AssistindoCinemaLendoMiscelâneaPapo Pipoca

Motoqueiro Fantasma 2 – Eu Fui! (EXP+)

A dupla vingança do Espírito da Vingança!

Assisti hoje na primeira sessão, e nesse post comento um pouco sobre o novo filme do anti-herói flamejante da Marvel, e dou as minhas impressões e informações diversas. Se você não viu, antes que continue a leitura é bom que saiba que há spoilers no texto. Mas adianto que dessa vez o Espírito da Vingança obteve uma vingança dupla, inclusive contra o primeiro filme.

Esqueça tudo aquilo que foi visto em Motoqueiro Fantasma (Ghost Rider, 2007). Em Motoqueiro Fantasma: Espírito de Vingança (Ghost Rider: Spirit of Vengeance, 2011) tudo aquilo que era galhofa e desnecessário no primeiro filme foi limado (só que isso infelizmente inclui a Eva Mendes). É até difícil classificar o novo filme como uma sequência.

Na verdade Motoqueiro Fantasma: Espírito de Vingança funciona muito bem sozinho, e inclusive recapitula como Johnny Blaze se tornou o hospedeiro do Espírito de Vingança, em sequências curtas, no formato de uma animação bem estilosa. Portanto, se você teve a sorte de não ter visto o primeiro filme, não está perdendo nada (exceto a Eva Mendes).

O roteiro do filme foi idealizado por David S. Goyer, conhecido por seu trabalho nos filmes do Blade, dos atuais Batman e do futuro Superman (além de várias HQ’s e até de Call of Duty: Black Ops). Goyer apresenta uma história que se passa alguns anos depois do fim de Motoqueiro Fantasma, e mostra Johnny Blaze vivendo na Europa Oriental, perturbado depois de anos convivendo com o fardo de ser hospedeiro do Motoqueiro Fantasma.

Desde os primeiros minutos, já é possível perceber o estilo dos diretores Mark Neveldine e Brian Taylor (Gamer, Adrenalina). O filme tem um ritmo mais frenético, câmera baixa e nervosa, mais cenas noturnas e/ou escuras, diálogos mais curtos. Uma edição direta e fotografia pesada.

Com isso, o clima do filme é mais parecido com as HQ’s do personagem. Além disso, Motoqueiro Fantasma: Espírito de Vingança é o segundo filme com o selo Marvel Knights (um selo com histórias direcionados ao público maduro) depois de Justiceiro: Zona de Guerra (Punisher: War Zone, 2008).

Tudo isso formam um receita saborosa em teoria, mas na prática o gosto não ficou tão bom assim por conta de acabar sendo um PG-13, então muitos aspectos violentos e impróprios foram suavizados para que o filme atingisse um público mais amplo. Coisas da indústria do cinema, então não veremos o Motoca cavalgando prostitutas em chamas como era previsto originalmente.

Blaze é procurado por Moreau, que propõe uma troca: Blaze o ajuda a salvar um garoto das garras de Roarke (o demònio, o mesmo que fez o pacto com ele), e então Blaze poderá então se ver livre de sua maldição. Um plot básico do básico, mas que funciona a contento por incluir muitos elementos das histórias em quadrinhos do Motoqueiro Fantasma. E usar cliché não é ruim.

Roarke está enfraquecido pelo uso de sua forma humana, e coloca quase todo o seu poder no corpo de Danny. O plano do demônio é assim que o garoto completar 13 anos, o matará e assumirá seu corpo, e assim todo o seu poder será restituído.

Curiosamente, o nome do garoto é Danny, uma suposta referência a Danny Ketch, personagem que sucedeu Blaze como Motoqueiro Fantasma, embora no filme em nenhum momento o sobrenome do garoto é mencionado.

Moreau age em nome de uma antiga seita cujo líder é Methodious (Cristopher Lambert, o eterno Highlander) e Blaze aceita a proposta e inicia sua busca para encontrar o garoto, ao mesmo tempo em que Roarke faz o mesmo. Eu achei todo esse lance da seita meio desnecessário, admito.

Blaze consegue salvar o garoto e se livrar da maldição, mas aprende que o Motoqueiro é na verdade Zarathos, um bondoso anjo que foi corrompido pelo demônio. Originalmente Zarathos defendia os inocentes, mas foi transformado e passou a caçar e destruir os pecadores, tornando-se então o Espírito de Vingança.

Além dos inimigos bucha, Roarke coloca no caminho de Blaze um adversário a altura: Blecaute. Mas ele só possui o visual parecido com o personagem dos quadrinhos, no filme seus poderes são um pouco diferentes, e eu gostei da mudança.

Logicamente, no fim tudo dá certo. Blaze impede que Roarke consiga um novo corpo e tenha seu poder restaurado, Apesar de continuar como hospedeiro do Motoqueiro, Blaze conseguiu alcançar a essência boa do anjo caído, e continua a queimar asfalto por aí, mas talvez de agora em diante tudo aconteça de forma diferente. O terceiro filme está nos planos da Sony.

Motoqueiro Fantasma: Espírito de Vingança é uma filme que se utiliza mais dos elementos encontrados nos quadrinhos. Não perde tempo com interesses românticos e explicações extensas. Respeita mais o personagem e aboliu tudo o que fez do primeiro filme um algo sem sal. Vale conferir no cinema e ter o BD, mas não é nada no nível dos últimos filmes da Marvel. Nem curto esquemas de notas, mas de 0 a 10, eu daria um 7 de boa vontade.

Nicholas Cage me parece um pouco velho demais para o papel. Dessa vez é um Johnny Blaze melhor, mas é estranho quando vejo que ele atua melhor quando está sob a pele, ou melhor, os ossos do Motoqueiro. Pois dessa vez, Cage interpretou todas cenas, e ele se inspirou em serpentes, Axl Rose e faraós para apresentar um Motoqueiro literalmente com o diabo no corpo.

Esse é um dos grandes trunfos do filme: quando o Motoqueiro está em cena, fiquei encantado com seus trejeitos e atitudes, em nada lembra a maneira insossa que vi anteriormente. Insano, imprevisível, assustador. Esse é o Motoqueiro Fantasma que sempre quis ver nos cinemas. Mas quem sabe com Danny Ketch em um filme futuro as coisas possam euquentar de vez?

Prós: Efeitos especiais e atuação do Motoqueiro. Câmera nervosa. Vai direto ao ponto. Mitologia do personagem mais respeitada. Foge do padrão do gênero.

Contras: Nicholas Cage quase cinquentão. História sem surpresas. Sem Eva Mendes. PG-13.

__________________________________________________________________________________________

EXP+: Um pouco sobre o 3D e uma opinião rápida!

por Rackor

O filme do Motoqueiro, ficou devendo até na minha opinião. Não que eu não tenha me divertido, as cenas de porrada, explosões, e coisas do tipo com o Motoca ficaram bacanas ao meu ver. Gostei do visual do motoqueiro com a jaqueta derretendo, e o fogo bem real, mas o filme não é só isso…

A história é bem boba, basicamente tudo que você precisa saber sobre ela está nos minutos iniciais aonde é dito a Johnny Blaze qual é a sua missão. O diabo, ou Roarke, foi bem subaproveitado, e não fez nada demais em termos de poderes ou para se opôr ao motoqueiro. Até mandou um capanga que apodrecia as coisas, mas que o motoca derrubou bem fácil. AChei Johnny Blaze bem apelão, e por isso nada teve muita graça, já que ele chegava batia nos malvadões e salvava o dia. O início mais descontrolado era bem mais bacana aliás, com qualquer coisa sendo atacada por ele, pagando seus pecados.

A palavra que definiu o filme foi agradável. Eu me diverti com as cenas mais bem feitas, o filme vai direto ao ponto sem muita enrolação (o que foi bom e deixou uma sensação que todo o tempo foi bem a aproveitado para se contar a história do filme), e claro, como falei acima, o Motoqueiro em sua moto vale demais, e o Moreau, o padre bêbado que ajuda Johnny também é bem divertido (e beira até o nonsense).

Sobre o 3D nada grandioso, mas também achei que até fizeram um uso razoável com as coisas voado da tela, e se aproveitando dos efeitos especiais do filme. Não foi quele 3D que só deu profundidade nos cenários, houve realmente uso bacana, como na moto e sua fumaça, e no fogo da cabeça do motoqueiro.

Filme para ficar 95 minutos no ar condicionado, curtindo umas explosões aqui, uns tiros acolá.

Isso também pode lhe interessar

Mauri Link

Um gamer inveterado desde a primeira geração de consoles, aficcionado por histórias em quadrinhos, nerd de carteirinha, e super-herói nas horas vagas!
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.