AssistindoSeriados

Piloto | Um começo problemático para DC’s Legends of Tomorrow? (1×01)

A estreia de DC’s Legends of Tomorrow aconteceu nos Estados Unidos agora no dia 21 de janeiro, porém foi exibido apenas a primeira parte do episódio piloto, sendo que a conclusão do episódio só virá esta semana, no dia 28. No Brasil a série deve estrear em breve pelo Warner Channel, porém até o momento não existe uma data oficial.

Também é válido lembrar que em dezembro a série Arrow & The Flash tiveram um crossover que serve quase como um prólogo para Legends of Tomorrow, nos episódios “Legends of Today” (The Flash 2×08) e “Legends of Yesterday” (Arrow 4×08), na qual praticamente todo o elenco de ambas as séries se reúnem para derrotar Vandal Savage, um dos vilões imortais dos quadrinhos da DC, que alias nem sempre tem o reconhecimento que talvez merecesse.

E justamente o crossover que rolou em dezembro meio que estragou um pouco o ritmo do piloto de Legends of Tomorrow. Afinal a premissa aqui é a mesma: encontrar um jeito de derrotar Vandal Savage, que não foi derrotado no crossover e que eventualmente acabou dominando o mundo lá em meados de 2166, ou seja, daqui a 150 anos.

Rip Hunter é o personagem chave da série, sendo ele que irá reunir um time em 2016 de heróis e vilões que podem lhe ajudar a derrotar Savage. Há razões pelo qual ele quer isso e porque ele recruta esse elenco, mas aí seria um spoiler, apesar de que o roteiro do piloto se mantém muito clichê e previsível em ambos os pontos. Você meio que percebe o que está acontecendo ao longo de todo o episódio e os motivos e razões de Hunter.

Não sei ainda se gostei dessa versão da CW do Rip Hunter. Eu me lembro desse personagem em algumas aventuras dele com o Gladiador Dourado nos quadrinhos, após os eventos de 52, na qual ambos viajam pela linha cronológica da DC arrumando falhas temporais. O que é uma justificativa plausível para sair viajando pelo tempo diga-se de passagem.

No caso de Legends of Tomorrow a tarefa a princípio é apenas derrotar um vilão imortal que dominou o futuro. E meio que Hunter me parece um cara meio desnorteado. Como se ele não soubesse o que fazer. Pow, você tem uma máquina do tempo, tem a informações de várias aparições do cara ao longo dos anos. Escolha uma delas, mate-o (de alguma forma) e pronto! Problema resolvido! Mas ei, isso é uma história em quadrinhos (em forma de seriado de TV) então há essa coisa de que a forma mais simples não se aplicar na resolução de um problema.

A reunião do Flash com o Arqueiro no crossover em dezembro quase conseguiu isso, então não me pareceu uma tarefa assim tão complexa a ponto de precisar ficar viajando pelo tempo colhendo informações sobre Savage. Apesar de que no crossover o Flash precisou voltar um dia no tempo porque a primeira vez meio que fracassou, pra não dizer mais nada e entregar um spoiler do episódio duplo.

Tive a sensação de que o plot de Legends of Tomorrow não convence. Ao menos nesse começo. E olha que esta primeira parte do piloto é excessivamente pragmático. Toda hora se explica o perigo, se explica a origem do vilão, porque ele é tão terrível etc etc etc. É um piloto cansativo para quem vem acompanhando essa linha da DC pelo CW. Já sabemos quem são os personagens, o vilão, a ideia da série, mas ela toda hora engasga para ficar dando explicações para quem está chegando agora. Não parece haver um bom equilíbrio diante dessa situação.

Fora que algumas das cenas de explicações são exageradas e forçadas, como o Rip Hunter falando que veio do futuro reunindo heróis do passado com um objetivo de salvar a humanidade em uma cena no topo de um grande edifício, após todo mundo ter sido raptado pelo Hunter e com ele olhando para o céu com um das mãos para cima, fazendo um movimento de arco enquanto fala esse discurso ensaiado. Que cena ruim! E 15 segundos depois todo mundo entendeu e aceitou que ele disse a verdade. O mesmo cara que abduziu todo mundo e nem sequer mostrou provas concretas de tudo que ele estava dizendo, nem mesmo a nave/máquina do tempo é apresentada aqui para comprovar ele ser um viajante do tempo. Argh!

Claro que nem tudo está perdido. O elenco da série, ao menos parte dele, é cheio de carisma porque muitos telespecatores o conhecem das séries na qual saíram. A Canário, Capitão Frio e Onda Térmica possuem uma ótima cena de briga de bar nos anos 70 que meio que vale o episódio inteiro. Enquanto o Professor Stein e Ray Palmer juntos geraram ótimos e engraçados diálogos. Até mesmo gosto do Jax, parceiro do Stein na transformação em Nuclear, sendo o único dali que não quer participar da aventura. Apenas não me convence os novos Gaviões. Não sei, tenho a impressão que a melhor versão da Chay-Ara é aquela mostrada no desenho da Liga da Justiça, enquanto Carter Hall sempre foi pra mim um péssimo personagem, até mesmo nos quadrinhos. Acho-o excessivamente irritante. É chato saber que a dupla de Gaviões é parte importante da trama já que eles estão ligados a origem e motivos de Savage ter se tornado imortal.

A minha torcida é que Legends of Tomorrow se prove mais do que está sendo mostrado nesse piloto. Criada para ser um arco fechado, a proposta da série é que  ela possa alternar personagens e tramas a cada temporada e há um grande desafio nos próximos episódios, de trabalhar bem vários personagens e não enrolar uma trama chavão que só será solucionada no último episódio de uma temporada de 11 episódios e assim, ganhar uma segunda temporada.

Vou continuar acompanhando Legends of Tomorrow, mas já diminui um pouco as expectativas que tinha pela série. Ainda gosto da proposta de seus criadores e vejo potencial, mas não começou exatamente do jeito que gostaria.

Vídeos!

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios