AssistindoMiscelâneaReflexões & OpiniõesSeriados

Impressões | No ritmo de Once Upon a Time!

Semana passada tirei um pequeno tempo para escrever um pouco a respeito de Supernatural (leia aqui) e nos comentários surgiu o papo sobre seriados com 22 episódios por temporada e que muitas vezes isso torna a trama arrastada demais. E respondi a esse questionamento por lá citando e usando Once Upon a Time, que em sua terceira temporada driblou com perfeição esse embuste que certos serianos americanos possuem e muitas vezes são até mesmo responsáveis em causar o cancelamento de uma série. O perigo da encheção de linguiça!

E Once Upon a Time é uma das atuais séries que merecem algumas considerações positivas e apesar da terceira temporada ter terminado lá fora na primeira quinzena de maio, eu só acabei de ver a temporada lá pro final de junho, então ainda estou meio que no pique e na animação para aguardar a próxima temporada que estreia lá para o fim de setembro.

Acho que uma das grandes virtudes da série foi conseguir se reinventar após uma segunda temporada arrastada, justamente por esse velho problema de números de episódios fechados para uma season. E essa parece ser uma tendência que muitos seriados estão prestando mais atenção nos últimos anos. Algo que até mesmo 24 Horas fazia anos atrás antes de ser cancelado, quando Jack Bauer conseguia resolver a meta criada no inicio da temporada e do meio para o final era a correria lidar com as consequências e reflexos da primeira metade da temporada. E o terceiro ano de Once Upon a Time fez exatamente isso, ao criar na primeira metade da temporada uma história que se passasse no universo de Peter Pan e da metade para o final tinha tudo a ver com o universo de Mágico de Oz, feito é claro uma boa costura na história que fez a transição de uma coisa para a outra.

E esse é um dos novos méritos do seriado, a possibilidade ilimitada de brincar com reinos e universos que aparentemente nem imaginaríamos que poderia existir quando a história começou lá na primeira temporada. A série em seus primórdios era uma cidade no mundo real onde seus habitantes eram personagens dos contos de fadas e suas adaptações ao mundo em que vivemos, como eles se pareciam sendo uma pessoa normal. Não havia magia de forma escancarada e a trama limitava muito os limites da imaginação desse mundo.

Logo veio a segunda temporada, que brincou muito com tudo aquilo que os personagens não podiam fazer no primeiro ano, onde todos nem sequer sabiam que eram personagens de contos de fadas – e o espectador só sabia porque usou-se o mesmo recurso de Lost, contando o passado por meios de flashbacks – e então finalmente Once Upon a Time se libertou e se permitiu viajar e expandir um pouco mais seu pequeno mundinho. Os personagens sabiam quem eram, magia foi liberada, as tramas dos flashbacks começaram a ficar ainda mais complexas. Mas logo a temporada ficou cansativa e arrastada. Descobriu-se que não adianta ficar apenas enfiando novos personagens na história da série que ficassem limitados ao pequeno universo de Storybrooke. Foi aí que surge a terceira temporada, que inicia mandando um pé na bunda da pequena cidade e rumou para a Terra do Nunca, lar de Peter Pan.

Admito que me empolguei mais com esse terceiro ano do show. Achei mais ousado e abusado. O imaginativo pode voar (assim como Pan) para novos horizontes e aventuras, mesmo que alguns personagens estivessem um pouco cansativos em tela. Emma mesmo passou por uma fase extremamente xarope, alias arrisco dizer que a protagonista da série pra mim é uma das que menos tem simpatia, mas é algo pessoal meu, já que acho uma chatice sem tamanho estes personagens em contos que ficam por demais em cima do muro. Diferente de Regina que foi um dos personagens que melhor se desenvolveu nesta terceira temporada e achei justo o plot twist da magia dela ao fechar o arco de Oz.

