Lendo

Indiana Pateta e o Fantasma de Cleópatra! [Mickey nº 812] [MdQ]

Depois de uma breve pausa, volto a comentar aqui no blog sobre os lançamentos  aqui no Brasil dos quadrinhos Disney. Em breve a área de HQ será reformulada (nos moldes do que ocorreu com o Papo de Série), mas enquanto a reforma estrutural não acontece, vou continuar testando alguns formatos e modos para abordar o assunto.

A Edição deste mês traz Mickey, Pluto e Indiana Pateta viajando até Alexandria, no Egito, à pedido de um amigo do Indy, para solucionarem um mistério que ronda as escavações submarinas do palácio da rainha Cleópatra. Aventura com 30 páginas roterizada por Andrea Castellan, mais conhecido como Casty!

Depois do continue, a primeira página de cada história e meus comentários sobre a aventura do Indy e as outras histórias que completam o mix da revista.

O Fantasma de Cleópatra! [I TL 2801-1] 30 páginas
Roteiro: Casty / Desenho: Silvio Camboni
Publicada originalmente na Itália em Ago/2009
História inédita no Brasil

A melhor história da edição e provavelmente a história mais bacana das revistas Disney do mês de Maio, mas ainda assim fiquei decepcionado com algumas coisas. A primeira dela é que esta não é exatamente uma típica história do Indiana Pateta, o Indy funciona apenas como um mero coadjuvante e não como protagonista.

A participação do personagem é bem tímida mesmo, diferente de outras grandes aventuras já publicadas por aqui. Em geral o Indy arrasta o Mickey para os lugares mais exóticos do planeta em busca de alguma lenda ou tesouro. Aqui ele apenas faz uma visita à um velho amigo e acaba esbarrando num mistério, o que é mais praia do Mickey do que do Indy. O que quero dizer é que esta história também funcionaria perfeitamente se trocassem o Indy pelo Pateta. Claro que algumas piadas teriam que mudar (como a da primeira página ao lado).

A única cena que talvez não funcionasse com o Pateta original, seria cena do submarino, onde que Indy resolve perseguir o fantasma de Cleópatra (página ao lado). O Pateta é mais covardão e não é de fazer estas loucuras que o Indiana faz de olhos fechados.

Mas relevando a importância do Indy na história, é uma aventura bacana e com um enigma bem estruturado. Vale lembrar que é uma HQ mais infantil e por isso é fácil notar quando surge alguma pista, suspeitar que o fantasma realmente não existe e que tem alguém armando tudo por debaixo dos panos. Entretanto Casty montou um belo roteiro com pistas boas para a revelação das últimas páginas. Até mesmo o toque tecnológico (celular do Bafo) faz bem para a história, deixando-a bem atual. Mas sem tirar aquela magia que só os quadrinhos, as vezes, pode proporcionar, como o final com a lenda da névoa. Ficou perfeito para conclusão da história.

E apesar de bem superficial, é sempre bacana o uso de fatos históricos verdadeiros para a montagem da história. No fim, O Fantasma de Cleópatra é uma boa aventura do Mickey. Uma pena é ter o Indiana Pateta tão modesto e escondido em cena.  E parabéns a Abril pela belíssima capa desta edição, criada especialmente para o lançamento da história por aqui (Idéia de Paulo Maffia, desenho de Carlos Mota e cores por Cris Alencar).

Espero que esta história incentive a publicação de outras com o Indiana Pateta, porque sou fã de carteirinha deste personagem. As melhores histórias de aventura do Mickey que li na década de 90 foram com o personagem assumindo o papel de protagonista das histórias e o Mickey como coadjuvante. Nesta década não vi tantas aventuras marcantes com o personagem ainda, o que é uma pena.

Outras histórias (todas inéditas) da edição:

Questão de Orgulho [D 2006-290] – Ano de Copa, entendo porque publicar histórias de futebol, algumas alias são boas (Leia “A Copa do Morro é Nossa” na Zé Carioca deste mês), mas esta não é o caso. Achei bem chatina a história envolvendo Chiquinho e Francisquinho reformando o campo do clube de futebol na qual participam. História cheio de morais e valores batidos e sem nenhum humor, o que nunca é uma boa combinação. Podia ter sido aproveitado melhor as 10 páginas que ela ocupa. Roteiro de Paul Halas e desenhos de Francisco Reinado Peinado, produzida em 2007.

Detetive Joca: Perseguição [I TL 2818-02] – Gag de uma página com o Detetive Joca. Só para preencher o que faltou para as 50 páginas da edição. Joca é um personagem que não é tão frequente assim nas edições do Mickey nacional, mas ainda assim gostei dele ser lembrado. Fica aquela nostalgia de quando as revistinhas da Disney terminavam com uma tirinha de 3 quadros na última página. Roteiro de Carlos Panaro e desenhos de Giorgio Di Vita, publicada na Itália pela 1ª vez em Dez/2009.

Dia de Veterinário [D 2007-214] – Historinha curta, com apenas 4 páginas, mas engraçada. Mickey precisa levar o Pluto ao veterinário, mas não é tarefa fácil já que Pluto sabe todas as jogadas do dono para enganá-lo. Algumas piadas engraçadas envolvendo homem (rato no caso) e cão. Só achei meio forçado o final, com a Minie, mas é nos quadrinhos tem disso, as vezes o final destas histórias curtinhas de poucas páginas ficam forçadas, o que vale é a jornada até o fim. Roteiro de Doug Gray e desenhos de Angel Rodriguez, produzida em 2008.

Info extra: Na sessão de cartas, uma informação bacana. Na coleção Clássicos da Literatura Disney (não sabe o que é? clique aqui), no volume 11, será republicada a aventura O Mistério do Naútilus, de 55 páginas, que saiu aqui no Brasil uma única vez, no Almanaque Disney 286 de 1995! Uma história sensacional diga-se de passagem! Mal posso esperar para essa coleção começar logo! A outra boa notícia é que em breve algumas histórias da série espacial com Mickey e Pateta, conhecida por aqui como Comando Laser, serão republicadas nas edições futuras da revista Disney Big!

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios