JogandoMiscelânea

Opinião | Pokémon X & Y: após 12 horas de gameplay

As impressões iniciais após 4 dias de jogatina! A mesmo fórmula, só que melhor?

Ainda não entendi como consegui 12 horas de gameplay em apenas  3 dias e meio jogando Pokémon X. É muita coisa para uma pessoa com tão pouco tempo. Mas assim diz o registro do meu save no 3DS XL. E ainda estou longe de terminar o jogo. Em 12 horas consegui apenas a minha primeira insígnia de ginásio, porém já foram mais de 55 Pokémons diferentes capturados e algumas coisas importantes já aconteceram na história do game.

Depois do continue as minhas impressões iniciais, sem spoilers sobre a história, pode ficar tranquilo. Como pode um game que insiste na mesma fórmula desde que foi criado, continuar viciando e chamando tanta a atenção dos fãs e de potenciais novos jogadores?

Antigos e novos Pokémons se reúnem!

Antes de começar acho melhor comentar um pouco sobre a minha experiência com a franquia. Apesar de conhecer Pokémon desde a década de 90, pelo animê, foi apenas na geração DS que tive a chance de jogar um game original da franquia numa experiência portátil. Antes disso havia jogado apenas os games spin-offs de Pokémons para os consoles de mesa, como Pokémon Stadium (N64) e Pokémon Colloseum (GC). Nunca tive um Game Boy e nunca fiz questão de ter, porque achava os gráficos realmente fracos na época em que esses aparelhos existiam. No Nintendo DS tive a oportunidade, entretanto de jogar os remakes Soul Silver & Heart Gold, assim como Diamond & Pearl e também Black & White. Apenas a sequência de B&W resolvi ignorar.

Sendo assim, com base nessas experiências pessoais posso dizer que Pokémon X & Y é o melhor Pokémon portátil já feito, e isso nada tem a ver com os novos monstrinhos criados para a sexta geração. Os jogos citados para DS sempre me passavam a sensação de fragmentação no que diz respeito a linhagem e gerações de Pokémons já criados. Sendo que nunca realmente me senti motivado a completar a Pokédex do game. Diferente do que ocorre em X & Y. Ao menos nestas horas iniciais, fiquei extremamente satisfeito com a variedade de Pokémons “das antigas” e das novas gerações, convivendo e surgindo no mesmo ambiente.

Foi uma tremenda surpresa, por exemplo, topar com um Pikachu logo primeiro dia de jogo, após algumas horinhas de jogo. Enquanto na mesma região encontrava os macaquinhos de gelo, fogo e grama que foram criados em Black & White, além de novos pokémons da versão. O jogo gera um efeito nostálgico trazendo muitos pokémons famosos das primeiras gerações, ao mesmo tempo que se renova apresentando os pokémons das gerações mais recentes e também os inéditos da versão. Para uma franquia que já conta com mais de 700 espécies de criaturas, é realmente algo genial. Não existe mais aquela sensação de fragmentação, de estar chegando numa franquia atrasado e sem ter visto o que ela criou no passado. É muito bom jogar com antigos Pokémons usando as novas mecânicas e golpes que vão sendo evoluindo ao longo destas seis gerações. Além de poder ver como alguns antigos se saem batalhando com novos pokémons. A Nintendo finalmente entendeu que não precisa de cem novos pokémons a cada nova geração se ela parar para pensar no legado de bons pokémons criados ao longo dos anos. Tanto que Pokémon X & Y possuem apenas 69 novos pokémons, e esse número é mais do que suficiente!

A mesma fórmula, só que melhor?

É o que dá para sentir nestas primeiras 12 horas de gameplay. Pouca coisa mudou, porém quase tudo foi aperfeiçoado para ficar melhor do que as gerações anteriores. Os gráficos são o que mais chamam a atenção num primeiro vislumbre. E não podia ser diferente já que estamos num novo portátil com uma potencial maior que o DS. Os pokémons possuem mais expressões, mais movimentos, parecem estar mais vivos dentro do game.

Outra adição é que o jogo parece mais tridimensional. A câmera com visão superior sempre estática some para dar lugar a uma câmera mais dinâmica, que se esforça para dar mais emoção ao jogo, focando ângulos diferentes de cena. Nem sempre isso é legal. A primeira vez em que você chegar em Lumiose City, certamente ficará irritado com a nova câmera, mas no fim dá para jogar e se acostumar.

