Jogando

Review: Spider-Man: Web of Shadows [X360]

Faz anos que Homem-Aranha vem ganhando jogos horrendos. Uma reciclagem em cima de outra reciclagem. Com missões repetitivas e que pouco acresciam a franquia. Web of Shadow veio para melhorar um pouco a qualidade da franquia. Sem a carga de ser baseado num filme, a produtora pode muito bem relaxar e fazer um game mais divertido do Aranha consertando vários erros dos games anteriores. Ainda não chegou na fórmula perfeita óbviamente, entretanto, pela primeira vez em anos, temos um game do Aranha que vela a pena ser jogado. Clique em “mais” e continue lendo!

Dados Técnicos
Plataforma analisada:
Xbox 360
Players: 1 Player [off-line] Desenvolvedora: Shaba Games
Distribuidora: Activision
Lançamento: 21/Out/2008

Web of Shadows é uma montanha russa…

Esse acaba sendo a melhor definição, pois o game está cheio de altos e baixos. Existem vários motivos pelo qual os gamers poderiam ignorar este game apenas com base na experiência dos games anteriores da série, entretanto a Shaba Games conseguiu fugir o máximo desde estigmas e o resulta é um melhor game do Homem Aranha do que vimos em anos. Para se ter uma idéia, como o game é um Sandbox, achei que a variedade de missões é muito mais diversificada que a de Grand Thef Auto 4, por exemplo, que resume-se apenas de ir para um lugar ao outro e matar o que se mover. Web of Shadows trás o herói percorrendo carros, resgatando civis em altos de prédios, defendendo locais e fazendo o possível para combater uma investação de simbioses que coloca toda Nova York em perigo. Claro que GTA IV tem outras qualidades melhores e não é este o mérito da questão, e sim de que finalmente apareceu um game do herói da Marvel ontem o gamer não fica naquela de sensação de estar fazendo a mesma coisa a todo o momento.

O gameplay também impressiona pelo equilibrio em que os movimentos do Aranha são destravados aos poucos e não logo no início para não deixar o game tão fácil. O sistema de combate aéreo foi melhorado dando agora aquele efeito em camera lenta para que o jogador possa escolher o que fazer e qual combo executar. Também vale um elogio para a Nova York digital que vai mudando ao longo do game de uma cidade cheios de pessoas comuns a uma cidade invadida por simbioses zumbis e prédios gosmentos.

Ainda falta muito, é claro, para que seja um game desafiador. Não há momentos de Game Over. Você até pode falhar numa missão aqui e ali, mas não é nada de difícil. A questão aqui é se divertir pelas situações que o game impõem e é claro, pelo prazer de se balançar para tudo quanto é lado numa cidade digital, mesmo que esta careça de mais detalhes interativos (não há um prédio onde seja possível entrar).

A Shaba conseguiu colocar no game um sistema de parceria que quase chega a ser interessante. É possível ao longo do game convocar um inimigo derrotado ou amigo conhecido para se juntar a batalhas. Um recurso dispensável se for pensar, pois são difíceis os momentos em que não é possível dar conta sozinho. Não seria muito melhor permitir que estes parceiros pudessem serem controlados por um segundo player. Não estou pedindo para que seja feito algo como o horrível Spider-Man Friend or Foe do ano passado, porém jogar com amigos é sempre mais divertido.

Os gráficos desta vez não fazem feio, apesar dos contantes slowdowns, no terceiro ato do game – Invasão. O som agrada em alguns aspectos e irrita em outros. As vozes estão sensacionais e tem uma bela interpretação, já a música chega a ser irritante pela falta de variação. Em dezenas de momentos ela acaba e eu fiquei mais aliviado por andar pela cidade no silêncio do que com a música. Os efeitos sonoros também cumprem o que prometido, principalmente os golpes e cenários sendo quebrados.

Em termos de replay o game não chega a impressionar, mas também não abandona por completo quem procura algo mais depois de fechar o game. Existem 2.160 símbolos do Aranha para coletar e o game traz 2 finais, um com o uniforme Vermelho e outro com o uniforme Negro. Digo que ambos são bacanas. Tais finais são alcançados através de decisões tomadas ao longo do game onde há a opção de escolher a decisão correta ou a decisão errada.

Acertos e Furadas!

* O primeiro ponto positivo do game é bem claro: Esqueça a porcaria dos games do Aranha baseados em filmes. A Shaba Games fez um trabalho excelente em Web Of Shadows em dezenas de aspectos. A produtora fez uma bela faxina na franquia e trouxe bastantes variações durante o gameplay.

* Infelizmente nem tudo é perfeito. A versão análisada foi a do X360 e nela havia uma quantidade considerável de slowdons a partir do terceiro ato do game – são 3 atos ao todo – e chega a ser irritante em vários momentos, tanto que o game chegou a travar 2 vezes nas 2 vezes que eu o encerrei. Os slowdons são devidos a imensa quantidade de inimigos e acontecimentos ocorrendo em volta do Aranha, mas se fosse pra isso acontecer, seria melhor se diminuissem então tais elementos, que diversas vezes são mais enfeites do que zonas de gameplay.

* O enredo do game é sensacional. Tem uma boa história e ele é consistente, não há exageros ilógicos. Para se ter uma idéia, o game tem apenas 4 vilões do universo do Aranha: Venom, Rino, Abutre e o Rei do Crime. Ainda há os heróis como Gata Negra, Luke Cage, Wolverine, Cavaleiro da Lua e a Viúva Negra no comando da S.H.I.L.E.D.. Tudo começa numa batalha contra Venom, que começa a infectar Nova York com sua simbiose, incluindo aí Peter Parker. A infecção gradualmente vai ficando maior até tomar toda a Cidade e o caos reinar.

* Certas missões opcionais chegam realmente a irritar. Principalmente no terceiro ato. O game sendo jogado sem cumprir nenhuma destas missões acaba em poucas horas, por isso o jogador deve fazer algumas. No X360 só é recompensado por uma conquista quem fizer tudo. O game dura 3 vezes mais com estes missões.

* O sistema de combate foi muito bem elaborado. O jogador possui 2 Aranhas, o Vermelho e o Negro. Cada um possui um sistema de combo distinto. Fora que os comandos são variadíssimos. Existem combos aéreos, no chão, nas paredes, com teias e por aí vai. O jogo ainda equilibra eles num sistema de compra, ou seja, o jogador cumpre missões principais e opcionais, ganha XP e com elas compra os movimentos.

* O jogo tem excelentes momentos em tratando-se de missões e chefes. A batalha contra o Abutre no meios dos céus de Nova York ou a Batalha no beco contra Wolverine são sensacionais. Algumas missões também impressionam como a que tem como objetivo defender uma Igreja contra dezenas de Simbioses.

Finalizando…

Spider-Man: Web of Shadow consegue subir o nível de qualidade dos games do herói. Acerta muito bem no novo sistema de combate, aposta numa história criativa e bacana para todos os fãs do herói e traz bastante variações para um sistema que tende a ficar se repetindo. Ainda não está perfeito e os slowdowns são irritantes num games na atual geração, entretanto, vale uma alugada e com certeza é esperar e aguardar para que o próximo consiga melhorar mais ainda a franquia.

Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e criador do saudoso (e extinto) Fórum NGM. Tenho 35 anos, sou formato em Direito, e vivo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Gosto de escrever e sempre estou sem tempo.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.