E3 2019JogandoReflexões & Opiniões

Expectativas, datas e horários para as conferências da E3 2017!

Junho chegou e enquanto muitos brasileiros estão pensando nas festinhas de São João (Juninas), a turma do videogame está pensando na Electronic Entertainment Expo, a tão querida E3!

Este é o período em que Sony, Microsoft, Nintendo e outras gigantes do setor (EA, Ubisoft, Bethesda entre outras) vão apresentar suas principais apostas para os próximos meses nos principais consoles desta geração. Novos títulos, anúncios, revelações, surpresas e decepções. Na E3 sempre tem de tudo um pouco.

Tomando cuidado com suas devidas proporções, o que a Brasil Game Show faz aqui no Brasil é uma influência direta da E3 lá no centro de convenções de Los Angeles, Estados Unidos. A E3 é a mais importante feira mundial de videogames, na qual executivos dessa indústria, parceiros interessados e muitos fãs compartilham um mesmo espaço para testar as próximas novidades em hardware, games e apetrechos relacionados.

Este momento, da feira e suas atrações abertas ao seleto público que podem comparecer ao evento, ocorre este ano entre 13 a 15 de junho. Só que antes disso tem as tradicionais conferências de imprensa, que antecedem a abertura da feira e que toda a mídia especializada é convidada para comparecer e saber em primeira mão o que as grandes empresas estarão mostrando no evento quando o mesmo abrir suas portas em alguns dias.

Para os internautas as conferências são o maior momento da E3, afinal todas as conferências são transmitidas em tempo real pela internet. É nela que nos reunimos, torcemos, comentamos, ficamos animados e também nos decepcionamos. É um evento gostoso de se acompanhar online em comunidade de jogadores.

E para isso, é importante saber quando elas acontecem! Diferente do que aconteceu nos últimos anos, em 2017 as conferências vão começar bem antes do que tradicionalmente aconteciam. Por exemplo, a Microsoft, EA, Ubisoft e Sony sempre apresentaram suas conferências no mesmo dia. Este ano não será assim!

Então preste atenção as datas e horários abaixo:

Sábado, 10 de Junho – EA Play, às 16h

A EA irá abrir o aquecimento para a E3 este ano. No evento podemos contar com notícias sobre o novo Fifa 18, o já revelado Need For Speed Payback e também a aguardada sequência Star Wars Battlefront 2! Resta a dúvida se a EA irá revelar alguma surpresa inesperada, algum título ainda não anunciado ou o retorno de alguma franquia.

Aqui não tenho muitas apostas. Não acredito que veremos um novo Battlefield este ano (nem que seja para 2018). Mirror’s Edge também não deve ganhar uma sequência tão cedo. Não sei se já é o momento para um Plants vs. Zombies Garden Warfare 3 (provavelmente não).

Será que este ano a EA apresentará seu apoio em mais algum indie game, tal como fez com Unravel? Este aliás poderia ganhar uma sequência. Talvez novidades e novas entradas no EA Access.

Poderia trazer de volta alguma franquia da geração passada, como Dead Space ou quem sabe um reboot de Dante’s Inferno? Dragon Age é outra IP que já está precisando de um novo game. Entretanto acredito que se algumas destas séries estivesse em produção já teria vazado alguma coisa nesse momento.

Domingo, 11 de Junho – Microsoft, às 18h

No lado do Xbox One as coisas estão um pouco nubladas para os próximos meses. Difícil adivinhar o que a Microsoft tem guardado ou sequer se tem muita coisa guardada. O cancelamento de Scalebound no começo desse ano trouxe um baque inesperado a line-up de 2017.

Sabe-se de alguns títulos, como Crackdown 3 e Sea of Thieves estarão presentes, ainda que rumores apontem que somente um deles deve sair este ano. E mesmo assim são títulos que não possuem o mesmo glamour, hype e expectativas que um novo Halo ou Gears of War possuem na plataforma, sendo que dificilmente será mostrado algo a respeito destas franquias na conferência deste ano.

Sabe-se que um novo Forza Motorsport também está agendado para o final desse ano, mas até aí é chover no molhado. Só acho estranho como a franquia derivada Forza Horizon tem nos últimos anos se destacado mais do que a série principal, mas é aguardar para vez o que virá este ano. Sendo uma IP anual, é preciso estar sempre se renovando e Forza tem conseguido isso até o momento.

Há rumores que apontam novas parcerias com estúdios como a Capcom, mas não vou falar muito a respeito aqui. Estas parcerias são interessantes, mas se ficarem para 2018 não sei o quão animadoras poderiam ser. De toda forma, são parcerias assim que surgem títulos como ReCore e Sunset Overdrive, que nem sempre são blockbusters, mas trazem coisas interessantes a plataforma. Por sinal, eu gostaria que ReCore ganhasse uma expansão de conteúdo, tal qual Sunset Overdrive tivesse uma sequência, mas por enquanto são apenas desejos pessoais mesmo.

Também me pergunto se este ano haverá uma quarta temporada de Killer Instinct. Precisa ter!

Fico chateado apenas com o fato da Microsoft ter diversas IPs da Rare e não investir apropriadamente em nenhuma delas. Uma reclamação pessoal minha e que faço todo ano. De que adianta ser dona de séries como Banjo-Kazooie, Battletoads, Viva Piñata, Jet Force Gemini Conker e não fazer nada com estas IPs? Tire-as da Rare, que está sempre ocupada com algum outro título e nem é mais formada pelas equipes originais destas séries, e as dê para algum outro estúdio, talvez algum parceiro indie, tal qual a Sega está fazendo com Sonic Mania. Não fazer isso é um desperdício de catálogo.

Além de novos games, a empresa deve finalmente apresentar o Xbox Scorpio, concorrente direto do PlayStation 4 Pro, e também falar um pouco mais sobre retrocompatibilidade e Xbox Game Pass. Dois assuntos complicados para o Brasil por sinal. Aqui ainda nem recebemos oficialmente o Xbox One S e o programa Xbox Game Pass lançado agora em junho em diversos países segue sem previsão ou qualquer declaração oficial da assessoria brasileira a respeito do assunto (e eu perguntei e não tive qualquer retorno).

Não sei, a menos que a Microsoft esteja realmente com boas cartas escondidas em suas mangas, acho que a conferência deste ano não será tão impactante quanto se espera, em particular no sentido de games para os próximos meses. Espero estar errado, é claro!

Segunda-feira, 12 de Junho – Bethesda, à 01h (da madrugada)

Na madrugada do domingo para segunda é a vez da Bethesda ter a sua própria conferência. Lembrando que a empresa fez ótimas conferências nos últimos dois anos, sempre conseguindo apresentar ao menos uma surpresa interessante.

Só acho difícil fazer apostas quando se trata da Bethesda para os próximos meses. Sei que ela deve mostrar um pouco mais de Quake Champions, mas e depois disso? O que mais a Bethesda tem e que a gente sabe da existência? Hum…

O que se pode pensar é que a Bethesda está no ponto da geração em que já pode apostar em sequências. Não é hora de um novo Skyrim ou Fallout? Acho que sim. A Arkane Studios também entregou dois games incríveis nestes últimos meses, Dishonored 2 e Prey, talvez a Bethesda já possa revelar qual o próximo projeto do estúdio, talvez com lançamento para 2018.

Doom foi muito bem recebido ano passado. Será que já é hora de começar a pensar em uma sequência? Um novo Wolfenstein? Ou uma sequência para The Evil Within?

No fim, apostaria que uma nova IP irá ser revelada. Esta tem sido uma boa geração de games para a Bethesda e portanto me parece uma boa hora para uma aposta nessa direção.

Segunda-feira, 12 de Junho – PC Gaming Show, às 14h

Sendo sincero? Não sei se este é o terceiro ou segundo ano da PC Gaming Show, mas nunca vi sua conferência. Nos anos anteriores as conferências da E3 eram uma espécie de maratona, sempre acontecendo uma após a outra, iniciando no domingo à noite e deixando todo mundo da imprensa sem ar na segunda, quando aconteciam quatro grandes conferências. Com isso, o pique para a PC Gaming Show ia embora…

Já este ano quero assistir e ver qual é dessa conferência que quem já assistiu diz ser bem diferente das tradicionais conferências. Irei dar uma espiada, mas não sei o que aguardar dela. Muito menos fazer apostar. Posteriormente em algum post futuro o que achei dela.

Segunda-feira, 12 de Junho – Ubisoft, às 17h

Segunda-feira é sempre o dia mais acirrada, a segunda conferência do dia é da Ubisoft, bem no final do expediente para a turma que está trabalhando pelo horário de Brasília.

O foco da Ubisoft este ano será sem sombra de dúvida Assassin’s Creed Origins, trazendo de volta uma das franquias mais populares da empresa. As expectativas é que após esse breve respiro de um ano para Assassin’s Creed, a franquia retorne para seus eixos, ainda que particularmente não tenha achado ruins os últimos lançados. O fato é que a fórmula estava se desgastando ao tê-la como uma franquia anual. Hoje já sinto saudades dela.

Fora isso, há um novo game dos Rabbids que faz um crossover com Super Mario e que deve ser lançado para Nintendo Switch. Alguns telas de apresentação do título vazaram há algumas semanas, mas nenhuma gameplay foi revelado. Imagina-se que será uma game de batalha, talvez como Splatoon, mas é só um palpite meu.

Dentro do esperado, deve ser mostrado algum Just Dance novo, um pouco mais do novo South Park que já tem data de lançamento (e todo mundo espera que não mude de novo), além dos já revelados Far Cry 5 e The Crew 2!

Além disso, restam as apostas. Pra mim já é hora de anunciar ou apresentar os conceitos para um The Division 2, talvez para o final de 2018, apenas para reaquecer a comunidade do game. Gostaria de ver também um novo Splinter Cell, porém este acho mais difícil (porém não improvável). Há também aquele game que um dia foi Beyond Good & Evil 2 e que sabe-se que está em lento desenvolvimento, mas não sei se há algo a ser mostrado para este ano. Porém o que eu queria muito ver é um novo game do Rayman.

Segunda-feira, 12 de Junho – Sony, às 22h

Encerrando a segunda-feira, a Sony vem para causar aquele frenesi estranho que sempre causa quando anuncia títulos que talvez demorem anos e anos para serem lançados. É uma plataforma que sabe usar e abusar do hype de seus anúncios.

Não é segredo para ninguém que acompanho muito pouco as novidades em torno dessa plataforma. Não morro de amores por seus exclusivos, então é compreensível.

Imagino que para a conferência deste ano as principais apostas estejam em torno do próximo game de God of War, que apresentou um teaser na E3 de 2016 que deixou todo mundo de queixo caído. Será que o game sai no final desse ano? Nem ouso arriscar isso, mas se acontecesse não duvido que seria o principal lançamento do segundo semestre.

Há também The Last of Us Part II, outra franquia muito aclamada na plataforma e com altas expectativas para tal sequência. Tem o novo game do Homem Aranha, em desenvolvimento pela Insomaniac, e que tal alto potencial para ser um ótimo game. Vale mencionar também Uncharted: The Lost Legacy, ainda que não tenha muito a dizer a seu respeito.

Eu gostaria de ver um pouco mais de Days Gone, que também foi revelado na conferência do ano passado, apresentando um jogo alucinante de zumbis malucos que são ágeis e rápidos. É o tipo de game que eu particularmente curto.

Não nego que a situação de hoje do PlayStation 4 me parece bem interessante. O teria para jogar títulos como Bloodborne (que merece uma sequência) e Horizon Zero Dawn. Até o final desta geração isso pode vir a acontecer, mas não vejo algo assim acontecendo comigo ainda em 2017, infelizmente.

Quanto as apostas, nem imagino o que a Sony posso apresentar que não tenha sido apresentado ano passado. O fato é que há muitos títulos da E3 2016 que ainda não foram lançados e que sequer possuem data de lançamento. Não divido que deve rolar um ou dois anúncios de novos games, mas acredito que a Sony deve mostrar um pouco mais dos games já anunciados e o atual estágio de desenvolvimento dos mesmos.

