Ação Magazine: Eu li! – Made in Brazil – Opinião

Quando vi a notícia da publicação de uma revista brasileira nos moldes da Jump aqui pelo Rackor, fiquei deveras feliz. Gosto bastante de quadrinhos em geral mas sinto que o aspecto nacional é sempre tão pouco explorado no Brasil, e somos sempre sujeitos aos “enlatados” internacionais, não que eles sejam ruim, pelo contrário, são muito bons, porém como ficam os sonhos de quem quer fazer algo parecido no Brasil?

Para quem quer fazer quadrinhos, resta se empenhar muito para sair do país e ir desenhar fora do país, mas nada de uma realidade brasileira. Muitos aspectos podiam ser aproveitados de nosso país, seja ver uma São Paulo ou outra cidade que estamos tão acostumados, ou ainda aspectos culturais nossos, que diga-se de passagem nossa cultura é tão vasta e rica que pode encher livros e mais livros, mas são aspectos esses tão pouco explorado. Na música até vemos muita coisa, o cinema nem tanto.

Todavia, meus caros, os tempos estão mudando e em um trabalho de vanguarda, a Ação Magazine chegou.

Já nas bancas? Que banca?

Aliás, você viu ela por aí? Eu moro em São Paulo e mesmo assim só a vi na loja da Comix, nada de bancas de jornais com a revista para ser vendida. Portanto se você quer comprar e não aguenta esperar sugiro usar a loja da Comix, ou outra loja do gênero que faça vendas pela Internet. Acho que demorará meses até que ela alcance o país todo de verdade, pelo menos espero que apareça numa banca perto de você.

Esse problema de distribuição deve se dar pela Lancaster, editora da revista, ser muito nova e agora estar caminhando e vendo que quando falamos de Brasil, a distribuição é quase internacional devido ao tamanho do nosso país. Se as já conceituadas editoras também enfrentam uma tremenda dificuldade para distribuição em âmbito nacional, imaginem uma editora nova. Talvez, tudo podia ser resolvido com produção em polos para redistribuição setorial. Os meios de transporte aqui são muito caros e o único disponível de verdade é o terrestre que demora muito tempo e a qualidade das estradas é uma lástima, transporte ferroviário aéreo são inviáveis, aliás nem temos ferrovias suficientes.

Quadrinhos brasileiros? Ou seria abrasileirado?

Quando se fala em quadrinhos nacionais logo me lembro de Turma da Mônica, que li muito quando criança, mas quando crescemos não existem materiais nacionais que nos acompanhem. Sempre vejo o espaço de fanzines nos eventos de anime como algo bem underground, bacana o esforço de todos para tentar um lugar ao sol, mas não vejo frutos dessas tentativas. Outra coisa que me recordo do cenário nacional é Holy Avenger, fantástico aliás, mas tem uma temática mais medieval, nada assim tão nacional que carregue aspectos mais cotidianos, pelo menos eu não lembro.

Bem, mas vamos falar da revista Ação Magazine que adquiri recentemente.

A revista tem um apelo bem jovem, traz matérias relacionadas ao universo nerd, com matérias sobre games, celulares, e livros nacionais. Ela é até pequena com cerca de 160 páginas, mas mais página a deixaria mais cara e inviabilizaria a publicação, que ainda busca mais espaço para propaganda e assim cobrir uma parte dos custos.

Madenka

Após as matérias, a revista trouxe o que realmente importa, as histórias, e a primeira a lermos foi Madenka. Os traços do quadrinho parecem inspirados em Osamu Tezuka e Akira Toriyama, é impossível não notar.

A história tem um português bem coloquial com aspectos culturais típicos da região nordeste brasileira, ri muito de vários neologismo, além de trazer referência a criaturas como o saci, aliás a única por enquanto, espero ver a mula, curupira e tantos outros.

A transição dos quadrinhos as vezes parece confusa e eu não me apeguei muito ao personagem principal que parece um preguiçoso de mão cheia, mas é divertido e seja pelo traço cultural forte brasileiro, ele foi o meu favorito e pareceu ser o mais promissor de todas as histórias do almanaque, embora eu não tenha simpatizado nem um pouco com o personagem, e isso pode ser determinante para a popularização da série, pois acho que não fui o único.

Jairo

Logo depois tivemos Jairo, com a temática de boxe, e clima colegial. Não gosto do tema e os desenhos podem soar um pouco estranhos no começo, mas dá para ver um traço natural e que não soa similar a qualquer outro, e ao mesmo tempo carregado de inspiração nos mangas. A história é a mais divertida de todos, e ao que tudo indica, promete chegar até os jogos do Rio.

Tunado

Já Tunado, fará os amantes de Initial D se apaixonarem por trazer um aspecto mais condizente com a nossa realidade, com carros mais “normais” diga-se de passagem, e ruas de corrida que lembram muito as cidades do Brasil, mas parece ter concluído com apenas um capítulo, não sei se é porque o tema não me agrada, mas não vejo palco para mais história.

Compro ou não compro?

Em resumo, a publicação é promissora, mas claro que nada disso se faz de graça, manter uma publicação assim é deveras difícil e o apoio do leitor é muito importante, nós somos parte deste momento histórico. Para você que pensa em um dia criar sua história, pode ser que você apareça aí.

Ao que tudo indica, o site será o local para dar feedback de todas as as histórias, mas no momento em que escrevo isso, ainda não vi nada a respeito disso lá.

Agora eu não me referi de forma alguma como manga todas as histórias, dado a leitura ocidental, condizente com o país e a fim de acessibilidade para os leitores brasileiros. Muitos reclamam pela orientação de leitura, mas estamos no Brasil, e não faz sentido “japoneizar” demais os quadrinhos, vemos sim referências e traços baseados, mas se trata de um fator cultural manter o formato tradicional, não sei se fui claro, mas essa é a minha opinião.

Por outro lado também não é possível traçar paralelos com os quadrinhos tradicionais, seja pelo conteúdo, então podemos dizer que é quase uma fusão entre a arte japonesa, com formato habitual ocidental com um tempero brasileiro com pouca pimenta, dando assim uma característica única. Acho importante tentar dar um foco maior a toda a revista em si, se não gostamos de uma história ou outra, com certeza isso colaborará para trazer mais conteúdo para a revista e novas histórias, mas desprezar a revista por seu conteúdo é preconceito.

Vamos continuar avaliando a Ação Magazine para ver o que teremos pela frente no cenário nacional, isso se ela chegar até a sua cidade. Quem leu gostou do que leu? Opinem pessoal, a opinião de todos é muito importante.

Update!

Seguem algumas imagens da revista, para ter uma ideia de dimensões e tamanho.

[nggallery id=643]
Isso também pode lhe interessar

110 Comentários

  1.  Independente de curtir as história ou não vou comprar, afinal se agente mesmo não incentivar jamais teremos algo de qualidade assim aqui no Brasil, senão agora pelo menos no futuro.
    Acho que o que talvez o que não agrade muito no começo é que as histórias escolhidas nos faz lembrar de grandes classicos japoneses, Inital D, Hajime no Ippo e as comparações serão inevitaveis.
    Eu por exemplo adoro Hajime no Ippo e duvido muito que Jairo chegue aos pés dele tanto por história quanto por traço ou pela veia cômica, mas como já disse comprarei assim mesmo apostando no futuro da revista.

  2.  Independente de curtir as história ou não vou comprar, afinal se agente mesmo não incentivar jamais teremos algo de qualidade assim aqui no Brasil, senão agora pelo menos no futuro.
    Acho que o que talvez o que não agrade muito no começo é que as histórias escolhidas nos faz lembrar de grandes classicos japoneses, Inital D, Hajime no Ippo e as comparações serão inevitaveis.
    Eu por exemplo adoro Hajime no Ippo e duvido muito que Jairo chegue aos pés dele tanto por história quanto por traço ou pela veia cômica, mas como já disse comprarei assim mesmo apostando no futuro da revista.