Outra sacada genial dos produtores foi saltar um ano na cronologia da história, tal qual fazem com muitos dos mangás atuais. Faz sentido se pensar que o ator que faz o Henry deu uma espichada de um ano pra cá e não tem mais a cara de criança que tinha quando o show começou. Precisava mesmo fazer esse salto para que o próprio personagem meio que se adaptasse ao crescimento do próprio ator. E acredito que enquanto o seriado durar, cada temporada deveria pensar em saltar um ano na cronologia sempre, pelo menos enquanto o ator já nem tão mirim continuar esticando.

Vale mencionar que achei deveras interessante a forma como a série retratou o universo de Peter Pan, com o próprio Pan sendo uma figura realmente vilanesca, bem diferente da versão Disney que muitos conhecem. Apesar de que no conto original Pan é meio malvado mesmo, salvo equívoco (e se estiver me corrijam nos comentários). Nesse ponto acho que o seriado sabe muito bem adaptar ao seu próprio formato personagens que casam com a trama e não pareçam assim tão forçado. Apesar de que acho que alguns podem discordar dessa minha opinião.

Aí da metade pro final, tudo mudo e a bruxa de Oz se revela como a próxima vilã da história. E o background dela me convenceu, quase como uma fábula mesmo. Achei sensacional o pouco que foi mostrado do reino de Oz, a história das bruxas de cada direção do vento, até mesmo a rápida aparição da Dorothy e o desfecho de sua história. E o mago de OZ fanfarrão me lembrou o James Franco na recente versão para o cinema com o personagem. Nada do que reclamar. É um outro dos méritos do show ao conseguir introduzir novos personagens e eles roubarem a cena e terem um bom momento de exposição nos episódios a ponto de tornar menos cansativo os personagens que já estão na série desde o início. E o elenco vem crescendo absurdamente.

O que mais posso dizer? O personagem Capitão Gancho, apesar de toda a pinta de um cara fanfarrão é meio que galã demais, porem gosto do jeito debochado dela, sem parecer como o Jack Sparrow de Piratas do Caribe. Henry ficou um pouco desaparecido da série da metade pro fim e não fez muita falta, o que é uma boa porque nos primeiros anos tinha a impressão de que o personagem tinha um excesso de tempo em tela que estava ficando muito manjado, quase como o grilo falante da Emma. E achei ele bem imbecil ao final do arco do Pan.

Ah e não podia deixar de comentar que Once Upon a Time vive um belo momento na TV já que pelo visto pode ser oportunista o quanto quiser já que fábulas e contos são de domínio público (ou as adaptações são de boa, sem complicações) já que a temporada três terminar brincando com o surgimento da personagem Elsa, aquela mesma que apareceu recentemente no sucesso da Disney Frozen. Até mesmo já foi escolhido a atriz que fará o papel, a tal Georgina Haig, que muitos vão conhecer pelo papel que a atriz fez no final de Fringe, como a filha adulta do Peter e da Olivia (notícia aqui)!

Não sei exatamente do que esperar da próxima temporada. Tem toda a questão da Branca de Neve e do Príncipe Encantado (Charming no original é mais bacana) com um filhinho, mas fora isso a série não deixou muitos ganchos soltos, além de uma nova vilã e a brincadeira de que a série vai usar o universo de Frozen como base para início do quarto ano.

E é isso, quem não acompanha Once Upon a Time, perde uma ótima brincadeira sobre contos de fadas atualmente. Prefiro muito mais esse seriado do que os muitos filmes live-action que estão saindo para os cinemas adaptando contos de fadas de uma forma moderna e com efeitos especiais de ponta. É verdade que série tem seus defeitos e suas limitações, mas pensar que dentro do gênero, é uma das poucas que realmente estão tentando criar um universo único e sem limites, já vale a pena. Ao menos para tirar um pouco aquela imagens dos contos de fadas de final feliz da Disney. Não que eles sejam ruins, mas alguns já me parecem perdidos no tempo, com valores e morais meio vazias e sem graça. Nesse ponto, Once Upon a Time anda conseguindo dar contexto e modernizando muito bem as antigas fábulas infantis. É diversão garantida!

Snow-Charming-Once-Upon-a-Time

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.