Crítica | X-Men: Primeira Classe – Eu Fui!

Atualmente nesse mundinho onde as informações são tão abundandantes, é cada vez mais difícil nos supreendermos com algo. Especialmente quando não se sabe como filtrar essas informações. Usando um antigo jargãoo, é necessário separar o joio do trigo. Essa seleção foi determinante para que meu entusiasmo com X-Men: Primeira Classe fosse estivesse sempre em alta, e fiquei muito feliz em constatar que o patinho feio dos blockbusters desse ano se tornou um dos mais belos filmes de super-heróis já feito!

Muitos diziam que o filme viria a ser a piada do ano. Muitos “videntes” afirmavam que seria a grande decepção do ano. E até que eles tinham alguns motivos que os ajudassem a apoiar essa linha de raciocínio. A produção de X-Men: Primeira Classe seria feita à toque de caixa, somente para que a Fox não perdesse os direitos sobre a franquia por deixá-la inativa. Um orçamento limitado, um diretor ainda em começo da carreira, um elenco igualmente desconhecido…

Outros fatores (como a intervenção dos produtores da Fox nos rumos de X-Men Origens: Wolverine, e uma precipitada produção de X-Men: O Confronto Final) meio que “contaminaram” público e crítica, e a maioria esperava pelo pior. Nas listas de prováveis melhores blockbusters de 2011, até o Lanterna Verde perdia a condição de lanterna para o X-Men: Primeira Classe.

Eu, por outro lado, sempre defendi o filme. Afinal, Bryan Singer estava de volta, ainda que como apenas o produtor, sua presença me tranquilizou. Singer não é um diretor excepcional como um todo, mas costuma explorar muito bem a maneira como os personagens interagem entre si, um ponto crucial em se tratando de algo relacionado ao X-Men, e essa habilidade de Singer foi uma das maiores qualidades dos dois primeiros filmes da franquia.

Quando foi anunciado que Matthew Vaughn ia dirigir a nova aventura dos mutantes, o meu hype foi colocados nas alturas. Anteriormente cotado para dirigir o terceiro filme dos X-Men, o nome de Vaughn se tornou poderoso após sua genial adaptação de outro sucesso da Marvel, Kick-Ass. Com Singer e Vaughn no time, eu tinha a certeza que algo muito bom seria feito.

A Fox até que tentou “sabotar” o filme, inestindo pouco dinheiro no filme e fazendo uma campanha de marketing inicial grotesca, quase tão ruim quanto à feita pela Warner com o Lanterna Verde. Mas foi um tiro que saiu pela culatra, pois esses dois fatores foram importantes para melhorar o filme, por mais estranho que isso possa parecer.

O orçamento limitado fez com que não fosse possível investir em efeitos de computação gráfica mirabolantes. Os efeitos deveriam ser em sua maioria práticos e funcionais, deixando que o roteiro se focasse mais na atuação dos personagens, na relações entre eles, e não em contínuas exibições das habilidades mutantes. Isso foi interessante, já que o ambiente do filme é os anos 60, e isso tudo ajudou a passar melhor a sensação de estarmos vivendo nessa década. Um filme mais cru, onde a história é a grande estrela.

Tenho ouvido muito muito que o filme é uma espécie de filme de espionagem temperado com ficção científica e drama. E é bem por aí mesmo, por mais estranho que isso possa parecer. E justamente a questão das estranhezas é um belo foco no filme. Mais do que nos filmes anteriores, os personagens se sentem estranhos e possuem formas diferentes de lidar com suas digamos, “diferenças”, e aí o filme brilha e muito, aprsentando personagens interessantes e que vão se desenvolvendo, evoluindo com o desenrolar dos fatos. Os personagens interagem entre si e com a história, e isso dá ao filme uma tônica espetacular. Imersão e realidade em um filme sobre pessoas com habilidades incríveis se tornou algo tangível, finalmente.

A dupla de protagonistas carrega o filme nas costas, com atuações de altíssimo nível, ofuscando até mesmo aquilo que já vimos deles em filmes nos filmes anteriores. Temos um Magneto e um Professor X muito melhores aqui, e isso não é pouca coisa, tendo em vista os nomes dos atores que fizeram esses papéis quando eram dois velhos amigos. Michael Fassbenber rouba a cena fazendo um Magneto pelo qual torcemos, e James McAvoy por sua vez nos apresenta um Prof. X que todos do qual todos queremos ter como amigo.

Até Kevin Bacon convence como um vilão egocêntrico e sem medo de se assumir como alguém que realmente quer tocar o terror e moldar o mundo da maneira que acha melhor ser. Jennifer Lawrence nos mostra uma Mística pela qual sentimos uma empatia logo de cara, sua fragilidade e candura impressionam, Nicholas Hoult e seu Fera também ficou legal. Os demais personagens não estão no mesmo nível destes que citei, mas nada comprometedor, digo apenas que eles são funcionais dentro da trama.

Diversas referências aos filmes anteriores, ao universo mutante, disso eu gostei; pena que Stan Lee não pôde fazer sua habitual participação aqui. Mas deram um jeitinho e conseguiram incluir uma outra aparição muito interessante, um dos momentos mais cômicos do filme. Falando nisso, é impressionate como esse X-Men é um filme sério, com um clima realista. Isso é dino de nota.

Bem, X-Men é um filme com um roteiro amarradinho, bem fechado, pontuado com atuações sensacionais, trazendo uma qualidade os filmes de super-heróis ainda melhor e tão impactante quanto o queridinho Batman: O Cavaleiro das Trevas. Sem dúvidas, afirmo que X-Men: Primeira Classe merece figurar na lista de melhores em seu gênero, é o filme do ano até agora, e não é à toa que até os críticos mais chatos estão elogiando, e basta uma rápida consulta ao twitter para vermos que o público também adorou essa incrível adaptação.

X-Men: Primeira Classe, é um filme de Primeira Classe!

Ficha Técnica

Título Original: X-Men: First Class
Diretor:
Matthew Vaughn
Roteiro:
Byan Singer/Matthw Vaughn
Gênero:
Aventura
Elenco:
Michael Fassbender, James McAvoy, Kevin Bacon, Jennifer Lawrence, January Jones
Estréia nacional:
03/06/2011
Duração:
132 minutos

 

Isso também pode lhe interessar

31 Comentários

  1. Admito que agorame deu mais interesse em ver, prefiro muito mais história do que a a apresentação de poderes mirabolantes!  Efeitos especiais são bons; mas roteiro é a chave de um bom filme!

  2. Admito que agorame deu mais interesse em ver, prefiro muito mais história do que a a apresentação de poderes mirabolantes!  Efeitos especiais são bons; mas roteiro é a chave de um bom filme!

  3. Assisti ontem também e, como você, gostei. É um filme mais inteligente do que a média de filmes de herói e, de longe, o melhor da franquia X-Men — e olha que depois do fundo do poço que foi o filme do Wolverine eu achava que esse título ficaria eternamente com X2.

    Porém, cabem algumas ressalvas. Magneto ficou legal, mas reparou numa semelhança com alguém? Poxa, é o Wolverine dos anos 60. Canastrão, inconsequente, carismático. Eu não sei se nos gibis daquela época ou contemporâneos ele é assim (não leio gibis), mas senti falta de um pouco mais de seriedade quando lembrava da personalidade que conhecemos do personagem de outros filmes e desenhos. Por outro lado, esse estilo deu equilíbrio ao “bom mocismo” do Xavier.

    Ok, esqueçamos as origens. Ponto para Magneto.

    Mas a praga de todos os X-Men se fez presente: o batalhão de personagens secundários dispensáveis. Por que a Fox/Marvel enfia tantos em todo filme? Vender boneco articulado? Ajudar a compôr os pôsteres do filme? No clímax do filme, no confronto triplo entre Magneto, Professor X e Shaw, aquele monte de cortes para outras batalhas dos coadjuvantes me incomodou bastante. Danem-se eles, ora! 😀

    Apesar dos pesares, é um filme ótimo. Agora é esperar um Primeiro Classe de raíz, baseado no gibi homônimo (esse eu li!), estrelado pela primeira turma do Instituto Xavier.

    []’s!

  4. Assisti ontem também e, como você, gostei. É um filme mais inteligente do que a média de filmes de herói e, de longe, o melhor da franquia X-Men — e olha que depois do fundo do poço que foi o filme do Wolverine eu achava que esse título ficaria eternamente com X2.

    Porém, cabem algumas ressalvas. Magneto ficou legal, mas reparou numa semelhança com alguém? Poxa, é o Wolverine dos anos 60. Canastrão, inconsequente, carismático. Eu não sei se nos gibis daquela época ou contemporâneos ele é assim (não leio gibis), mas senti falta de um pouco mais de seriedade quando lembrava da personalidade que conhecemos do personagem de outros filmes e desenhos. Por outro lado, esse estilo deu equilíbrio ao “bom mocismo” do Xavier.

    Ok, esqueçamos as origens. Ponto para Magneto.

    Mas a praga de todos os X-Men se fez presente: o batalhão de personagens secundários dispensáveis. Por que a Fox/Marvel enfia tantos em todo filme? Vender boneco articulado? Ajudar a compôr os pôsteres do filme? No clímax do filme, no confronto triplo entre Magneto, Professor X e Shaw, aquele monte de cortes para outras batalhas dos coadjuvantes me incomodou bastante. Danem-se eles, ora! 😀

    Apesar dos pesares, é um filme ótimo. Agora é esperar um Primeiro Classe de raíz, baseado no gibi homônimo (esse eu li!), estrelado pela primeira turma do Instituto Xavier.

    []’s!

    1. Cara, se tivessem poucos X-Men secundários, não seria X-Men! Um filme dos X-Men TEM QUE TER muitos mutantes.

      De resto eu concordo com você =)

      1. Ter muitos coadjuvantes tudo bem, o problema é “distribuir o peso” entre eles. Como no exemplo que citei, da luta final. Ora, eu não quero ver Banshee vs. Angel (não era para ser um homem?), quero ver Professor X e Magneto. Muitas interrupções quebrando o clímax, muitos confrontos previsíveis, tudo excessivamente amarrado para um pretenso quebra-pau épico entre mutantes.

        O ápice desse problema foi na briga Ryu-Ken, digo, Pyro/Homem de Gelo no The Last Stand. Aquela tosquice é outro bom exemplo de como essa abordagem prejudica os filmes dos X-Men…

        []’s!

        1. Bem, sobre The Last Stand eu até concordo… Mas eu acho que, em First Class, uma luta de Professo X e Magneto ainda não era cabível. Afinal, apenas no fim do filme é que os dois acabam por escolher caminhos diferentes. E, ainda assim, não batem de frente: um aceita bem a escolha do outro e se dividem ainda como amigos.

          Talvez no próximo filme (ouvi dizer que haverá uma continuação pra esse, estou certo?) haja uma luta melhor entre os dois.

          P.S: uma coisa me incomodou um pouco, espero que alguém entendido possa me explicar. Afinal, esse filme ignora ou não a trilogia original? Porque várias coisas batem bem e fazem ótimas referências, enquanto outras… Por exemplo, o Hank faz uma ponta como um humano normal em X-Men 2 durante um telejornal; o Professor X aparece andando no flashback de X-Men 3, quando vai recrutar a Jean Grey.

          Eu sei que “Origins: Wolverine” não vai contar como parte da cronologia (daí o Xavier em pé no final não faz diferença nenhuma), mas e a trilogia? Também foi apagada?? oO

          1. Quando me referi ao Professor X e Magneto, era sobre a luta deles contra o Shaw. Não cabia mesmo uma luta entre os dois nesse filme 🙂

            E sobre a ligação com os outros filmes, até onde eu sei e li por aí a ideia da Fox é interligar todos. Tem essas pontas soltas, mas acho que são detalhes que dão para ignorar.

            []’s!

          2. É muito difícil considerar esse filme um reboot, tendo em vista a imensa quantidade de coisas que têm grande relação com a trilogia original. Wolverine, a mansão, a roupa do Magneto, a cena inicial, etc, etc…

            Além disso, a trilogia não teve filmes ruins. Claro que – pelo menos na minha opinião – os dois primeiros filmes não chegam no patamar de Homem de Ferro e First Class, mas continuam sendo ótimos filmes. The Last Stand não foi lá grandes cosias, mas ele consegue fechar a história sem falhar muito…

            Seria uma pena se esses 3 filmes fossem ignorados =/

          3. Tem que ingonrar sim!! Aqueles 4 filmes(contando com o do wolverine) eram uma m**** tão grande que entupiram a privada na hora que foram dar a descarga.

            Eu adorei o First Class e pra mim podiam usar esse filme como reboot da franquia e continura daqui em diante, com certeza serai muito melhor pra franquia e para a nossa mente na hora de absorver porcarias como os filmes anteriores.

          4. Sei lá, eu gostei dos dois primeiros filmes. Eles não chegam aos pés de um Homem de Ferro da vida, mas são bons filmes. Além disso, com tantas coisas puxadas dessa trilogia, acho muita sacanagem isso ser um reboot.

            Se querem fazer um reboot, façam direito! Nenhum ator da franquia passada, nenhuma roupa igual, nenhuma história idêntica, NADA igual. No entanto, quase tudo é igualzinho aos outros filmes… Não parece nada com um reboot, parece apenas um simples prologo.

            E que prólogo! xD

    2. Magneto e Wolverine são dois personagens que compartilham de experiências parecidas em sua vida: perderam os pais ainda quando crianças, perderam amores, perderam pedaços de sua vida. Ambos eram homens que agiam de maneira selvagem, destrutiva. Quando você diz que Erik lembra Logan, é bem por aí mesmo, são dois homens cujas vidas tiveram muito sofrimento em seu início, e hoje buscam sua redenção.

  5. Tb vi o filme neste sábado, admito que não estava com muitas expectativas sobre ele, e talvez por isso o filme tenha me surpreendido tanto, filmaço! Agora lendo o post no trecho que diz que a FOX tentou boicotar o filme por pura incompetência – É aí que eu me pergunto, será que FOX têm alguma coisa contra os filmes de heróis “dela mesma” ficarem bons? Só pode! E ainda bem que First Class fugiu à regra. Ainda bem…

  6. Nossa,isso é muito engraçado.Eu fui na estréia sem a menor expectativa,que surpresa esse filme foi.Acho que foi de longe um dos melhores filmes de super heróis dos últimos tempos,muitooo melhor que Thor e Iron Man 2,na minha opinião.

  7. Esse filme me surpreendeu, quase não assisti.
    Detesto todos os filmes dos x-men, com excessão do filme do wolverine, que acho bom!
    First Class é muito bom, e o que salva é que as roupas nos poster de power rangers só aparecem no finalzinho e nem parecem tanto os power rangers rsrs!
    O que torna o filme bom, a meu ver, é o “carisma” que o tema da segunda guerra tem, não tem quem não se envolva com as injustiças e apoie os sentimentos das vítimas.
    Fora isso, a forma do magneto e X pensarem sobre o mesmo tema cria espaço para discussões pós sessão!
    Não considero um filme digno de ficar lado a lado com cavaleiros das trevas!
    mas First Class, a meu ver, fica muito bem ao lado de iron man, thor (que foi bom sim!)!
    ele deixa no chinelo os X-men anteriores!

  8. Vou ser sincero… eu prefiro filme do Origens do que os três filmes dos X-man…   todos foram muito ruins…  mas gostei muito desse Primeira Classe…

    Eu preferia muito ver um time que eu acho mais que foi a primeira equipe dos X-man: Ciclope, Jim Gley, Fera, Homem de Gelo, Anjo…   (alguem me corrija se estiver errado)
    mas esse filme foi muito mais além, achei muito bacana, uma historia que prende todos. Pode não ser aquela coisa… mas foi muito bacana e no final, alias… foi um otimo final.

    Muito bom mesmo… é o melhor da franquia até o momento.
    Doido pra ver os Vingadores! *-*

  9. Eu simplesmente amei o filme, depois de ver o que ocorreu com Thor e com o Green Lantern, sem dúvida é o melhor filme do ano, até agora.

    [Spoiler] Assisti ele a duas semanas atrás e ainda consigo me lembrar o quão espantado fiquei na cena final da pré “guerra mundial”. Erik desviando o tiro e sem querer acertando em Xavier, pqp, fiquei sem palavras. Foi uma cena perfeita. [Spoiler off]

    E como alguns comentários ja mencionam, espero que o Avengers me surpreenda ainda mais.

  10. Mordi minha lingua sobre esse filme 8D
    Havia comentado sobre ele na coluna do super heroi do dia e que nao tinha a menor expectativa sobre X men First

    Tem aquela historia de que grandes expectativas podem gerar decepçoes mas quando voce nao espera nada e é surpreendido com qualidade é algo bem melhor XD

    Fui no cinema totalmente descrente sobre esse filme e quando dei por mim ja estava la preso nessa otima historia sem nem piscar em alguns momentos

    Sem duvida foi o melhor x men ja feito (pra mim) e conseguiu inverter o quadro de filme que nao estava afim de ver para meu segundo filme de super heroi favorito perdendo somente para o batman

    Acho que o unico defeito do filme foi talvez devido ao baixo orçamento que os efeitos especiais ficaram meio precarios sei la mas isso se torna mero detalhe perto dessa perola 8D

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.