  3.  Independente de curtir as história ou não vou comprar, afinal se agente mesmo não incentivar jamais teremos algo de qualidade assim aqui no Brasil, senão agora pelo menos no futuro.
    Acho que o que talvez o que não agrade muito no começo é que as histórias escolhidas nos faz lembrar de grandes classicos japoneses, Inital D, Hajime no Ippo e as comparações serão inevitaveis.
    Eu por exemplo adoro Hajime no Ippo e duvido muito que Jairo chegue aos pés dele tanto por história quanto por traço ou pela veia cômica, mas como já disse comprarei assim mesmo apostando no futuro da revista.

  4. “Para você que pensa em um dia criar sua história, pode ser que você apareça aí.”

    Acredito que esse seja o maior motivo pra mim, e muitos outros, comprarem a revista. Sonho sim em quem sabe um dia, lançar uma história que faça sucesso primeiramente aqui no Brasil, então, por que não na Ação Magazine ? 
    Só espero que essa “inclusão” feita pela editora, seja ampla. Existem muitos artistas talentosíssimos dentro do país que só precisam de oportunidade. Ajudar a tornar a revista cada vez mais impecável, comprando-a e criticando-a, é algo de muita importância.

  5. “Para você que pensa em um dia criar sua história, pode ser que você apareça aí.”

    Acredito que esse seja o maior motivo pra mim, e muitos outros, comprarem a revista. Sonho sim em quem sabe um dia, lançar uma história que faça sucesso primeiramente aqui no Brasil, então, por que não na Ação Magazine ? 
    Só espero que essa “inclusão” feita pela editora, seja ampla. Existem muitos artistas talentosíssimos dentro do país que só precisam de oportunidade. Ajudar a tornar a revista cada vez mais impecável, comprando-a e criticando-a, é algo de muita importância.

  6. Acho que o maior problema da Ação Magazine é este destaque que você deu, não encontrá-la em banca. Não adianta, se a distribuição for desta forma, a revista não passa da sua terceira edição. Tudo bem, é editora nova, tem que dar uma colher de chá… mas o problema é o formato da revista… HQs sequencias… não dá, vc tem que comprar todo numero, desde o primeiro e se já no primeiro você não acha na sua cidade… mesmo que chegue a segunda ou a terceira edição, o leitor não vai comprar.

    Já começou meio errado a revista. Pra isso precisava de uma infraestrutura melhor. Venda no site dela (frete tipo carta talvez, ou até mesmo grátis, primeira edição, tem que chegar para todos ou não vai pra frente, então talvez um prejuizo no primeiro numero é meio inevitável). Comix não salva o dia, não vou pagar 9,90 + frete (que custuma ser mais R$ 10) só pra ter a revista… Foda. Mata o desejo de qualquer leitor em apoiar o projeto.

    Sem uma garantia, com essa dor de cabeça de caçar ela em bancas… pra mim, parece que ela nasceu fadada a morrer. A menos que o cenário se reverta nos proximos meses e a editora conseguira colocar ela no ambito nacional, pode esquercer… vai ser como se ela nem tivesse existido. Entendo as limitações, os problemas e quero dar suporte, mas esta é a realidade do mercado… ou oferece o produto direito, ou o consumidor vai simplesmente ignorar.

    Essa numero 1 está rolando na Comix desde Julho. Porra, 3 meses, não apareceu nas bancas por aqui (Jacareí – Interior de SP) e até agora nada da numero 2… cade a periodicidade? Outro problema… a revista vai ser semestral? anual? vai demorar mais quantos meses para se acertar? Por que do jeito que saiu, ninguém viu, ninguém comprou… passou despercebido.

    Ou disponibilizam no site oficial os numeros já lançados (formato digital) e não mais vendidos em bancas. Lançou a numero 2? Bote a numero 1 no site. E no fim de 12 edições, venda pacotes fechados para os leitores poderem colecionar. Tem que criar soluções e não ficar de desculpinhas que o mercado não ajuda… não ajuda mesmo… sobrevive quem saca e contorna os problemas…

    —————-

    Alex tenho algumas perguntas… qual o tamanho fisico da revista? do tamanho de uma Marvel ou DC da Panini? Ou parece um Mangá do Naruto? Compara com alguma publicação famosa aí pra eu ter uma ideia.

    E vc disse que tem matérias na revista (não sabia disso, é novidade)… são quantas paginas de materias e quantas de quadrinhos? E a primeira edição só vem três séries? Não tinha mais? quantas paginas cada série? Achei estranho isso… se a revista é mensal, só vamos ter três series por mÊs e vão se revezar com outras séries? Vai levar uma eternidade para desenvolver as historias assim… isso é um problemão… a revista informa como será sua grade de HQs?

    Ajuda aí Alex! XD

    —————–

    Se eu tivesse a revista em mãos, também faria outra matéria no blog, para dar o apoio e a divulgação, mas é triste mesmo não vê-la nas bancas de Jacareí. Queria inclusive fotografar e tal… se alguém da editora despencar aqui e acabar lendo meu mimimi e quiser mandar a primeira edição por correio pra mim, prometo mostrar a revista ainda mais detalhes aqui no blog. XD

    É uma iniciativa louvável, mas é notável que começou cheio de problemas que precisam ser vencidos o mais rápido possível… caso contrário… 🙁

    1. Bom, não li a revista ainda mas posso responder algumas das dúvidas, tem mais ou menos 8 páginas de matérias (bem pouco, logo no começo), está com apenas Madenka, Jairo e Tunado porque as outras três virão na próxima edição.

      Cada capítulo tem 50 páginas, e o tamanho da revista é menor que uma Marvel, porém bem maior que um mangá… seria como um meio termo.

      O índice fica estranhamente no final da publicação =p

      Comprei a AÇÃO no festival Bon Odori em Salvador, sei que ela também foi vendida no Anime Pro.

      1. Nossa, capítulos com 50 páginas…. será sempre assim? OU é só para as estréias de cada série? Podia ser menos… a gente vibra tanto com capítulos de mangás da Jump com 17 paginas por semana… podia ser um meio termo pra render mais séries dentro de cada edição… tipo 30… (daria 5 series e 10 de materioas)…

        É meio formato livro então (Tipo Classicos da Literatura Disney)

        Indice no final da edição… tem editorial? E a leitura pelo que deu a entender no texto do Alex é da esquerda pra direita a leitura dos quadros, né? Padrão mesmo…

        1. Exato os capitulos são grandes, talvez devido a estréia mesmo, ao menos eu espero.

          Leitura da esquerda para a direita no habitual quadros ocidentais, com um editorial no começo, já o índice não me lembro onde fica.

        2. Vale lembrar que os primeiros capítulos de um mangá sempre tem mais páginas que o comum. Pelo que eu lembre, o primeiro tem por volta desse número, o segundo tem só um pouquinho a mais que o comum e no terceiro fica no número normal (informações tiradas diretamente da minha memória de um cap de Bakuman, posso estar falando besteira)

          1. Primeiro capítulo de 50 páginas seguindo por capítulos de 20 páginas, a revista é mensal e mais duas séries serão estreadas no próximo volume (Assombrado e Rapsódia se me lembro bem), com Expresso na terceira edição.

            Quanto a periodicidade, a partir desse mês que a revista chega nas Bancas (Volume 1) tendo seu lançamento oficial. O Volume 2 chega em Outubro, e assim subsequentemente.

            Espero ter ajudado… 

          2. Primeiro capítulo de 50 páginas seguindo por capítulos de 20 páginas, a revista é mensal e mais duas séries serão estreadas no próximo volume (Assombrado e Rapsódia se me lembro bem), com Expresso na terceira edição.

            Quanto a periodicidade, a partir desse mês que a revista chega nas Bancas (Volume 1) tendo seu lançamento oficial. O Volume 2 chega em Outubro, e assim subsequentemente.

