Donald Duplo! Agentes quádruplos, ambientalistas nerds e muito mais em ótimas e divertidas histórias!

Se você ainda resiste em comprar os quadrinhos Disney no Brasil, eu devo admitir que de certa forma, compreendo. Às vezes, a seleção deixa a desejar e a editora responsável publica algumas histórias bem infantilóides e fraquinhas, até mesmo no traço, excluindo grandes histórias que estão por aí, mundo afora, e que eu adoraria conhecer.

Mas, mesmo que nem sempre cada gibi das bancas (das publicações regulares) traga 100% de boas histórias, sem dúvidas, algumas compensam a compra e valem o investimento quase irrisório, em comparação com outras publicações com papel inferior e ainda em preto e branco.

De qualquer forma, no que se refere à séries especiais, como Clássicos da Literatura Disney, Disney Gigante, entre outras, a Editora Abril tem dado um show de bom gosto, acima de tudo!

E o mesmo aconteceu com a minissérie em duas edições, Donald Duplo! Então, deixe os preconceitos de lado (se você ainda tem algum sobre esse assunto) e se envolva no universo de intrigas e reviravoltas super inteligentes de DD (surpreendentemente perspicaz), além do excelente traço, organização e muito humor, afinal, mesmo sendo um agente secreto, Donald ainda é o bom e velho Donald, oras!

 

Muita gente reclamou, inclusive eu, por terem lançado a revista “a partir do final”. As primeiras histórias do Donald Duplo foram publicadas no Brasil em outras publicações contínuas (Aventuras Disney) e a Abril achou, sei lá por qual motivo, que não era necessário republicar o início de tudo.

Esse fato, com certeza absoluta, afastou muitas pessoas, que acabaram perdendo uma boa dose de diversão de qualidade, por terem ficado com medo de não entender algo, de perder o contexto, entre outros fatores – medos que também compartilhei.

No fórum dos bastidores da equipe aqui do Portallos, até levantei essa questão com o nosso editor, Thiago, que me garantiu que não faria tanta falta para o entendimento geral. Mas, se você, de qualquer forma, ainda tiver essa resistência, pode conferir a primeira história nesse link e descartar as desculpas! Só não perca muito tempo porque as edições já estão ficando escassas nas bancas!

Mas, vamos ao que interessa: “Pedro, tá doido cara?! DD é bom a esse ponto?”. Eu digo que sim!

A minissérie começa com a história “Botão de Apagão Total”, que dá um contexto legal para os não iniciados no agente DD (tem uma linha do tempo também, antes de começar a história propriamente), inclui, de forma inteligente, um personagem “normal” da revista do Pato Donaldo, o Gastão, e se desenrola em uma trama internacional, deixando margem para a outra história: “Missão Coração Térmico” – essa sim, arrebatadora e genial!

Uma missão que dura mais de cem páginas com agentes duplos, triplos e quádruplos; reviravoltas surpreendentes, cenas de ação rápidas e bem pensadas, com detalhes interessantes de se procurar em cada página, contextualização super legal com Margarida, super vilões terroristas, nerds ambientalistas e muito mais!

Os elementos “adcionais” e até a qualidade do desenho não teriam tanto destaque se não fosse a qualidade do roteiro! Sério! A trama entre os interesses da Agência, os mocinhos, e a Organização, os vilões, é bem envolvente e prende bem o leitor. O que seria uma missão” simples”, de transportar um super submarino de um ponto ao outro, torna-se uma caçada de grande proporção em que Donald entra na pele de caça e caçador, ao mesmo tempo!

Eu ainda adoraria ver essa história ganhar as telinhas e, quem sabe, até um longa! Claro, com o traço do próprio Conrado Mastantuono, que tem um estilo moderno, contudo, sem perder os detalhes. Não é assim, “cartunesco demais”, sabe?

O Volume 2 da minissérie conta com mais três histórias: “Caçadores e Presas”, “A Ilha” e “Bonde, James Bonde”.

A primeira aproveita o gancho deixado no final da “Missão Coração Térmico” e é tão boa quanto ela, mantendo as interrogações que questionam quem é realmente o vilão da história!

“Caçadores e Presas” tem uma participação mais ativa de outros espiões em uma suposta competição que serviria de teste para o diretor da Agência. Cenas de ação bem feitas, participação ciumenta da Margarida, e participação bastante caxias do Tio Patinhas, como não podia deixa de ser (cobrando os serviços do faz tudo, Donald).

“A Ilha” mantém o climão de traição e suspense, mas com um cenário mais paradisíaco, bases secretas e um Donald mais relaxado, em seu calção de banho, ao lado da bela pata K Ká!

E a minissérie é encerrada pela história “Bonde, James Bonde”, que também é muito legal, contudo, não tão imprevisível quanto as outras, embora mantenha o traço moderno e o roteiro inteligente e bem humorado – culminando em um novo filme do grande “Bonde, James Bonde”, filmado de um ângulo, digamos assim, inusitado…

Em relação às histórias escolhidas, não tenho ressalvas. Bem equilibradas, bem feitas, a editora está de parabéns! A ressalva fica por conta do acabamento final da revista, na lateral principalmente, onde as páginas são presas.

Tive que procurar bastante até achar edições que estivessem com o corte correto, sem estar torto, tirando até mesmo pedaços do nome da revista, que “apareceria” naquele local!

Só tomar um pouco mais de cuidado no futuro que teremos uma publicação 100% por aqui! E claro, espero mesmo que tenha “futuro” e continuidade! DD é aquela tipo de revista que merece ter seu espaço separado e histórias novas publicadas por aqui, sempre. Acho até que, pelo seu conteúdo, roteiro mais ágil e traço mais contemporâneo, devia ser obrigação manter Donald Duplo nos planos de publicações brasileiras: sem erro, com mais organização (lançar o início da saga, tudo certinho)! Com certeza vai atrair ainda mais leitores que estão retornando ou conhecendo pela primeira vez essa outra faze do universo Disney!

@pedrohduarte (sigam!)

Isso também pode lhe interessar

10 Comentários

  1. Sem querer fugir do assunto do post, mas os mangás tem em média 200 páginas então o valor não está errado.

    Comprei as duas edições de DD, mas não pretendo ler enquanto não conseguir as histórias anteriores…

    1. Esse assunto é complicado…
      Se for entrar em preço aqui, eu realmente iria escrever um texto enorme e os comentários iam fugir totalmente do assunto e realmente não quero isso.
      Contudo, tenho convicção plena que o valor é bastante alto assim, não porque as editoras querem até, mas, pelo processo todo que envolve colocar preços neste país…
      São 200 páginas de um papel beeeem chulo mesmo e você deve saber quanto custa um mangá de verdade no Japão, com muito mais páginas, tamanho bem superior e custando 1/10 do preço do nosso país…
      Então, enfim, vou deixar para lá essa e peço que os leitores também se foquem na Revista DD e não nessa frase específica do texto.
      Sei que “puxa” o assunto, mas, não chegar a propor nenhuma discussão, afinal.

  2. conforme dito em outro post, só comprei dd graças ao scan do 1º ep. disponibilizado pelo portallos… eu não ia comprar pq não conhecia o personagem e não queria começar a leitrua da metade, já q a primeira parte saiu em avent. disney… porém, dá para ler a mini assim mesmo, só q ainda sinto muito por não terem republicado o começo! Ainda acho q os mangás estão caros em relação à DD; eles tem 200 pags. mas são em P&B e são justamente as cores q encarecem o gibi… aliás, DD tem 160 contra 200 dos mangás! A Panini conseguiu um ótimo preço por hqs marvel, em edição de super-luxo, capa dura e td mais pq contratou uma gráfica lá na ásia (não foi na china)… mesmo sendo lá do outro lado do mundo, a impressão chegou aki bem mais barato e eles vendem esses encadernados luxuosos por menos de R$ 20,00 (homem-aranha noir, p ex.). Isso prova o q disse Pedro Duarte, os serviços gráficos no Brasil são muito caros… Impostos!!!

    1. Isso meio que ia me afastar também, como eu disse. Mas, acabei revendo e vejo que não fez falta para se divertir com essa, mas, fez falta para adentrar nesse novo universo, entende?

      O que proponho é que as pessoas não se deixem afastar por isso e percam a chance de descobrir uma história bem legal.

      E claro, que a editora publique o início, afinal.

  3. Eu achei DD uma revista Disney ótima!
    O roteiro é o mais inteligente que já vi nesse mundo Disney, a arte é linda moderna e caricata como você disse Pedro. Eu acho que a única coisa que pecou mesmo foi o humor, não estava ruim, mas não estava tão bom sabe…
    Essa trama deve ser lida por todos que gostam e não gostam de Disney, pois é envolvente, inteligente e sem perder a sua graça!
    No fim uma nota de 0 há 10 pra DD, dou 9,5  praticamente não pecou em nada mas pra mim faltou dar risadas de algumas piadas.

    1. Ah, eu dei algumas risadas sim! XD
      Mas, entendo o que quer dizer…

      Eu não me incomdei porque a parte de humor da coisa toda foi como um “extra”. Eu gostei mesmo foi da ação e tal e o humor foi só para deixar o climão mais light, no geral, não foi o foco principal.

      Eu acho, né? XD

      1. Sim, sim, eu dei umas risadas e sei que o ponto principal não eram “piadas”, mas mesmo sendo uma história meio séria eu queria uma “graça” à mais…

  4. nossa, DD foi a MELHOR surpresa em se tratando de disney!!!

    muito bom mesmo, ritmo ascelerado, desenho muito bonito!
    nada bobo, quando eu acabei de ler fiquei pensando que poderia ter todo mes, sempre em uma missao pelo mundo! alias, donald me surpreendeu nos quadrinhos, mas vou guardar isso para os proximos dias uhahuahuahu
    belo post pedro!!!!!!!

  5. nossa, DD foi a MELHOR surpresa em se tratando de disney!!!

    muito bom mesmo, ritmo ascelerado, desenho muito bonito!
    nada bobo, quando eu acabei de ler fiquei pensando que poderia ter todo mes, sempre em uma missao pelo mundo! alias, donald me surpreendeu nos quadrinhos, mas vou guardar isso para os proximos dias uhahuahuahu
    belo post pedro!!!!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.