Dando Nota!Jogando

Talent Not Included | Suba no palco e se adapte as plataformas cilíndricas! (Impressões)

As vezes tudo que um indie game precisa para chamar a atenção é um única boa ideia. Um único aspecto ou elemento que o torne diferente da enxurrada de outros games pertencentes ao seu gênero. Especialmente se ele for um indie game, o que significa que é preciso visibilidade nesse mar de pequenos games sendo lançados diariamente. Talent Not Included tem uma, talvez duas, ótimas ideias.

O game chegou à Steam no final de agosto do ano passado, e debutou no Xbox One no último dia 15 de abril. No PlayStation 4 ainda não há previsão de lançamento (mas como todo indie game, a gente torce para em breve chegar lá também). Talent Not Included é uma produção canadense, da Frima Studios. E não é um indie essencialmente caro, custando 26 reais na Steam e 29 reais na Microsoft Store. Valor justo pelo conteúdo, mas já entro em mais detalhes sobre isso logo abaixo.

Talvez o mais importante antes de começar seja dizer que Talent Not Included, ou apenas TNI, não é o título mais incrível do mundo. Ele é até simples demais em diversos aspectos, porém sinto que ele é um daqueles games que se existisse na minha época de locadora lá nos anos 90, no Super Nintendo, seria um daqueles títulos que estaria sempre jogando de tempo em tempos. Isso porque é um game gostoso e agradável de se jogar, especialmente para quem é fã de games de plataforma 2D.

Uma pena que o game não esteja localizado com legendas em português. Não há muito texto, mas devido ao contexto da história, que brinca com uma peça de teatro, existe uma certa linguagem contextual na qual torna bem fácil se perder em alguns diálogos. No geral é possível entender, mas o game tem um toque de humor que poderia ser melhor apreciado se uma localização tivesse sido providenciada. Há muitos indies que se preocupam com isso para abraçar públicos ainda maiores.

Aventuras teatrais

A trama de TNI é um dos dois pontos criativos mencionados lá no começo. Ela aborda três demônios que amam destruição, banhos de sangue e… Shakespeare. Pois é, estranho. E eles resolvem criar uma peça de teatro, mas três atores – os personagens na qual o jogador irá controlar no game – começam a se destacar demais, deixando a peça e o que os demônios queriam de uma certa forma… ofuscados.

É uma brincadeira interessante. Muito mais do que se fosse um game medieval estilizado na qual o jogador anda por cenários na qual todo game com essa temática acaba possuindo. A atmosfera de Talent Not Included sabe ganhar o jogador e ela é parte importante do outro ponto, aquele que se sobressai sobre todos os demais elementos do game: as plataformas cilíndricas.

Talent Not Included não é um game 2D side scrolling, ou seja, como um Super Mario ou Mega Man na qual o jogador avança lateralmente pela a tela, podendo ir e voltar na fase. TNI é um game de tela fixa, então toda a ação acontece sem que o jogador avance para frente ou para atrás. A fase é o palco de um teatro, então é ali que o jogador precisa ficar.

E é exatamente aí que entra o sistema cilíndrico da fases, que dividem o palco em  setores na qual os cilindros no chão mudam o cenário de forma dinâmica, pedaço a pedaço conforme a programação do jogo, causando um interessante efeito de constante mudança, na qual o jogador precisa acompanhar o ritmo do cenário, pois o objetivo é pontuar o máximo que puder, sendo aplaudido pela plateia quando maior for sua pontuação.

Explicarei de forma mais detalhada. Cada estágio do jogo tem um determinado tempo. O objetivo do jogador é atuar bem, então ele precisa coletar itens (os doces amarelos que podem ser visto nas imagens ao longo deste texto), derrotar inimigos, ser rápido (pois há bônus de tempo) e não tomar dano (pois isso faz quebrar o combo de ponto). O estágio tem segmentos que precisam ser acionados mediante uma peça que lembra uma engrenagem. Então o jogador precisa coletar, derrotar inimigos e chegar a essa engrenagem o mais rápido que puder. Fazendo isso diversas vezes até o ato (estágio) se encerrar.

