Jogando

Saints Row The Third: O GTA que perdeu o pouco da sanidade que ainda tinha!

Você gostava de barbarizar em GTA, mas ficava sempre com medo da polícia chegar e estragar a sua festa? Seus problemas acabaram, pois a Volition reapresentou a idéia e a THQ assinou embaixo, fazendo com que Saints Row virasse realidade mais uma vez. Para quem não conhece, o primo nem tão distante de GTA começou lá no início da geração com gráficos tímidos e uma jogabilidade ainda por melhorar, mas acompanhado de uma liberdade sem precedentes numa cidade onde tudo o que importava eram as leis de conduta da máfia, mulheres e muito, muito dinheiro.

A fórmula nem tão revolucionária assim deu lucro e gerou mais dois games, Saints Row 2 e o vindouro Saints Row: The Third. A promessa do terceiro game da franquia é a de ser o mais maluco possível até o momento, mas sem nos deixar esquecer de que ainda há uma trama cheia de mafiosos por trás de tudo isso. Dar uma rápida olhada no gameplay não basta, você tem de perder pelo menos uns cinco minutos para decidir se o título é ou não uma cópia descarada de Grand Theft Auto. Para mim, ele bebeu bastante da fonte construída por GTA e resolveu colocar em prática tudo ou quase tudo aquilo que o game da Rockstar não quis mostrar quando teve a chance. Afinal, vai me dizer que em GTA você podia sair por aí executando golpes de WWE em civís, espancando qualquer um com meio quilo de consolo de borracha e ainda sair pra dar uma voltinha na sua aeronave espacial particular enquanto destrói um terço da cidade inteira? Acho que melhor do que isso, só se todos os cenários fossem totalmente destrutíveis.

Saints Row: The Third chega no dia 15 de novembro para PlayStation 3, XBOX 360 e PC e por favor não deixem as crianças na sala verem os vídeos a seguir. Tanques destruindo cidades inteiras nós vemos todo dia na TV, mas pessoas sendo lançadas como bala humana de circo pode ser algo chocante demais né. Usemos a consciência.

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

K o n S a m a

Do ser sem razão a essa explosão de emoção, do preguiçoso leitor ao (meia-boca) escritor, do tímido calado ao ator inquieto, do caminho já traçado à esquina do destino incerto. Tentei me definir, mas sem sucesso. Games, filmes, música, animes, são só o começo desse quebra-cabeça sem nexo.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios