LendoReflexões & Opiniões

Disney Gigante | Com 240 páginas (!!) e HQs em PRETO & BRANCO (!!), nova revista Disney promete impressionar!

A notícia caiu igual uma bomba pra mim, fã e colecionador Disney. Fiquei o dia todo pensando neste post e ainda não achei a forma correta de me expressar por aqui. Mas não quero adiar de comentar sobre essa novidade por aqui pra mais um dia. Acho que o melhor é começar pela notícia em si, certo? A Editora Abril pretende lançar até o final deste mês de Abril, ou no máximo no próximo mês, uma nova revista, chamada Disney Gigante. Notícia dada com exclusividade pelo site Planeta Gibi, entre outras novidades (veja aqui) que irei abordar futuramente aqui no blog.

pb11 pb12

Qual o diferencial desta nova publicação? Ela será em formato enorme, daí o “gigante” no nome (dã), de 21cm x 30cm. Fabulosas 240 páginas! Lombada quadrada, já que não há grampo que segura um volumão destes e, a principal atração dessa revista será que todo o seu conteúdo, ou seja, todas as HQs que ela trará serão em preto e branco! Para servir de exemplo, este post está inteiramente recheado de quadrinhos Disney sem cores, não necessariamente das HQs que estarão presentes no volume (catei as imagens no Google mesmo).

Mas sem cores é melhor? Não existe uma resposta correta para isso. É claro que os leitores das revistas atuais Disney estão acostumados a ler as histórias coloridas, mas isso não significa que o preto & branco seja ruim. Os mangás, sucesso no Brasil, já provaram esse ponto de vista há muitos anos atrás. Uma comics sem cores realmente realça o trabalho do desenhista, seu traço e todos os detalhes que as vezes as cores não permitem que você veja com precisão ou não o permitem prestar atenção. Tanto é que muitos países mudam as cores dos personagens e dos cenários, por exemplo, o Peninha que na Itália possui roupa vermelha e aqui no Brasil temos a famosa camisa amarela e gorro vermelho, até o Peninha usando um roxo-rosado já vi lá na Europa.

Quadrinhos em preto & branco também dão mais seriedade a obra, mesmo que ela seja infantil. Me lembro de um caso ano passado onde mostrei no twitter um página de uma HQ brasileira em preto e branco e os seguidores que estavam on-line no momento, elogiaram o traço e ficaram interessado em saber mais. Momentos depois eu mostrei a mesma página, colorida e finalizada para a publicação e a reação de quem estava on-line no momento foi “ah, em preto e branco estava melhor, dava um ar mais sério, mais sombrio para a página“. Isso é só um mero exemplo, como o trabalho sem cores está em alta por aqui. Eu mesmo achei o máximo ficar procurando HQs Disney sem cores ao longo do dia de hoje para ilustrar o post. Aumente a página da HQ do Mickey que abre este post, e veja com atenção o traço, o brutamentes com a espada e até mesmo a feição no rosto do Mickey. Não fica show sem cores?

Lembrando que na década de 40/50 quando os quadrinhos Disney estavam começando a criar forma, muitos lugares do mundo, inclusive o Brasil, publicavam as histórias sem cores, dada as dificuldades da época para colorir um monte de páginas em revistas periódicas, sem mencionar o custo.

Ainda tenho alguns pontos importantes a respeito de quadrinhos preto e branco, sobre o formato escolhido pela a Abril e sobre como essa publicação pode ser fabulosa por aqui, caso a Abril consiga dar periodicidade a mesma, já que por enquanto, Disney Gigante será uma edição especial apenas). Tenho também um apelo para fazer a quem não tem o hábito de ler estes quadrinhos, mas sempre esperou uma oportunidade para dar uma chance e talvez mudar de ideia quanto a este universo. Vamos continuar a conversa depois do continue?

pb03

Potencial para algo diferente? Vocês deve se lembrar que uma das minhas principais reclamações aqui no blog é a respeito de não haver espaço para mais HQs inéditas Disney aqui no Brasil. As mensais possuem poucas páginas, e quase todo o resto é de republicação, com uma ou outra história inédita. Até rolou no final do ano passado aqui no Portallos uma tentativa de comoção, através de uma enquete (aqui o link), para mostrar para a Editora Abril de que os leitores querem mais espaço para quadrinhos inéditos! (alias 200 votos, não é um número alto, mas eu considero uma “alta participação dos leitores”, tendo em vista que o baixo público deste tipo de quadrinhos na internet, algo que estamos mudando aos poucos, ou ao menos gosto de pensar.

Um dos pontos mais debatidos pelos leitores, a respeito de uma revistona de um farto números de páginas, seria o custo dela, já que a Abril já disse algumas vezes, que material novo, é mais caro e isso inflaciona o preço de revistas de muitas páginas. Precisaria ser uma revista que não competisse diretamente com as edições mensais, fazendo as vendas sair de um lugar para outro. O público tem que aumentar e não apenas migrar de uma publicação para outra.

Colocado estes pontos de vista, particulares meus (não posso dizer que essa é a visão oficial da Abril, é claro), fica claro que Disney Gigante está tentando algo com um enorme potencial. Ela não concorre diretamente com as publicações de inéditas já existentes, mesmo que possua tal material.  Na verdade é um tipo de publicação que parece vir a somar na linha atual, além de almejar ampliar o público Disney e não apenas agradar os já existentes.

pb08 pb10

Imagine se Disney Gigante dá certo e a Abril começa a trazer mais material inédito ao Brasil por conta dela? Claro que isso não afeta a qualidade das edições mensais, pois elas continuariam recebendo o melhor do melhor das HQs produzidas pelo mundo. Mas Gigante permitiria que mais materias pudessem aparecer por aqui, além de que quando forem republicar tais histórias, daqui alguns anos,  em formatinho, nas revistas que conhecemos, elas teriam um diferencial que as atuais republicações não tem: elas seriam republicadas em cores pela primeira vez.

Baixo custo? Outra vantagem desta publicação, a meu ver, é o baixo custo que ela pode vir a representar. Infelizmente o preço da revista ainda não foi revelado, mas eu tenho certeza que não será nenhum absurdo. Acredito que deve ser ainda mais barato do que especulo (e não revelarei qual a minha especulação neste momento). A Editora não tem custo para mandar recolorir as novas HQs por aqui (e parece que eles sempre mandam, ou boa parte) e os custos com gráfica para prensar uma revista sem cores, também é menor (acredito), pois é de conhecimento público que imprimir qualquer coisa em cores por aqui é muito mais caro. Então se essa iniciativa funcionar, os leitores ganham uma revista de duas centenas de páginas, espaço de sobra para HQs que até hoje não puderam sair por aqui por falta de espaço, e o preço acaba sendo muito menor do que pagariamos se ela fossem em cores. Vai me dizer que não vale a pena?

pb06 pb04

 Conteúdo de Disney Gigante #1 e algumas críticas: Conforme mencionei lá no começo do post, o responsável pela revelação desta revista, o Planeta Gibi, também revelou o conteúdo da primeira edição da nova revista. Segundo eles, a revista irá reproduzir integralmente o volume #4 de I Giganti Di Topolino (inducks), publicação italiana que possivelmente serviu como base para a Abril criar sua primeira versão por aqui.

Entretanto o Edenilson Rodrigues, um dos donos do Planeta Gibi, entrou em contato comigo agora a noite, e me contou que o inducks está com a edição indexada com informações erradas (tem histórias a mais no link). E me passou quais serão as histórias que devem parecer em nossa Disney Gigante #1. São 5 inéditas e 1 republicação, totalizando as 240 páginas. As histórias são:

  • Macchia Nera e il buon vicinato (34 págs) (2004) (Inducks)
    Roteiro: Alberto Savini / Desenho: Giorgio Cavazzano / Arte-final: Sandro Zemolin
  • Gambadilegno e la banda dei convegnisti (32 págs) (2000) (Inducks)
    Roteiro: Silvano Mezzavilla / Desenho: Roberto Vian
  • Gambadilegno e il tesoro di Ululoa (60 págs) (1997) (Inducks)
    Roteiro: Silvano Mezzavilla / Desenho: Silvio Camboni
  • I Bassotti e la lontananza pericolosa (36 págs) (1996) (Inducks)
    Roteiro: Giorgio Figus / Desenho: Marco Mazzarello
  • Topolino e il fantomatico ritorno di Macchia Nera (33 págs) (1980) (Inducks)
    Roteiro: Rudy Salvagnini / Desenho: Massimo De Vita

Estas acima, obviamente são as inéditas, por isso o nome no original em italiano. A única republicação da edição será:

  • Mickey e os Os Senhores das Marés (40 págs) (2002) (Inducks)
    Roteiro: Carlo Panaro / Desenho: Roberto Vian
    Publicado por aqui em Aventuras Disney #15 em 2006

Aqui cabe uma crítica, já que não dá só para ficar elogiando. Mas a Abril deveria ter um cuidado maior com a seleção de história de uma publicação assim, ainda mais o seu primeiro número. Duas das histórias inéditas, tem como protagonista o João Bafo de Onça, vilão do universo do Mickey. Ambas as histórias são do Bafo e nem contam com a participação do Mickey. E das seis histórias que estarão no volume, apenas uma pertence ao universo dos patos, uma com o Tio Patinhas e os Metralhas. Sacanagem, não? Não que o Mickey não mereça, mas podia ser uma edição mais equilibrada, meio a meio, agradando assim um público maior é claro.

Espero que isso não prejudique o ânimo dos fãs para adquirir a primeira edição, pois como todos sabem que para a publicação dar certo, é preciso que ela venda e supere as expectativas. Se encalhar nas bancas ou não vender o quanto a editora espera na primeira edição, nem pensam em uma segunda revista. Por isso fica o meu apelo. Quando mais detalhes forem revelados, quando soubermos o preço e tudo mais, se você puder, compre a revista! Dê uma ajuda! Mesmo que você não seja fã alias, pois esta será uma revista única, diferente de qualquer outra revista Disney já publicada por aqui, então pode ter certeza que esta edição, ainda que ganhe suas sequências, ao menos a primeira edição custará um bom valor em alguns anos. Fica a dica!

pb01 pb05

Obs: Esqueci de dizer, mas apesar destas HQs em P&B terem potencial para atrair um público mais adulto, acredito que a criançada deve adorar uma revista gigante cheia de quadrinhos para colorir. XD

Obs II: Posso estar enganado, mas todas as páginas e ilustrações deste post, pertencem ao italiano Giorgio Cavazzano. Talvez uma ou outra seja do Romano Scarpa, pois as antigas, o traços de ambos são parecidas, já que Cavazzano foi aprendiz de Scarpa.

Obs III: Aqui lanço um desafio, você consegue identificar todas as histórias mostradas nas ilustrações e páginas de HQs da matéria? Uma ou outra eu consigo, mas tem algumas que não faço ideia de qual seja…

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e criador do saudoso (e extinto) Fórum NGM. Tenho 35 anos, sou formato em Direito, e vivo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Gosto de escrever e sempre estou sem tempo.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.