JogandoReflexões & Opiniões

Reflexão | Política anti-chat em Super Smash Bros Brawl é arcaica?

Ontem saiu uma notícia no Wii-Brasil, que é um resumo de uma entrevista do Masahiro Sakurai ao site norte-americano IGN, que contém algumas coisas interessantes a respeito da ausência de comunicação online em Super Smash Bros Brawl e por consequência no console Wii.

O trecho que me interessa é este:

“1 – O jogo não possui chat por voz e nem via escrita devido à exigências da Nintendo no Wii;
2 – Sakurai crê que Super Smash Bros. deve ser jogado por pequenos grupos de amigos, e por causa disso acha que um ranking online com o mundo não seria uma boa ideia;
3 – Não é possível ver os nomes das pessoas nem se comunicar com elas no modo “random” do Wi-Fi simplesmente pelo fato dos insultos que poderiam acontecer.”

Para ler a notícia na íntrega, basta entrar:
http://www.wii-brasil.com/?sec=lernoticia&id=11318

Reflexão:
A intenção não é insultar o Wii e suas características, mas pensar um pouco na falta de tato com que a Nintendo vem tendo com seu sistema online.

Sakurai menciona na entrevista à IGN que inicialmente Brawl teria a possibilidade de chat, mas que a política da Nintendo com o Wii fez com que a ideia fosse por água a baixo.

Qual a bronca da Nintendo com o sistema de chat online? Eu sei que o console tem um apelo casual, que é um console família, para crianças e adultos, mas isso é desculpa suficiente para simplesmente ignorar uma característica quase que padrão nos games com suporte online em quase todas as plataformas concorrentes?

Primeiro que Brawl tem um apelo mais hardcore e menos casual. Foi feito pensando no público mais maduro que tem o Wii. Segundo que não é impossível criar um sistema de chat que pode ser desligado. Um sistema de controle dos pais por exemplo resolveria o problema.

Num exemplo (e não numa comparação), muitos games do 360 existem a opção de simplesmente deixar os outros jogadores online mudos, assim não dá para escutar o que eles estão falando. Acaba com o problema de insultos e desaforas que possa haver numa partida online.

Alias esse tipo de controle do chat, se ele é problemático porque as pessoas não sabem ser educadas online (o que não é verdade) não cabe a Nintendo decidir tão autoritariamente, retirando o suporte de seu console. Cabe aos jogadores ou aos responsáveis pelo jogador menor de idade fazer o controle disso.

A mesma lógica funciona ao ranking online. Porque não é uma boa ideia? Competitividade em excesso? Até hoje nunca li nada negativo em relação aos rankings online. Não existe porque o game foi projetado para pequenos grupos de amigos? Mas tem suporte online, posso jogar com qualquer um em qualquer parte do mundo. Como a Nintendo pode afirmar uma coisa assim, em contradição com a possibilidade do game e dizer que não é uma boa ideia? Claro que um ranking online nada mais é do que um perfume.

Claro que nana disso parece tirar a grandiosidade e o sucesso que Brawl causará aos jogadores do Wii, mesmo assim o que me preocupa é a tal política de que jogos online são rodeados de jogadores desbocados que não sabem tratar outros jogadores com respeito e a prática de chat nas partidas é algo errado. Nada disso é verdade, é um pensamento limitado independente se o sistema de games da Nintendo é casual.

Uma das coisas mais legais em se jogar online é a turma falando e brincando. Seja com americanos ou com amigos aqui no Brasil. Digo por experiência própria em partidas em silêncio e em partidas com chats. Os de chats sempre são mais divertidas.

E você? O que acha? Dá para resolver o problema de chat do Wii sem precisar ir ao extremo de simplesmente riscá-lo do console? Cabe a Nintendo tomar esta decisão ou é um assunto que cabe aos donos controlarem?

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios