especialmente para quem é hardcore e não tem muito saco com títulos mais simples e casuais. Me parece ser um game bacana para relaxar, para apresentar videogames as crianças ou até mesmo adultos que não pegam nem em controle remoto de televisão. Lembre-se que todo mundo precisa começar no mundo dos games por algum lugar. Não adianta dar algo complicado para uma pessoa não habituada a games que ela vai se assustar e talvez nunca mais jogue nada. TurnOn é um indie game assim, calminho e charmoso, para jogadores casuais, sem o compromisso com o desafio ou grandes puzzles.

Atualmente o game está disponível para Xbox One (29 reais) e Steam (28 reais). Na Steam, que está naquele saldão inacreditável de meio de ano, aquela temporada (até 04 de julho) onde tudo está em promoção lá, o game está saindo por 17 reais. Quem procura algo simples, porém competente e bem feito, vale dar um apoio ao pessoal da Brainy Studio. Aliás esse é um título que ficaria ótimo em tablets, quem sabe os desenvolvedores não pensem nisso mais a frente.

TurnOn (7)

No fim, é um título guerreiro, porque nessa geração onde até mesmo indie games precisam se estapear por atenção, onde precisam render dezenas de horas, gerar fases aleatórias, funcionar com mil recursos, TurnOn corre do lado oposto, apostando no formato mais casual e pela simplicidade. Não é algo que certamente desejo para todo o segmento de indie games, mas respeito o game por ter sua própria identidade e querer falar com um outro público além da galera hardcore.

Mais Imagens!

TurnOn TurnOn (8) TurnOn (6) TurnOn (21) TurnOn (18) TurnOn (16) TurnOn (14) TurnOn (10)

Visualmente há um certo charme
Boa jogabilidade, ainda que bem simples
História é apenas uma ponte para o game funcinar
Faltou fases com mais inimigos e ameaças ao jogador
Bom título casual, bom para crianças pequenas
Fases musicais são divertidas
Curtinho e sem um fator replay significativo

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Isso também pode lhe interessar
Etiquetas

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios