Jogando

Fim de Jogo #04: Professor Layton and the Unwound Future! [Spoiler!] [DS]

Level-5 ensina como fechar uma trilogia com chave de ouro!

É interessante como o final de um jogo pode mudar nossa opinião a respeito do todo. O terceiro Professor Layton, antes dos momentos finais, não me parecia superior ao segundo, que considero ter conseguido superar o excelente primeiro. Os puzzles estão bons como sempre, o gameplay está mais robusto e as cutscenes estão em ainda maior número que no anterior, e o que é melhor, mostrando o passado de nosso querido Hershel, mas… alguma coisa não ressoava na minha cabeça como “Nossa! Está ainda melhor que Diabolical Box!”; impressão que, agora, depois de ver o magnífico (e triste) final, veio a mim em dose cavalar.

A Level-5 conseguiu se superar mais uma vez, e agora que a trilogia acabou, sendo que a próxima se passa antes do primeiro jogo, não sei como vou me conter até que a história volte ao presente e continue de onde parou em Unwound Future. Bom… vamos lá.

A coluna Fim de Jogo foi criada pelo Thiago e, até agora, não contava com a participação de outras pessoas da equipe, mas é bem simples, na verdade. Falamos sobre o último confronto na história, como foi o fechamento de questões abertas, damos nossa opinião sobre o final em si e, preferencialmente, ilustramos com vídeos do YouTube. A coluna é dedicada portanto para aqueles que já fecharam tal jogo. Terá spoilers e muito. Não recomendamos a quem não quer perder a surpresa quando for jogar determinado game.

#04. O fim de Professor Layton 3!

Considerando “final” como o que acontece depois da derrota do Clive, indo por ordem, a primeira coisa digna de menção é a sequência de cutscenes da escapada. É até meio parecida em clima com a que vimos no final do primeiro PL, com Layton escapando da torre com a Flora, mas aqui ele volta é pra salvar a Claire, que, aliás, nos dá a primeira dica de sua identidade ali, na conversa com Clive quando diz “nós, cientistas”. Fiquei muito pasma na hora, e aí, quando ela vê o professor voltando por eles, aquele olhar fez todo um outro sentido. E a comemoração do Paul, vulgo Don Paolo, na cena anterior foi de rir alto, muito boa a participação do antigo (e futuro?) vilão nesse jogo.

Aliás, quando o Laytonmobile está caindo eu fiquei alguns segundos com a respiração presa raciocinando muito rápido pensando em uma possível saída para a situação, e quem foi que nos salvou? Rá! Muito bem bolado aquilo, tenho certeza de que o Thiago ia gostar se tivesse jogado e visto. XD

E aí temos a reunião final e a condenação dos culpados. Não esperava que o Clive fosse o pequeno menino que o Hershel ajudou 10 anos atrás, e comecei a chorar já aí. Contem, me derreti em três momentos nesse final. Foi bom terem colocado a conversa dele com o professor ali, porque era meio irreal todas as facilidades que o suposto vilão dava ao protagonista para frustrar seus planos. Cheguei a cogitar que o motivo fosse esse, um desejo obscuro de que ele o salvasse de si mesmo, mas mesmo isso não seria uma explicação satisfatória não fosse a revelação do encontro anterior dos dois.

Senti falta, nessa parte, de algum tipo de punição ao primeiro ministro. Como explicou Dimitri, o Hawks foi o grande malvado da coisa toda, matando a Claire e fazendo de tudo pra subir na vida, seja pelos meios que fossem, mas saiu ileso e só com uma indireta do inspetor Chelmey. Fiquei com um gostinho amargo, ainda mais com o Clive sendo preso, mas entendo que não havia de fato prova alguma para prendê-lo ou puni-lo, qualquer coisa do gênero. Mas podia ter levado um soco do Layton, ora essa! Ou o Luke podia ter dado um bom chute nele… enfim, não gostei dessa parte.

E aí temos a revelação principal… Celeste é, de fato, Claire. Como disse, eu já tinha meio que descoberto na cena anterior, e ficado tranquila por ver que enfim teríamos um final feliz, mas haha, ingênua eu, não? O choque foram os olhos cheios de lágrimas dela, seguidos da fala “meu tempo aqui está no fim”. Tipo, “Não acredito!! Vão matar a personagem só pra deixar o final triste!!”. Não precisava… é o fim da trilogia, então ela não atrapalharia as aventuras dos jogos seguintes! Não, né, tinham que continuar com o sofrimento do pobre Hershel. Tudo bem, me debulho em lágrimas mas não morro, e vamos em frente.

A cutscene da despedida deles foi o ápice do final, muito, muito triste. Ainda mais depois das outras que vimos durante o jogo com a relação que eles tinham, com o professor se comportando de forma tão nova na frente dela pra quem jogou os outros PL. Ele gritando para que ela não fosse foi de partir o coração, deixando de lado o comportamento tão cavalheiro de sempre, e seu choro só fechou a cena lindamente. Luke estar presente também foi um belo toque da produção. E, claro, nada disso, essa emoção que conseguem evocar, seria possível sem a dedicação que os jogos dessa série têm em relação à dublagem. Só a da Flora ficou ruim nesse jogo (suspeito que tenham mudado a dubladora, ou ela é que não falava muito antes mesmo), então meus cumprimentos, mais uma vez.

Certo… pausa para secar os olhos porque eu nem enxergava mais nada. Ufa, os créditos. Várias telinhas bacanas e engraçadas enquanto os nomes rolavam, e aí somos lembrados de que Luke está de partida com a família. Outra despedida!! Que maldade com os fãs, Level-5, assim já é meio demais. O professor e seu auto-nomeado aprendiz eram… a mesma coisa! Não dá pra imaginar um sem o outro, ainda mais depois dos três grandes mistérios que resolvemos junto deles, e no entanto… ali estão, se separando. O rapazinho tenta se conter, afinal, cavalheiros não dão vexame em público, mas não aguenta e se derrama em lágrimas, “Desculpe, professor, mas ainda não sou um cavalheiro!!”. Muito bonita a cena, e vi, nos comentários do vídeo que coloquei mais abaixo, um pessoal falando que se emocionou bem mais com ela do que com a da Claire. Não foi o meu caso, mas eu entendo, de verdade.

E aí acabou, mas não antes de resolvermos mais um puzzle. A carta do Luke ao mentor deixou um gostinho mais doce, o que foi bom, mas esse mistério do qual ele fala só vai ser resolvido com a terceira (será?) trilogia, e nem o primeiro jogo da segunda foi lançado nos EUA ainda. Fazer o quê. Bom, o vídeo abaixo mostra as últimas falas com Dimitri e Claire (não me perguntem por que deixaram a parte do Clive de fora), a custcene com ela (3:28), os créditos (6:04), a cena com Luke (11:12), o epílogo com a carta dele (12:21), e a ceninha final com Layton em seu escritório olhando pela janela (13:25).

Resolvido o puzzle, a mensagem “Você resolveu todos os puzzles dessa aventura! Parabéns!” apareceu, mostrando que fiz um bom trabalho catando os que faltavam, e agora é me aventurar pelas “casas” da seção bônus. Preciso, afinal, de 5200 picarats para poder rever as cutscenes! E não nos esqueçamos dos Weekly Puzzles. Já foram quatro, mas deve durar ainda quase um ano para que a fonte seque. E que venha Specter’s Flute!

[Créditos da imagem que abre o post à hira-geco lá do deviantART.]

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Dakini

Viciada em RPGs, sejam eles Final Fantasy e Tales of ou Mass Effect e The Elder Scrolls! Fã incondicional de animês e mangás, e ousem criticar meus favoritos sem bons argumentos! Fora isso, podem me chamar de “a dama dos wallpapers”, hahaha.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios