Jogando

Fim de Jogo #04: Professor Layton and the Unwound Future! [Spoiler!] [DS]

Level-5 ensina como fechar uma trilogia com chave de ouro!

É interessante como o final de um jogo pode mudar nossa opinião a respeito do todo. O terceiro Professor Layton, antes dos momentos finais, não me parecia superior ao segundo, que considero ter conseguido superar o excelente primeiro. Os puzzles estão bons como sempre, o gameplay está mais robusto e as cutscenes estão em ainda maior número que no anterior, e o que é melhor, mostrando o passado de nosso querido Hershel, mas… alguma coisa não ressoava na minha cabeça como “Nossa! Está ainda melhor que Diabolical Box!”; impressão que, agora, depois de ver o magnífico (e triste) final, veio a mim em dose cavalar.

A Level-5 conseguiu se superar mais uma vez, e agora que a trilogia acabou, sendo que a próxima se passa antes do primeiro jogo, não sei como vou me conter até que a história volte ao presente e continue de onde parou em Unwound Future. Bom… vamos lá.

A coluna Fim de Jogo foi criada pelo Thiago e, até agora, não contava com a participação de outras pessoas da equipe, mas é bem simples, na verdade. Falamos sobre o último confronto na história, como foi o fechamento de questões abertas, damos nossa opinião sobre o final em si e, preferencialmente, ilustramos com vídeos do YouTube. A coluna é dedicada portanto para aqueles que já fecharam tal jogo. Terá spoilers e muito. Não recomendamos a quem não quer perder a surpresa quando for jogar determinado game.

#04. O fim de Professor Layton 3!

Considerando “final” como o que acontece depois da derrota do Clive, indo por ordem, a primeira coisa digna de menção é a sequência de cutscenes da escapada. É até meio parecida em clima com a que vimos no final do primeiro PL, com Layton escapando da torre com a Flora, mas aqui ele volta é pra salvar a Claire, que, aliás, nos dá a primeira dica de sua identidade ali, na conversa com Clive quando diz “nós, cientistas”. Fiquei muito pasma na hora, e aí, quando ela vê o professor voltando por eles, aquele olhar fez todo um outro sentido. E a comemoração do Paul, vulgo Don Paolo, na cena anterior foi de rir alto, muito boa a participação do antigo (e futuro?) vilão nesse jogo.

Aliás, quando o Laytonmobile está caindo eu fiquei alguns segundos com a respiração presa raciocinando muito rápido pensando em uma possível saída para a situação, e quem foi que nos salvou? Rá! Muito bem bolado aquilo, tenho certeza de que o Thiago ia gostar se tivesse jogado e visto. XD

E aí temos a reunião final e a condenação dos culpados. Não esperava que o Clive fosse o pequeno menino que o Hershel ajudou 10 anos atrás, e comecei a chorar já aí. Contem, me derreti em três momentos nesse final. Foi bom terem colocado a conversa dele com o professor ali, porque era meio irreal todas as facilidades que o suposto vilão dava ao protagonista para frustrar seus planos. Cheguei a cogitar que o motivo fosse esse, um desejo obscuro de que ele o salvasse de si mesmo, mas mesmo isso não seria uma explicação satisfatória não fosse a revelação do encontro anterior dos dois.

Senti falta, nessa parte, de algum tipo de punição ao primeiro ministro. Como explicou Dimitri, o Hawks foi o grande malvado da coisa toda, matando a Claire e fazendo de tudo pra subir na vida, seja pelos meios que fossem, mas saiu ileso e só com uma indireta do inspetor Chelmey. Fiquei com um gostinho amargo, ainda mais com o Clive sendo preso, mas entendo que não havia de fato prova alguma para prendê-lo ou puni-lo, qualquer coisa do gênero. Mas podia ter levado um soco do Layton, ora essa! Ou o Luke podia ter dado um bom chute nele… enfim, não gostei dessa parte.

E aí temos a revelação principal… Celeste é, de fato, Claire. Como disse, eu já tinha meio que descoberto na cena anterior, e ficado tranquila por ver que enfim teríamos um final feliz, mas haha, ingênua eu, não? O choque foram os olhos cheios de lágrimas dela, seguidos da fala “meu tempo aqui está no fim”. Tipo, “Não acredito!! Vão matar a personagem só pra deixar o final triste!!”. Não precisava… é o fim da trilogia, então ela não atrapalharia as aventuras dos jogos seguintes! Não, né, tinham que continuar com o sofrimento do pobre Hershel. Tudo bem, me debulho em lágrimas mas não morro, e vamos em frente.

A cutscene da despedida deles foi o ápice do final, muito, muito triste. Ainda mais depois das outras que vimos durante o jogo com a relação que eles tinham, com o professor se comportando de forma tão nova na frente dela pra quem jogou os outros PL. Ele gritando para que ela não fosse foi de partir o coração, deixando de lado o comportamento tão cavalheiro de sempre, e seu choro só fechou a cena lindamente. Luke estar presente também foi um belo toque da produção. E, claro, nada disso, essa emoção que conseguem evocar, seria possível sem a dedicação que os jogos dessa série têm em relação à dublagem. Só a da Flora ficou ruim nesse jogo (suspeito que tenham mudado a dubladora, ou ela é que não falava muito antes mesmo), então meus cumprimentos, mais uma vez.

Certo… pausa para secar os olhos porque eu nem enxergava mais nada. Ufa, os créditos. Várias telinhas bacanas e engraçadas enquanto os nomes rolavam, e aí somos lembrados de que Luke está de partida com a família. Outra despedida!! Que maldade com os fãs, Level-5, assim já é meio demais. O professor e seu auto-nomeado aprendiz eram… a mesma coisa! Não dá pra imaginar um sem o outro, ainda mais depois dos três grandes mistérios que resolvemos junto deles, e no entanto… ali estão, se separando. O rapazinho tenta se conter, afinal, cavalheiros não dão vexame em público, mas não aguenta e se derrama em lágrimas, “Desculpe, professor, mas ainda não sou um cavalheiro!!”. Muito bonita a cena, e vi, nos comentários do vídeo que coloquei mais abaixo, um pessoal falando que se emocionou bem mais com ela do que com a da Claire. Não foi o meu caso, mas eu entendo, de verdade.

E aí acabou, mas não antes de resolvermos mais um puzzle. A carta do Luke ao mentor deixou um gostinho mais doce, o que foi bom, mas esse mistério do qual ele fala só vai ser resolvido com a terceira (será?) trilogia, e nem o primeiro jogo da segunda foi lançado nos EUA ainda. Fazer o quê. Bom, o vídeo abaixo mostra as últimas falas com Dimitri e Claire (não me perguntem por que deixaram a parte do Clive de fora), a custcene com ela (3:28), os créditos (6:04), a cena com Luke (11:12), o epílogo com a carta dele (12:21), e a ceninha final com Layton em seu escritório olhando pela janela (13:25).

Resolvido o puzzle, a mensagem “Você resolveu todos os puzzles dessa aventura! Parabéns!” apareceu, mostrando que fiz um bom trabalho catando os que faltavam, e agora é me aventurar pelas “casas” da seção bônus. Preciso, afinal, de 5200 picarats para poder rever as cutscenes! E não nos esqueçamos dos Weekly Puzzles. Já foram quatro, mas deve durar ainda quase um ano para que a fonte seque. E que venha Specter’s Flute!

[Créditos da imagem que abre o post à hira-geco lá do deviantART.]

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Dakini

Viciada em RPGs, sejam eles Final Fantasy e Tales of ou Mass Effect e The Elder Scrolls! Fã incondicional de animês e mangás, e ousem criticar meus favoritos sem bons argumentos! Fora isso, podem me chamar de “a dama dos wallpapers”, hahaha.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.