Fox n Forests | Nostalgia bem aplicada! (Impressões)

Fox n Forests é uma criação da Bonus Level Entertainment estúdio independente que está “reinventando o 16-bit” como eles mesmo se descrevem em sua página na internet -, fundada por Rupert Oschsner (que trabalhou em títulos como Saints Row, Dead Island, Risen, Sacred e Metro) e Holger Kuchling.

O game chegou a luz do dia após uma campanha de sucesso no Kickstarter na segunda metade de 2017. Ee foi lançado agora em maio, sendo uma honesta homenagem aos jogos de plataforma da gloriosa era dos 16-bits. Um misto de ação em plataforma, com visual 2D pixelado e contando com elementos básicos de RPG. Está, por sua vez, disponível para PC, Nintendo Switch, Xbox One e PlayStation 4. A versão utilizada para o review foi a de Xbox One.

Inicie o jogo e você irá voltar no tempo. Para aquela época onde tudo era mais simples, e não por isso menos divertido. Onde jogos com gráficos simples eram o máximo, e o gênero de plataforma estava em alta. Duvido os jogadores mais velhos não terem velhas memórias emergindo na mente enquanto jogam Fox n Forests. Eu particularmente me lembrei do meu antigo Master System 3. Bons tempos.

Saciar a fome ou virar herói

Rick the Fox (a raposa) estava com fome e estava praticamente cometendo um crime, ao ver Patty (a passarinha) cantarolando na floresta distraidamente. Rick decidiu então matar e comer Patty. Algo natural para uma raposa. Não o julgue.

Patty para salvar sua vida, diz a Rick que não tem um gosto bom e que ele deveria encontrar outra coisa para comer. Ao mesmo tempo, ela se lembra o que estava fazendo distraidamente na floresta. A missão de Patty era encontrar um herói para ajudar na luta contra os seguidores do terrível Olho Verde e que esse herói teria direito a recompensas. Quem não adora uma boa recompensa?

Rick imediatamente se prontifica, estando de olho nas recompensas para esta missão, sem se importar com a dificuldade da mesma ou do que viria a ser a sua missão. Após um encontro com a Season Tree (a Árvore das Estações) ficamos sabendo que a arvores está ficando mais fraca e que seus poderes estão diminuindo com o passar dos anos. Que uma força misteriosa está tomando conta da floresta e criando um a terrível 5ª estação. Com isso o tempo parou e as estações ficaram desorientadas. Caberá a Rick resolver essa confusão.

Mais difícil do que imaginei

O jogo apresenta 3 níveis de dificuldade (fácil, normal e difícil), e o que encontrei foi um jogo realmente difícil. Jogar na dificuldade fácil não é verdadeiramente mamão com açúcar (digamos que o fácil se iguala ao normal de outros jogos). O jogador deve ter reflexos precisos e movimentos certeiros. Deve saber trocar as estações no momento certo, já que a troca é controlada pelo tempo que perdurar sua barra de mana. Há inimigos por todos os lados, muitos que após serem derrotados reaparecem em poucos segundos, como os insetos. Malditos mosquitos!

Os chefes são todos gigantescos, conversam pra caramba e tem formas especificas de serem derrotados. Sair pra pancadaria nem sempre é a alternativa favorável. Analisar o ambiente e o que pode acontecer com a mudança da estação climática muitas vezes é o que vai levar o jogador ao caminho da vitória.

Nas fases normais, morrer se torna algo menos punitivo, caso utilize o sistema de chekpoints (que falarei adiante), mas nas fases de “navinha”, em que Rick voa nas assas de Patty, morrer é algo natural e fácil de acontecer. Então… bem… prepare-se para o inevitável.

Controle as estações do ano

Rick recebe um arco mágico que pode atirar (infinitas) flechas com poderes, mais o poder de alterar as estações climáticas do ano. Assim em cada fase há que se alterar a estação para vencer desafios, inimigos e achar formas de solucionarmos enigmas e como progredir pelos estágio em si. Tudo isso também influência a forma de atacar os inimigos e os próprios chefes do jogo. São cinco grandes chefes ao ao todo, contando com o chefão final, onde cada um deles representa uma estação diferente.

Em cada fase podemos trocar entre 2 estações, não em ordem em que normalmente elas ocorrem (como a primavera antes do verão). Afinal, lembre-se que elas estão bagunçadas. Dá para citar alguns exemplos: a troca de primavera (crescimento de folhas em árvores, criando plataformas) para inverno (congelando a paisagem e permitindo caminhar sobre lagos). Inverno para verão (derretendo gelo com o calor e transformando estalactites em água). Ou outono (folhas caem e criam plataformas para cruzar espaços abertos) para verão (crescimento de cogumelos que podem ser usados como plataformas).

Também temos algumas mudanças mais drásticas ao transformar fases de fogo para fases de água (chuvas fortes) e também temos a 5ª estação, que congela o tempo (diferentemente do inverno) e faz mecanismos e plataformas pararem por algum tempo.

