JogandoMiscelânea

2013 chegou e novos games estão à caminho!

Os últimos games da atual geração e o que esperar deles esse ano!

É preciso dizer antes de continuar que apesar das altas expectativas para a próxima geração de consoles, ainda tem alguns medalhões de ouro em produção para os consoles desta geração que quero muito jogar antes de partir para o que o futuro aguarda.

Por isso fiz um Top 10 Games que estou aguardando para o ano de 2013. O fato é que mesmo que a Microsoft e a Sony anunciem seus próximos consoles na E3 2013, e ainda que consigam lançar no final desse ano, dificilmente irei comprar meu próximo console em seu lançamento. As razões são bem simples: primeiro porque os preços são sempre altíssimos, segundo porque continuarei apostando no mercado nacional (que está crescendo, devagar mas está) e por isso não acredito que o lançamento destes novos consoles aconteçam simultâneamente com os Estados Unidos. E há outros fatores, como os jogos desse ano que ainda vão garantir muitas horas e horas de diversão antes de sentir que devo partir para os próximos consoles. Então essa coisa de comprar um novo videogame só deve rolar, ao menos pra mim, lá pra meados de 2014 (depois de ver realmente qualé dos novos consoles e suas performances iniciais dentro da comunidade gamer).

Segue então os games que estou esperando com algum ânimo para este ano!

O primeiro jogo de 2013 na minha lista chega dentro de alguns dias: Anarchy Reigns! O fato é que até o momento tudo que joguei da Platinum Games (Bayonetta e Vanquish) conquistou meu coração como as melhores coisas da geração atual.  Não é pra menos que esse estúdio surgiu por ex-funcionários e pesos pesados da Clover Studio, que na geração anterior fez games fenomenais como Viewtiful Joe e Okami. Alias, como senti falta nessa geração de um Viewtiful Joe 3. Chega a ser meio triste como a Capcom esqueceu da franquia.

Mas voltando a Anarchy Reigns, fico bem animado com o fato desse game ser a primeira investida real da produtora com modos de multiplayer online. Esse é um elemento que muita gente sentiu falta em Bayonetta e até mesmo Vanquish (nesse ficaria genial um multiplayer). Quero ver como a Platinum irá se sair nesse departamento. Outra questão é que o game está chegando no ocidente custando muito menos do que um lançamento normal, mesmo que aqui no Brasil ainda não tenha sido confirmado quando vá custar.

Seguindo dentro dos lançamentos desse mês, estou de olho em DmC: Devil May Cry. É verdade que a Capcom nessa geração sacaneou muito seus fãs, nos fazendo pagar por DLCs que deveriam estar nos games, abandonando franquias como Mega Man, fazendo várias versões de um mesmo jogo e lançando como se fosse algo novo (e cobrando preço de tal). Mas a Capcom tem muitas franquias de peso que não tem como serem ignoradas. Devil May Cry é uma dessas franquia. E mesmo que não seja um grande fã (por não ter jogado apropriadamente a trilogia original na geração anterior) sempre fico naquela vontade de entrar no universo da série.

Tivemos alguns anos atrás Devil May Cry 4, jogo que tenho aqui na coleção, mas que não me conquistou totalmente. E vejo muitos fãs comentando a respeito disso, de que o quarto game da série não superou expectativas. Eu, na verdade, achei o game muito “geração anterior”. Mecânicas truncadas, recursos repetitivos, pouca coisa realmente expressiva. Não é que DMC4 seja um game ruim, apenas não achei um jogo digno dessa geração. Já esse novo DmC tem um apelo artístico digno dos games atuais e digo tal afirmação porque joguei o demo que está disponível na Live. Me agradou bastante o demo, ainda que claramente esse próximo jogo chupe muito da influência de Bayonetta. Para uma nova geração de jogadores, me parece apropriado a forma como a franquia está sendo apresentada neste novo Devil May Cry. E o Dante não está visualmente tão horrível como estava no primeiro teaser de quando a Capcom o revelou. O demo tem ao menos um ótimo gameplay com combates, esquemas de plataforma e esse recurso de cenários sendo alterados bizarramente em tempo real é de cair o queixo. Certamente é uma boa hora pra querer aprender mais sobre essa franquia…

Já no mês do carnaval tem outra produção dos japoneses que deve dar o que falar. Estou falando de  Metal Gear Rising: Revengeance. Não acredito, entretanto, que o jogo seja o sucesso que foi Metal Gear Solid 4, mas deve atrair muitos curiosos, principalmente no Xbox 360. No meu caso como nunca fui um grande apreciador dos consoles da Sony (mesmo tendo no passado um PSOne e um PS2), sempre fiquei de fora dos games da franquia Metal Gear . Não houve oportunidade de jogar os jogos antigos no passado e, portanto, não entendo quase nada sobre a série. Sei apenas o suficiente pra saber que Rising tem uma pegada bem diferente da clássica série Solid. Mas isso não deve me impedir de tentar ver com meus próprios dedos como é jogar um Metal Gear no Xbox 360.

Um mês depois é a vez de um título que deve ganhar o status de melhor jogo de 2013 (se não o melhor, possivelmente vai estar dentro de qualquer Top 5). Me refiro ao aguardado Tomb Raider. Aqui não há muito que dizer. Sempre fui fã dos games da Lara Croft. Não joguei todos, mas passei por praticamente todas as fases da franquia, desde o começo até os jogos mais recentes. Acho que a franquia realmente chegou num ponto em que precisava dar uma chacoalhada e parece que a Crystal Dynamic realmente conseguiu colocar os holofotes novamente na jovem Lara Croft. É uma chance de atrair novos jogadores, enquanto os veteranos também se sentem realmente compelidos a experimentar a nova aventura. É exatamente o que disse mais acima com a franquia Devil May Cry. O novo Tomb Raider tem a pegada dessa geração atual, seja visualmente ou dentro do gameplay apresentado.É o velho com cara de novo. Toda franquia clássica, na minha opinião, uma hora ou outra, acaba tendo que passar por tal renovação. E fico feliz por esta geração ter proporcionado, mesmo que em seu fim, tal chance a certas franquias.

Ainda dentro do mês de março tem um lançamento que está na minha lista do “talvez”: Bioshock Infinite. Não sei o que aconteceu desde que o jogo foi revelado. Inicialmente ele parecia um título imperdível, mas desde então, a cada novo trailer revelado, parece que a essência da franquia vem se perdendo para dar lugar a um jogo muito mais parecido com um Call of Duty e similares do gênero. Principalmente depois do vídeo mostrado na VGA desse ano. A própria capa oficial parece vender essa ideia de um shooter genérico. A ideia de um cenário surreal permanece, mas aquele misto de suspense e terror parece que saiu um pouco de cena e isso me preocupa um pouco. Devo aguardar os reviews no lançamento e ver o quanto a franquia se “vendeu” pra se tornar mais popular e rentável. Não acho que Infinite será um jogo ruim, mas duvido muito que consiga superar seus predecessores.

Claro que no meu caso, não posso deixar de citar Gears of War: Judgment que também chega no mês de março. Como um viciado assumido na franquia, aguardo com bastante ansiedade pelo novo jogo. Mas como já comentei sobre ele recentemente no blog não vou me repetir. Claro que estou curioso para que comecem logo a pré-venda no Brasil, afim de descobrir o preço oficial de venda dele por aqui. Vai ser um pouco decepcionante se a Microsoft Brasil vender Judgment por R$ 149, mas felizmente tem os cupons de descontos e promoções nas lojas virtuais pra ajudar a deixar o preço mais amigável. Espero também que com o lançamento de Judgment, a Epic Games trabalhe melhor com DLCs da franquia ao longo desse ano.

Após o mês de março as datas do calendário de lançamentos ficam mais nubladas. Nem todos os lançamentos já estão com data certa para lançamentos, mas isso não significa que não dá para se programar por alguns dos grandes games do ano. Por exemplo, 2013 é o ano de Grand Theft Auto V, que deve se lançado até o meio do ano. Admito que o GTA IV não foi tudo aquilo que esperava, sendo que nessa geração tivemos muito outros games do gênero sandbox com mais opções e liberdades. Mas como a Rockstar andou trabalhando com muitos games diferentes desde GTV IV, a minha expectativa é que tenham aprendido mais com essas produções e essa experiência tenha ajudado no desenvolvimento de GTA V. Por enquanto não rolou muitas demonstrações longas com o gameplay do jogo, o gênero sandbox é um tipo que não se dá muito bem com trailers, pois nem sempre se consegue mostrar tudo que ele tem a oferecer. O jeito é aguardar os reviews de lançamento.

O próximo game da lista é Tom Clancy’s Splinter Cell: Blacklist. Eu gostei bastante do trabalho de Splinter Cell Conviction lançado há alguns anos atrás. Valeu a pena esperar por ele e acho que a Ubisoft conseguiu criar um game que deu identidade e usou dos recursos dessa geração. Me agrada a ideia de ver mais um jogo com Sam Fisher e continuando a história de onde o game anterior parou. Não espero nada revolucionário, mas é uma sequência muito bem vinda antes de fechar as portas da atual geração. Claro que pelos vídeos mostrados até o momento, tive a impressão de que o game terá um pouco mais de ação do que o anterior, o que não é ruim, claro que espero que o forte do jogo ainda seja os elementos stealth. A previsão é que o jogo saia até o meio do ano, e como a Ubisoft ainda não revelou todos seus planos pro segundo semestre de 2013, não acho que Blacklist deva atrasar (afinal tem Watch Dogs e aquele rumor de um novo Prince of Persia para preencher os blockbusters de fim de ano).