O game não tem um sistema procedural, ou seja, as fase são sempre as mesmas. Sem mudanças a cada gameplay. O que permite ao jogador treinar e ficar cada vez mais rápido e esperto, já que a primeira vez pode ter boas surpresas quando os estágios são minuciosamente projetados pelos desenvolvedores ao invés de serem gerados por um código que usa aleatoriedade para formar fases. Isso não funcionaria aqui.

E não pode esquecer que o jogador tem uma barra de energia, os clássicos coraçõezinhos. Se perder todos é Game Over para o estágio, e será preciso jogá-lo novamente desde o início. Não que eles sejam compridos, normalmente duram entre 4 a 6 minutos, alguns podendo durar mais, outros menos.

O game tem todo esse clima de uma peça de teatro. A audiência está sempre cochichando, aplaudindo, ovacionando ou vaiando, depende muito da performance do jogador ao longo de cada estágio. Seu personagem sempre tem esse holofote sobre si. São detalhes assim que torna TNI tão agradável.

Há mais dois fatores que merecem elogios. O primeiro é que o game tem suporte a multiplayer local (2 jogadores). Ótimo para quem gosta de jogar com um amigo ao lado no sofá. O segundo elogio é que a campanha é dividida em 3 atos de 15 estágios cada um (35 fases ao todo), sendo que cada ato é realizado com um personagem diferente: um cavaleiro de espada, uma ladra (ou mercenária) de adaga e um feiticeiro com seu cajado mágico. Cada um possui habilidades e estilos próprios de jogo. Veja os vídeos mais abaixo.

O cavaleiro é mais focado em ataque, ele pode girar no chão e no ar com a sua espada, permitindo alcançar distâncias e pegar inimigos no ar. A ladra é mais esquiva, podendo dar cambalhotas e desviar de projéteis, armadilhas e inimigos, no chão e no ar. E o mago é o mais diferentão, pois ele pode planar com sua capa e também pode se teletransportar a uma curta distância, em qualquer direção e atravessando quase todo tipo de plataforma e obstáculos como armadilhas e inimigos, além de atacar com projéteis mágicos que saem de seu cajado.

E cada personagem tem um cenário próprio, ainda que o estilo das plataformas se repitam em todos, com apenas uma ou outro elemento próprio dedicado as habilidades de cada personagem. Os inimigos, infelizmente, se repetem em todos os cenários de todos os personagens. Poderia ter uma variedade maior nesse aspecto.

O game também possui algumas batalhas contra chefes, acontecendo três vezes para cada personagem (o chefe de cada personagem evolui e progride a cada encontro) e ao fim, há um chefe final que pode ser jogador com qualquer um dos personagem. Um chefe bem complicadinho por sinal, porém não imbatível.

Isso resume bem Talent Not Included, porém as impressões ainda não terminaram. É preciso ter um momento mais crítico para com o game, porque mecanicamente, visualmente e teoricamente tudo parece ótimo, certo? Mas não é bem assim.

Talent Not Included (clip1) – Knight GameplayTalent Not Included é um simpático indie game, desenvolvido pela Frima Studio, lançado esta semana para Steam e Xbox One. Trata-se de um arcade plataforma, cujo o objetivo é passar por vários desafios envolvendo pulos e coletando os doces, enquanto a fase vai mudando seu cenário ao longo de vários minutos até que ela chegue ao fim de seu ato.O que desperta atenção aqui é a direção de arte. O game encena uma espécie de ato teatral, então o chão é cilíndrico, mudando conforme o jogador vai coletando os itens, criando novos cenários, novas plataformas, desafios e inimigos. 😁Na trama três demônios que amam Shakespeare montam essa peça e contratam três atores para atuarem nela com a intenção de os verem falharem diante dos desafios apresentados pela peça.No vídeo mostro apenas um trechinho de uma das fases inicias com o Knight (Cavaleiro), então ela é bem tranquila, mas conforme o jogo progride, o desafio vai aumentando, com as plataformas vão surgindo e desaparecendo mais rapidamente, os saltos são mais precisos e os inimigos mais fortes.O diferencial do Cavaleiro é esse rodopio com a espada, que pode inclusive ser feito no ar. 😀#talentnotincluded #frimastudio #tnigame #arcade #gaming #xboxone #steam #indiegame #jogando #gameplay #videogames Talent Not Included