            Espero ter ajudado… 

        3. Vale lembrar que os primeiros capítulos de um mangá sempre tem mais páginas que o comum. Pelo que eu lembre, o primeiro tem por volta desse número, o segundo tem só um pouquinho a mais que o comum e no terceiro fica no número normal (informações tiradas diretamente da minha memória de um cap de Bakuman, posso estar falando besteira)

    2. Não estou com a revista em mãos agora, confirmo em casa, mas são em média 10~15 páginas de matérias.

      A primeira é sobre games, mais exatamente os novos consoles, depois smartphones e acho que depois é sobre livros made in Brazil.

      O restante são as três histórias que mencionei, de cerca de 30~40 páginas cada uma. No total eu sei que são 160 páginas.

      A grossura é o tamanho de uma Naruto. Mais tarde eu publico umas imagens a mais da revista para ter mais idéia.

        1. tb acho desnecessário materias/noticias fora do foco quadrinhos…poderia se colocar outras coisas mais interessantes, como bastidores do processo de criação de uma HQ, dicas para se profissionalizar, até mesmo umas duas páginas de “dicas de desenhos” etc… mas matérias de games, cinema e afins, envelhecem muito mal uma revista… preferia algo mais “aproveitável” com o passar do tempo.

          1. talvez vai mais pelo patrocínio, afinal de uma forma ou de outra, os assuntos estão ligados. Eu não me incomodo com propagandas nas revistas (só não entendi se é realmente uma propaganda ou uma matéria)

          2. talvez vai mais pelo patrocínio, afinal de uma forma ou de outra, os assuntos estão ligados. Eu não me incomodo com propagandas nas revistas (só não entendi se é realmente uma propaganda ou uma matéria)

        2. tb acho desnecessário materias/noticias fora do foco quadrinhos…poderia se colocar outras coisas mais interessantes, como bastidores do processo de criação de uma HQ, dicas para se profissionalizar, até mesmo umas duas páginas de “dicas de desenhos” etc… mas matérias de games, cinema e afins, envelhecem muito mal uma revista… preferia algo mais “aproveitável” com o passar do tempo.

    3. A revista será mensal, mas o lançamento oficial e a distribuição setorizada e tals só dia 15 de setembo Thiago, então não dá pra ter uma ideia muito bem formada da distribuição mesmo eu achando que ela vai ser ruim e a segunda edição, só na metade de outubro.Não curti que eles dividiram as histórias também, vai demorar anos pra ela se desenvolver se continuar assim, mas até a edição 3 eu não vou reclamar e deixar passar os gafes pra ver se resolve. Só eu acho matérias de games e smartphones tãoooo….toscas? XD

  7. Acho que o maior problema da Ação Magazine é este destaque que você deu, não encontrá-la em banca. Não adianta, se a distribuição for desta forma, a revista não passa da sua terceira edição. Tudo bem, é editora nova, tem que dar uma colher de chá… mas o problema é o formato da revista… HQs sequencias… não dá, vc tem que comprar todo numero, desde o primeiro e se já no primeiro você não acha na sua cidade… mesmo que chegue a segunda ou a terceira edição, o leitor não vai comprar.

    Já começou meio errado a revista. Pra isso precisava de uma infraestrutura melhor. Venda no site dela (frete tipo carta talvez, ou até mesmo grátis, primeira edição, tem que chegar para todos ou não vai pra frente, então talvez um prejuizo no primeiro numero é meio inevitável). Comix não salva o dia, não vou pagar 9,90 + frete (que custuma ser mais R$ 10) só pra ter a revista… Foda. Mata o desejo de qualquer leitor em apoiar o projeto.

    Sem uma garantia, com essa dor de cabeça de caçar ela em bancas… pra mim, parece que ela nasceu fadada a morrer. A menos que o cenário se reverta nos proximos meses e a editora conseguira colocar ela no ambito nacional, pode esquercer… vai ser como se ela nem tivesse existido. Entendo as limitações, os problemas e quero dar suporte, mas esta é a realidade do mercado… ou oferece o produto direito, ou o consumidor vai simplesmente ignorar.

    Essa numero 1 está rolando na Comix desde Julho. Porra, 3 meses, não apareceu nas bancas por aqui (Jacareí – Interior de SP) e até agora nada da numero 2… cade a periodicidade? Outro problema… a revista vai ser semestral? anual? vai demorar mais quantos meses para se acertar? Por que do jeito que saiu, ninguém viu, ninguém comprou… passou despercebido.

    Ou disponibilizam no site oficial os numeros já lançados (formato digital) e não mais vendidos em bancas. Lançou a numero 2? Bote a numero 1 no site. E no fim de 12 edições, venda pacotes fechados para os leitores poderem colecionar. Tem que criar soluções e não ficar de desculpinhas que o mercado não ajuda… não ajuda mesmo… sobrevive quem saca e contorna os problemas…

    —————-

    Alex tenho algumas perguntas… qual o tamanho fisico da revista? do tamanho de uma Marvel ou DC da Panini? Ou parece um Mangá do Naruto? Compara com alguma publicação famosa aí pra eu ter uma ideia.

    E vc disse que tem matérias na revista (não sabia disso, é novidade)… são quantas paginas de materias e quantas de quadrinhos? E a primeira edição só vem três séries? Não tinha mais? quantas paginas cada série? Achei estranho isso… se a revista é mensal, só vamos ter três series por mÊs e vão se revezar com outras séries? Vai levar uma eternidade para desenvolver as historias assim… isso é um problemão… a revista informa como será sua grade de HQs?

    Ajuda aí Alex! XD

    —————–

    Se eu tivesse a revista em mãos, também faria outra matéria no blog, para dar o apoio e a divulgação, mas é triste mesmo não vê-la nas bancas de Jacareí. Queria inclusive fotografar e tal… se alguém da editora despencar aqui e acabar lendo meu mimimi e quiser mandar a primeira edição por correio pra mim, prometo mostrar a revista ainda mais detalhes aqui no blog. XD

    É uma iniciativa louvável, mas é notável que começou cheio de problemas que precisam ser vencidos o mais rápido possível… caso contrário… 🙁

  8. Acho que o maior problema da Ação Magazine é este destaque que você deu, não encontrá-la em banca. Não adianta, se a distribuição for desta forma, a revista não passa da sua terceira edição. Tudo bem, é editora nova, tem que dar uma colher de chá… mas o problema é o formato da revista… HQs sequencias… não dá, vc tem que comprar todo numero, desde o primeiro e se já no primeiro você não acha na sua cidade… mesmo que chegue a segunda ou a terceira edição, o leitor não vai comprar.

    Já começou meio errado a revista. Pra isso precisava de uma infraestrutura melhor. Venda no site dela (frete tipo carta talvez, ou até mesmo grátis, primeira edição, tem que chegar para todos ou não vai pra frente, então talvez um prejuizo no primeiro numero é meio inevitável). Comix não salva o dia, não vou pagar 9,90 + frete (que custuma ser mais R$ 10) só pra ter a revista… Foda. Mata o desejo de qualquer leitor em apoiar o projeto.

    Sem uma garantia, com essa dor de cabeça de caçar ela em bancas… pra mim, parece que ela nasceu fadada a morrer. A menos que o cenário se reverta nos proximos meses e a editora conseguira colocar ela no ambito nacional, pode esquercer… vai ser como se ela nem tivesse existido. Entendo as limitações, os problemas e quero dar suporte, mas esta é a realidade do mercado… ou oferece o produto direito, ou o consumidor vai simplesmente ignorar.

    Essa numero 1 está rolando na Comix desde Julho. Porra, 3 meses, não apareceu nas bancas por aqui (Jacareí – Interior de SP) e até agora nada da numero 2… cade a periodicidade? Outro problema… a revista vai ser semestral? anual? vai demorar mais quantos meses para se acertar? Por que do jeito que saiu, ninguém viu, ninguém comprou… passou despercebido.

