AssistindoMiscelânea

A Lenda de Korra: algumas impressões!

Chegamos no episódio cinco e eu ainda espero um pouco mais...

Ah, a saudade que eu estava de Avatar: A Lenda de Aang! Um desenho quase perfeito: engraçado, visual bonito, cenas de ação sensacionais, boa história e poesia sustentando tudo! E teve um fim espetacular, inteligente, longe de ser um clichê à toa… Ou seja, uma série animada perfeita (essa coisa de quase perfeito vamos deixar pra lá!).

Aí veio o anúncio de A Lenda de Korra! Morri esperando o lançamento, assisti como uma criança, esperando novidades a cada semana nova e eis que chegamos no quinto episódio do livro um e já podemos analisar com um pouco mais de calma! Aqui para ver trailer, etc.

Por parte, mas, sem enrolação: o Visual – sensacional! Cenas maravilhosas, a coisa meio noir, antiquada, o começo de um mundo moderno, trilha sonora pra frente, com climão de Cowboy Bebop, uma coisa de jazz, uma pitada antiga na medida.

Korra é braba como uma garota que viveu isolada do mundo tem que ser! Katara, velhinha, está perfeita! A família que Aang construiu, deixando netos e tudo, está também nos conformes: proporcionam humor e um clima mais leve!

Então, até agora, tudo que remete aos personagens da série anterior está perfeito. Inclusive a evolução das dobras , a incorporação das técnicas que os personagens da série original desenvolveram: o bloqueio da dobra (temporária e permanente), a dobra de terra que agora também serve para metais e a dobra de raio, que antes era coisa de mestre mesmo, também está banalizada – vamos dizer dessa forma. Muitas décadas se passaram e eu olho a assumo a lnha de pensamento que diz que vai ficar mais fácil mesmo para as gerações posteriores dominarem coisas “novas”.

Dito tudo isso, não tenho medo em dizer que é o melhor desenho de ação que passa atualmente, envolvente, rápido, inteligente – tem mistério, drama, humor, tudo nos conformes. E romance… Aí, chegou o meu medo. O meu trauma dessa geração Crepúsculo! Tudo tem que ter um triângulo amoroso, um romance barato e dúvidas de “menininha”.

Graças aos céus o episódio cinco afastou um pouco esse medo, mas, não totalmente.

E já que estamos já no episódio cinco, acho também que já está na hora de tocar no ponto que é o diferencial de toda a obra: a poesia. Atpe agora, alguns momentos de tirar o fôlego, mas, sempre de thriler de ação, falta a poesia, a dominação das dobras, o “estado Avatar”, o mundo espirtual, algo assim devia ter pelo menos aparecido rapidamente, não sei…

Está tudo na tecla de quem é Amon e “torneio de artes maciais”, que gera cenas lindas, é verdade, mas, pô! Torneio de artes maciasi é batido demais, com equipe vilã que é “malvadinha”, enfim.

A coisa toda é um anime americano, com direito a noodle e tudo! Isso é inegável! E precisa pegar o lado mais poético para engrenar e virar uma obra de arte permanente e não efêmera – como quase tudo que é feito hoje em dia!

Tem qualidade pra chegar lá. Mas, atualmente, no episódio cinco, ainda sinto saudades de Avatar: A Lenda de Aang e do algo a mais que ela tinha e que A Lenda de Korra ainda não mostrou.

Mas vai mostrar! (eu acho!).

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Pedro Duarte

Jornalista apaixonado por todas as coisas que existem. Deve ser isso! Não há nada de novo que não demonstre interesse imediato em conhecer: ler, assistir, escutar, experimentar. Tentando viver um pouquinho de tudo por dia e passar a experiência aos nossos leitores!
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.