Acabou o fôlego dos Novos 52?

Liderança do mercado de HQ americano volta para a Marvel!

Pois é, a onda do reboot da DC começou a perder a força em menos de quatro meses depois de seu início. Em novembro a liderença da DC frente à Marvel já era pequena, bem difrente do cenário de Outubro, quando a DC ostentava 50,97% em HQ’s vendidas, um resultado incrível para a editora, depois de décadas na vice-liderança.

Em dezembro, a DC ficou com 37,72% enquanto a Marvel reassumiu sua tradicional liderança com 39,05%. É uma margem pequena, ainda longe dos 10% de diferença que havia antes do reboot, mas é o suficiente para o sinal de alerta soar forte nos escritórios da DC.

Se o percentual da DC cair mais, há quem diga que um novo reboot pode ser feito, mas dessa vez somente com os títulos que não vingaram. E disso eu não tenho dúvidas, já que a ordem do reboot partiu da Warner (a dona da DC) pois ela quer ver a DC andando com suas próprias pernas e faturando no azul sem depender de brinquedos, jogos, filmes, animações e afins.

E já nesse começo do ano a Marvel está publicando Vingadores vs. X-Men, o suficiente para dominar a atenção e melhorar ainda mais a sua posição. Sem contar que os filmes do Motoqueiro Fantasma, Homem-Aranha e Vingadores estão cada vez mais próximos. Já para o lado da DC só há o final da trilogia do Batman e nas HQ’s não há nada de bombástico previsto, já que a intenção dela é a princípio evitar grandes sagas e crossovers e investir em arcos curtos e a troca constante das equipes criativas (o que é um erro absurdo pra mim).

Outro agravante é que somente os mesmos de sempre estão vendendo bem na DC. Em novembro, revistas elogiadas do reboot tiveram um fraco desempenho. Swamp Thing em 36º, Justice League Dark em 42º, Animal Man em 45º, Stormwatch em 56º, em contraste com Justice League, Batman, Action Comics e Green Lantern, que dominaram os quatro primeiro lugares respectivamente. Será que a DC novamente irá se resumir aos 7 grandes?

É evidente que o reboot melhorou substancialmente o nível de qualidade das revistas da DC, a dúvida que assola todos é por quanto tempo o nível será mantido. Será que os executivos da Warner vão interferir ainda mais? A troca de equipes criativas vai piorar ou melhorar as histórias? A Caixa de Pandora será aberta? Aquaman irá se cansar de se auto-parodiar?

Agora, você que está acompanhando os novos 52, conte aí o que está achando do reboot e se tem alguma expectativa ou algo que queria que acontecesse nesse admirável mundo novo!

Isso também pode lhe interessar

5 Comentários

  1. Admito que me surpreendi com muitos títulos (Aquaman, Voodoo, Lanterna Vermelho, alguns Bat-títulos) e como a ideia é pegar leve nas mega-sagas anuais, eu até compraria alguns deles regularmente… Espero que alguns títulos não caiam num mix tosqueira da Panini (Monstro do Pântano e Homem Animal merecem um mix decente)…

  2. Homem Animal, Aquaman e Stormwatch sem duvidas são as melhores! Batman e Robin está bastante divertido o resto eu até li umas 3 edições mas não senti vontade de acompanhar.

  3. É complicado, pra mim o mercado americano de HQs é todo errado. Revistinhas de 30 e poucas páginas, saindo mensalmente, com outros titulos revezando a cada semana. Nessa tempestade de títulos famosos, fica dificil alguma coisa nova se destacar.

    Pra mim a DC errou na quantidade de titulos do reboot. 52 é um numero muito grande, ainda que diluido em 4/5 semanas por mês. É dificil acompanhar tudo, mesmo que vc compre (ou baixe) tudo, ainda tema questão de todo mes lembrar o que aconteceu em 52 revistas, que só possuem 30 paginas/mês. É facil se perder e ficar mesmo acompanhando somente as mais famosas, que vc sabe que tem garantia de continuidade.

    Acho que a DC deveria ter ido com mais calma. Lançado o Reboot com menos titulos e ir planejando expandi-los conforme for sendo necessário e o publico aumentando. Tambem acho bobeira vacilar com mega sagas ou eventos, mas como nos últimos 3 anos a linha da DC se resumiu a isso, e é um problemão seguir estes eventos e ainda manter o paralelo em algumas revistas, acho que a decisão de diminuir o fluxo dos eventos correto, mas sumir com eles é imbecil.

    O exemplo do Mauri é perfeito… em ano de Batman nos cinemas, sua HQ não tem nada de expressivo incentivando vendas? Ridiculo. Deveria se pensar em eventos sim, mas não mistura-los em zilhões de revistas… acho que cada titulo pode ter uma saga mais caprichada por ano, ou uma revista solo e bem feita só com o evento (não como a dc faz, que lança o evento numa fininha e depois faz os derivados nos titulos).

    Acho que todo o formato de HQs de herois está errado… há muitos titulos, poucas paginas por mes, as equipes e talentos da casa não se renovam e até mesmo o editor da DC já deu o que tinha que dar… porque diabos a Warner não trocou o cara ainda? Precisa de alguem com mais visão, mais ousadia. Fazer reboot não é ousado… é a saida quando não há mais o que ser feito para atrair novos publicos.

    Alias o formato digital entre nestas expectativas de venda Mauri? eu gostaria muito de saber como anda esse mercado lá fora… porque acho que o futuro dos quadrinhos de super herois pode estar nesse formato, muito mais do que no formatinho de 30 paginas. É muito legal ver uma HQ num tablet…

    1. Nenhuma editora revela as vendagens das edições digitais, nem mesmo a Marvel que trabalha com isso há anos e possui títulos exclusivos para o formato. Mas como a oferta é cada vez maior e as outras editoras também estão investindo, é de se esperar que as vendas estejam boas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.