E3 2019JogandoReflexões & Opiniões

BioShock Infinite: Fantástico Demo Exclusivo da E3 2011 Divulgado ao Público! [PS3/X360/PC]

Against the Foreign Hordes!

Ken Levine parece ter aprimorado uma fórmula que já tinha atingido o sucesso com maestria. Grande mudança elevar-se do profundo oceano e encontrar entre as nuvens o paraíso, excepto que esse paraíso não é literal, nem tranquilo, mas violento, radical, enlouquecedor e uma cúpula de pensamento e reflexão filosófica cheia de nacionalistas desafiada a ser arrebentada para deixar respirar o interior.

Daquilo que fora mostrado na E3 2011 no que diz respeito ao game que revoluciona a franquia BioShock de certo modo, já conhecíamos a maioria das inovações, da nova ideologia, a proposta em si. E há meses quando postei pela primeira vez sobre o jogo da Irrational Games e até o Theo postou em seguida a primeira demonstração do gameplay, o entusiasmo estava palpável aos olhos. Vem com atraso, todavia com agrado pessoalmente exprimido, o demo de BioShock Infinite partilhado apenas com a imprensa/mídia na E3 2011.

Perfeito! Fantástico! Brilhante! Julgando pelos outros BioShock, o cenário e o ambiente mudaram, porém se manteve aquele espírito próprio da franquia, razão suficiente para que o jogo, embora apresente uma abordagem bem diferente, conserve no título “BioShock”.

Primeiro, achei genial a relação entre Booker e Elizabeth, bem como os diálogos de cada um deles, parecem tão… humanos. A cidade suspensa que flutua no céu, Columbia, também está mais interessante que Rapture. Não vou criar uma disputa entre elas, pertencem a abordagens distintas, prefiro antes gostar de ambas. Entretanto, notei que em Columbia há uma liberdade muito maior. Principalmente, fiquei admirado com o realismo dos elementos, sejam animados ou inanimados, que constituem e preenchem os espaços. Depois, a flexibilidade que permite alternar entre espaços interiores e exteriores conquistou a atenção.

Mais algumas observações

O gancho também deixou as minhas expectativas satisfeitas. Aparentam úteis (para as fugas, basta pensar rápido em como usar o ambiente ao seu favor), fáceis de usar, criativos e conectivos. A sensação de se jogar no ar para agarrar posteriormente em algum trilho atrai bastante. E o aspecto mais inovativo, na minha opinião, é a capacidade de Elizabeth em moldar o mundo criando objetos inexistentes sob a nossa orientação. Estratégia que modifica o ambiente. Isso altera muito positivamente a jogabilidade.

Ah! O Songbird cativa muito mais do que os Big Daddies, transmitem também uma maior proximidade da forma de sentir e pensar dos seres humanos. Fora tudo isso, os “poderes” de Booker convencem a acreditar no conceito de um novo BioShock por completo. Os confrontos se tornam mais complexos, mais explosivos, mais dinâmicos e agitados. Retirar a gravidade para matar os agressores enquanto flutuam lentamente no ar me fez querer assumir o controle.

BioShock Infinite lança ao ar uma civilização ultra-nacionalista, louca, questiona o poder e o nacionalismo, o grau saudável do amor pela pátria, as características humanas e inclusive as relações humanas. Para mim, o demo aumentou as probabilidades de que eu adquira o game no futuro.

BioShock Infinite será publicado em 2012 para PC, PS3 e X360. Falta só mais uns longos meses.

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Araphawake

Gamer de nascença, entusiasta do YouTube, cinéfilo e sobrevivente de The Walking Dead. Adoro livros e penso demais nas coisas. Na vida pessoal sou extremamente nostálgico e exagerado. Quem não me compreende ou conhece pode achar que sou antipático.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.