Posted by Portallos on Saturday, April 8, 2017

Talent Not Included (clip2) – Thief GameplayA segunda personagem de Talent Not Included é da classe Thief (Ladão/Ladino), perfeita para cambalhotas, permitindo desviar sem tomar dano de espinhos e outros projéteis. Ela também faz desvios de dano no ar. É uma personagem mais ágil. 😄Cada um dos três personagens do game tem seu próprio cenário, ainda que os inimigos sejam iguais para todos os atos. Entretanto cada personagem tem um chefe próprio, com habilidades únicas.A princípio o game permite jogar apenas com o Knight, mas depois de algumas fases é liberado a segunda personagem, esta do vídeo, e depois de alguns estágios dela, é liberado o terceiro personagem (que vou mostrar a seguir). Então não se faz necessário concluir a campanha inteira de um personagem para liberar o próximo. Ah outro detalhe bacana é que o game possui um modo cooperativo para dois jogadores. 😀#talentnotincluded #frimastudio #tnigame #arcade #gaming #xboxone #steam #indiegame #jogando #gameplay #videogames Talent Not Included

Posted by Portallos on Saturday, April 8, 2017

Talent Not Included (clip3) – Wizard GameplayO Wizard (Mago) é o personagem mais diferente do game, pois ele pode atacar de longe, tem essa magia de teletransporte e pode planar após pular bem alto. 😀No geral Talent Not Included talvez não seja o indie game mais incrível do momento, mas isso não significa que não seja divertido. Sua proposta é bem arcade mesmo. Coleta rápido os itens, e pontue o máximo ao final de cada ato. 😁É um daqueles joguinhos para se jogar entre outros grandes e mais estressantes games. É mais descompromissado, mais para relaxar. Considerando claro que você seja ágil em games de plataforma. É um bom game para treinar esse tipo de skill. 😛Em breve trarei mais vídeos e impressões mais completas e detalhadas no site.#talentnotincluded #frimastudio #tnigame #arcade #gaming #xboxone #steam #indiegame #jogando #gameplay #videogames Talent Not Included

Posted by Portallos on Saturday, April 8, 2017

Considerações antes de abaixar as cortinas

Talent Not Included é um game bacana, simpático e com algumas ideias bem legais, mas é só isso. Não é algo imperdível ou inesquecível. Fica claro após algumas horas de jogo que as mecânicas e elementos vão se repetir bastante. É um daqueles títulos que cansa se for zerado em uma só sentada. Há uma progressão ao longo das fases, mas é lenta e bem contida.

O game tem algumas fases cabeludas e desafiadoras, mas também são bem pontuais. Fora que morrer em algumas fases pode ser frustrante após inúmeras vezes ao ter que recomeçar o mesmo estágio desde o início (dada a ausência de um checkpoint). São fases curtas, mas morrer no último segundinho para ela acabar é cruel nesse sentido. Uma vez é okey, mas me deparei com dois ou três estágios em que morri mais de seis vezes, sempre na mesma parte, bem próximo do finzinho. Tive que parar um minutinhos antes de reiniciar nas vezes em que isso aconteceu.

Não dá para dizer exatamente o que o game precisaria para ser melhor. Mais fases com certeza seriam bem vindas. Inimigos próprios para cada um dos heróis do game também. Talvez se os personagens progredissem pelos níveis e ganhassem novas habilidades. Uma mudança maior entre os estágios de cada um deles ajudaria bastante. Mas aí penso que se trata de um game indie, que preza pela simplicidade, e que talvez esteja complicando demais ao pedir por certas mudanças.

Acredito que no geral Talent Not Included cumpre o que promete. Eu só queria que ele tivesse me prometido um pouco mais. É divertido, mas claramente ele é humilde demais. Sinto que os desenvolvedores poderiam ter se arriscado um pouco mais e terem feito algo tão redondinho. Quem sabe algo mais maluco. A gente gosta de maluquice hoje em dia, não?

Atmosfera teatral cria um charme autêntico
Plataformas cilíndricas é uma ideia legal
Três personagens distintos funciona
Falta diversidade ao longo da campanha
Aposta no humor, mas carece de localização PT-BR
Divertido, porém dá a sensação de ser simples demais
Chefes legais e coop local são pontos positivos

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Isso também pode lhe interessar
Etiquetas

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios