Miscelânea

Música | Você conhece Wado?

 

(Por Lucas Tillwitz)

O progresso das mídias sociais e da tecnologia foi um grande divisor na maneira com que nos sociabilizamos. Não há limites geográficos e culturais para mentes insaciáveis por informação. A maneira de pensar também foi mudada. Hoje, a organização de tribos e comunidades com pensamentos em comuns é muito mais viável do que antigamente. Viável e perigosa. 

Estas aglomerações de mentes com pensamentos e quereres em comuns pode culminar em grande troca de saber pelos seus “integrantes”. Perigoso é, quando estas mesmas pessoas substituem o pensamento crítico pelo pensamento ou ideias do meio em que faz parte. Prova disto, é que ao dar uma rápida olhada em qualquer rede social consegue-se ver vários posts que falam da “vergonha da cultural nacional”. Estes dias estava dando um rápida olhada no meu mural e várias postagens falavam sobre como o Brasil era um lixo, culturalmente falando, em relação a outros países. Também pudera, era encerramento das Olimpíadas em Londres: um prato cheio para os pseudointelectuais.

As postagens iam desde “Certeza que o Brasil vai chamar o Michel Teló pra cantar no encerramento. Vergonha, Brasil.” até “Queria o Renato Russo mostrando como é que se faz!”. Sempre com um português impecável, afinal, a Cartilha Hipster assim manda. Aliás, esses tipos de discursos não são recentes. Esse fenômeno de rejeição a tudo que é tupiniquim (e novo) veio junto com o boom cibernético. A questão é que o Brasil já foi muito rico, tratando-se de cultura. E, uma surpresa: continua sendo! Oh!

Não sei se por preguiça, ou se para parecer mais descolado, mas é aparente que essas pessoas não usam de forma eficiente a internet. Se usassem, poderiam descobrir todo o dia um novo artista. Quem sabe um artista brasileiro. Quem sabe um artista brasileiro foda de bom!

Foi por uma dessas minhas indiadas na internet que me encontrei com Wado. O nome bastante singular (aqui no Sul penso que seja) já me despertou o interesse. De tão incomum que o nome e a capa do recente álbum, Samba 808, eram, me veio a vontade de escutar o som do cara. E ainda bem que assim o fiz. O embalo das músicas é verde-amarelo na veia. As composições são todas regadas por ritmos de samba, funk, eletro, pop, hip-hop, afrobeat, rock. Uma fusão de ritmos que não cai na desgraça que é o som mais popular e que tocam incessantemente no rádio ou a qualquer lugar que se vá (o popular a que me refiro é o som dos moços de calça apertada e camisa xadrez).

Além disso, as composições por si só são belíssimas. Wado (ou Oswaldo Schlikmann Filho) se entrega e nos delata a cada composição. São músicas que falam de amor, de dor, do eu próprio, do universo em que os brasileiros estão imersos. Tudo de uma forma lírica, mas frontal e honesta.

Outro fato curioso sobre o artista é a sua forma de se fazer presente na internet. O disco que falei acima não será comercializado em lugar algum. Está todo jogado na web. Você pode ir ao site do cara e baixá-la quando quiser. E não somente o Samba 808, mas toda a discografia do moço. Porque sim, ele já possui uma discografia com seis discos, incluindo o último.

Wado é um dos maiores expoentes da nova safra de cantores do Brasil. Um artista que merece ser ouvido, tanto pela sua inteligência em mesclar música com internet, quanto pela sua musicalidade, que é boa demais. A prova de que o Brasil tem muito artista bom, sim senhor! Vamos parar de babar tanto os estrangeiros e valorizar, ao menos um pouco, o que é bom e da nossa terra? Abaixo, uma das composições que eu mais gosto do rapaz. Nos vemos nos comentários!

A janela permite ao sol entrar
Portas são pra conter ou deixar passar
Todo sol tem sua hora de deitar
É do ofício morrer e ressuscitar
Que ao repórter suscite reportar
Sobre o mundo escrever
Seu mundo anular
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Rackor

Gamer de fliperamas aos consoles, passando pelo saudoso GB Color e seu Pokémon Yellow. Leitor de mangás, e dou preferência a estes ao invés de animes. Mais recentemente descobri as HQs, e desde então sou fã da trajetória de Geoff Johns em Laterna Verde, entre outros clássicos como Watchmen.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.