Conversa de MangáDando Nota!Japão

The Testament of Sister New Devil Vol. 01 | Proteja a filha do rei dos demônios! (Impressões)

Antes de começar, preciso novamente preciso apertar uma tecla já mencionada em outras resenhas de mangás apresentadas nestes últimos meses: a da diversidade de títulos e gêneros de mangás que andam sendo lançados no Brasil nestes últimos anos. E novamente digo o quão ruim sou para classificar estes gêneros, que atualmente se dividem em outras tantas subcategorias que anda sendo difícil encontrar um mangá que pertença exclusivamente a uma única categoria.

Com isso em mente, o título destas impressões é The Testament of Sister New Devil, um mangá que eu particularmente classificaria no gênero ecchi, ou seja, aquele tipo de mangá mais apimentado, com a intenção de provocar os leitores mais novos (adolescentes) e cheio de hormônios, de ser algo mais sensual, porém não exatamente pornográfico ou explícito como um hentai precisa ser. Não é um gênero exatamente voltado a um público totalmente adulto, ainda que não haja problema algum em um adulto apreciar o gênero em si.

The Testament of Sister New Devil 007

Curioso talvez mencionar que esta não é a primeira impressão que faço nesta nova fase de reviews aqui no site com este gênero. Em fevereiro deste ano tive a oportunidade de comentar sobre a primeira edição de To Love-Ru, um mangá atualmente em publicação pela Editora JBC. Acabei me recordando desse texto porque fiquei pensando agora se lá naquela ocasião não peguei muito pesado com a proposta do gênero em si, ainda que claramente me lembro de ter mencionado não ser um grande fã desse estilo, especialmente quando o fanservice do ecchi é criado de uma maneira muito expositória e gratuita, sem exatamente se encaixar com uma trama que justifique e torne crível a brincadeira proposta pelo autor. A primeira edição de To Love-Ru apresentou tais problemas nesse sentido e por isso a obra não despertou muito a minha atenção. Entretanto o caso aqui agora é um tanto diferente.

Explicado tudo isso e colocado algumas cartas na mesa, digo que The Testament of Sister New Devil não me incomodou negativamente como normalmente este gênero tende a me incomodar. Posso citar um outro exemplo, e aí neste caso preciso dizer que vi apenas o animê e não tive a oportunidade de conferir o mangá: Highschool of the Dead. Eu gostei bastante desta série, mas essencialmente porque se você tirar o tom ecchi da obra, a narrativa, o plot e os personagens continuam sendo interessantes. Isso é o que torna uma história divertida, o conjunto de elementos como um todo que devem compor uma sinfonia, sendo harmoniosos e mantendo a sua composição, independente do fanservice que o elemento sensualizado normalmente tende a vir à tona nestas obras.

The Testament of Sister New Devil 003

Formato e de onde veio

Deixando para lá então as comparações e os exemplos, vou me focar apenas na proposta destas impressões, que são particulares a minha pessoa e não alguma espécie de verdade inegável – as vezes é bom lembrar isso. The Testament of Sister New Devil que já está nas bancas de todo o país, chega a todos os leitores pela Editora Panini, que segue apostando em gêneros relativamente diferentes de mangás. Já sendo possível citar exemplos como Ninja Slayer, Arakawa Under the Bridge e Lovely Complex.

O mangá foi lançado agora em meados de julho, sendo bimestral, e entrando pela linha dos títulos naquele formato mais tradicional dos mangás nacionais. Nada de páginas coloridas, a impressão é em papel jornal e a faixa de preço é a mais barata dos mangás à venda no mercado atual: 13 reais. Porém capas e contra capas bem coloridas, o que já é sempre esperado independente do formato gráfico utilizado.

The Testament of Sister New Devil 014

Vale também mencionar que a história de The Testament of the Sister New Devil não surgiu exatamente aqui neste mangá. Na verdade a obra original é um light novel (algo como livros de literatura juvenil no Japão), lançado em 2012 lá na terrinha do Goku e amigos. Porém em menos de um ano da publicação do livro, a série foi adaptada para o mangá. Lançado em 2013 o mangá já conta com sete volumes, ainda não finalizados e há também um spin-off (que provavelmente deve vir para o Brasil futuramente) que atualmente possui 4 volumes e também segue sendo publicado por lá. Há duas temporadas em animê, que ainda não tive a chance de conferir, mas que se encontram atualmente disponível na Crunchyroll.

A fantasia da meia irmã

No momento em que comecei a ler o mangá fiquei com a forte impressão de que não ia curtir o título. Ele começa de uma maneira muito errada, apresentando um garoto na casa de uma nova família, porque o pai supostamente se casou com uma nova mulher que possui duas filhas e ambas “supostamente” se jogam para cima do garoto (que está mais para jovem do que garoto, então vou trocar este termo a partir daqui).

The Testament of Sister New Devil 008The Testament of Sister New Devil 009

Mas não é nada disso e o mangá rapidamente resolve virar toda a mesa dessa fantasia que não é tão incomum quanto as pessoas pensam a respeito do meio irmão com a meia irmão. Isso é rapidamente deixado de lado quando o mangá apresenta seus elementos de fantasia (tipo demônios e magia, não confunda com a fantasia tipo fetiche – ainda que em parte isso também exista aqui). Hora de colocar nome aos personagens: o jovem se chama Basara Tojo, a jovem que supostamente seria da idade de Basara se chama Mio Naruse e a garotinha (que se fosse garotinha mesmo seria uma personagem muito errada) se chama Maria Naruse. Este é o elenco principal desta primeira edição, ainda que mais ao fim entre outra personagem que também se torna importante a trama, mas eu chego nela daqui a pouco.

O caso é que The Testament of Sister New Devil não é um mangá de vida normal ou vida escolar, tão e somente isso. Na verdade é um mangá sobrenatural. As garotas são de fato demônios, a menorzinha é uma Súcubo, que é uma espécie de demônio feminino em muitas culturas, que existe para enganar e seduzir homens, tipo a ideia das serias que matam marinheiros o seduzindo-os e depois os afogando. Maria é então uma personagem dessa mitologia, dessa brincadeira de ser um demônio pervertido que está sempre encontrando soluções que envolvam a sensualização ou alguma conotação sexual. É ela que vai provocar Basara e Mio a ficarem juntos, e não apenas de uma maneira romântica de se pensar.

The Testament of Sister New Devil 015

Mio usa aquela carta de ser basicamente a filha do diabo, dona de todo o inferno, mas que estava escondida na Terra e há demônios que querem dominar o inferno (ou Reino desses seres, interprete como quiser) e a veem como um empecilho para isso. Então ela tem poderes, não é tão ingênua quanto possa aparentar e tem um passado pesado que lhe causou um certo trauma. Percebeu como de repente toda aquela história de meio irmão, meia irmã não tem mais qualquer relevância? A meu ver isso é bem melhor dentro do contexto do gênero deste mangá. Sai da realidade demais e toda a brincadeira mais aceitável.

Ocorre que nem mesmo Basara é um ser humano normal. Na verdade ele e seu pai pertencem ao clã dos heróis, ainda que apesar da obviedade do nome, não se explica muito o que é realmente este clã. Mas enfim, basta saber que ele tem alguns poderes, um passado também traumático que a primeira edição não explica em sua totalidade e que ele sabe lutar e combater demônios.

The Testament of Sister New Devil 016

A súcubo que se encaixa no gênero proposto

Não vou estragar exatamente o plot desta primeira edição, já que todo o véu da trama acaba sendo totalmente revirado por um começo que dá a entender outra coisa. Só fico grato como a reviravolta ocorreu. Na verdade o desejo de proteger Mio vem do pai de Basara, que reconhece que o pai de Mio foi na verdade um rei pacifista do inferno, e que a garota precisa sobreviver ou todo o reino dos demônios pode acabar caindo em mãos muito piores do que manter o legado de um rei pacifista. Basara então resolve se tornar o protetor de Mio, com a Maria sempre tentando (sexualmente) os dois, criando todas as situações ecchis do mangá.

The Testament of Sister New Devil 019

E até que são situações convincentes, vindo das atitudes de uma súcubo afinal das contas. Exemplifico. Mio e Basara precisam ter uma forma de conseguirem se localizar automaticamente, caso Mio se encontre em perigo, então o que Maria pode fazer, sendo uma súcubo? Joga uma maldição no casal de mestre e serviçal, sim, submissão e dominação, na qual um de seus efeitos é que mestre e serviçal sempre possam saber onde cada um está. Novamente reforço, não é um mangá para crianças. A própria indicação pela Panini na capa diz que é um mangá impróprio para menores de 18 anos (ainda que ache isso um tanto exagerado, 16 anos me pareceria mais okey).