A música da trilha sonora é toda chiptune e muda quando alteramos a estação da fase, nos lembrando de que o nosso tempo está correndo e que logo ficaremos sem a mana que alterou o clima. Atentando que a mesma mana vale para flechas especiais que são obtidas cumprindo determinados pré-requisitos da história.

Nada de pular e atirar

Volto então ao começo, abordando os mecanismos de combate. As formas de derrotar os inimigos são com a besta utilizada pelo Rick, que funciona como uma arma de curto alcance quando toca diretamente os alvos. As flechas disparadas pela mesma são inicialmente infinitas em sua função básica, porém após adquirir novas flechas estas consomem a sua barra de mana. Magias que podem ser compradas em potes na vila da Season Tree e, é claro, a própria troca de estação que pode fazer acontecer certos eventos.

Um mecanismo interessante de combate, que adiciona certa dificuldade ao game, se dá ao fato de que Rick só poder atirar flechas estando no chão. Não dá para atacar a longa distância em meio a um salto. Ao pular o ataque de Rick se torna um ataque de curto alcance, quando ele dá um giro com sua besta no ar. Pegar inimigos voadores é um pouco mais complicado com essa mecânica, o que tempera de forma positiva a jogabilidade.

Capitalismo selvagem

Os chekpoints nas fases são todos pagos. Ah sim! Aqui na floresta o capitalismo é bem selvagem. Quem cobra para salvar a sua passagem pela área da fase é um gambá chamado Retro, que justifica a cobrança por ele ser um colecionador de games antigos (dai o nome “Retro”) e que como os consoles são caros ele precisa de dinheiro. Uma justificativa pelo menos é válida, não?

A cada vez que o jogador realiza um checkpoint com ele o valor aumenta, mas não é nada exorbitante. Como cada inimigo derrotado deixa cair moedas fica fácil pagar o endividado gambá. As cobranças são zeradas após completar a fase e na próxima começa tudo outra vez. A grana arrecadada pelo jogador ao final de cada estágio também é usado para fazer aprimoramentos na barra de vida (representada por corações no canto superior da tela), aumento da barra de mana, novos golpes para Rick, atualizações para a besta e na compra de magias para uso nas fases. Animais também precisam de dinheiro para sobreviver aqui. Rick está gerando trabalho e novos empregos na floresta pelo visto.

Jogando tudo mais uma vez

Locais secretos são abundantes nas fases de Fox n Forests, e se deve ao ato de coletar novas flechas que vão ativar certas áreas antes inacessíveis das fases. Então, revisitar uma mesma fase diversas vezes vai se tornar necessário para coletar as grindstones, os cristais de mana e as magic seeds, estas últimas necessárias para se abrir novas fases. Um número X delas habilita mais um conjunto de fases e assim sucessivamente até abrir todos os mundos.

Além de tudo isso o jogo ainda conta com fases secretas ao se cumprirem desafios como coletar todas as magic seeds de um conjunto de fases. Achei curioso que as “mini” árvores que nascem nos potes ao se depositar as magic seeds, parecerem tem forte inspiração no Groot de Os Guardiões da Galáxia, no período onde ele ficou “crescendo” num vaso de flor.

As fases são bem compridas, então não espere terminar as suas revisitações rapidamente, mesmo conhecendo elas de cor e salteado elas não vão diminuir de tamanho. Algumas possuem caminhos alternativos, possuindo rotas na parte inferior e superior do ambiente.

Vale a pena?

Para aqueles que tem mais tempo de estrada no mundo dos videogames, jogar Fox n Forests é fazer uma viajem no tempo dos saudosos games 16 bits onde a simplicidade gráfica não importava e o desafio em descobrir cada segredo do game era uma das maiores recompensas de se jogar um game. Sim, amigos, não existia You Tube para lhe ensinar tudo de mão beijada.

Curiosamente, e um tanto irônico, notei que não existe (até o momento em que este texto está sendo publicado) um vídeo no You Tube mostrando onde coletar todas as magic seeds de Fox n Forests. Então se quiser tentar achar todas, ou as necessárias para simplesmente abrir todas as fases, prepare-se para explorar tudo por conta própria. Tentar acessar áreas que parecem impossíveis e de sentir o sentimento de recompensa ao descobrir algo que estava passando batido por você mesmo, ao fazer uma nova abordagem por um mesmo caminho, é fantástico.

A Bonus Level Entertainment criou um jogo que pode não ser perfeito, mas que fica muito próximo disso. Se tivermos mais aventuras desse nível e dessa magnitude no futuro, poderemos reviver com frequência as aventuras do passado. E tudo porque uma raposa estava apenas querendo, lá no início, encher sua pança com um, supostamente não tão saboroso, passarinho.

Galeria

9 Belos gráficos, nostálgicos da era 16-bits
8 Bom equilibrio em dosar sua dificuldade
9 Há valor de replay para abrir novos conteúdos
9 Mecânicas que impactam a jogabilidade
10 Aventura com cara de um nostálgico passado
9
More from Paulo Roberto L. S.

Os jogos da rede on-line da Nintendo desta semana! [Wii/DSi]

Uma semana sem grandes jogos pelo menos na minha opinião, nenhum jogo...
Read More