Japão

Um marco? Ação Magazine! Uma revista de autores brasileiros nos moldes da Jump!

Antes tarde do que nunca, vamos comentar sobre a investida mais do que interessante do Brasil nos autores nacionais. Para começar a conversa vamos as notícias. Foi anunciado,  há algumas semanas atrás, o projeto ambiciosa da “Ação Magazine”. O que seria a revista? Uma publicação ao melhor estilo Shonen Jump, ou quase. O Thiago falou tempos atrás que uma das coisas que faltavam ao mercado brasileiro de quadrinhos era interação com leitor, o que na minha opinião é falho em nosso país, principalmente se levarmos em conta as publicações japonesas.

Os volumes que compramos mensalmente, bimestralmente, são na verdade como muitos devem saber, a segunda fase de comercialização de uma obra no Japão. Primeiro, os capítulos de um mangá são publicados em revistas mensais ou semanais, na maioria dos casos, juntos com outras séries e depois compilados e lançados nos chamados “encadernados”. Nestas revistas, principalmente as semanais, esses mangás são julgados a cada novo capítulo pelos votos do leitores que são enviados à editora. Como funcionará? Bem a Shonen Jump eu expliquei como funciona aqui e acredito que a Ação funcionará no minímo de forma semelhante.

E depois de ser a primeira revista brasileira de capítulos de mangá brasileiro, pelo que eu saiba, a Ação Magazine vem com essa proposta. Ainda não foi divulgado como isso será feito, por cartas ou pelo site ou ainda outra forma. Não foi comentado também qual a periodicidade, mas meu chute é que seja mensal, até por ser o formato que o público está acostumado.

Quem ficou a cargo de editor é o conhecedor profundo do assunto Alexandre Lancaster, que escreve no blog Maximum Cosmo, e assina algumas matérias na Neo Tokyo. Conheço o cara pelo Maximum Cosmo, um dos melhores blogs sobre o assunto, com textos muito críticos e informativos, recomendo que acompanhem, e até leia algumas matérias antigas de lá.

Foi lançado um preview que pode ser conferido aqui com algumas páginas dos mangás. Por ele dá pra ver que a revista vai ter páginas coloridas, já famosas nas revistas do Japão e que até chegaram a ocorrer por aqui no fatídico Bleach #19 lançado pela editora Panini. Também percebe-se que o sentido de leitura é ocidental.

Os títulos na edição de lançamento serão:

Rapsódia, de Fábio Satoshi Sakuda e Carlos Sneak

Primeira coisa que me chamou a atenção é que o português coloquial foi utilizado como recurso da fala do gigante e não em todo o mangá. Gostei muito disso, principalmente após o traumático volume um de Fairy Tail. Sobre a temático, quando li que era sobre gigantes pensei em Shingeki no Kyogin, mas sabia que não seria porque o mesmo é sombrio demais para uma revista shonen, que parece ser a proposta da Ação. No final das contas fiquei com Claymore feelings, raça especial, uma transformação que deixa mais forte, e um bicho que aterroriza uma vila… Só faltou o teor meio sembrio que deu espaço a uma narrativa mais leve.

Expresso, de Alexandre Lancaster

Olhei pro cara de óculos e na hora veio Ozamu Tezuka na mente. Achei o traço muito parecido, principalmente por Astro Boy. Achei meio estranho os semi-mechas, ou melhor, os trajes de batalha, e senti uma ponta de que a história da rixa entre a guarda nacional e o exército vai ter futuro. Com essas poucas páginas fiquei meio que boiando, então não tem como tirar muitas conclusões. E fiquei curioso pra saber o que são os raios que caem do céu.

Madenka, de Will Walber

Madenka aparentemente é Shonen de luta, mas a primeira vista pensei que fosse gag (comédia), até pelo traço dos personagens e principalmente do heroi. Não muito o que comentar também, só que acho interessante a ideia das figuras mitológica brasileiras.

Jairo, de Michele Lys, Renato Csar e Altair Messias

Bem, mangá de boxe não tem como não pensar no clássico Hajime No Hippo. Eu achei o protagonista bem parecido com ele, e estranhei o traço no último quadro.

Arcabuz, de Márcio Gonçalves e Roberta Pares Massenssini

POssivelmente o meu favorite dentro todos. Simpatizei com o traço e o design geral, gostei da ambientação da história que me lembrou em parte OP pelo tesoura, mas tem um toque de honra, e me lembrou Piratas Do Caribe. Aliás, espero que beba bastante da fonte mitológica e não fique só no “real”, que convenhamos às vezes mata aventuras e coisas interessantes que poderiam integrar o mangá.

Tunado, de Maurílio DNA e Victor Strang

Carros não são minha praia, bem nem tanto assim. Curto jogos como Burnout, NFS, e até uns Velozes e Furiosos eu curti, mas ler um mangá sobre isso? Não sei, mas aí varia do gosto pessoal né. Tem uma história de background interessante para gerar conflitos, e parece ser cheio de refrências reais do assunto.

Estou ainda incerto sobre o sucesso ou não da publicação, isso realmente eu não me arrisco a comentar. Mas as coisas parecem estar bem feitas, faltando como já mencionei, a periodicidade e a mecânica dos votos, além do número de páginas por capítulo, que muda totalmente o ritmo de um mangá. Desejo boa sorte aos autores e a empreitada do Lancaster, tomara que dê bons frutos e possamos ter no futuro o caminho inverso dos licenciamentos com o Japão.

O que vocês, leitores, acharam da iniciativa? Como andam as expectativas? Quais são os títulos que mais gostaram? Alguém pretende conferir nas bancas?

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Rackor

Gamer de fliperamas aos consoles, passando pelo saudoso GB Color e seu Pokémon Yellow. Leitor de mangás, e dou preferência a estes ao invés de animes. Mais recentemente descobri as HQs, e desde então sou fã da trajetória de Geoff Johns em Laterna Verde, entre outros clássicos como Watchmen.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.