Em 2013 também deve ser o ano de lançamento de Castlevania Lords of Shadow 2. Cheguei por um momento a achar que o jogo havia sido engavetado, pois por longos meses de 2012 ele ficou sem dar notícias. Mas na VGA chegou a ser mostrado um novo trailer, o que indica que o game realmente continuar sendo produzido. Ele não tem cara de próxima geração, então se não sair em 2013, acho que em 2014 ninguém deve lhe dar muita atenção, exceto, no caso dos produtores conseguirem realmente algo fenomenal. O primeiro Lords of Shadow tem uma boa mecânica de gameplay, ainda que os fãs mais tradicionais da franquia não tenham curtido o estilo 3D (eu, claro, curti).

E fechando a atual geração e também uma trilogia parece sensato a ideia da Square ao lançar em algum momento de 2013 o game Lighting Returns: Final Fantasy XIII-3. Se tem um gênero que enfraqueceu bastante nessa geração são os RPGs. A geração passada houve muito mais títulos e diversidade. É verdade que o PlayStation 3 nos últimos anos teve mais alguns títulos bacanas dentro do gênero que não chegaram no Xbox 360 (culpa do péssimo desempenho do console verde no Japão, até parece que a Microsoft desistiu dos japoneses). E na falta de opções, ao menos Final Fantasy não deixou os gamers na mão. Uma pena que a franquia sofra muito com o fantasma de Final Fantasy VI e por isso todo novo game da franquia acaba sendo alvo de comparações e insatisfações.

Eu não acho que FFXIII seja ruim. Ele segue uma tendência dentro do gênero, mais ação, e menos tradicional, mas todos os elementos que fazem um Final Fantasy ser um Final Fantasy estão ali. E adoro a ideia de uma trilogia dentro de uma mesmo universo e que os produtos explorem ao máximo a história desses personagens e cenários. Também me agrada a ideia de que cada game da trilogia tenha seu próprio sistema de gameplay, servindo de laboratório de experimento e aprendizado para Square e para os Final Fantasy da próxima geração. Claro que sinto pena do fato de que a geração esteja no fim e que Final Fantasy Versus XIII no final não tenha visto a luz no final do túnel. Fica pra próxima geração, já que não acredito que ele ainda saia para os consoles atuais.

Mas 2013 ainda tem muito mais games…

Acho que vale reforçar que esse é um Top 10 extremamente pessoal. É a minha lista, os games que realmente quero jogar dentro das plataformas que possuo atualmente. Por exemplo, se você é dono de um PlayStation 3, provavelmente teria The Last of UsGod of War Ascension no seu Top 10, não? Então sinta-se a vontade para criar seu próprio Top 10 Games pra 2013 abaixo nos comentários.

Claro que ao longo do ano mais jogos devem ser revelados e possivelmente a minha lista pode aumentar ou mudar. Pra esse Top 10 já cheguei a deixar de fora alguns games que possivelmente estarei de olho no lançamento. Crysis 3, por exemplo. Já estou com os dois games da franquia aqui na prateleira e gostei bastante da série, ainda que não seja uma das minhas favoritas é uma daquelas que a qualidade é tão boa que não tem como deixar passar batido.

Também há títulos que eu sei que muita gente não vai dar bola e que eu estarei animado, como por exemplo, Lost Planet 3. Até entendo a bronca que muita gente tem com a série Lost Planet, assim como Dead Rising sofre dos mesmos problemas, mas sou muito fã das propostas de ambas as séries que surgiram nessa geração pelas mãos da Capcom. O primeiro Lost Planet, assim como o primeiro Dead Rising tinha muitos problemas, como limites de tempo e dificuldade acima do normal. A sequência consertou alguns problemas, ao mesmo tempo que trouxe outros novos, em especial a mudança climática do planeta e um gameplay menos original. Mesmo com tudo isso Lost Planet é uma franquia que possui bons pontos positivos e estou sempre de olho pois uma hora a Capcom acerta em cheio com ela. Dead Rising na minha opinião melhorou bastante em relação ao primeiro, ficando bem mais divertido. Lost Planet em algum momento vai conseguir a mesma coisa. Assim espero.

Outros games que posso citar são títulos que, ou são de uma plataforma que não possuo, ou são aqueles que só depois do lançamento pra descobrir mesmo se irão ou não valer a pena. Além dos games que tenho minhas dúvidas se saem ou não em 2013. No caso do Wii U, que não me vejo retornando a plataforma da Nintendo tão cedo assim, tem alguns games que certamente gostaria ao menos de experimentar. Títulos como Rayman Legends, Bayonetta 2 e Pikmin 3. Ainda que tenho algumas esperanças de que a Ubisoft faça um novo Rayman pro X360/PS3 ou que Bayonetta retornem aos consoles de onde a franquia se originou.

Já no time das incertezas posso citar games como South Park: The Stick of Truth, Dead Space 3, Injustice: Gods Among Us. Enquanto nas produções que dúvido muito que saiam para a atual geração ainda em 2013 são Watch Dogs e Remenber Me.

 É isso. 2013, novo ano, novos games!
Um Feliz Ano-Novo a todos os leitores do Portallos!

 

Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e criador do saudoso (e extinto) Fórum NGM. Tenho 35 anos, sou formato em Direito, e vivo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Gosto de escrever e sempre estou sem tempo.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.