Jogando

FIFA 12 e PES 2012: a guerra quase invisível entre a simulação e o arcade! [Impressões] [PS3/X360/PC]

Era uma vez Pro Evolution Soccer, a franquia de futebol que não via concorrentes em sua frente, era de fato um monopólio sobre o gênero e sem um adversário a altura não havia motivos para ninguém se rebelar contra a soberania do game da Konami, que caiu nas graças de todos antes mesmo da era HD chegar com PlayStation 3 e XBOX 360. Mas isso só durou até 2009, quando o patinho feio chamado FIFA, depois de anos comendo poeira, começou a crescer, atingiu a puberdade e iniciou a revolução que tanto causa discussão até hoje: Quem é melhor? FIFA ou Pro Evolution Soccer?

Antes de mais nada deixo claro que não vou apontar esse ou aquele como o melhor jogo, até porque depois de anos sem jogar ambos só pude concluir que não existe razão para ficar comparando FIFA e PES. Um é mais voltado para diversão, arcade, enquanto o outro se enraíza cada vez mais na simulação. Vou salientar também que não perdi tempo analisando todos os aspectos dos dois jogos de cabo a rabo, então se eu deixar passar algo no post, quero que fiquem a vontade para complementarem nos comentários, ok? Então vamos nessa.

Bola na trave não altera o placar…

Quando eu penso no que cada game tem a oferecer eu me foco primeiramente nos dribles. O ápice da coisa toda é evidentemente a finalização, o gol, mas o que acontece antes dele ás vezes pode ser ainda mais bonito, a bola pode até parar na trave ou encontrar outro rumo nas mãos do goleiro, mas se o drible foi mágico, então o lance já valeu a pena.

Em Pro Evolution driblar ainda é o que sempre costumou ser, o player acaba dependendo mais da agilidade de cada jogador, visto que as pequenas fintas podem ser feitas facilmente com uma movimentação certa na hora certa do analógico direcional. FIFA não deixa de ser igual, porém no game da Electronic Arts, apelar só para fintas simples é o mesmo que nadar, nadar e morrer na praia. O mesmo método que cria chances e abre espaço na área adversária de forma bem simples no PES é um completo entrave no FIFA.

Na hora de realizar dribles mais elaborados, FIFA, que por ser focado na simulação teoricamente deveria trazer mais dificuldade, foi exatamente o game com o qual eu me acostumei mais rápido. Velocidade e o uso dos dois analógicos na minha opinião é mais prático do que segurar L2 (ou LT no 360) antes de fazer o mesmo em PES. Mas no que diz respeito a aprendizado rápido e indolor, PES ainda é o mais indicado. Você pode começar a jogar hoje e descobrir que pode driblar de forma mais trabalhada amanhã, um mês depois, um ano depois e o game continuará sendo simples demais nesse aspecto. Nem preciso dizer que o mesmo método não se aplica em FIFA e pode trazer mais frustração do que diversão em alguns casos. Não é a voz da experiência falando, tá pessoal?

Vale ressaltar também que a desenvoltura dos jogadores em PES foi felizmente realçada nessa edição de 2012, se antes o jogo era motivo de chacota por parecer um bando de robozinhos correndo, esse ano o detalhismo de um passe ou a cena de um jogador carregando uma bola está bem mais próximo do que tanto é elogiado na série FIFA. A única coisa que me desagrada é o fato do jogo continuar rápido demais e você ser obrigado a mexer nas opções de velocidade para não se incomodar com isso.

Já quando o assunto é desenvoltura e realismo nos mínimos detalhes do outro lado da moeda, FIFA volta a dar show com a sua nova engine de impactos. Cada carrinho que atinge a perna do jogador ao invés da bola ou uma simples trombada fora do lance é perfeitamente representado como se fosse algo real visto num autêntico jogo de futebol. PES 2012 infelizmente segue devendo muito nesse aspecto.

Da cobrança de falta à penalidade máxima

Gosta de distribuir carrinho para todo mundo em campo? Cuidado, se você vai de PES tudo bem, mas se o assunto é FIFA a história muda. Os árbitros não fazem cerimônia na hora de apresentar um cartão e a coisa toda pode até parecer perseguição caso você não se controle. Muito embora, os fãs de um carrinho bem encachado podem acabar largando o hábito quando descobrirem que esse tipo de interceptação nem sempre é bem sucedido no jogo da EA. Em FIFA, boa parte desse tipo de movimento da certo se for feito por um zagueiro, mas não por um atacante, deixando claro que a diferença nas posições influencia muito o sucesso das suas ações, enquanto em PES qualquer um que se proponha a isso não terá muita dificuldade em acertar a bola.

No que diz respeito a cobranças de falta, Pro Evolution segue com seu aprendizado mais fácil, tanto para por uma bola no mesmo canto do goleiro, quanto pra fazê-la passar por cima da barreira antes de atingir a meta, não vi novidades expressivas. Quanto a FIFA, tudo é apenas questão de treino e persistência para uma bola bem colocada. Eu até o presente momento não acertei nenhuma que valesse o esforço do goleiro, mas é incrível o número de vezes em que você pode ser surpreendido por uma batida de longe que entra caprichosamente no gol. Mas enfim, noob em FIFA é assim mesmo, um dia eu chego lá.

Também temos os penautis que no FIFA são um pouco mais incrementados que no concorrente, já que não basta só apontar o lado onde a bola vai e chutar. Existe um medidor nervoso no canto da tela alternando entre o ponto mais adequado e o pior possível para finalizar, além de um alvo para você escolher onde exatamente quer colocar a gorduchinha. Mas no fim das contas ainda prefiro a precisão dos meus dedos e o controle constante do analógico de PES, a emoção acaba sendo sempre maior na minha opinião.

Um bom time começa lá atrás

No assunto defesa FIFA veio com mais uma novidade esse ano, uma mudança que pode agradar a muitos e outros nem tanto. Agora o game possui o velho esquema de defesa que nada mais é do que segurar o botão de ataque no intuito de que os jogadores façam por si mesmos o trabalho de cortar as jogadas do adversário, e também temos a defesa tática, que por sua vez deixa o trabalho de ir pra cima dos atacantes todo na sua mão, tendo de trabalhar com cada zagueiro de forma individual. Como jogador de longa data de Pro Evolution eu não fui muito com a cara desse esquema de jogo. Não sei se é porque fiquei mal acostumado demais com PES, mas pra mim é simplesmente impossível ir para cima de um atacante sem deixar algum canto da zaga desprotegida, e olha que não foi por falta de tentativa, mas no fim das contas sempre sobrava algum buraco.

A parte legal do esquema é que isso força você a mexer mais nas opções táticas do time, como a formação, a marcação dos principais jogadores, quanto de velocidade você realmente quer usar na hora de criar chances de gol e por ai vai. Mas não é só no novo esquema de defesa que o game exige total atenção sua, a inteligência artificial tanto de FIFA e PES parece ter recebido uma merecido upgrade, o bastante para dar trabalho suficiente para que você não durma no ponto achando que só segurar os botões é garantia certa de bola roubada.

Quando assunto é posicionamento, PES é um pouco mais automático. Um tiro de meta tende a chegar melhor ao meio campista no game da Konami, em bolas que resvalam ou mesmo explodem na zaga durante um momento de pressão, ainda é mais fácil a bola ir parar no pé de algum jogador seu convenientemente bem posicionado. Para os menos familiarizados com FIFA, roubar uma bola pode ser a coisa mais fácil do mundo, já manter a posse dela pode ser algo mais complicado do que o esperado.

Herói ou vilão? Aqui estou eu, o goleiro

E o goleiro hein? Qual a diferença do Casillas no PES para o do FIFA? Bom, eles defendem bem, dão saltos inacreditáveis, salvam o time nos momentos mais difíceis e tudo mais, só que a beleza do goleiro não está somente em defender e sim em como ele defende, e nisso FIFA mais uma vez leva a melhor. O realismo de um goleiro fazendo uma ponte e tirando uma bola perigosa com a ponta de seus dedos ainda é uma qualidade exclusiva do game da Electronic Arts, em PES a Konami ainda usa as mesmas mecânicas de anos atrás para todos os goleiros, até é possível perceber que singelas mudanças foram feitas, mas não é nada que faça muita diferença. Os goleiros continuam um tanto duros e estáticos demais mesmo quando fazem um movimento mais audacioso para fechar as traves. Nesse quesito FIFA continua dando mais um show de bola.

Futebol cinema ou pura realidade? Não dá para unir os dois?

Aqui está o aspecto que deixa a franquia da EA ainda devendo muito em relação a PES, os gráficos do antigo soberano do gênero ainda dão um banho em FIFA, mesmo este tendo sofrido uma melhora significativa se comparado ao game do ano passado. Mesmo as comemorações que às vezes dão aquela sensação de superioridade super momentânea depois de um gol, ainda chegam de forma muito tímida ao game da EA, mas acredito que a medida que novas edições cheguem as coisas vão se igualando, só acho uma pena ter de esperar todo ano por mudanças tão poucos significativas nesse aspecto quando falamos de FIFA.

Enquanto isso, PES continua tão lindo que chega parecer coisa de cinema, principalmente com aquela animação que rola quando você mexe nos menus, deixando o Cristiano Ronaldo bonitinho na fita. Aliás não só ele, mas a aparência dos jogadores em PES é anos luz superior a FIFA, você olha para o Neymar da EA e só reconhece o futebol, já na Konami os traços do jogador podem ser perfeitamente reconhecidos ainda que não tenha sido retratado com máxima perfeição. Não é atoa que ele posa numa das capas do jogo ao lado do craque do Real Madri.

Em contra partida, perfumarias como as músicas do momento e o já clássico modo arena dão um ânimo a mais sempre que o jogo da EA vai para a bandeja do console, isso sem falar no modo de carreira como goleiro que para mim é um dos charmes da franquia.  Para combater isso só mesmo o bom e velho modo da master liga que já me tomou horas e horas aperfeiçoando um time para colocá-lo no topo ou a engraçada, irritante e certas vezes muito atrasada narração em português de Sílvio Luíz e Mauro Betting. Aliás, será que ano que vem rola um FIFA 13 na nossa língua?

Finalizando

FIFA, Pro Evolution Soccer, não importa qual dos dois você escolha, ambos tem seus altos e baixos. Não é porque FIFA aposta todas a suas fichas nos mais altos padrões da simulação que a diversão mais descompromissada e acessível de PES é melhor ou pior, ela é apenas diferente e cabe a você decidir qual estilo é o que mais te diverte. Porque no fim das contas o que realmente importa é se divertir. Mas se você puder conhecer os dois lados da moeda, não deixe a chance passar. Quando você avalia os dois fica extremamente nítido que a Konami nunca se preocupou e talvez esteja longe de se preocupar em se igualar ao estilo de FIFA, o que pra mim faz com que a essa idéia de guerra entre as duas franquias perca totalmente o pouco do sentido que ainda tem.

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

K o n S a m a

Do ser sem razão a essa explosão de emoção, do preguiçoso leitor ao (meia-boca) escritor, do tímido calado ao ator inquieto, do caminho já traçado à esquina do destino incerto. Tentei me definir, mas sem sucesso. Games, filmes, música, animes, são só o começo desse quebra-cabeça sem nexo.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.