JogandoReflexões & Opiniões

Desabafo | Destiny The Taken King – Ou você paga ou toma lhe cadeados!

Então. The Taken King, a expansão que abre o segundo ano de Destiny chegou. E eu não comprei. Resultado? Toma esse monte de cadeados em tudo quanto é lugar dos mapas e menus do game. Que frustrante, e até meio revoltante isso.

Veja bem, eu entendo a afobação da Bungie de querer que todos comprem The Taken King. Que os jogadores continuem pagando para continuar subindo de nível, para ter acesso a novos mapas, novas fases, novos equipamentos e tal. Mas não concordo com essa forma intimidadora que o jogo se encontra agora, com esse monte de mensagens gritantes de “seu excluído que não quer pagar mais pelo game, toma todos estes cadeados e azar o seu, está perdendo um monte de coisas novas“. Poxa, Bungie. Eu comprei seu game no lançamento, paguei pelo Season Pass e recebi suas expansões até aqui. Agora você quer mais dinheiro, pra que eu continue jogando Destiny? Ok, é justo, há mais conteúdo, mas será que precisa pressionar dessa forma? Que deselegante! As expansões anteriores, ainda que menores, não davam essa sensação aos jogadores.

Destiny Cadeado The Taken King 01a

Mas calma que vou explicar para quem não está habituado com o mundo de Destiny. Veja que nestes mapas acima (telas capturadas ontem – 15/09/2015 – direto do meu Xbox One) possuem alguns ícones com cadeados. Isso não são modos que posso destravar, são modos que foram travados e que só poderei destravar quando resolver comprar The Taken King. Enquanto isso, a impressão que fica é que tenho algo pela metade, quando de fato não é bem assim.

Talvez eu não esteja habituado com esse mundo de games de multiplayer online massivo com elementos de RPG, na qual a gente precisa continuar pagando para continuar jogando. Mas que é um banho de água fria, isso é. Talvez até mais do que do fato das Incursões (Raids) continuarem nesse modo ineficiente de não ter matchmaking.

E veja só, não é que a Bungie travou coisas que eu já tinha acesso. Continuo tendo acesso a tudo do ano 1 do game, mas só que de forma capenga. Ela não fechou o Crisol (modo competitivo) ou os assaltos online, mas varreu tudo que eu tinha acesso para algum cantinho sem importância da tela, como se jogasse tudo debaixo do tapete, deixando apenas o conteúdo de The Taken King em destaque.

Para quem tem apenas o ano 1 de Destiny, os modos do Crisol foram fundidos em 3 modos (6×6, 3×3, 1×1) que misturam vários modos, enquanto quem tem The Taken King podem jogar individualmente tais modos, coisa que eu podia jogar até antes da expansão chegar.

Nos Assaltos da Vanguarda, a coisa parece um pouco pior. Eu só vi uma opção de lista de assaltos para jogadores do ano 1, e tipo, estes estão na dificuldade Level 20. Que porcaria fizeram? Antes havia 4 níveis de dificuldade de assaltos, onde o nível máximo de dificuldade era 32 (ou 34, já esqueci). Me parece um grande retrocesso fazer isso com os assaltos.

Pra ajudar, os desafios semanais também estão indisponíveis pois são missões que apenas quem comprou The Taken King pode jogar. Algo que já era normal acontecer com as expansões anteriores, onde quem não tinha se sentia excluído das missões semanais, esperando que a da próxima semana não fosse de DLC que você não tivesse. Complicado, né?

Destiny Cadeado The Taken King 03a

A impressão que tenho é que a Bungie largou mão da comunidade do ano 1. “Não quer pagar por The Taken King? Você não é mais importante pra gente“. Basicamente segmentou a comunidade. Quem tem apenas o ano 1 não interage praticamente com ninguém do ano 2. Não joga nos mesmos modos, nas mesmas listas, nas mesmas missões. Que sentimento ruim isso!

Parece que não me querem mais. Não sou mais importante e estou sendo varrido para qualquer cantinho da parede. Não importa se paguei e sustentei um ano inteiro do game, que sem a comunidade do ano 1, nem sequer haveria um ano 2. E por mais complicado que seja fazer um game que precise anualmente de uma reforma e manutenção tão grande assim, é frustrante ver como a Bungie decidiu levar as coisas.

Certamente quando Destiny 2 for lançado, muita gente vai pensar duas vezes antes de comprar o game no lançamento, sabendo que depois outra versão melhor vai sair, no mesmo preço, e vai ferrar a vida de quem comprou no lançamento inicial o título.

E olha que nem mesmo achei razoável o quanto o estúdio está cobrando por The Taken King para quem já tem Destiny + Season Pass do ano 1: 39 dólares (ou 99 reais aqui). É um valor salgado, para uma campanha que duvido que seja tão grande quando a do game original, para alguns novos mapas e alguns novos assaltos. Quer dizer, esse tipo de game, se quer sobreviver online sempre, precisa de mais conteúdo de tempos em tempos, não? E cobrar excessivamente por tal conteúdo, só vai segmentando cada vez mais os jogadores. Está faltando muito um meio termo nessa balança.

Ah… sei lá. Vendo da perspectiva de quem foi excluído da festa do ano 2 de Destiny, me parece bem triste a situação na qual a Bungie colocou todo mundo que não adquiriu The Taken King. Agora é desligar o game e voltar só quando adquirir o conteúdo do ano 2, e como não peguei no lançamento, por não ter grana e por achar que o preço poderia ser melhor… vou esperar uma promoção futura. E aí já terei perdido toda a euforia que deve estar rolando para quem conseguiu adquirir o ano 2. Pena, Bungie, pena.

obs: isso porque nem mencionei que o jogo reformulou totalmente o sistema de level e armas. Lá estava eu na Torre ontem, olhando os novos itens, muitos deles que não posso ter, porque oras, não tenho a nova expansão, e percebo que agora há armas comuns e raras que são muito mais fortes e eficientes do que todas as minhas armas lendárias, adquiridas com suor e centenas de horas de muito gameplay durante todo o primeiro ano do game.  Puxa… o que aconteceu com Destiny? Sniff…

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios