Impressões de MvsC3: novidades, expectativas, fracassos, SSFIV e decisões mercenárias… [X360/PS3]

A Capcom é a responsável por um dos melhores (senão o melhor) game de luta desta geração: Super Street Fighter IV. A tarefa de criar uma sequência para Marvel VS Capcom 2 também não é nada fácil. MvsC2 foi lançado pela primeira vez em 2000, faz mais de uma década! Com 56 lutadores, esse jogo entrou no roll dos games inesquecíveis de muitos gamers. E agora vivemos a era dos consoles em alta-definição e partidas online contra jogadores de qualquer parte do mundo. Com uma baita responsabilidade destas, um friozinho na barriga é até normal, certo? Mas é da Capcom que estamos falando, um estúdio que existe desde 1983, detentora de algumas das maiores franquias do mundo dos games. Portanto, Marvel vs Capcom 3: Fate of Two Worlds é sim um game épico, que dificilmente será esquecido ao longo dos próximos anos.

Ainda não comprei a minha cópia do mesmo, testei o jogo na casa de um amigo, e depois de algumas horas de gameplay (o que pra um jogo de luta é mais do que suficiente), acredito que possa expressar uma opinião. Resumidamente, muita coisa deu muito certo nesse game, outras deram muito errado, em determinado momento você vai sentir que o jogo parece incompleto, em outra vai sentir saudades de alguns personagens que ficaram de fora, provavelmente ficará de boca aberto com a dificuldade do último chefão, e depois ficará um pouco indignado como são os finais de personagens, inevitavelmente irá pensar em Super Street Fighter IV (caso tenha jogado o mesmo) e mesmo com essa montanha-russa de sentimentos, ficará um pouquinho mais no sofá para mais uma partida.

Zero e Capitão América: Dois ótimos personagens, com movimentos bem fluidos e ótimos golpes. Apesar disso, Zero não faz a saudade da ausência de Mega Man X sumir...

Altas expectativas me comprometeram?

Pois é, eu tinha expectativas bem altas a respeito do game, mas antes mesmo do lançamento oficial, já havia comentado aqui no blog as minhas suspeitas de que provavelmente a Capcom não conseguiria suprir todo esse hype em estava sentido. Dito e feito! Depois das primeiras horas, mesma na euforia em alguns pontos, fiquei com a impressão de que Marvel vs Cacpom 3 é um game incompleto. Não estou dizendo que É, estou dizendo que tive esta impressão, muito cuidado com isso. Vou comentar primeiramente sobre os problemas que me incomodaram no game, aí fecho a matéria com os elogios, afinal, eles são mais fáceis de dissetar.

O primeiro ponto foi o elenco principal do game. 36 lutadores não são 56 lutadores de MvsC2. 20 personagens a menos é muita coisa, sem dúvida alguma, independente de que na versão de 2000, alguns serem clones ou parecidos entre si. Depois de algumas partidas, fica claro que dentro o roll de personagens, alguns não são agradáveis de jogar, então os melhores e preferidos de cada gamer, fica ainda mais reduzido. Por exemplo, eu não curti nem um pouco a She-Hulk, Nathan Spencer e MODOK. Em paralelo, achei o Spider-Man meio truncado, não sei porque, mas não me agradou seu gameplay, ainda que seja bem parecido com a versão de MvsC2. Estranho.

Me incomoda muito saber que personagens como Jill Valentine e Shuma-Gorath, personagens que existiam também em MvsC2 estão sendo vendidos avulsamente, por U$ 5 cada. O jogo em si já custa U$ 60, e o gamer é obrigado a pagar mais U$ 10 por dois personagens extras (que não deveria tecnicamente serem “extras”). Se a Capcom lançar mais 6 personagens além destes já à venda, o jogo com o elenco completo passa a custar U$ 100! (U$ 60 de 38 personagens + U$ 40 de 8 personagens via DLC). Vai me dizer que isso não é um roubo? Pagar esse valor num game de luta é altamente questionável. Isso porque nesta conta não estou considerando roupas extras que a Capcom também mete a faca via DLC.

Isso me irrita muito, pois como o game suporta obrigatoriamente lutas de 3 contra 3, você tem seis personagens sendo usados ao mesmo tempo. Em 6 partidas, se você e um amigo não usarem personagens já utilizados por ambosm já terão jogado com todo o roster do game. Em 12 partidas, um único gamer já testou todos os personagens, caso não repita nenhum. É um número muito baixo. E isso meio que mata o replay e longevidade do game, agregando outros fatores que já irei comentar.

Impossível não fazer uma comparação indireta com Super Street Fighter IV (SSFIV), com seus 35 personagens únicos, com lutas de apenas 1 contra 1. Usar todos os personagens do game, se adaptar, decorar combos e golpes é uma tarefa árdua. Só para usar todo o elenco do game, vão se horas e partidas. 18 partidas com um amigo, sem repetir os personagens ou 35 partidas individuais para que você teste todos os personagens. É um número alto, que ajuda e muito no fator replay.