Em outra situação, mais próximo ao final do mangá, Maria convence-os que para que tudo funcionar muito bem todos precisem se dar bem e nada melhor do que um banho em trio para que as afinidades floresçam, já que Mio se sentiu incomodada quando uma velha amiga de infância de Basara surge para avisar o jovem do perigo na qual ele está se metendo. Essa amiga também é do clã dos heróis.

The Testament of Sister New Devil 021 The Testament of Sister New Devil 025

A primeira edição do mangá fica então rodando entre estar situações, entre a sexualização de Mio e Basara, com um ecchi que não é exatamente sem pudor, ainda que não seja vulgar (ou muito pesado, sendo apenas erótico mesmo), e a construção do que pode vir a ser adicionados em futuras edições que vão além do ecchi. Há um pouco de fantasia sobrenatural e até mesmo do bem e velho shonen de batalhas no título. O final desta edição já apresenta alguns vilões e dá a entender que eles são bem poderosos. Então apesar de não ter muita ação nesta primeira edição, há essa aposta que nas próximas edições pode haver.

Vale a leitura?

Bem acredito que até este ponto já tenha conseguido deixar claro que The Testament of Sister New Devil não é exatamente um título para todo tipo de público, correto? Adultos procurando apenas uma história complexa e profunda podem não gostar da sensualidade do título. Que apesar dos pesares não é desconexo da trama, ainda que aqui, o mangá não seja exatamente uma reinvenção de nada. É um enredo de fantasia sobrenatural bem tradicional até. Algo que dá para ser encontrado em muitos animês destes últimos anos.

The Testament of Sister New Devil 023

Porém não é um título ruim. O traço é absurdamente bem feito, bem detalhado, com quadros de diferentes ângulos e vários detalhes de cenários caprichados. Os personagens acabam sendo interessantes, o mangá acaba tendo um humor mais sutil, porém há uma realidade na trama que a torna consistente dentro de seu próprio mundinho, sem exagerar ou forçar as coisas, o que vale tais elogios.

Não me parece ser um título para garotas, ainda de que acredito que não chega a ser necessariamente um mangá que incomode o público feminino.  Há sempre essa discussão sobre a sexualização errada que alguns mangás possuem das mulheres e até mesmo da erotização meio distorcida do que seria socialmente aceitável. Não acho que tenha algo realmente grosseiro neste ponto aqui. Mio é uma personagem central que funciona de uma forma a não ser apenas uma donzela em perigo ou a garota submissa (mesmo que ela se torna por sacanagem da súcubo, mas aí está dentro da estrutura narrativa de um momento específico e até mesmo de uma fantasia sexual que existe de fato, é aceitável). Mio é a futura Rainha dos demônios, tem poderes e tem uma personalidade convincente e consistente, ainda que no ato final do mangá há toda uma criação desnecessária em torno da insegurança dela em torno de Basara, mas aí até dá para justificar que ela já esteja gostando dele, o que torna crível dentro do cenário proposto pela história. Enfim, é um mangá para o público masculino, ainda que não veja problemas em parte do público feminino também gostar dos personagens e da trama.

The Testament of Sister New Devil 026The Testament of Sister New Devil 014

Quem curte o cenário do sobrenatural, que não se incomoda com a brincadeira da fantasia sensual, vai encontrar um título bem amarrado em seus elementos bases. Tem uma trama legal, tem personagens que cativam, tem seus momentos de humor e tem uma pitada apimentada de erotismo. Nesse ponto o título consegue instigar o leitor a ver até onde esse mangá consegue ir com estes elementos. É um título que eu poderia continuar lendo sem problemas, a primeira edição foi convincente o suficiente, mesmo não sendo um grande fã do gênero ecchi em si. E isso acaba sendo um bom sinal a meu ver.

The Testament of Sister New Devil 030

Se você curte ecchi, o mangá parece fazer o certo aqui
Personagens e trama são bem construidos
Traço e desenhos estão na qualidade desejada
Versão impressa é básica, sem luxo, no preço padrão
Clichês desse tipo de gênero (e história) se fazem presentes
Título bimestral e com poucos volumes já lançados

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios