AssistindoMiscelâneaReflexões & Opiniões

Já são onze anos minha gente: peraí!

Do que o povo brasileiro gosta, afinal?

São onze anos no ar! Por lá, passaram dezenas de caras bonitões, mulheres malhadonas, gente medíocre, gente pseudo-intelectual, gente com supostos bons princípios, gente sem nenhuma moral, enfim, retratos do que é o brasileiro, afinal (pelo menos de uma parcela imensa, infelizmente).

Não adianta romantizar. Tem que enfrentar a realidade: mesmo com milhões de pessoas em redes sociais, falando mal, fazendo campanha para sair do ar, o tal programa ainda tem cerca de 29 pontos de audiência! Quase o mesmo que a novela das oito, que fica ali em 32 pontos…

Ou seja, milhões de pessoas adoram, telefonam, discutem e vivem o BBB! E isso rende muito dinheiro à emissora, não se engane! Uma inserção de uma marca custa algumas dezenas (senão, centenas!) de milhares de reais (estou falando de 30 segundos!), fora o merchandising, os produtos utilizados dentro da casa, o que decora cada festinha etc.

Essa edição, contudo, chegou no limite: estupro, gringa sem pudor ficando nua o tempo todo e pessoas imbecis. Pronto, falei. A imbecilidade, dessa vez, está acima da média. Não acompanhei todos os programas, fielmente, nunca fui fã. Mas, sempre fui curioso, afinal, sou eu, Pedro, meu povo! Aquele que ouviu Restart e assistiu a muitas coisas (de gosto duvidoso) só para postar aqui…

Então, a questão que fica é: onze anos no ar! É mais de uma década e… nada mudou? O povo desse país continua o mesmo? Consumindo as mesmas coisas, andando pelos mesmos caminhos culturais? Utilizando a internet para Facebook (não mais Orkut) e MSN (os que restam nessa plataforma), e somente isso? Tudo bem que tem um download ou outro aí na jogada…

Agora, a TV por assinatura está mais em conta. Mas, o conteúdo é ruim, repetitivo, embora tudo esteja dublado (justamente para atingir a todo o público, todas as classes socais, a um país que está, de fato, podendo gastar mais) e, por fim, o sujeito retorna ao BBB? É isso? Ou seria então falta de referências: tenho muita grana, mas só sei gastar com carros, som potente (para o carro) e televisores maiores? Nem um livrinho aí, de romance barato, esse povo compra? Aliás, compra sim: vide Ágape, fenômeno de vendas do padre Marcelo Rossi!

Eu realmente não consigo entender o sucesso de reality shows em geral. E não consigo entender esse em específico, principalmente: são onze anos IGUAIS! Mais do mesmo, as frases e anedotas pretensiosas do apresentador, uma encenação barata diariamente, sentimentalismo exarcebado, uma “saudade televisiva” encenada.

E não é só isso que me irrita na TV: as novelas, com vilões versus um casal de mocinhos românticos, amores proibidos, armadilhas, intrigas forçadas. A atual novela das 20h revelou o grande segredo da personagem vilã, preparem-se: era de origem pobre! O mundo dela ruiu, ela ficou, tadinha, desolada, na família dela teve alguém que foi empregada doméstica!
Me batam um abacate… E desde quando isso é motivo de vergonha? Uma novela inteira que gira em torno disso, desse “trauma”. E um programa que gira em torno de futilidades e um povo que engole isso a seco a tanto tempo que já passou a saborear o prato.

O que me preocupa é que há onze anos o prato é o mesmo, muda um molhinho ali outro acolá, mas, é o mesmo. E ninguém enjoa (a não ser os paladinos das redes socais)…

Isso também pode lhe interessar

Pedro Duarte

Jornalista apaixonado por todas as coisas que existem. Deve ser isso! Não há nada de novo que não demonstre interesse imediato em conhecer: ler, assistir, escutar, experimentar. Tentando viver um pouquinho de tudo por dia e passar a experiência aos nossos leitores!
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.