The Awesome Adventures of Captain Spirit | Poder da imaginação! (Impressões)

Lançado de forma gratuita (PS4, Xbox One, PC) no final de junho, The Awesome Adventures of Captain Spirit é uma experiência envolvente, ainda que não ache que consiga encerrar plenamente a narrativa a qual se inicia. O jogo é o começo de algo. Feita para criar aquela expectativa para o lançamento de Life is Strange 2, que está agendado para setembro deste ano.

Então sim, Captain Spirit está inserido dentro do universo oficial de Life is Strange. Mas o game não pontua exatamente em que momento ou linha do tempo estamos em relação ao primeiro jogo, e nem mesmo o quão próximo ou distante ele pode estar da trama do segundo jogo, que até o momento não se sabe basicamente nada.

Aqui o jogador irá encontrar o mesmo toque de sensibilidade e provocação que é característico da série, e da equipe de profissionais envolvidos no projeto, feito pela Dontnod Entertainment. Temas feitos para mexer com os jogadores. Neste caso o jogo lida com temas como a perda de um membro central da família (a mãe), um pai com problemas de alcoolismo e até mesmo maus tratos com menores. Situações fortes até, porém lidadas com boa sutileza pelos desenvolvedores. E tudo isso acontece sob a perspectiva de Chris, uma criança de 9 anos.

Basicamente o jogador experiência um pouco dessa onda de sentimentos e sensações de Chris, que sofre com saudades da mãe, recém falecida, tem plena consciência dos problemas do pai e desse período de adaptação para ambos. Todo o game se passa em um único dia, basicamente um período matinal, onde o pai de Chris está em casa assistindo um jogo na TV e o jogador no papel do garoto tem liberdade para explorar a casa e o quintal para entender melhor o mundo de Chris, sua família e os problemas a qual pai e filho estão vivenciando.

Sensível, porém curto

The Awesome Adventures of Captain Spirit não é uma experiência longa. Dá para virar o jogo em uma hora, talvez duas se o jogador parar para explorar 100% de todos os documentos, acionar todas as opções de diálogos e cenários que podem ocorrer nessa pequena demonstração.

Mecanicamente o jogo lembra muito tudo o que já foi mostrado em Life is Strange e até mesmo em LiS – Before the Storm. Há decisões e diálogos, toneladas de documentos que podem ser lidos e que contextualizam todo o cenário ao redor do que a trama está trabalhando, assim como pequenas ações e execuções que avançam a história, em meio a pequenos puzzles que precisam ser resolvidos para encontrar outros pontos da história, as vezes até mesmo para progredir por ela.

Chris não tem o poder de rebobinar o tempo que Max possuía no primeiro game. A proposta aqui é uma brincadeira com o fato dele ser uma criança e conseguir imaginar o mundo ao seu redor de uma forma diferente dos adultos. Esse efeito é bem visível quando Chris precisa entrar em um quarto escuro para ligar o aquecimento da casa, onde na visão do garoto um monstro vive ali dentro. Esse momento é muito legal sob tal perspectiva, ainda que não exija qualquer esforço do jogador em termos de jogabilidade.

O game dá ao jogador um checklist de coisas a qual podem ser feitas, e que contam mais um pouco sobre a trama proposta, mas nem tudo acaba sendo obrigatório para chegar ao final da aventura. É até possível perder o momento ou a ação que desengatilha o cumprimento destas tarefas. Mas o impacto em relação ao final do game não é alterado por conta disso.

E é o final que me decepcionou um pouco. Os personagens me conquistaram, a trama me convenceu. Isso porque a história do jogo, apesar de me deixar no papel de uma criança e seu mundo imaginativo, é bem adulta e complexa. Esperava que o final me entregasse alguma coisa, algum tipo de conclusão em relação a Chris e seu pai. Mas não. O que game é realmente um breve gancho para Life is Strange 2, mesmo não sendo nem um pouco claro como Chris e sua história irão se encaixar na história do game que chega em setembro.

Considerações finais

Isso, do final meio inconclusivo, é meio chato. The Awesome Adventures of Captain Spirit é de fato apenas uma demonstração, uma pontinha pequena de um iceberg de coisas que Life is Strange 2 pode (ou não) vir a trabalhar. Sequer dá para dizer que é um prelúdio, pois a Dontnod ainda não explicou muito sobre o próximo game da série.

Claro que isso não quer dizer que The Awesome Adventures of Captain Spirit é uma tremenda perda de tempo. De forma alguma. O título é interessante para aqueles que desconhecem a fórmula da franquia. É uma experiência gratuita que instiga o jogador a querer saber mais desse universo, a ver mais da sensibilidade que o estúdio tem com esse construir de mundo, tão bem narrado, com personagens e seus temas reais e tocantes.

Também é uma boa forma de conhecer as mecânicas da série. Seja Life is Strange ou Captain Spirit, mecanicamente ambos os jogos são bem parecidos. O jogador explora cômodos e ambientes que possuem uma liberdade de locomoção semi aberta, descobrindo diálogos e tomando a decisão por alguns destes. Interage com objetivos de cenários e ações, que também influenciam a narrativa. É um gênero de jogo interativo que é mais realista do que os clássicos point & click.

É muito sobre descobrir e tomar as rédeas da história, do que apenas atirar e pontuar dos jogos mais tradicionais. Ainda que, neste caso de Captain Spirit, não haja tantos desdobramentos possíveis quanto há na experiência completa dos demais Life is Strange. O final aqui é único, deixando ao jogador apenas pequenas decisões, quase insignificantes, de como Chris vai falar com seu pai e reagir ao conflito que existe entre os dois.

A parte do mundo da imaginação proposto pelo título é um ponto positivo. Coloca o jogador em cenários e momentos bem interessantes e singulares. Ia dizer “bem diferente“, mas talvez essa ideia se parece um pouco com o final de Life is Strange, quando Max “quebra o tempo” e isso permite ao game criar um momento bem maluco. O mundo da imaginação de Chris não é um tour pelo tempo, mas é tão fora do normal quanto. E isso é muito legal. Dá para pensar o que poderia ser feito se o personagem ganhasse uma aventura maior e completa (ou seja, paga).

The Awesome Adventures of Captain Spirit é também uma forma da Dontnod Entertainment e de toda a equipe envolvida na série reafirmar que eles ainda conseguem apresentar novos personagens e novas ideias para a série. Algo que foi um pouco questionado quando Before the Storm foi lançado e desenvolvido por um estúdio parceiro. Aqui são eles assumindo novamente as rédeas deste universo e da franquia. O que para alguns fãs mais fervorosos, é um ponto de extrema importância.

E, de novo, é um game (ou demonstração, chame como quiser) totalmente gratuita. Não existe motivos para não experimentar. É uma boa pedida para conhecer o universo da série e suas mecânicas de jogo. E para quem já conhece estes aspectos, é só mesmo para matar a saudade da série e deixar as coisas mais instigantes até setembro.

Galeria

 

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
8 Curtinho, mas é gratuito
7.9 Trama envolvente e interessante (mas inconclusiva)
9 Imaginação é uma ótima mecânica de jogo
8 Apresenta bem o que é a série Life is Strange
8 Localizado em português (com legendas)
8.5 Trilha sonora em harmonia com sua atmosfera
6.5 Poucas decisões e caminhos alternativos
8
More from Thiago Machuca

Checklist DC/Panini – Janeiro de 2009!

Oh, Panini não perdeu tempo e já disponibilizou em seu site o...
Read More