    Ou disponibilizam no site oficial os numeros já lançados (formato digital) e não mais vendidos em bancas. Lançou a numero 2? Bote a numero 1 no site. E no fim de 12 edições, venda pacotes fechados para os leitores poderem colecionar. Tem que criar soluções e não ficar de desculpinhas que o mercado não ajuda… não ajuda mesmo… sobrevive quem saca e contorna os problemas…

    —————-

    Alex tenho algumas perguntas… qual o tamanho fisico da revista? do tamanho de uma Marvel ou DC da Panini? Ou parece um Mangá do Naruto? Compara com alguma publicação famosa aí pra eu ter uma ideia.

    E vc disse que tem matérias na revista (não sabia disso, é novidade)… são quantas paginas de materias e quantas de quadrinhos? E a primeira edição só vem três séries? Não tinha mais? quantas paginas cada série? Achei estranho isso… se a revista é mensal, só vamos ter três series por mÊs e vão se revezar com outras séries? Vai levar uma eternidade para desenvolver as historias assim… isso é um problemão… a revista informa como será sua grade de HQs?

    Ajuda aí Alex! XD

    —————–

    Se eu tivesse a revista em mãos, também faria outra matéria no blog, para dar o apoio e a divulgação, mas é triste mesmo não vê-la nas bancas de Jacareí. Queria inclusive fotografar e tal… se alguém da editora despencar aqui e acabar lendo meu mimimi e quiser mandar a primeira edição por correio pra mim, prometo mostrar a revista ainda mais detalhes aqui no blog. XD

    É uma iniciativa louvável, mas é notável que começou cheio de problemas que precisam ser vencidos o mais rápido possível… caso contrário… 🙁

  9. Fico na dúvida se compro ou não compro a revista devido ao fato de já ter estourado todo meu orçamento referentes a mangás com todos os titulos que a Panini(principalmente) e a JBC trouxeram esse ano. Mais caso sobre uma grana( e a ache para vender) posso tentar fazer um esforço comprando a revista para ajudar os brasileiros que sonham um dia com um mercado nacional ao menos estável para um dia trabalharem com o que gostam(o que não é o meu caso já que sou uma negação tanto para roteiros quanto para desenhos).

    Valeu Pikachu pela iniciativa de fazer o post sobre a revista.

    1. Nosso trabalho não é nada sem os leitores.

      A opinião de todos é o que realmente importa e ver eles interagindo nesse espaço que disponibilizamos aqui.

      Vamos ver se os responsáveis pela revista leêm nossa opinião aqui também, inclusive os comentários.

    2. Nosso trabalho não é nada sem os leitores.

      A opinião de todos é o que realmente importa e ver eles interagindo nesse espaço que disponibilizamos aqui.

      Vamos ver se os responsáveis pela revista leêm nossa opinião aqui também, inclusive os comentários.

  10. Fico na dúvida se compro ou não compro a revista devido ao fato de já ter estourado todo meu orçamento referentes a mangás com todos os titulos que a Panini(principalmente) e a JBC trouxeram esse ano. Mais caso sobre uma grana( e a ache para vender) posso tentar fazer um esforço comprando a revista para ajudar os brasileiros que sonham um dia com um mercado nacional ao menos estável para um dia trabalharem com o que gostam(o que não é o meu caso já que sou uma negação tanto para roteiros quanto para desenhos).

    Valeu Pikachu pela iniciativa de fazer o post sobre a revista.

  11. o pior que to sem grana e sem espaço, se eu comprar vou ter que jogar fora, pq não tem onde arrumar lugar pra revistas em casa!!
    so se jogar os moveis fora e fazer eles com revistas rsrsrsrs

    mas a primeira eu comprarei pra ver como é!

    1. Também estou com sérios problemas de espaço para mangas, livros, revistas e hqs em casa. Preciso de um espaço maior, e agora ainda quero comprar a coleção completa de Yugi-oh, nem tenho idéia de onde por isso mas dane-se.

    2. Também estou com sérios problemas de espaço para mangas, livros, revistas e hqs em casa. Preciso de um espaço maior, e agora ainda quero comprar a coleção completa de Yugi-oh, nem tenho idéia de onde por isso mas dane-se.

      1. eu preciso fazer isso, pq acredita que meu pai tava jogando elas fora?
        peguei ele no momento que tava colocando numa caixa, falando que eu ja li e não
        dava pra ficar ocupando espaço rsrsrs ai falei pra ele que ia vender alguns rsrs
        mas ate agora não achei onde vender mais! rsrsrsrs vendi para o sogeking do portallos a minha coleção do yuyu hakusho e consegui abrir espaço para meu pai usar a pratileira rsrsrs

      2. eu preciso fazer isso, pq acredita que meu pai tava jogando elas fora?
        peguei ele no momento que tava colocando numa caixa, falando que eu ja li e não
        dava pra ficar ocupando espaço rsrsrs ai falei pra ele que ia vender alguns rsrs
        mas ate agora não achei onde vender mais! rsrsrsrs vendi para o sogeking do portallos a minha coleção do yuyu hakusho e consegui abrir espaço para meu pai usar a pratileira rsrsrs

  12. Quando li a página do mangá de boxe que tu colocou, confesso que não entendi nada, logo pensei, “deve ser pq não li as páginas anteriores”… depois continuando a matéria, percebi que tinha lido como se fosse um mangá, de trás pra frente… daí li de novo e tudo ficou mais claro =D.

    Parece ser promissor, talvez eu tenha que voltar a me acostumar em ler um quadrinho “normal”

  13. Quando li a página do mangá de boxe que tu colocou, confesso que não entendi nada, logo pensei, “deve ser pq não li as páginas anteriores”… depois continuando a matéria, percebi que tinha lido como se fosse um mangá, de trás pra frente… daí li de novo e tudo ficou mais claro =D.

    Parece ser promissor, talvez eu tenha que voltar a me acostumar em ler um quadrinho “normal”

  14. Se a revista aparecer aqui em Belo Horizonte eu compro para apoiar, mas o que o Thiago ressaltou ele está certissimo… Se a primeira edição não tiver uma distribuição aceitável, a revista está fadada ao fracasso… Era melhor ter atrasado um pouco o lançamento e bolar uma boa estratégia de distribuição, no minimo nas capitais e só depois lançar… Tomara que eles revejam isso e relancem o primeiro número caso a distribuição não tenha sido bem planejada…

  15. Se a revista aparecer aqui em Belo Horizonte eu compro para apoiar, mas o que o Thiago ressaltou ele está certissimo… Se a primeira edição não tiver uma distribuição aceitável, a revista está fadada ao fracasso… Era melhor ter atrasado um pouco o lançamento e bolar uma boa estratégia de distribuição, no minimo nas capitais e só depois lançar… Tomara que eles revejam isso e relancem o primeiro número caso a distribuição não tenha sido bem planejada…

  16. Primeiramente tenho a obrigação de exaltar os textos acima tanto do Pikachu quanto Thiago, Pikachu se mostrou empolgado mais diferente de muitos outros textos que li não deixou isso subir a cabeça e escreveu de forma coerente o artigo citando os lado positivos e negativos da revista, nos outro blog que li a respeito sempre ficava no ar o ambiente de ter que incentivar o produto nacional e não havia insatisfações com a revista, isso ao meu ver é algo idiota a se fazer pois no momento em que comprarmos ficará no evidente a sensação de ter comprado gato por lebre com algumas pessoas. No caso do Thiago ele apontou problemas e deu possíveis soluções como a disponibilização do material digitalizado, ai entra outro pedra no caminho que é conscientizar o publico que caso não tenha lucro acaba, fim de jogo, outra coisa interessante a se comentar sobre o que ele disse é sobre a importância do primeiro volume, acredito que dificilmente 1000 pessoas vão comprar esses primeiros volumes e vão gostar, se não for melhorando em um curto período de tempo não haverá o marketing mais importantes nessa mídias que é recomendações feito pelos leitores há amigos, eu sempre levei em consideração isso, mais se essa primeiras edições não venderem bem no seu impeto depois fica complicado a divulgação da série.

    Eu particularmente não vou comprar de forma alguma, nunca comprei nem um mangá do mercado nacional por ser muito exigente, prefiro pagar mais caro eu um produto de uma editora norte americana e ter qualidade, do que pagar barato e ter uma qualidade questionável, sou um caso a parte eu acho mais vou opinar usado a logica, se é lançado um mangá como One Piece aqui no Brasil e a Panini o coloque nas bancas no mesmo mês de uma Ação Magazine, você optará pelo produto de qualidade certa ou pelo duvidoso, se tem dinheiro e gosta dos dois tudo bem, mais caso contrario vai deixar de incentivar um dos dois, por isso acho inviável esse projeto nesse momento já que o Brasil está em crescimento constatante  no mercado de publicação de mangás, talvez essas pessoas por trás desse projeto estejam a frente de seu tempo ou atrasados para ter tal iniciativa, pois nosso poder financeiro é bem inferior aos dos países como EUA, Canada e Alemanha onde a Jump é publicada e abriga forte mercado de HQ’s e mangás, caso isso tivesse ocorrido antes de bulll do mangá no país tenho impressão que teria mais espaço.

    1. belo texto, mas quando vc é adolescente, que é o publico alvo dessas revistas, vc por ser fã de mangás acha que tem que comprar tudo que sai! E a grande maioria pensa que tem o sonho de ser desenhistas de mangá! São esses dois fatores que farão a pessoa não preterir nenhum dos dois projetos! Sei que a parte financeira conta, mas a pessoa sempre da um jeitinho, fora que essa pegada de ter que incentivar para ter uma chance no futuro, vai fazer o pessoa deixar algum titulo mediano estrageiro e pegar a brasileira!!! Claro que se a qualidade for sofrivel, o pessoal vai abandonar!

      Lembre-se tbm que nenhuma revolução começa grande, o que eles estão fazendo é o primeiro passo, pode ter certeza que mesmo que ela dure pouco a semente foi plantada e vai vir gente pra comtinuar o serviço melhorando onde a outra falhou!

      1. A adolescência é uma fase da vida em que muitos possuem dificuldade financeira, somando isso a o fato que leitura de quadrinhos não faz parte da cultura do país, torna mais complicado esse mercado, é muito mais fácil um adolescente pensar em guarda seu dinheiro para sair sexta feira do que comprar uma revista em quadrinhos. Sobre aqueles que busca o seu lugar ao sol vejo eles sendo a grande esperança da revista, eu nuca conheci ninguém com tal sonho mais acredito que há vários e vão ter se conformar com as circunstancias principalmente no lado financeiro  já que o lucro é muito baixo mesmo pois só a banca pede 50% do preço de capa ficando o resto para pagar a produção, autores e lucro, dica quem tem esse sonho COMPRE NA PRÉ-VENDA.
         
        Agora te pergunto qual obra mediana foi lançado pela Panini tirando Zone-00, que possivelmente foi por questões contratuais relacionadas a Trinity blood, foram isso temos Air Gear, Basilisk e Deadman Wonderland, nem uma grande editora como a Panini sai lançando títulos de patamar mediano sem que haja nenhuma jogada por trás, prova disso é Blood Land titulo desconhecido mais como vai ganhar anime na próxima temporada surgiu essa chance em terras brasileiras.

        “pode ter certeza que mesmo que ela dure pouco a semente foi plantada e vai vir gente pra comtinuar o serviço melhorando onde a outra falhou!” no caso dos animes isso não funcionou traumatizou o público tornando inviável o mercado de DVD’s aqui, só agora a JBC está tentando uma parceria com a Crunchyroll para transmissão de animes online.

        1. mas vc esta falando do geral e não do público alvo!
          a grande maioria dos adolescentes não gosta de mangá, tem vergonha de ler!
          acha que é coisa de nerds e eles não querem parecer um! Esses sim, esses preferem ir para balada toda hora e não gastam com mangás, comics, gibis, revistas de games e por ai vai!

          estamos nos referindo a um publico alvo onde o mesmo compra não mais que 60 mil exemplares em média dos tops de linha e duvido muito que venda sempre esses numeros!

          é desses adolescentes fãs de mangá que eu disse que eles compram tudo o que podem e não podem! eles acham q por ser fã, tem que ter tudo! é deles que me refiro e não tem crise do bolso deles que eles não resolvam cortando o salgado do intervalo!

        2. mas vc esta falando do geral e não do público alvo!
          a grande maioria dos adolescentes não gosta de mangá, tem vergonha de ler!
          acha que é coisa de nerds e eles não querem parecer um! Esses sim, esses preferem ir para balada toda hora e não gastam com mangás, comics, gibis, revistas de games e por ai vai!

          estamos nos referindo a um publico alvo onde o mesmo compra não mais que 60 mil exemplares em média dos tops de linha e duvido muito que venda sempre esses numeros!

          é desses adolescentes fãs de mangá que eu disse que eles compram tudo o que podem e não podem! eles acham q por ser fã, tem que ter tudo! é deles que me refiro e não tem crise do bolso deles que eles não resolvam cortando o salgado do intervalo!

          1. Não me leve a mau Renato mais o que eu estou querendo dizer é que o publico alvo é pequeno, como não disponibilizam os dados referentes à venda de mangás só nos resta estipular como foi feito no blog Gyabbo, onde há uma entrevista com Mauricio
            de Souza e ele acabou dando algumas pistas que podem ajudar a ter uma idéia do numero, como que a turma da Monica Jovem vende 10 vezes mais que o principal mangá publicando no país, em outra matéria dessa vez ao Blog Dos Quadrinhos revelou
            que o numero era de 300 mil a 400 mil, com isso como base para ter uma estimativa basta apenas dividir esse dois números e teremos uma faixa de quanto vende o principal titulo do Brasil, 30 mil a 40 mil. Beleza agora é possível ter uma noção da media de leitores, agora te pergunto uma coisa você acha que todos os fás “hardcore” aqueles que não associam mangás a quadrinhos e economizam no salgado no intervalo vão comprar a revista? Eu acho que não por isso acredito que o grande público dessa revistas vão ser os aspirantes a magakás brazucas, outra importante, Mauricio de Souza disse que turma da Monica Jovem vende mais que qualquer mangá mais quem já leu sabe que o público alvo é diferente, na entrevista mesmo ele (Mauricio de Souza) diz que a maior parte do publico e da faixa etária de 7 a 10 anos, sem contar que já existia uma marca turma da Monica
            antes do Bull do mangá que vendeu 200 mil em sua estréia quando não existiam comparações e mercado formado.

            Na minha humilde opinião o mercado é difícil, caso venda 8 mil exemplares a revista já será um sucesso se houver qualidade mais ficou com um pé ou dois atrás sobre a aceitação do povo, eu mesmo não faço a mínima questão de comprar, só coleciono dois mangás atualmente e são logos e ainda importo o produto, mais sou apenas uma pessoa com um ponto de vista que o defende, temos que ver as outras pessoas. Caso tenha se sentindo ofendido peso desculpa.

            Se esses dados são verdades ou não, não tenho como comprovar já que não os divulgam de forma oficial mais abaixo se encontra os links onde Mauricio deu suas entrevistas.

            http://gyabbo.wordpress.com/2010/02/12/numeros-de-vendas-dos-mangas-no-brasil/

            http://gyabbo.wordpress.com/2010/01/13/gyabbo-j-wave-entrevista-com-mauricio-de-sousa-2/

            http://blogdosquadrinhos.blog.uol.com.br/arch2010-02-01_2010-02-28.html#2010_02-12_10_56_50-135059040-25

          2. Não me leve a mau Renato mais o que eu estou querendo dizer é que o publico alvo é pequeno, como não disponibilizam os dados referentes à venda de mangás só nos resta estipular como foi feito no blog Gyabbo, onde há uma entrevista com Mauricio
            de Souza e ele acabou dando algumas pistas que podem ajudar a ter uma idéia do numero, como que a turma da Monica Jovem vende 10 vezes mais que o principal mangá publicando no país, em outra matéria dessa vez ao Blog Dos Quadrinhos revelou
            que o numero era de 300 mil a 400 mil, com isso como base para ter uma estimativa basta apenas dividir esse dois números e teremos uma faixa de quanto vende o principal titulo do Brasil, 30 mil a 40 mil. Beleza agora é possível ter uma noção da media de leitores, agora te pergunto uma coisa você acha que todos os fás “hardcore” aqueles que não associam mangás a quadrinhos e economizam no salgado no intervalo vão comprar a revista? Eu acho que não por isso acredito que o grande público dessa revistas vão ser os aspirantes a magakás brazucas, outra importante, Mauricio de Souza disse que turma da Monica Jovem vende mais que qualquer mangá mais quem já leu sabe que o público alvo é diferente, na entrevista mesmo ele (Mauricio de Souza) diz que a maior parte do publico e da faixa etária de 7 a 10 anos, sem contar que já existia uma marca turma da Monica
            antes do Bull do mangá que vendeu 200 mil em sua estréia quando não existiam comparações e mercado formado.

            Na minha humilde opinião o mercado é difícil, caso venda 8 mil exemplares a revista já será um sucesso se houver qualidade mais ficou com um pé ou dois atrás sobre a aceitação do povo, eu mesmo não faço a mínima questão de comprar, só coleciono dois mangás atualmente e são logos e ainda importo o produto, mais sou apenas uma pessoa com um ponto de vista que o defende, temos que ver as outras pessoas. Caso tenha se sentindo ofendido peso desculpa.

            Se esses dados são verdades ou não, não tenho como comprovar já que não os divulgam de forma oficial mais abaixo se encontra os links onde Mauricio deu suas entrevistas.

            http://gyabbo.wordpress.com/2010/02/12/numeros-de-vendas-dos-mangas-no-brasil/

            http://gyabbo.wordpress.com/2010/01/13/gyabbo-j-wave-entrevista-com-mauricio-de-sousa-2/

            http://blogdosquadrinhos.blog.uol.com.br/arch2010-02-01_2010-02-28.html#2010_02-12_10_56_50-135059040-25

          3. Não cara, não tem nada para ser levado a mal nos seus comentarios rsrsrs
            e eu sei que o mercado é pequeno, não sabia que turma da monica vendia tanto!
            mas eu tinha uma noção que manga de muito sucesso girava na casa dos 40 ou 50 mil exemplares! Mas o Lancaster com certeza sabe disso e a expectativa dele de lucro é em cima do que vc falou mesmo, deve ser em cima de 10 mil exemplares e crescer com o tempo. Soube que eles pagam o valor da pagina bem barato! que a proposta para os desenhistas era ganhar de acordo com o crescimento da revista!
            lembro de ler isso no orkut!
            então quando me refiro que a mulecada fã de mangá vai comprar, é pq eles pensam assim! quem não vai comprar é quem gosta de forma mais saudavel, mas os que gostam de dizer que são otakus, esses vão comprar, tenho certeza disso!
            eles vão querer participar disso pra se gabar depois rsrs

            nossa, algum mangá ja vendeu 200 mil exemplares? isso é uma tremenda surpresa pra mim! Me lembro que a Panini cancelou peach gil pelas vendas baixas, mas pelo que me recordo, 8mil exemplares pra eles é super baixo! peach girl deveria estar nessa casa em vendas!

          4. Também fiquei espantado jamais pensei em algo assim, na primeira edição a Turma da Monica vendeu 200 mil, a da Turma da Monica Jovem foi de 230 mil e agora está na faixa de 300 mil a 400 mil segundo Mauricio de Souza, também segundo ele esse valor é 10 vezes mais superior ao mangá mais vendido do Brasil, acredito que seja Naruto. Agora saber se o que ele fala é verdade e difícil pelo menos é mais confiável o que vem dele funcionário de respeito da Panini do que muitos outros.

            Eu acharia legal se fosse divulgado um ranking aqui no país mais misteriosamente isso não acontece temos que fazer estimativas para ter alguma noção.

        3. estamos falando de um novo produto! O que vc se referi a DvDs se aplica a tudo! Nenhuma serie recebe tratamento digno, seja americana ou japonesa! Todos sao caros, mal acabados, visando lucros enormes, pq vendem pouco! O mercado de DVD traumatiza todo mundo que coleciona, não só fãs de animação japonesa!

        4. estamos falando de um novo produto! O que vc se referi a DvDs se aplica a tudo! Nenhuma serie recebe tratamento digno, seja americana ou japonesa! Todos sao caros, mal acabados, visando lucros enormes, pq vendem pouco! O mercado de DVD traumatiza todo mundo que coleciona, não só fãs de animação japonesa!

      2. A adolescência é uma fase da vida em que muitos possuem dificuldade financeira, somando isso a o fato que leitura de quadrinhos não faz parte da cultura do país, torna mais complicado esse mercado, é muito mais fácil um adolescente pensar em guarda seu dinheiro para sair sexta feira do que comprar uma revista em quadrinhos. Sobre aqueles que busca o seu lugar ao sol vejo eles sendo a grande esperança da revista, eu nuca conheci ninguém com tal sonho mais acredito que há vários e vão ter se conformar com as circunstancias principalmente no lado financeiro  já que o lucro é muito baixo mesmo pois só a banca pede 50% do preço de capa ficando o resto para pagar a produção, autores e lucro, dica quem tem esse sonho COMPRE NA PRÉ-VENDA.
         
        Agora te pergunto qual obra mediana foi lançado pela Panini tirando Zone-00, que possivelmente foi por questões contratuais relacionadas a Trinity blood, foram isso temos Air Gear, Basilisk e Deadman Wonderland, nem uma grande editora como a Panini sai lançando títulos de patamar mediano sem que haja nenhuma jogada por trás, prova disso é Blood Land titulo desconhecido mais como vai ganhar anime na próxima temporada surgiu essa chance em terras brasileiras.

        “pode ter certeza que mesmo que ela dure pouco a semente foi plantada e vai vir gente pra comtinuar o serviço melhorando onde a outra falhou!” no caso dos animes isso não funcionou traumatizou o público tornando inviável o mercado de DVD’s aqui, só agora a JBC está tentando uma parceria com a Crunchyroll para transmissão de animes online.

    2. belo texto, mas quando vc é adolescente, que é o publico alvo dessas revistas, vc por ser fã de mangás acha que tem que comprar tudo que sai! E a grande maioria pensa que tem o sonho de ser desenhistas de mangá! São esses dois fatores que farão a pessoa não preterir nenhum dos dois projetos! Sei que a parte financeira conta, mas a pessoa sempre da um jeitinho, fora que essa pegada de ter que incentivar para ter uma chance no futuro, vai fazer o pessoa deixar algum titulo mediano estrageiro e pegar a brasileira!!! Claro que se a qualidade for sofrivel, o pessoal vai abandonar!

      Lembre-se tbm que nenhuma revolução começa grande, o que eles estão fazendo é o primeiro passo, pode ter certeza que mesmo que ela dure pouco a semente foi plantada e vai vir gente pra comtinuar o serviço melhorando onde a outra falhou!

    3. alguem q tem dinheiro para comprar one piece ou ter hobby decomprar mangas nao pode se quer questionar a diferenca financeira daqui para os outros paises… 

      nao digo q esteja errado seu modo de pensar em relacao a comprar mangas inves da acao, a qualidade de um mangaka eh inumeras vezes maior do q a de um brasileiro… pois lah temos isso ha muito tempo, temos reticulas muito mais baratas…. muito mais facil arranjar material(se alguem jah foi atras de uma penna g-41 entenderah -.-) alem disso tem capital para fazer dos mangakas uma profissao auto-sustentavel e uma quantia de leitores absurdas … entao eh obvio q a qualidade e a velocidade de producao e qualidade serao melhor… mas nao eh por isso q nao devemos comprar os nacionais… vc estah dizendo de uma qualidade certa… e se engana nisso… jah chegou a comprar ragnarok… shaman king… blaze inferno…. se sim jah deve ter percebido q nem se quer continuaram -.-  os nacionais tem qualidade tao duvidosa qto aos de fora… uma historia bem feita pela historia pode ser tao boa aqui dentro como lah de fora -.- entao… nao ha o pq nao comprar ao menos algumas edicoes iniciais… e ver o andamento das series daqui… se nao curtir… ok… descarte… pq nao teria futuro mesmo… se curtir apenas continue comprando 

      nunca eh cedo ou tarde para se comecar esse processo

  17. Primeiramente tenho a obrigação de exaltar os textos acima tanto do Pikachu quanto Thiago, Pikachu se mostrou empolgado mais diferente de muitos outros textos que li não deixou isso subir a cabeça e escreveu de forma coerente o artigo citando os lado positivos e negativos da revista, nos outro blog que li a respeito sempre ficava no ar o ambiente de ter que incentivar o produto nacional e não havia insatisfações com a revista, isso ao meu ver é algo idiota a se fazer pois no momento em que comprarmos ficará no evidente a sensação de ter comprado gato por lebre com algumas pessoas. No caso do Thiago ele apontou problemas e deu possíveis soluções como a disponibilização do material digitalizado, ai entra outro pedra no caminho que é conscientizar o publico que caso não tenha lucro acaba, fim de jogo, outra coisa interessante a se comentar sobre o que ele disse é sobre a importância do primeiro volume, acredito que dificilmente 1000 pessoas vão comprar esses primeiros volumes e vão gostar, se não for melhorando em um curto período de tempo não haverá o marketing mais importantes nessa mídias que é recomendações feito pelos leitores há amigos, eu sempre levei em consideração isso, mais se essa primeiras edições não venderem bem no seu impeto depois fica complicado a divulgação da série.

    Eu particularmente não vou comprar de forma alguma, nunca comprei nem um mangá do mercado nacional por ser muito exigente, prefiro pagar mais caro eu um produto de uma editora norte americana e ter qualidade, do que pagar barato e ter uma qualidade questionável, sou um caso a parte eu acho mais vou opinar usado a logica, se é lançado um mangá como One Piece aqui no Brasil e a Panini o coloque nas bancas no mesmo mês de uma Ação Magazine, você optará pelo produto de qualidade certa ou pelo duvidoso, se tem dinheiro e gosta dos dois tudo bem, mais caso contrario vai deixar de incentivar um dos dois, por isso acho inviável esse projeto nesse momento já que o Brasil está em crescimento constatante  no mercado de publicação de mangás, talvez essas pessoas por trás desse projeto estejam a frente de seu tempo ou atrasados para ter tal iniciativa, pois nosso poder financeiro é bem inferior aos dos países como EUA, Canada e Alemanha onde a Jump é publicada e abriga forte mercado de HQ’s e mangás, caso isso tivesse ocorrido antes de bulll do mangá no país tenho impressão que teria mais espaço.

  18. E ai, pessoal.

    Curti a matéria de vocês. Realmente, ainda existem muitos pontos a melhorar na revista, e a número 2 já é bem superior, ela está sendo feita nesse momento.

    Vi a opinião de vocês e vou explicar algumas coisas que não estão claras. Estamos em um período de firmamento da editora ainda, a revista teve uma PRÉ VENDA no Festival do Japão e outros eventos, e depois dispusemos na Comix para continuar esse estágio. Porém a venda nas bancas estava programada desde o início para este mês de setembro. No meio do mês você já deve encontrar a revista nas bancas.

    Muito legal ver que o pessoal realmente acredita na idéia e quer ver a revista dar certo. Vamos trabalhar pra transformar ela em uma material cada vez melhor. E a opinião dos leitores é sempre importante.

    Valeu! 

    Fabio Sakuda, editor. http://www.acaomagazine.com 

  19. E ai, pessoal.

    Curti a matéria de vocês. Realmente, ainda existem muitos pontos a melhorar na revista, e a número 2 já é bem superior, ela está sendo feita nesse momento.

    Vi a opinião de vocês e vou explicar algumas coisas que não estão claras. Estamos em um período de firmamento da editora ainda, a revista teve uma PRÉ VENDA no Festival do Japão e outros eventos, e depois dispusemos na Comix para continuar esse estágio. Porém a venda nas bancas estava programada desde o início para este mês de setembro. No meio do mês você já deve encontrar a revista nas bancas.

    Muito legal ver que o pessoal realmente acredita na idéia e quer ver a revista dar certo. Vamos trabalhar pra transformar ela em uma material cada vez melhor. E a opinião dos leitores é sempre importante.

    Valeu! 

    Fabio Sakuda, editor. http://www.acaomagazine.com 

    1. Muito bacana você vir aqui Fabio e explicar tais pontos. Bom saber que o lançamento em banca ainda não aconteceu realmente. Vou cobrar de ti essa informação caso não ache ela aqui na minha cidade (Jacareí-SP) até o começo de outubro, beleza? XD

      Por sinal, se ela realmente começa esse mês, significa que não vai haver mais estes períodos de lançamentos picotados? A numero 2 chega em outubro? Vocês irão adotar a setorização ou vai ser a âmbito nacional? Se for setorizado, pode informar os estados ou regiões que elas chegam primeiro e quando e aonde chegam na 2ª leva?

      Acredito que tais informações seriam muito útil pra gente se organizar aqui no blog para divulgarmos corretamente agora que a revista está em ponto de bala pra começar mesmo!

      abraços e mais uma vez, obrigado por aparecer por aqui! 😉

  20. Claro que devemos ter pensamentos positivos com relação à nova revista que pretende pretende difundir a arte dos quadrinhos no Brasil ( no caso, o mangá ), mas também é fundamental que sejamos realistas quanto à sua situação inicial. E por aqui as críticas estão bem construtivas. Eu particularmente estou de acordo com praticamente tudo o que foi dito aqui, principalmente com a opinião do Pikachu, mas também acho as observações do T_Thiago muito importantes.

    Fiquei sabendo da existência da Ação Magazine agora, após ler essa matéria. Posso passar a procurar a revista aqui pelas bancas de Fortaleza, mas acho difícil encontrá-las, pelo que li, mas se eu encontrasse, provavelmente a compraria, não só para ajudar o projeto, mas principalmente para ver por mim mesmo como ficou o produto final, pois tenho muito interesse em saber como está, já que eu pretendo ingressar em alguma área parecida e gosto de valorizar o que é feito no Brasil ( quadrinhos, jogos, filmes… ), independente de gostar ou não.

  21. Claro que devemos ter pensamentos positivos com relação à nova revista que pretende pretende difundir a arte dos quadrinhos no Brasil ( no caso, o mangá ), mas também é fundamental que sejamos realistas quanto à sua situação inicial. E por aqui as críticas estão bem construtivas. Eu particularmente estou de acordo com praticamente tudo o que foi dito aqui, principalmente com a opinião do Pikachu, mas também acho as observações do T_Thiago muito importantes.

    Fiquei sabendo da existência da Ação Magazine agora, após ler essa matéria. Posso passar a procurar a revista aqui pelas bancas de Fortaleza, mas acho difícil encontrá-las, pelo que li, mas se eu encontrasse, provavelmente a compraria, não só para ajudar o projeto, mas principalmente para ver por mim mesmo como ficou o produto final, pois tenho muito interesse em saber como está, já que eu pretendo ingressar em alguma área parecida e gosto de valorizar o que é feito no Brasil ( quadrinhos, jogos, filmes… ), independente de gostar ou não.

  22. Claro que devemos ter pensamentos positivos com relação à nova revista que pretende pretende difundir a arte dos quadrinhos no Brasil ( no caso, o mangá ), mas também é fundamental que sejamos realistas quanto à sua situação inicial. E por aqui as críticas estão bem construtivas. Eu particularmente estou de acordo com praticamente tudo o que foi dito aqui, principalmente com a opinião do Pikachu, mas também acho as observações do T_Thiago muito importantes.

    Fiquei sabendo da existência da Ação Magazine agora, após ler essa matéria. Posso passar a procurar a revista aqui pelas bancas de Fortaleza, mas acho difícil encontrá-las, pelo que li, mas se eu encontrasse, provavelmente a compraria, não só para ajudar o projeto, mas principalmente para ver por mim mesmo como ficou o produto final, pois tenho muito interesse em saber como está, já que eu pretendo ingressar em alguma área parecida e gosto de valorizar o que é feito no Brasil ( quadrinhos, jogos, filmes… ), independente de gostar ou não.

  23. Claro que devemos ter pensamentos positivos com relação à nova revista que pretende pretende difundir a arte dos quadrinhos no Brasil ( no caso, o mangá ), mas também é fundamental que sejamos realistas quanto à sua situação inicial. E por aqui as críticas estão bem construtivas. Eu particularmente estou de acordo com praticamente tudo o que foi dito aqui, principalmente com a opinião do Pikachu, mas também acho as observações do T_Thiago muito importantes.

    Fiquei sabendo da existência da Ação Magazine agora, após ler essa matéria. Posso passar a procurar a revista aqui pelas bancas de Fortaleza, mas acho difícil encontrá-las, pelo que li, mas se eu encontrasse, provavelmente a compraria, não só para ajudar o projeto, mas principalmente para ver por mim mesmo como ficou o produto final, pois tenho muito interesse em saber como está, já que eu pretendo ingressar em alguma área parecida e gosto de valorizar o que é feito no Brasil ( quadrinhos, jogos, filmes… ), independente de gostar ou não.

  24. Claro que devemos ter pensamentos positivos com relação à nova revista que pretende pretende difundir a arte dos quadrinhos no Brasil ( no caso, o mangá ), mas também é fundamental que sejamos realistas quanto à sua situação inicial. E por aqui as críticas estão bem construtivas. Eu particularmente estou de acordo com praticamente tudo o que foi dito aqui, principalmente com a opinião do Pikachu, mas também acho as observações do T_Thiago muito importantes.

    Fiquei sabendo da existência da Ação Magazine agora, após ler essa matéria. Posso passar a procurar a revista aqui pelas bancas de Fortaleza, mas acho difícil encontrá-las, pelo que li, mas se eu encontrasse, provavelmente a compraria, não só para ajudar o projeto, mas principalmente para ver por mim mesmo como ficou o produto final, pois tenho muito interesse em saber como está, já que eu pretendo ingressar em alguma área parecida e gosto de valorizar o que é feito no Brasil ( quadrinhos, jogos, filmes… ), independente de gostar ou não.

  25. Se a Ação Magazine aceitar pessoas que só sejam roteiristas (tragicamente não desenho), quem sabe meu futuro não dá uma virada? XD
    Achei demais essa jump brasileira, gostaria de ler, mas até que ela chegue em Belém do Pará vai demorar.
    Torço muito para que dê certo, quem sabe um dia ela não conquiste o cenário internacional e o Brasil vire uma nova potência nos quadrinhos? 🙂 

  26. Ahhh! Matéria atualizada com fotos da Ação Magazine, agora gostei! Muito bonito mesmo a revista, bom acabamento (lombada lindona) e gostei também do tamanho… ficou chique (apesar de não me importar se fosse 1 dedo menorzinho… mas tá ótimo)!!

    Valeu Alex!!

  27. Ahhh! Matéria atualizada com fotos da Ação Magazine, agora gostei! Muito bonito mesmo a revista, bom acabamento (lombada lindona) e gostei também do tamanho… ficou chique (apesar de não me importar se fosse 1 dedo menorzinho… mas tá ótimo)!!

    Valeu Alex!!

  28. O que acho que vai ser legal é Jairo…
    Mas e como ficam as histórias mais adultas – seinen?
    Porque essa revista vai ser como uma shounen, não?

  29. O que acho que vai ser legal é Jairo…
    Mas e como ficam as histórias mais adultas – seinen?
    Porque essa revista vai ser como uma shounen, não?

  30. Na verdade a revista que saiu foi pré-Lançamento, por isso ñ tem em bancas ainda. Fui informado por eles que distibuição começa dia 15 deste mês. Mas claro, deve levar uns 15 dias para alcançar “todo” país.

  31. Na verdade a revista que saiu foi pré-Lançamento, por isso ñ tem em bancas ainda. Fui informado por eles que distibuição começa dia 15 deste mês. Mas claro, deve levar uns 15 dias para alcançar “todo” país.

  32. é, está é uma otima iniciativa, da qual estou começando a implementar no meu site, mas falta apoio, e mangkás querendo se inscrever XD ta bem no inicio por isso ainda ta tudo bem incompleto =|

    [mal a oportunidade de ficar falando d emim redator pikachu, mas se alguem tem interesse, me da um reply XD’]

  33. procurei a Ação magazine em duas bancas gigantes na região da barra funda e não tinha!
    ja está acabando o mês e não acho a revista em uma banca de São Paulo, imagina no resto do país, assim fica dificil dar certo uma revista assim!

    1. Renato, pensei nela hoje, até comentei no twitter do blog. Segundo o twitter da revista, a distribuição começa só na próxima semana… pois é, do prazo do dia 15, já se esticou pro fim do mês. É complicado. Vamos ver se depois que começar, a revista fica nos eixos quanto a sua periodicidade, né?

      Eu tb fiquei o mes todo de olho nas bancas aqui da minha cidade…

      1. Tava querendo apoiar, mas eles estão meio bagunçados, entrei no site deles e estava desatualizado, no facebook deles não tinha informações, não em evidência! Para que dar data e não estar pronto? Assim não da credibilidade!! Como vc disse no seu comentário, essa bagunça só indica que vai ser outra proposta que não vai dar certo!!!!

      2. Tava querendo apoiar, mas eles estão meio bagunçados, entrei no site deles e estava desatualizado, no facebook deles não tinha informações, não em evidência! Para que dar data e não estar pronto? Assim não da credibilidade!! Como vc disse no seu comentário, essa bagunça só indica que vai ser outra proposta que não vai dar certo!!!!

    2. Também não achei em nenhum lugar aqui no Rio de Janeiro pra vender. Pra dizer que não vi a venda em nenhum local só a vi vendendo na Bienal do livro que ocorreu aqui no inicio do mês no stand da Comix(onde infelizmente a grana não deu para comprar).

      1. só nos eventos específicos ou no seu caso na bienal que viram essa revista! Escuto dela desde julho e nada!!! so escuto datas e nada! ai vieram com a oficial, dia 15 e o mês ta quase acabando e nada!! pra ver em uma das bancas que mencionei tive que sair de dentro da estação de metro e paguei passagem de novo em vão!!! o dinheiro que seria pra comprar ela foi no metro, 6 reais…….

      2. só nos eventos específicos ou no seu caso na bienal que viram essa revista! Escuto dela desde julho e nada!!! so escuto datas e nada! ai vieram com a oficial, dia 15 e o mês ta quase acabando e nada!! pra ver em uma das bancas que mencionei tive que sair de dentro da estação de metro e paguei passagem de novo em vão!!! o dinheiro que seria pra comprar ela foi no metro, 6 reais…….

  34. Ao entrar no site do Animepro me deparo com essa noticia http://www.animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=78&Data=112011

    Ou seja depois muito tempo se tem noticia do lançamento do edição 2 da revista. Demoraram mais de 2 meses para lançar o almanaque #2 e ainda tem o fato de que nunca achei a edição 1 para vender em nenhum local, muito triste ver essa falta de organização. Agora mesmo que saia por aqui não vou comprar pois não tenho mais a minima confiança de que  essa Ação Magazine tenha futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.