Viewtiful Joe! Uma das minhas franquias favoritas da Capcom. Ficou muito fiel aos movimentos de seu próprio game!

O modo Story, ou Arcade se preferir, me decepcionou profundamente. Ele termina rapidamente, em poucos minutos se jogado no modo normal. No Hard a coisa se complica, mas já comento sobre isso. O maior problema com o modo arcade também me remete a SSFIV. O Arcade deste tem uma mini-abertura individual para cada personagem, dando um propósito ao mesmo e incentivando o gamer a querer ver todas as historinhas do game. No final, ao fechar tal modo, um novo vídeo, finalizando a história é destravado. Todos os personagens possuem isso. Em MvsC3 não tem nenhum vídeo ou qualquer outra coisa de introdução ao modo arcade. Tudo bem que são três personagens ao mesmo tempo, e criar uma história para um time de três é meio impossível, mas poderia ter se obtado pelo principal do time (o que começa as partidas). O final do modo arcade é mais tosco ainda. Vídeo? Que nada! Uma imagem num pequeno espaço da tela, com textos para leitura, com o personagem que derrota o chefão final. Frustante, broxante e ridículo! Não dá nem vontade de ver todos os vídeos. Parece até um arcade dos anos 90. Fazer isso num game de luta nesta geração é inaceitável.

A única coisa que se salva no modo Arcade é realmente o último chefão, o Galactus. No modo normal é fácil matar o chefão, ainda que eu perca um ou dois lutadores, mas no modo Hard o bicho pega! Difícil mesmo. O Devorador de Planetas tem alguns golpes que destruem a barra de energia por completo. Fenomenal. É um final bem intenso mesmo. Pena que a recompensa para a meta seja tão porca. A Capcom sacaneou mesmo.

Concluido o Arcade pela primeira vez e ficando desistimulado a ver os finais em texto dos outros personagens, não há muita coisa para fazer em Marvel vs Capcom 3. O modo de mission, que equivale ao modo Trial de Super Street Fighter IV, é ridicularmente difícil, beirando o impossível na minha opinião. Não gostei do gato de ter que pausar o game nesse modo, sempre que precisar ver quais são os comandos dos golpes que o jogo pede. Em SSFIV basta apertar o botão “back” (no X360) que na própria tela aparece o comando, sem precisar pausar e ficar viajando nos menus. Burocracia desnecessária. Porém, em SSFIV parece que o trial serve muito mais de aprendizado aos gamers novatos do que em MvsC3, onde depois de duas ou três missões, já começam a apelar demais nos comandos. É aquele negócio, difícil é bom, mas difícil demais é punir os jogadores.

Hsien-ko: Um dos 4 destraváveis do game. E na real, achei um dos melhores personagens do game. Otimo para ataques a qualquer distância e também para mudar de lado nas lutas.

Além disso, sobra o versus, offline e online. Infelizmente online não pude testar, mas se for como SSFIV não há do que reclamar. Precisaria ver se existem tantas opções quanto, mas parece que a Capcom também implementou esse modo com aquele modo Shadow e tal. Mas ao menos dá para jogar o Arcade com o Host ligado e ser convocado para lutas a qualquer momento, assim como ocorre em SSFIV, o que na minha opinião é uma das melhores formas de lutar online, sem ficar em salas procurando oponentes. Queria poder dizer mais, mas não tem muito mesmo o que dizer aqui. Jogar com os amigos é o único fator de longevidade do game. O jogador solitário provavelmente vai cansar rapidamente desta primeira versão do game, dado a falta de preocupação da Capcom com meros detalhes.

Nem os menus do jogo eu gostei, podem acreditar? Sei lá, os de SSFIV são tão bonitos, com fontes de lentras que harmonizam com as imagens e tal. Tudo bem que a ideia usada em MvsC3 parecem ser um estilo “Comics”, mas ainda assim, não gostei. Achei básico e comum demais. Isso não compromete o jogo é claro, é apenas uma mera opinião visual. O mesmo vale para os Icon e Title do game, sistema criado pela Capcom no primeiro Street Fighter IV e que foi melhorado na sequência. Não achei a forma utilizada em MsvC3 prática. Os menus deste sistema ficou poluido demais, e perdeu a simplicidade positiva que tem em SSFIV. Ao menos gostei da possibilidade de deixar em sua Tag times de três personagens já montados, para não precisa ficar procurando-os pelos menos na seleção de personagem. Isso sim, achei uma boa idéia.

Sentinela e Felicia: O gigante de metal é meio atrapalhado, grande lento, mas com golpes potentes, já a gatinha é uma personagem básica, nem fraca, nem forte demais.

Para fechar esse meu resmungo sobre o game, em relação aos golpes, especiais e jogabilidade dos personagens, houve muitos acertos, e especiais fabulosos, mas fiquei meio incomodado com a predisposição dos botões. Ainda acho o estilo de SSFIV mil vezes melhor. Existem dois modos de comando, Normal e Simples. No normal, as vezes é muito difícil acertas combos e golpes, devido a algumas sequências complexas e pelo controle do X360 ser um maldito para games de luta. No modo simples, os combos praticamente saem sozinhos e alguns golpes especiais ficam disponíveis com um abertar de um botão. As lutas ficam mais bonitas de se assistir e é mais divertido, mas também passa a sensação de que o game fica “fácil demais”, e no modo simples, tive a impressão que fica ainda mais complicado usar golpes e especiais que não entram no mecanismos deste modo. Fica aquela impressão que você joga apenas com o que este modo lhe permite usar, sendo que para algo mais avançado, você precisa jogar no modo normal mesmo. Achei que faltou um equilibrio melhor.

Quanto aos elogios, existe muita coisa bacana no game. Alguns personagens novos são mesmo fabulosos. Adorei jogar com o Zero, da Capcom, ainda que sinta saudades do Mega Man. Deadpool também é um dos melhores personagens do game, com movimentos rápidos, dose de humor no máximo e golpes poderosos e fáceis de usar, não é a toa que vem sendo um dos favoritos da galera pela internet. Também curti o Capitão América, X-23, Taskmaster, Wesker, Viewtiful Joe e Amaterasu (especial deste é ótimo). Até a Morrigan me agradou, e eu não gostava dela no MvsC2, mas funcionou muito bem para derrotar o Galactus. Muitos personagens e movimentos originais, golpes criativos e até mesmo existe um estilo de luta para cada um, além das combinações de suporte que podem fazer toda a direrença nas lutas. Os gráficos do game também estão soberbos, assim como a trilha sonora, geral e individual de game personagem! Cenários muito rico em detalhes, e personagens bem modelados e com efeitos de golpes que deixam as lutas bem intensas! Em resumo, tudo que é novidade no elenco do game deu certo, a trilha sonora engrandece o game e os gráficos e visuais estão em perfeita sintonia com a proposta da série.

X-23: Bacana para quem já enjoou do Wolverine, personagem rápida e com ataques que causam estrago. Haggar? Bem, nunca gostei do Zangief e ele é bem parecido...

Finalizando…

Há duas formas de finalizar estas impressões iniciais. A primeira é de que independente de todos estes pequenos problemas que me incomodaram, Marvel vs Capcom 3 é um grande game, divertido, leal a sua franquia e com algumas melhorias em determinados setores que precisariam de qualquer forma se adequar a esta geração. Imperdível? Com certeza! Se você gostava dos originais, vai continuar curtindo o terceiro game. Se você é um daqueles gamers que vive com a casa abarrotada de amigos para jogar games em multiplayer, os problemas que apontei não lhe causarão nenhum problema.

O segunda visão que tenho sobre tudo isso é mais complexa. Não acho que valha à pena comprar neste momento Marvel vs Capcom 3, pois como expliquei nos parágrafos acima, é um investimento caro, seja pela importação do game à U$ 60 ou pagando R$ 200 aqui no Brasil (preço oficial de revenda). Soma-se isso aos DLC e o resultado é um game de luta caro demais. Veja bem, não estou dizendo que não valha a pena jogar, estou dizendo que não vale a pena gastar tanto num game que literalmente veio incompleto. Se você pode alugar, jogar na casa de um amigo, ou esperar mais um pouco, recomendo que o faça. Eu mesmo tomei a decisão de que vou esperar ou o game abaixar de preço até o fim do ano (o que é comum lá fora) ou vou esperar uma segunda versão produzida pela Capcom, pois assim como Street Fighter IV teve uma nova versão, e segundo rumores vai ganhar um outra (a versão arcade deve vir aos consoles), eu duvido muito que a Capcom não faça o mesmo com MvsC3, com mais conteúdo ou pelo menos já incluso os DLCs que a empresa pretende vender ao longo de 2011. Claro que ela não deve sair este ano ainda. Mas vou ser paciente e esperar. O jogo é formidável, mas meu dinheiro não é capim.

Jogue sim! Mas tenho sérias dúvidas se vale à pena investir seu suado dinheiro no game neste momento.

[nggallery id=440]

Vídeos:

10 minutos de Hyper Combos!

Abertura completa do game (11 minutos):

Isso também pode lhe interessar

47 Comentários

  1. Eu gostei bastante do jogo. tem alguns defeitos claro mas como vc disse não deve em nada à franquia. Meu problema não foi nem com o baixo número de personagens,mas sim com alguns que estão por lá que sinceramente não fariam a menor falta(Amaterasu…oi?) Mas como sou besta acabei comprando a versão especial. Fazia tempo que não desembolsava uma grana com um jogo, achei que estava na hora o/
    Mas belo post. (aliás eu também postei sobre o jogo essa semana lá no Clarim, se quiser dá uma olhada lá )

    1. Não acho que vc seja besta Macgaren, tu curte, comprou e pronto. Eu se pudesse tambem comprava, mas infelizmente anda selecionando a dedo o que compro pro meu x360. jogo coisa demais e as vezes é loucura comprar um monte de games e não conseguir terminar ou joga-los pouco. limei MvsC3 da minha lista de compra por causa disso, os motivos da matéria só reforçam a minha decisão. XD

      Eu li a matéria no Clarim, ficou bacana sim! Você foi mais otimista (e até mais detalhista em alguns pontos) que eu com certeza. 🙂

  2. Bom para mim o jogo é totalmente voltado ao multiplayer, e principalmente ao multiplayer local. Mesmo o online tenho escutado reclamações que você não pode assistir a luta de outros da mesma sala enquanto espera sua vez, como acontece no SSFIV.

    Os personagens também são bem desbalanceados, Sentinel é um apelão dos infernos e tem um HP gigante, enquanto a Fenix se tomar 3 golpes morreu.

    Meu trio mais forte formado foi Dante, Sentinel e algum dentre Ryu, Wolverine e Capitão América.

    1. Eu ia comentar sobre esse fator de ver lutas online, mas como não cheguei a colocar o game na live, achei melhor que não, mas eu suspeitava mesmo a carencia deste problema no game. Muito ruim mesmo.

      E tambem concordo 100% com vc quanto ao desbalanceamento do game, personagens fortes e fracos demais, golpes apelões, golpes ridiculos. Tem personagem que não dá pra jogar pra valer mesmo. Esse é um problemão do game e um dos motivos que me levam a acreditar que numa segunda versão do game, a Capcom deve mexer nisso, assim como ela tb melhorou isso de SF4 para SSF4.

      1. Pois é, por exemplo é um jogo impossível de se criar campeonatos, porque o desbalanceamento entre os personagens é enorme.

        Mas é divertido para um jogatina a tarde com os amigos.

  3. Ô Thiago respeito muito sua opinião, mas o que você menos falou foi da jogabilidade (para um game de luta isso é essencial) É claro que vc teve pouco acesso ao game. Inventaram essa de game de luta ter historinhas com finais felizes que parece padrão. O mais importante é a porrada, a pancadaria, não se o ryu atingiu seu objetivo final. Tenho o game e morro de risadas das lutas impossíveis. Se possui historia, Porrada no Galactus!!!!!!!!!!!!
    A Amaterasu é prata da casa no meu time macgarem

    1. Oi Guilherme, olha eu até te entendo um pouco. Quando terminei o texto fiquei pensando a mesma coisa que vc a respeito da jogabilidade. Mas aí percebi que não tinha muito o que comentar sobre a mesma. É um game de luta, ou vc apanha ou vc bate, os controles se resumem a isso apenas. cada persongem com seus especiais e golpes e estilo de luta (isso está no texto). Mas fora isso, não vi muita prática ficar comentando personagem por personagem, até porque isso seria uma avaliação bem superflua, já que cada um tem seus favoritos e seus odiados.

      Pra mim, um game tem que ter conteudo. não importa se é um puzzle, se é um FPS, um RPG, um de corrida ou um jogo de luta. Tem que ter modos e opções que destraia o jogador quando estiver sozinho. Que o estimule a decorar golpes e combos, que o faça jogar dezenas de vezes, mesmo que não seja um multiplayer. Dou como exemplo Super Street Fighter IV e Soul CaliburIV, games com bastante atrativos que me incentivam a ficar jogando e jogando. MvsC3 não conseguiu.

      Acho que em jogos de luta, conteúdo importa sim. Não basta ter jogabilidade afiada, o que MvsC3 tambem não tem, pois como o simiano disse acima, os personagens são desbalanceados e tornam alguns descartáveis por conta disso. Isso por si só já é um baita problema.

      Agora se vc qusier saber a minha opinião a respeito de algum detalhe em específico sobre a jogabilidade, pode perguntar aí que eu te conto.

      abraços e valeu pelo comentário! 🙂

      1. Mas ai que está, conteudo é uma coisa relativa nesses games, eu estou ai para lutar ou entender a história da vida do Hagar?
        POde ser um defeito do jogo, mas jogabilidade desbalanceada tem suas peculiaridades, como comparar a gatinha da Felícia com um Hulk, iguais???? Nem pensar!!!! O Sentinel É apelão sim, mas pra mim ai está a graça, personagens iguais com roupas diferentes??? Não.
        Quanto ao Iron Man Thiago, me fale sobre a jogabilidade dele por favor!!!

        1. Mas eu não disse que tem que ter a historia completa de cada personagem, o que mencionei é que SSFIV tem um tratamento muito melhor para o modo arcade, com videos e belas apresentações individuais para CADA lutador do game. Não é aquela coisa tosca do final de MvsC3…aquele finzinho ridiculo em texto… aquilo lá de coisa de jogos de luta de 20 anos atrás… é muito feio.

          Não estou dizendo que games de luta precisam de historia… estou dizendo que não é porque o genero é luta que não deve havar CAPRICHO a meros detalhes.

          Quanto ao Homem de Ferro, não tenho muito a comentar, ele é praticamente igual a versão de MsvC2, tirando alguns movimentos novos e aquele especial bem apelão que o PC usa a exaustão no Hard… mas fora isso, eu achei o Capitão América muito mais fluido que o Homem de Ferro… o que não me lembro de achar isso no game 2.

          1. Eu não estou questionando a qualidade e sim a utilidade, uma produção caprichada é bonita e de encher os olhos, mas é num jogo de luta, como por exemplo ficar mudando armas e roupas… acho um saco…

  4. Olha eu já disse isso em outro post a respeito desse jogo: sacanagem comparar com o MvC2 simplesmente pq aquele “copia e cola” vagabundo não acrescenta nada. Se nós estamos procurando aqueeeela variedade monstruosa de personagens o MUGEN é o mais indicado (onda dá pra jogar até com as meninas Super Poderosas XD).

    Esse negócio do final é frustrante mesmo, eu salvei com o Cap. e aquilo foi só pra passar nervoso. Se bem que exigir finais decentes da Capcom é pedir pra nascer jacas de uma macieira… Basta olhar os encerramentos xexelentos de SF4 e acredito que todos vão me dar razão.

    Capcom gosta meeesmo de engrupir nosso dinheiro, então logo logo sai uma versão Hyper Edition ou Director’s Cut com 256 personagens. Só precisaremos comprar o jogo de novo HAHHAHAHAH.

    Chimichanga!

    PS: Se quiserem onhecer a perfeição em matéria de jogos de luta, com finais maravilhosos e tal, eu recomendo que joguem Dead or Alive 4. O jogo é tão fantástico que áté os encerramentos de cada um são maravilhosos ^^

    1. “Capcom gosta meeesmo de engrupir nosso dinheiro, então logo logo sai uma versão Hyper Edition ou Director’s Cut ”

      – “Super” Marvel vs Capcom 3
      – Marvel vs Capcom 3 EX
      – Marvel vs Capcom 3 Arcade Edition
      – Marvel vs Capcom 3 Game of Year

      São só alguns dos exemplos do que eu acho que pode acontecer. XD

      Obs: De Steet Fighter IV eu não me recordo direito (já esqueci huahauhuahua), mas de Super SF IV eu curto bastante os encerramentos em anime. Acho eles muito bonitos. Sem mencioanr que pra essa série a Capcom animou dois curtas animados do universo do game, o que é fodástico. MvsC3 no máximo ganhou um gibizinho nos EUA que nunca será lançado no Brasil. 🙁

      Obs2 : Esuqeci, quanto aos personagens clones… olha lá hein, porque Wolverine e X-23 não são tão diferentes assim… o mesmo vale pro Wesker e os videos que vi da Jill Valentine em videos via You Tube… É inevitavel que alguns personagens se pareçam, seja nos especiais ou nos na forma de uso nas lutas. Clonagem é relativa em games assim. XD

      1. Dante e Deadpool são bem semelhantes também, apesar que de Deadpool ter o especial mais comédia de todos, que ele pega a barra de energia e de super para acertar os adversários.

  5. é realmente os finais são BASTANTE decepcionantes principalmente pq todos tinhamos visto os videos de abertura na net antes .. esperávamos algo bom assim ou pelo menos com o próprio gráfico do jogo..mas não sei se a capcom vai lançar outra versão como SSFIV..pq é normal essas revisões pra SF mesmo + pra crossovers eu não lembro de nenhuma

  6. Eu responder o post do pessoal, mas resolvi fazer um post so.

    Eu comprei o MvsC3 e to jogando ele.

    Primeiro: Concordo com todos sobre os finais! Os finais são muito fracos no quesito de animação. Eles ate que são engraçados(o da She-Hulk ela entra na firma do Phoenix Wrigth e do Zero ele e o surfista vão para no mundo do jogo Megaman Zero de gba,hehehe), mas eu acho que a Capcom podia ter feito coisa beeeem melhor.

    Segundo: Os personagens não são desbalanceados(não muito pelo menos). Eles são diferentes entre si. O jeito de se jogar com o hulk ou sentinela(lentos e brutos) é completamente diferente de se jogar com a phoenix(fragil mas com um dano alto). É tudo questão de tecnica e treino. Isso eu gostei muito! É muito interessante ter que aprender as taticas de cada personagem e descobri como realizar seus combos.

    Terceiro: Eu tambem não ligo se nao tem o memso numero de chars do MvC2,pq nesse jogo o numero de copy&paste foi gigante!! Claro,queria mais chars nessa 3ª versão, mas o resultado final agradou bastante(pra mim pelo menos). Tambem não me surpreenderia se a Capcom lançasse ano que vem uma nova versão do MvC3. E o otario aqui vai la comprar denovo… Que posso fazer, eu adoro esse estilo de jogo(alem que comprei o MvC3 de um leilão na net e saiu barato).

    Quarto: Existe diferenças entre o normal mode e o simple mode. Normal: comandos mais complexos e todos os golpes disponiveis(incluindo hypers);Simple: comandos simples,mas a lista de golpe esta restrita,incluido os hypers.

    Ps.: O sentinela é apelão, mas não invencivel! É so usar um personagem com voo ou teleporte que você detona ele;
    Ps.: O capitão america esta muito mais forte que no 2ºjogo, ele ta mais rapido e seus combos são melhores.Meu personagem favorito no jogo!

    1. Discordo de você sobrre o desbalanceamento. Se você jogar com alguém do seu nível, você for com a Phoenix e ele for com o Sentinel, você vai perder 90% das vezes posso te garantir, por melhor que você jogue com ela.

      Isso não é só diferença de jogar com um ou outro, não é como um jogar com a Chun-Li e outro com o Zangief em SSFIV. Houve um desbalanceamento forte sim.

  7. Concordo com quem achou o jogo no single plyer com fator replay ridiculo… Não dá vontade nenhuma de ver os finais… Também achei os personagens desbalanceado, jogar com a Phoenix com qualuqer jogador bom é impossivel… Um cara bom de Capitão América contra um cara bom de Phoenix o resultado é óbvio… A única coisa que me empolgou nesse jogo foram os gráficos, o resto ou é comum ou é fraco…

    Como a maioria já ressaltou nos comentários, serve para um multiplayer com os amigos e ponto final, isso se tiver amigos e se seus amigos gostarem…

    No meu caso tenho muitos amigos que tem x360 e só um primo meu agradou do jogo e joga comigo, o resto da galera endoida é no Call of Duty e no Fifa 11… Minha mulher também gostou do jogo… O time dela é Storm, Dante e Wolverine…

    Meu time principal no MvsC3 é Capitão América, Dante e Wesker… as vezes entra o Ryu, Iron Man, Sentinela…

  8. Pra mim, 32 personagens é um número ideal. O pessoal acaba jogando só com uns 4, 5 mesmo, o plantel é variado é abrange um amplo espectro de jogabilidade e gosto. A questão do DLC sim, é uma coisa que abomino nessa geração, pois serve mais de muleta do que outra coisa. Com poucas exceções, só vemos sendo lançados jogos cheio de bug’s e capados. Se eu pudesse excluir uma “feature” dessa geração, seria o sistema de DLC.A questão do desbalanceamento é muito relativa. Cabe ao jogador estudar todos os movimentos e as reações que eles provocam. O Haggar, que a maioria não curte muito muito, foi um personagem que me trucidou no online, o meu adversário tinha uma resposta certa para cada movimento meu. Não é desbalancemento, é falta de treino.

    E que bom que não tem “historinha”. Jogos “Tag Team” não precisam ter, é preciso focar no cerne da questão, que é o ato da luta. Em todo crosssover, a galera quer saber mesmo é dos embates. A premissa básica que o jogo oferece é suficiente e de fácil assimilação, tá ótimo. Jogo de luta tem que ser pancadaria, e não discussão filosófica e chá da tarde.

    Para um fã dos comics, os visuais dos menus, layouts, e fontes são excelentes, com detalhes bem sacados, como acontece quando você escolhe o seu trio e parece que eles estão na capa de uma hq, com direito a código UPC e tudo. Certas roupas especiais retratam momentos marcantes, como o Justiceiro envergando um uniforme em homenagem ao Cap depois de sua morte, ou o Aranha com seu traje Iron Spider. Menções ao Grão de Café, a Shadowland, enfim, vários e vários detalhes foram adicionados.

    Não sei se a Capcom vai lançar 3 versões de MVC3. SFIV só sofreu isso pois não suportava a inclusão de personagens. Uma versão GOTY eu acho bem plausível entretanto, mas é algo já estabelecido pelo mercado, e não culpa do jogo.

    Aliás, não gosto quando comparam muito MVC3 com SFIV, pois entendo que são jogos com propostas e dinâmicas de jogo bem distintas. A base de MVSC3 é Tatsunoko vs. Capcom. E o modo “SIMPLES” de MVSC3 é algo que o Ono anda perseguindo, pois jogos de luta precisam promover também a acessibilidade ao grande público e assim deixaram de ser o nicho que são.

    MVC3 apresenta em seu conjunto um conteúdo muito bom, agradando ao fã das antigas e aos marinheiros de primeira viagem. Se você acredita que o hype estragou o jogo, lembre-se, foi o SEU hype, o jogo é bom mesmo.

    1. Bem Mauri eu discordo quando vc diz que só porque é Tag Team o game, o modo arcade não precisa ter certos caprichos, alias os games de luta andavam meio desacreditados antes dessa geração justamente a falta de capricho dos estudios. Não é questão de ter historinha, mas de incentivar o jogador, e o que a propria capcom fez em SSFIV incentiva o modo arcade. Outro belo exemplo são os varios modos de Soul Calibur IV. Cada jogo é de um jeito eu sei… mas a minha questão é capricho e em certos pontos, não acredito que a Capcom tenha acertado aqui.

      Assim como num game de 3 contra 3, trinta e poucos personagens, acho sim um numero baixo.

      Eu não disse que o game é ruim no geral, eu disse que acho-o caro dentro da proposta criada pela propria empresa, é preciso deixar bem claro isso. MvsC3 é bom, mas não acredito que valha seu preço de U$ 60 + custos de DLC. Prefiro esperar e comprar ele ou numa nova versão (seja game of year, seja quando esta primeira versão baixar, o que sabemos que acontecerá). Não disse que o jogo está “estragado”, disse que ele tem falhas como qualquer outro e da Capcom, o melhor é esperar um pouco do que comprar o mesmo game duas vezes.

      1. Não foi a falta de capricho que causou o declínio do gênero, e sim a curva de aprendizado cada vez mais alta, com a alta complexidade, que devolveu o gênero de volta ao status de nicho.

    1. Por sinal, o Mortal Kombat terá uns modos de game malucões além do simplesmente, porrada contra porrada. Isso é bom, ajuda a combater a mesmisse que todo game de luta sofre em pouco tempo de gameplay.

          1. Eu acredito nesse próximo Mortal Kombat, mas concordo com você. Se os ateriores falharam foi por tentar desviar do foco que se propuseram – promover uma luta – Espero que esse não se foque somente nas palhaçadas e sanguinolência, mas numa luta que nos divirta.

          2. Mas esses modos são extras, quem quer jogar jogue, quem não quer deixe de lado. Não vejo onde um jogo ter coisas extras para se fazer prejudique o jogo. Não foi isso que afundou MK, foi as lutas 3Ds ruins, diminuição da violência e aquele crossover ridículo com a DC.

          3. Eu to parecendo chato, mas insisto – A coisa não é bem assim. Pense pelo lado da produção de um game – Quanto tempo se perde no desenvolvimento desses extras, quanta energia gasta para nada. O foco é desviado do cerne do jogo, que é a luta. E sim, essa perda de foco afundou MK sim, que era um jogo de luta e virou jogo de ação????? As lutas 3D ruins influenciaram tbm. Mas se não fosse isso, porque estão voltando às origens?

          4. Mas não foi o que quis dizer, só digo que o foco é a luta, não os extras. Primariamente, o que te faz comprar um jogo de luta? Quantidade de extras?

          5. Diversidade nos modos de games é tão importante quanto o jogo sim, independente do genero. quando compro um game de luta levo em conta:

            * originalidade do titulo
            * quantidade de lutadores e cenários
            * diversidade nos modos do jogo

            não levo em conta unicamente a porradaria do mesmo. dito isso, por isso que Blazblue é um dos games de lutas mais fracos dessa geração… 12 personagens, ainda que com estilos unicos… e fraquissimo no quesito diversidade nas modalidades do game. não é a toa que o estudio acabou mexendo e continua reformando o titulo, aumentando as novidades…porque ele se tocou que a primeira versão era rala demais.

          6. E desde quando um titulo ser original e ter quantidade de lutadores e cenários é extra? É obrigação em muitos casos. Claro que diversidade traz um refresco ao gênero, bem como modos de luta… não modos de destruir castelos e consquista como extra fraquissimo de SCIII – Minha opinião

  9. Como eu ainda não joguei o jogo, não posso falar muita coisa, mas eu comcordo completamente sobre o roster e os DLC’s, ele colocaram menos personagens de próposito, para lançarem o resto em forma de DLC conforme o tempo, até porquê tem muito personagem que faz falta ae, e digo mais aposto que eles já até tem alguns prontos ou encaminhados (Como já occorre com a Jill e Shuma Gorath).

    DLC foi uma das piores coisas que já inventaram na indústria dos games, pior que poderia ter sido uma coisa interessante se fosse BEM UTILIZADA, mas a droga da ganância desenfreada sempre fala mais alto.

    1. “pior que poderia ter sido uma coisa interessante se fosse BEM UTILIZADA, mas a droga da ganância desenfreada sempre fala mais alto. ”

      Alguns estúdios e alguns games souberam utilizar isso. Acho que no quadro geral, concordo com a sua visão, mas tb tem muita coisa fabulosa que os DLCs permitiram nesta geração.

      Com isso, eu sou a favor da existencias do mesmo. O que precisa ser feito é uma fiscalização em cima do que deve ou não ser cobrado e o que é mercenário ou não.

      1. Falou tudo!!! O que a industria de games precisa não é eliminar totalmente os DLCs e sim algum tipo de fiscalização ou regulamento para que pare esses DLCs mercenarios que saem toda hora!

  10. Minha nossa, quantas reclamações sem fundamento. O que percebo é que elas geralmente vem de quem não curte de fato fighting games.

    Jogo de luta é pra quebrar o pau, mas para tanto, é necessário compreender o sistema e a profundidade do jogo. É necessário perceber que um sistema profundo é o que trás longevidade e competitividade ao jogo e não foram as produtoras que deixaram a peteca cair com os jogos de luta da geração anterior e sim essa geração PS2 que só queria saber de “Godofô” e afins.

    Street Fighter IV só deu uma repaginada básica nos gráficos, mas o sitema é extremamente parecido com o de qualquer jogo de luta (tirando os timings extremamente precisos pra acertar combos e meticulosidades como Priority Linking). Então percebam como o elemento “gráficos” fez sim diferença aqui(pelo menos no início, já que tais player logo abandoaram o jogo). O jogo não é de forma nenhuma amigável e se alguém me diz que é, me mostre um único vídeo de um player iniciante ganhando de um intermediário ou top player, simplesmente não existe, pois o jogo sabe te recompensar pela dedicação. MvC3 sim ficou mais noob friendly e você percebe que não existe tanta diferença entre um player iniciante e alguém que já se dedica a um tempinho, pois basta algumas horinhas no training e você já estará combando lindamente.

    1. Mas o noob friendly é muito interessante pois inclui mais pessoas e deixa o desafio melhor. O que eu falo é que o mercado é tão concorrido e os paradigmas mudam a toda hora ($) que o foco é desviado – Um jogo de luta foi feito para se lutar – FPS – Atirar – Agora conteúdo caprichado é outra história. Quer saber da vida do personagem, que procurem outras mídias. E crossover de três peronagens numa história maluca com filminho aí é exigir demais né…

  11. nao tem essa de desbalanceamento, existe é personagens que vc sabe ou nao jogar, Sentinela é apelão? sim se vc souber jogar com ele, senao se ferra, Fenix mesma coisa, só noa gostei de deslocados como Artur, Joe, e a coisa horrorosa da Trombone (ninguem jogava com ela no 2 ja) e esqueçam novas versoes, vai ser tudo por DLC, que alias, muito caras, Jill e Shuma Gorath por 5 dolares cada é sacanagem

  12. Jogo de luta não tem final bom mesmo, só Soul Calibur e Tekken.O personagem q mais usei e gostei e menos perdi foi com o Dante o cara usa todos as armas e poderes do devil may cry 3. Eu não gostei muito do wesker é meio ruim usar ele.

  13. É cara,o zera é decepcionante,o chefão no hard é fodadisco,modo mission é quase impossível completar todos de qualquer jogador(o máximo que consegui foi até o 6 com o wolverine depois de tentar muito fazer um air-combo que é impossível de fazer jogando no arcade)
    ========
    É verdade o controle do xbox é uma bosta pra jogos de luta…tekken 6,ssfiv,MvsC3 quem não é acostumado a jogar com o controle do xbox logo apela e fala que o direcional ta com defeito.

  14. Eu adorei o jogo. Meu único ponto negativo é a jogabilidade facilitada. Acho que tinha que ser a padrão mesmo. Eu aprendi no passado, porque outras pessoas não podem aprender tambem? Quer facilidade para seus dedos, va jogar joguinhos de pensar no DS.
    Daí explico o problema do Homem Aranha, pois alguns de seus golpes foram mudados de comandos, o que prejudicou e muito engatar combos, dando a impressão do personagens estar truncado.

    Enfim, eu comprei o jogo para PS3 bem “barato”. Saiu 100 reias com frete pelo SHOPTO da Europa; chegou em 12 dias e veio com uma HQ especial do jogo. (pra trazer um jogo de fora sim, achei barato, no SNES eu pagava mais que isso pra trazer jogos originais pra mim na época).
    Acho que os DLC’s deveriam ser 1 dolar… ou um pacote mais caro com alguns personagens juntos.
    Com os DLC’s o game pode ter mais do que os 56 personagens do jogo anterior (o que eram baixados na net ou destravaveis, isso quando foram lançados para dreamcast, a versão que eu tinha).
    Enfim é um bom jogo com jogabilidade descente e com finais ruins. Mas cada um tem seu gosto pra analisar.
    PS: sinto MUITA FALTA de nao ter o Mega Man X. E tem muito MAZELA na rede pra vc jogar online…

  15. Sinceramente, MvC3 foi o pior game que comprei até hoje. A Capcom me decepcionou. Poucos personagens, Sem o prometido módulo de x1 sem partners, Tela inicial ridícula, tipografia ridícula, boss final ridículo!!! Eh mto mais. Ridículo… e patético…

    A única coisa boa no game é a aparição de Dante, Deadpool e Viewtifull Joe. Bom, essa é minha opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.