Terça-feira, 13 de Junho – Nintendo, às 13h

Ah Nintendo, amada e odiada Nintendo. Empresa que guardo no coração um carinho eterno quando penso em tudo que ela me proporcionou nos meus tempos jovens de Super Nintendo, Nintendo 64 e GameCube, e que guardo um rancor horrível de seus últimos anos com Wii e Wii U, terríveis e péssimas plataformas na minha opinião.

Ainda não me decido a respeito do Nintendo Switch. Obviamente que se tivesse dinheiro de sobra para queimar compraria  o Switch sem qualquer problemas, mas o caso é que odeio o fato da Nintendo ter picado a mula do Brasil. Odeio como seu console é caro, como seus acessórios são caros (e obrigatórios), como sua plataforma digital é cheia de problemas e como seus games no Brasil são mais caros do que jogos de Xbox One e PlayStation 4. Não consigo aceitar nada disso, e fico nesse amargor contra a empresa, que um dia amei acima de qualquer outra plataforma.

Enfim, a conferência da empresa deve acontecer como vem acontecendo nos últimos anos, via Nintendo Direct. Será um vídeo pré-gravado (porque a Nintendo não faz mais nada ao vivo) apresentando novidades para o Switch para os próximos meses.

Deverá haver um foco bem grande no Super Mario Odyssey, que deve chegar no final do ano. Splatoon 2 também deve dar as caras, além de outras IPs menores, como algum Mario de esporte ou até mesmo um Mario Party. Aposto que algum jogo mais casual ou de cunho familiar, envolvendo os Miis talvez, devem aparecer. Acredito também em um potencial para um anúncio de um novo Animal Crossing.

Difícil dizer se agora veremos finalmente um novo Metroid, mas é uma franquia que merece sair desse limbo terrível na qual a Nintendo o colocou. De resto, fica sempre as mesmas apostas: mais retornos de franquias consagradas da empresa.

Porém não duvido que uma IP nova, tal qual Arms, venha a ser revelada. Novidades em torno do sistema em si do Nintendo Switch devem ser apresentadas. Enquanto que o Nintendo 3DS não deve ter um foco muito grande. Um ou outro anúncio para o portátil talvez venha a ser realizado.

Fiquei com a impressão de que não tenho grandes expectativas para a E3 deste ano. Espero ver mais do mesmo, enquanto uma ou outra surpresa vão me deixar arrepiado. O fato é que esta geração tem me apresentado tantas coisas incríveis, normalmente vindo da esfera indie, que tem sido difícil ficar aguardando o que virá daqui muitos meses, estando atualmente preocupado com os games que estão sendo lançados agora.

Não quero saber do futuro enquanto presente tem me apresentado tantas boas opções. Acho que estamos caminhando para o meio da geração, ainda que seja cedo afirmar isso. Tudo que tinha que ser lançado já foi lançado ou está em desenvolvimento. Daqui para frente as empresas estão apostando em sequências de tudo que saiu e fez sucesso com poucas apostas em título realmente novos. Isso meio que abaixa as minhas expectativas para a E3 2017.

O que eu gostaria mesmo, e que não tem nada a ver com a E3, é ver o cenário brasileiro de games mais acessível, mais barato. Menos tributos, mais games localizados, mais discussão em torno da comunidade a respeito dos jogos. Apesar de estarmos caminhando para quarto ano de lançamento de consoles como Xbox One e PlayStation 4 sinto que a aderência da comunidade gamer brasileira ainda não conseguiu entrar com cara e coragem nestas plataformas, estando ainda presas em consoles como Xbox 360 e PlayStation 3. E justamente por essa crise na qual o país passa e que desacelerou o crescimento da comunidade, tornando os consoles e games bem mais caros nessa geração.

É isso, anotem as datas em seus calendários. Estarei comentando as transmissões ao vivo no grupo do Portallos no Facebook. Quem não puder acompanhar ao vivo pode ficar tranquilo, depois de algumas horas faço os clássicos resumões aqui no site, comentando tudo que foi revelado e apontando os links de seus respectivos trailers no You Tube!

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e criador do saudoso (e extinto) Fórum NGM. Tenho 35 anos, sou formato em Direito, e vivo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Gosto de escrever e sempre estou sem tempo.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.