Há muitos outros pequenos detalhes aqui e ali que mostra que a Nintendo está sempre procurando refinar a experiência de se jogar Pokémon, como um item que você admire bem cedo no jogo que permite compartilhar EXP das batalhas para todos os seis pokémons que carrega, tendo eles entrado ou não na batalha. É uma mão na roda isso, já que muitas vezes é um porre ficar trocando de pokémons nas batalhas pensando unicamente na parte do EXP que você precisa para um pokémon fraco. Consegui com isso evoluir um Kakuna para um Beedril sem precisa batalhar com ele, bastou deixá-lo no meu time. Esse é só um dos exemplos das vantagens do novo sistema (que pode ser desligado caso alguém queira um gameplay mais das antigas).

São coisas pensadas justamente para incentivar o jogador a completar a Pokédex, uma das principais missões do game e que admito que nunca consegui completar nos games anteriores que joguei. Até porque é muito chato as vezes jogar com um pokémon que você não curta só para que ele evolua para a entrada na Pokédex.

Um dos novos recursos do jogo que também foram apresentados bem cedo nestes primeiros dias de Pokémons é a World Trade e que achei simplesmente genial! Trata-se de um recurso online, onde você pega um dos seus pokémons guardados na BOX e troca randomicamente com algum jogador em qualquer lugar do globo! É simplesmente fantástico. Se possível use isso bem cedo no game e verá que vai receber alguns Pokémons legais logo nas primeiras horas do game. Claro que alguns jogadores vão sempre acabar trocando Pokémons fáceis de capturar ou aqueles primeiros que aparecem sempre, mas dá para tirar a sorte grande em algumas trocas. Eu mesmo consegui alguns que só vão aparecer pra mim bem mais a frente do jogo, numa das regiões que destravam uma outra Pokédex (assim presumo). Mas a minha dica é ser camarada também. Não fique só mandando pokémons lixos pelo World Trade na tentativa de receber algum pokémon raro. Tente sempre mandar um Pokémon mais complicado de capturar, ou um que não fique pipocando toda hora no mato, ou até mesmo um que você não vá usar na sua equipe jamais e já tenha evoluído ele até onde queria. E não abuse do recurso. Eu andei trocando uns 4 por dia, caçando alguns que são mais chatos de pegar ou que acabo recebendo repetido em trocas anteriores. É realmente um recurso bem maneiro, que é muito fácil de usar e pode ser acionado a qualquer momento do game (não precisa estar num centro pokémon ou numa área específica).

Claro que ainda há muitos outros detalhes que tenho para descobrir, mas são momentos assim que acabam chamando a atenção, pois fora isso o jogo é idêntico a qualquer outro pokémon. Você vai de cidade a cidade, atrás das batalhas de ginásios, capturando tudo que conseguir pela frente, descobrindo evoluções, TMs & HMs, acompanhando a história, resolvendo pequenos puzzles e por aí vai. Não há nada revolucionário na mecânica, até mesmo nas batalhas (ainda que elas estejam visualmente mais animadas) mas tudo parece realmente melhor, mais divertido e dinâmico, bem menos engessado do que todas as versões que vieram antes.

Ainda tenho muito o que testar. Como os modos multiplayer, trocas de pokémons entre amigos registrados no 3DS, habilidades para se usar fora das batalhas (adquiri o clássico CUT antes de começar a escrever esse texto) e outros segredos que certamente o game deve ter. Também fiquei ambicioso e quero me esforçar até onde der para completar a Pokédex da região de Kalos. Depois vamos ver como fica a respeito dos Pokémons que não estão presentes no game ou na versão X.

Esse novo Pokémon justifica a compra de um 3DS? Acredito que sim. Me pareceu um jogo com uma longevidade que faz valer a pena a aquisição do aparelho. Com um bom equilíbrio de monstrinhos de todas as gerações até agora. Peca em alguns aspectos, como a falta de suporte ao nosso idioma, ou a câmera que ainda precisa ser aperfeiçoada em alguns locais do mundo do game, mas são detalhes que a gente acaba perdoando frente a um game tão viciante e divertido. É um jogo que vai divertir veteranos da franquia, mas também cai de forma excelente aos novatos que nunca jogaram um Pokémon na vida. Mas essas são apenas as minhas impressões iniciais. Quando estiver lá pela metade do game e se achar que tenho mais a acrescentar (espero ter), volto aqui para conversarmos mais!

Obs: para aqueles interessados em me adicionar, meu friend code no 3DS é 3497-0244-4597. Mas não vai esquecer que você também precisa me passar seu FC para adicioná-lo no meu 3DS. Deixe aí nos comentários então! ;)

Obs 2: não se esqueçam de pegar o Torchic que está sendo distribuído pela Nintendo até dia 15 de janeiro de 2014! Detalhes nesse link!

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios