Zelda 25 anos: o dia em que virei Link! [Retrogames] [Nostalgia]

Infelizmente, devido à problemas pessoais, não consegui fazer uma matéria especial sobre os 25 anos de Zelda. Mas nem por isso, vou deixar essa data passar batida, e pelo menos quero deixar minha homenagem aqui no Portallos, contando como foi meu primeiro contato com esse clássico dos videogames!

Zelda e o tempo. Um ocarina. Um elo. Uma espada e um escudo. Tudo isso não me chamava a atenção quando ainda estava no início da minha adolescência e comprava religiosamente todo mês a revista AÇÃO GAMES. Em um dado momento, a revista passou a trazer dicas e estratégias de The Legend of Zelda, o primeirão mesmo, que foi lançado no Nintendinho. Já era a época do Super Nintendo, e me irritava ver aquele espaço da revista disperdiçado com um jogo velho e feio.

Algumas edições depois, estou lendo alguns previews de jogos que seriam lançados nos próximos meses para o SNES. Entre eles, um tal de Zelda 3. Pensei comigo algo como “ah, não, vai ter esse jogo xarope também no Super?”.  Continuei a ler a matéria, e o redator teceu só elogios á série Zelda, e o terceiro capítulo foi colocado num pedestal de hype. Mas continuei não dando bola…

Alguns anos depois, comecei a trabalhar em uma loja de videogames, onde trabalhávamos com venda, conserto e locação de jogos também. Eu na época tinha meu SNES com Killer Instinct e TMNT Turtles in Time, entre outros. Um colega meu me emprestou então Chrono Trigger, dizendo que ele “é o melhor jogo de RPG do console” e coisas do tipo. Terminei Chrono Trigger e curti muito o tal de “jogo de RPG”.

Trabalhar na loja tinha uma vantagem muito interessante, que era a chance de eu poder levar para casa um jogo durante o final de semana, sem pagar a locação, claro. Como eu já tinha jogado praticamente os melhores jogos do SNES (na minha opinião), resolvi começar a pegar os jogos que não me atraíam. E olhehm só, o primeiro da lista foi o tal do Zelda 3, o The Legend of Zelda – A Link to the Past. Decidi por ele quando peguei a caixinha do jogo e li que era um Action-RPG. Achei a premissa da história interessante, eu gostava de elemntos medievais. Achava que se Zelda fosse um pouco parecido com Chrono Trigger, já estava de bom tamanho.

Então, no final da tarde de sábado, eu finalmente joguei Zelda pela primeira vez. Quando percebi, já eram 2 da manhã. Fiquei hipnotizado com Zelda. Estava totalmente envolvido com a história, mergulhado nas florestas de Hyrule, ansioso por adentrar os castelos, por descobrir mais uma dungeon. Parei de jogar quando estava na segunda dungeon, o Eastern Palace. O cansaço físico e mental me derrubaram e fiu dormir. Só que Zelda teve um efeito tão poderoso em mim que eu pasei a sonhar que estava dentro do jogo, passando pela área do Eastern Palace, como se de alguma forma eu ainda estivesse jogando, mas dessa vez eu era o Link em pessoa! De túnica verde, escudo e espada empunhados, o gorro tremulando ao vento. Lá estava eu, enfrentando o Agahnim, tentando escapar de seus raios mortais, procurando um jeito de localizar seu ponto fraco e dar um fim nele…

A partir daquele sonho, me tornei um fã inveterado da franquia Zelda, com Link destronando o Homem-Aranha do posto de meu herói favorito. Vivo tirando poeira dos meus consoles velhos e assim matar a saudade dos antigos Zeldas. Sou tão fã que tenho a esperança de um dia poder até mesmo jogar os Zeldas toscos do CD-i!

Falando nisso, é incrível notar que todos os jogos da série principal de Zelda são no mínimo muito bons, e a maioria é espetacular. Não é á toa que Ocarina of Time é celebrado como o melhor jogo do século 20. Todos proporcionam muita diversão para quem decide desbravar os mistérios da Triforça, de Hyrule, do herói calado com o qual sentimos tanta empatia. Jogo Zelda e sinto aquilo que o Miyamoto sentiu quando era pequeno e descobria cavernas perto das redondezas de sua casa: vontade de viver uma aventura… obrigado mestre Miyamoto, por conceber e partilhar de uma criação tão magnífica!

Fanart por FantasyAce
Isso também pode lhe interessar

15 Comentários

  1. Meu primeiro contato foi com Zelda 2 no Nintendinho graças a meu pai que era e é gamer até hj e apaixonado pela Nintendo, acabou de comprar um Wii pra minha irmã de 10 anos e lógico pra ele, que tem 50… eu apaixonei quando vi a primeira vez ele jogando, mas como era pequeno não consegui zerar, era muito dificil… O primeiro que joguei já com uma certa consciência foi Ocarina of Time e zerei na segunda vez que joguei no meu N64, a primeira vez, já até citei em outro post, eu agarrei no Templo da Água… Depois disso joguei incontáveis Zeldas e no minimo bonzinho todos são, alguns são espetaculares…

    Graças a meu pai descobri a magia de Zelda e da Nintendo, mas hoje eu sou do lado verde da força com meu 360, mas ainda jogo bastante Nintendo no meu DS…
    Próximo console de mesa da Nintendo se for interessante eu compro… 3DS é garantido, ainda mais com remake de Ocarina of Time…

  2. Zelda é a única franquia da nintendo que eu gosto, o resto não faz e nem nunca fez minha cabeça. Meu primeiro contato com a séri foi no 64, com o aclamado Ocarina of Time,mas depois joguei outros jogos através de emuladores.Hoje em dia as vezes bate uma saudade da série, mas é tenso você comprar um console por causa de um jogo só, até lá fico à espera dos emuladores.

  3. *–* Fanart incrivel….

    meu primeiro contato com zelda foi no N64, acho interessante pq eu tinha um Snes (antes eu tinha Master da Sega) e mesmo assim nunca tinha jogado Zelda…
    E maneiro certas lembraças como “meu amigo me recomendou jogar”, hj todos os jogos lançados são facilmente descobertos atraves da net e antigamente não tinha essa facilidade, entrei em contato com Super Metroid assim, comprei por recomendação d um colega sem nem ter locado antes.

  4. Zelda é o único jogo que realmente me dói no coração de não ter mais uma plataforma nintendo para continuar jogando.

    Minha história foi um pouco diferente. Eu tive um Super NES mas não comprava revistas, então sempre alugava jogos e comprava o que eu achava que seria bom. Dessa forma cruzei com Chrono Trigger também, que se tornou até hoje meu segundo game preferido de todos os tempo. Mas nunca cruzei com A Link to The Past

    Pois bem, ganhei de Dia das Crianças em um ano um N64. Aí passei a comprar a Nintendo World. E lá li sobre o que prometia ser o maior lançamento do final do ano, Zelda: Ocarina of Time. Achei bonito o jogo, achei muito legal as imagens dauquele jovem cavalgando em campos abertos.

    Então pedi para meu pai de natal o jogo. Compramos por uma loja que vendia por telefone, lembro que o jogo chegou uns 4 dias antes do natal, em uma caixa especial que era imensa.

    Acho que não consigo descrever a minha emoção ao jogar os primeiros minutos daquele jogo. Foi como se eu tivesse saído do meu quarto e mergulhado dentro da minha CCE 14”, tentando desvendar o que aquela árvore misteriosa estava falando comigo.

    Ocarina of Time sem dúvida foi o jogo que mais joguei na minha vida, passei toda aquelas férias jogando, e depois rejoguei ele diversas vezes, acho que até hoje sou capaz de emcontrar todos os pedaços de coração e as golds skultulas.

    Como falei que Chrono Trigger é o número 2 da minha lista de preferidos, Ocarina é sem dúvida o número 1. E nunca vai sair deste posto, porque mesmo que o jogo mais incrível ja visto seja feito, a magia que Ocarina causou na minha cabecinha de 14 anos naquela época é algo que hoje nenhum jogo terá capacidade de causar, por mais incrível que venha a ser.

    Caramba o comentário ficou quase maior que o post, mal aí de quem ter paciência de ler.

    1. Li seu post todo, Simiano – nada como compartilhar uma paixão em comum =]
      Mas o meu favorito foi o “A Link to the Past”, pq foi o que eu mais joguei.
      Acho que só perde para SIlent Hill o posto de game mais jogado por mim xD

    2. Nada como compartilhar uma paixão em comum [2]

      Putz, o link até sonhou com o game haha
      Meu comentário ficou imenso, dá até vergonha de postar rs >.>

  5. Legal demais o Post, Mauri. Meu primeiro jogo do Zelda foi o Zelda 3 do SNES mesmo. E coincidentemente eu peguei ele pra jogar depois de ficar lendo o nome dele em tudo que é canto! Parabéns pelo post!

  6. Uma das melhores séries já criadas. Meu primeiro Zelda foi o OoT no emulador de N64, achei interessante e depois amei. Meu favorito da série é o Wind Waker, muita gente reclama por ter gráfico em desenho, mas a história do jogo que teve ligação do Ocarina foi ótima. Eu sei que tem gente que vai reclamar, só que o único Zelda que não consegui gostar foi o Twilight Princess, meu primeiro jogo do Wii, eu joguei bastante, lembrando o Ocarina e tudo mais, só que não sei porque, mas não gostei do jogo, talvez porque ficou dark demais ou por não gostar do Dark Link e as partes de Twilight. Um jogo com bastante conteúdo e memorável como todos os Zeldas, só que não consegui gostar =/

  7. “obrigado mestre Miyamoto, por conceber e partilhar de uma criação tão magnífica!”
    Simplesmente meu game favorito. Ponto.
    Nem tenho mais o que dizer…sério, meus olhos encheram de lágrima quando li sua matéria =]

  8. dorgas!
    Primeiro Zelda que joguei foi Wind Waker, nem manjava da série – ou videogames -, tinha ido na loja empolgado pra comprar o Mortal Kombat que vi na NW, mas não tinha e fiquei triste. Então percebi uma luz dourada… um selo “Best Seller” escrito na capa… é como se o jogo me chamasse… levei e virei fã. 8D

  9. Como o Simiano, eu alugava os games mas não comprava revistas. **Na verdade até meus 12 anos de idade meu pai controlava muito oque eu iria ler/assistir, era um saco, então revistas de games nem pensar!** logo, eu teria que ter muita sorte pra topar com jogos bons, e nessa época nunca tinha visto um action RPG, apenas os por turnos que um colega jogava e nunca gostei muito. Então um dia quando um amigo me falou de “A Link to the Past” eu simplesmente deixei de lado achando que era “algum jogo parado” como eu sempre imaginei…

    Foi no meu aniversário de 8 anos que ganhei meu N64, sem nenhum jogo. Então eu apenas alugava jogos, como no SNES…Eis que todos falavam do PS1 na época, e eu simplesmente não entendia o porquê de tanto barulho, não entendia pq tinham preferência por X ou Y já que cada um tinha suas vantagens/desvantagens.

    Quando durante uma discução entre dois amigos um deles disse que a única coisa que prestava no N64 era o Zelda. E eu fiquei pensando “Caramba, aquele jogo parado saiu até pro 64?”, “Com tanto jogo bom esse cara me diz que só ele presta?”
    Bom, depois disso sempre via a caixinha do jogo na prateleira e pensava em alugar. Até que um dia fiz um esforço e aluguei o danado OoT, e putz…Passei horas e horas a fio ali! Nenhum jogo tinha me segurado assim desde Age Of Empires! Incrível como o jogo era divertido e a história envolvente (Sabe aqueles jogos que você joga olhando o cenário como se realmente estivesse lá dentro e pesando “Putz, esse é o melhor jogo do mundo!”?). Infelizmente meu pai achou que passar tanto tempo assim no video game não era certo e não deixou eu alugar ele denovo.

    Então fiquei maluco, parecia um viciado atrás de drogas! Resolvi combinar com um amigo que morava no mesmo quarteirão e posar na casa dele o fim de semana, e claro, levar meu video game. Assim foi, alugamos o Ocarina, e passamos o final de semana inteiro ali jogando, até que deu segunda feira de manhã e eu vim embora, e ao invés de passar na locadora, eu trouxe o jogo escondido pra casa e joguei até quarta feira durante o horário de serviço do meu pai, e só entreguei pra não ficar muito caro pois se não iria toda minha mesada escondendo o erro haha, eu conhecia um dos caras que atendiam a locadora, e pedia pra ele marcar o zelda separado! rs

    E passei a posar todo fim de semana na casa do meu amigo e acabamos terminando o jogo algumas vezes desse jeito…Meu pai só soube uns 4 anos depois pois eu contei, e ele nem se lembra rs, esse certamente foi o jogo que mais marcou minha vida. Depois joguei o Zelda 3 no meu empoeirado SNES, mas meus preferidos são O TP e o WW.

    Tomara que sirva o comentário ‘-‘

  10. Antes de mais nada, pequeno momento OFF: simiano e KuchikiSaLL, escrever muito é uma coisa boa. Logicamente que nem todo mundo lê, mas pelos poucos que lêem o que você escreve, já é uma recompensa muito boa. O importante é você fazer o que gosta, do jeito que gosta. Sempre escrevi muito em fóruns, e sempre tem um para se dar ao trabalho de postar falando que não vai ler ou que a gente “fala” muito, sem saber se o conteúdo é algo interessante. No mais, ler sempre faz bem para o cérebro, então estamos contribuindo indiretamente para a saúde alheia xD

    Parabéns pelo tópico Mauri! Achei interessante a sua abordagem. Sua história tem similaridade com a de várias pessoas que já comentaram, inclusive comigo…é manero se surpreender de como o mundo é lugar pequeno as vezes.

    Meu primeiro contato com Zelda foi justamente com o do Snes, e eu achava que era o primeiro…e o melhor é que foi a minha primeira incursão ao mundo do RPG eletrônico e das compras via correio.
    Meu VG era pirata, e na minha cidade tinha poucas fitas para alugar, então acabava dependendo mais de conhecer pessoas para realizar “empréstimos trocados”.
    Um dia vendo uma reportagem numa revista de um amigo, acabei me interessando por esse jogo (nunca tinha visto nada igual antes), e resolvi pedí-lo de aniversário a minha mãe (até porque meu pai nunca gostou, e ainda não gosta de jogos de qualquer espécie até hoje xP). E depois de muita espera e ansiedade, recebi meu primeiro jogo original (lembro que achava muito manero os parafusos dourados da fita) completo/primeiro RPG.

    Jogava ele sem parar, e várias pessoas conhecidas vinham a minha casa para ver o jogo (sim, me ver jogar porque achavam o jogo/história legal…e nem pediam pra trocar de jogo…eu tinha quase uma equipe organizada de apoio). Depois de travar em uma parte e estar desanimado, descubro uma revista de “detonado” dele na casa de um amigo (nem sabia o que era isso na época), e aí que comecei a jogar mais ainda, até completar tudo do jogo.

    Só fui ver outro Zelda (Ocarina Of Time) no emulador, até porque na minha cidade, não achava ninguém que tivesse N64 quando eu era mais novo. E não cheguei a jogar nada praticamente, porque o computador era muito ruim e não rodava o bendito jogo de forma decente…mas do pouco que vi, foi fácil ver que ele continuava majestoso como outrora.

    Well, ainda considero como um dos melhores jogos que já tive o prazer de por as mãos até hoje, e aconselho a qualquer pessoa que ainda não tenha jogado a fazê-lo. É o típico exemplo, que eu defendo, que um jogo para ser bom de verdade, não precisa só de gráficos e música deslumbrante para entreter de verdade, e deixas boas recordações =)

  11. Ainda lembro da minha primeira vez com A Link to the Past… foi incrível e tinha uma parte que eu e meu irmãos ficamos trancados por 3-5 anos, e nunca conseguiámos sair. XD E não tinhamos acesso a detonados ou dicas, então era na marra mesmo.

    Mas Zelda como um todo pode ser chamado de mitologia, como muitos por ai o chamam, pois Miyamoto criou um enredo tão profundo e envolvente que é impossível não perceber as características. Nunca disse que “não gostei” de nenhum jogo da série. É isso, essa é minha visão sobre Zelda. Parabéns pelos 25 anos. :]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.