Opinião | Síndrome de Sheldon Cooper

Previna-se dessa Alienação

Alienação, essa é a palavra que define muito bem o que estamos vivendo na sociedade, vejamos exemplos na música, onde pessoas de talento altamente questionável dominam a indústria do show business de uma certa forma que seus seguidores ultrapassam a barreira do fanatismo, se tornando idolatria, uma histeria de proporções colossais. Atores tão expressivos que entre um papel e outro só mudam o nome e o cabelo, pois são incapazes de interpretar algo diferente que não seja “ele mesmo”. Essa histeria acontece também no futebol, onde um jogador de futebol é muito mais comentado pelo que faz fora de campo (pelo seu peso e pelo seu penteado) do que com a bola nos pés, o marketing é tão forte que uma simples participação de um jogador num programa de TV, num show ou num clipe dos já citados “músicos” é capaz de dominar todas a mídias com informações de grande importância para cada um de nós (ironia).

E eis que entre jogadores, músicos e atores vemos surgir um personagem de ficção (não que os outros não sejam quase fictícios), seu nome é Sheldon Cooper, opa Doutor Sheldon Cooper. Mas como um personagem arrogante, mal humorado, dependente, chato, mal vestido consegue alienar alguém? Não sei, mas vamos a situação.

Digeri as duas primeiras temporadas de “The Big Bang Theory” muito rápido, quase sem degustar, a partir da terceira temporada passei a olhar mais criticamente para a série, e comecei a perceber que apesar de ser boa, não merece o barulho que causa. Sim, hoje eu ainda assisto a série (esporadicamente) e ainda consigo dar “algumas” risadas. Porém, não é sobre a série que vou falar e sim sobre um personagem, ou melhor, sobre seus seguidores.

Dias atrás jantávamos num restaurante quando percebemos que na mesa ao lado uma garota estava manifestando sua síndrome de Doutor Cooper, os sintomas começaram ser evidenciados quando ela passou a tratar o garçom com extrema arrogância e ar de superioridade, infelizmente, acredito que não seja do conhecimento dela que a sabedoria popular indica que não é muito “inteligente” tratar mal quem pegará na sua comida antes de você (Bazinga!). Prosseguindo, essa “pseudonerd” que provavelmente não sabe nem a raiz quadrada de 9, estava devidamente vestida com sua camiseta vermelha do Shazam (porém, ela pensava que era do Flash) e sua calça xadrez (a lá Doutores da Alegria) tentava impressionar a (pobre) amiga e todos os demais presentes no recinto falando (alto) sobre o quanto ela se identificava com o citado gênio da ficção, pois ela também é incompreendida pelas pessoas ao seu redor (Kurt Cobain detected).

Caramba, o que tem de tão influente em Sheldon Cooper? O cara é engraçado? Sim, algumas cenas são engraçadas, mas Charlie Sheen também era engraçado em “Two and a Half Men”, e nem por isso as pessoas saíram por ai vomitando em carrinhos de bebê (ufa).

Não consigo enxergar nenhum tipo de influência positiva vinda do Doutor Cooper, o cara não sabe dirigir, não sabe se vestir, não sabe conversar, não sabe nem namorar, dono de uma inocência que beira o ridículo. O único fator positivo é a extrema inteligência. Mas do que vale a inteligência se a característica mais marcante dessa pessoa é a arrogância?

Stephen Hawking o verdadeiro dono de uma das mentes mais brilhantes do nosso tempo, um gênio real, sentiria vergonha de ver um cara como Sheldon sendo considerado ícone de uma geração. Até porque mesmo com toda sua debilitada saúde física, é um cara muito mais comunicativo e independente do que o gênio da ficção.

No próprio seriado vemos o quanto Leonard (o mais humano de todos) sofre por saber que sua amizade com o Sheldon atrapalha sua vida social, chegando a sentir vergonha da situação. Então, se há um cara influente no seriado, esse cara é o Leonard, pois além de ser extremamente inteligente (e pegar a Penny), ele é um cara bem humorado, bom amigo e (sempre que possível) coerente.

Triste é que se analisarmos o personagem Sheldon apresentado no primeiro episódio da série (aquele da doação de esperma), percebemos o quanto ele foi se descaracterizando com o passar do tempo, pois ele já possuía algumas características estranhas e bizarras, porém, víamos outras características de um jovem solteiro e loser normal, e essa composição é que tornou o personagem engraçado e cativante.  Mas, ao tentar ampliar o alcance da série, os produtores acabaram mudando a personalidade dele, criando um ser  sem alma e quase assexuado, perdendo o carisma que eu tinha por ele.

A série tem um lado positivo que é o fato de falar de quadrinhos, seriados de ficção científica e tals, apresenta situações engraçadas, mostrando dois universos em colisão, na medida do possível os 4 gênios estão se acertando na vida amorosa, e sem esquecer de umas boas doses de humor, porém precisa plantar muitos feijões mágicos para chegar ao nível que “Friends” chegou, digo isso, pois houve um tempo que muita gente dizia que “The Big Bang Theory” era o novo “Friends”. Porém, ainda não perdi minhas esperanças na série e sempre que possível continuarei assistindo e torcendo para que as coisas tomem um novo rumo.

Espero não ser apedrejado pelos fãs do Sheldon, até porque sei que existe uma diferença muito grande entre ser fã e ser alienado. Um verdadeiro fã saberá que esse texto não é pra ele.

Vida longa e prospera!!

Isso também pode lhe interessar

49 Comentários

  1. olá, primeiramente quero dizer que achei seu texto bem interessante, e também concordava com vc em alguns aspectos, mas creio que Jim Parsons não esteja interpretando um personagem da maneira apenas como você colocou, pois após um trabalho de faculdade, onde o assunto era de transtornos de educação , me deparei com o personagem em questão e percebi que ele tem todas as caracteristicas de uma pessoa com sindrome se asperger, e que essas pessoas são consideradas muitas vezes da maneira que vc descreveu no texto.Não quero de forma alguma dizer que o que vc escreveu está errado ou coisa assim, mas sugiro que de uma pesquisada nesse assunto (asperger), talvez vc voltara a ter o mesmo prestigio pela série e pelo personagem, pelo menos comigo foi assim.

    1. Ola Renilda, esse post é bem antigo e tivemos uma atualização no servidor do blog e acabamos perdendo todos os comentários, nesses comentários já havíamos falado sobre a síndrome de Aspenger, etc., e no geral, isso não vem a calhar no contexto do meu post, pois independente das características do personagem interpretado pelo Jim Parson, minha crítica aqui é pelos seus seguidores, que não tem nenhum tipo de síndrome, somente uma alienação de querer se parecer com um personagem da TV que é "modinha", seria o mesmo que querer se comportar como um astro do rock, porém, sem o glamour que o tal astro possui. infelizmente o que falta para as pessoas é personalidade própria, e muitas delas vão buscar uma personalidade plástica que é feita só para a TV e não para a "Vida Real".
      Antes de escrever o post, eu pesquisei sim sobre o assunto citado por você, porém, não inseri no post, pois certamente apareceria gente se autodiagnosticando portador da Síndrome de Aspenger.
      E sobre a série, quando eu escrevi o post, a 6ª temporada ainda não havia começado, e eu até achei que essa temporada deu uma melhorada, pois tratou um pouco mais da vida dos outros personagens mais interessantes.

  2. Vc e um cara que so fala merda, sinceramente, o sheldon e fod…
    Alem de falar merda, é um inutil desocupado que tenta fazer algo bom mas passa longe…

    1. Ofender sem argumento só para defender a sua idolatria também é uma evidência dessa alienação que domina a sociedade!!
      Obrigado por confirmar minha teoria!!

  3. procurar argumentos, pra criticar outras pessoas se chama INVEJA, que por sinal é característica de perdedores…você quer ganhar IBOPE, quer subir com esse post louco, mas nunca vai conseguir falando mal dos outros. modinha é você critico de bosta em vez de criticar faz melhor e vira exemplo, mas ve se vira exemplo positivo e outra que se foda o Sheldon.

    1. Opa, adoro um debate, vou dividir em tópicos para facilitar:
      1- Creio que não ofendi ninguém durante o meu texto,
      2- Sentir INVEJA de um personagem de ficção ou de seus seguidores seria falta de coerência da minha parte, ou em outras palavras, seria alienação, desculpe, mas estou imune a isso,
      3- Escrevi o texto para manifestar minha opinião sobre uma condição social que não me agrada, só isso, se eu tivesse escrito para ganhar IBOPE, nesse momento eu estaria te agradecendo pelo ibope que está dando a esse texto,
      4- Creio que você não leu meu texto por inteiro, ou se leu, infelizmente não compreendeu o que eu quis dizer com ele, pois no último paragrafo eu escrevi: "Espero não ser apedrejado pelos fãs do Sheldon, até porque sei que existe uma diferença muito grande entre ser fã e ser alienado. Um verdadeiro fã saberá que esse texto não é pra ele."
      5- Por que você mandou o Sheldon se fuder??

      1. Não é pelo Sheldon que assistimos TBBT, pq ele é engraçado, mas se ele atuasse sozinho eu particularmente não assistiria a serie, ele é um dos melhores PERSONAGENS que existe, mais ficaria sem conteúdo se retirassem a Penny, o Leonard, o Howard e o Raj e agora que já nos acostumamos com a Ammy e Bernadette sem elas também perderia a graça, e na boa, se alguém copia o estilo do personagem Sheldon Cooper a vida é deles e isso não é uma SÍNDROME, se eu fosse vc não procurava coisas sem fundamento SE ACHANDO SUPERIOR.

  4. A condição de você se auto-definir Nerd não me incomoda nem um pouco, até pq também uso camisetas de heróis, sou fã de Star Wars, Star Trek, e tudo mais, creio que é quase impossível não gostar desses universos tão fantásticos!!!
    Dizer que se estou ofendendo o Sheldon, estou ofendendo também os Nerds, acho errôneo, desculpa, mas creio que a definição que temos para o Termo Nerd é diferente!! Pois Sheldon não me representa!! Não consigo entender porque pessoas dizem que pra ser Nerd, precisa "se comportar" como o Sheldon!! Eu discordo plenamente disso!!
    E novamente, não busquei ofender ninguém com meu texto, se alguém se sentiu ofendido, creio que deveria ler o último parágrafo com mais concentração!!

  5. GGrangeiro. Reconheço que Stephen Hawking é um verdadeiro gênio, porém, ele também tem um pouco de arrogância. Ele simplesmente não assume 'não saber' algo e por isso cria uma teoria qualquer mal fundamentada só para não ter que assumir que não sabe uma resposta.
    (Falo sobre a origem do Big Bang, porque ocorreu o Big Bang e etc)

  6. Eu não gosto da serie The Big Bang Theory por causa da arrogância do personagem. Apesar disso em me identifico com os defeitos dele (Síndrome de Aspenger e arrogancia). Considero a Síndrome um defeito porque me trouxe e continua trazendo muitos problemas na sociedade.

  7. Gostei do seu texto apesar de não concordar com tudo o que disse (como dizer que friends é melhor, nunca gostei de friends) mas isso é só questão de gosto e opinião. Fiquei chocada em saber que existem pessoas que tentam imitar a postura arrogante do Sheldon! É algo bem estúpido, pois o lado arrogante dele é tão exagerado que não dá nem pra ter raiva(não é como a acidez de um dr. House, que só pra constar, melhor personagem da ficção pra mim), francamente eu duvido que esses pseudo-nerds que tentam imitar a arrogância do Sheldon têm o QI e muito menos a vida entediante e politicamente correta dele(não beber álcool, não quebrar rotinas estabelecidas, não sair, não fazer sexo e etc). O que há para o público se identificar com o controverso Sheldon Cooper está tão nas entrelinhas de seus textos e atitudes que não é pra qualquer um mesmo.

    P.S. Fico triste em ver que a cultura geek e nerd já caiu na teia dos modistas.

  8. Eu amo a série mas, ao contrário da maioria, pra mim o Leozito lindo é muito mais interessante q o Shely e nem assisto por causa dele mas pelo Leo e pela Penny pq acho q a história deles é muito bacana e agora q apareceu a B. tb o Wahie tá mais interessante. Eu tb sou nerd, bem ñ a 100%, mas sou e advinhem? Ñ tenho esssa nóia toda com gibis heróis e série de ficção cientifica (até desgosto desse último) mas amo documentário sobre espaço e sobre tudo o q for útil para o meu crescimento intelectual e amo séries policiais dramáticas e sitcons bem feitos e com cerebro a programas culinários e de decoração. Tudo isso pra dizer que ñ concordo q digam q nerd tem q gostar de gibis e o resto. Tem nerds de todo tipo certo? Ñ vamos generalizar ok?

  9. Percebi o texto e a opinião manifestada, mas penso que há um ponto que não foi tido em consideração: o facto de Sheldon Cooper não ter efectivamente consciência da sua arrogância. A namorada do Howard definiu Sheldon muito bem. Ele quando é mau não sabe que é mau. Ele limita-se a constatar evidências. No entanto com todas as debilidades sociais que possui – e sabe disso – o que é enternecedor é que ele tenta estar à altura das convenções sociais, tenta percebê-las e não se inibe de perguntar. Esse esforço de ter graça, de entender o sarcasmo – porque ele inicialmente não o entende, de todo – de fazer humor, de ser solidário…no fundo esse esforço de se adaptar ou de se sentir um bocadinho (mas mesmo só um bocadinho, hã!!!?!!?!?) igual aos outros é que o torna encantador.

  10. Sei que o post é antigo e não tem nada mais insensato do que comentar algo que já ficou para trás. Mas… vi seu post apenas agora e não pude deixar de comentar.

    Sua ideia foi bastante interessante, ao questionar pessoas que tentam viver como um personagem ou um ídolo da TV ou coisa parecida. Também acho o fim da picada. Falta de personalidade e, sim, ALIENAÇÂO total!

    Mas, ao tentar situar seu ponto de vista com uma situação real (a moça no restaurante), você acabou por levar seu post para um outro caminho. Perdeu o foco do motivo original falando tanto do personagem Sheldon Cooper e suas idiossincrasias. Como personagem, tudo nele é exagerado, beirando mesmo ao que o renomado sociólogo alemão Max Weber chama de “tipo ideal”.

    A série é boa, os personagens também. Sim, muitos deles mudaram e nenhum menos que a Amy Farrah Fowler, que era a versão feminina do Sheldon e hoje nem lembra mais a menina super estranha de seu primeiro episódio. Mudanças são normais na tentativa de agradar a audiência. Com Friends não foi diferente. House também.

    Mas o motivo do seu post nem era esse. Seu questionamento inicial era voltado para os “fans” que tentavam viver seus personagens, justificando sua arrogância com o reconhecimento do “ícone”.

    Talvez se você não tivesse gastado tantas linhas falando do comportamento do Sheldon, teria uma repercussão melhor. O link da garota com ele foi bom, mas você se desviou a partir daí e deu espaço para os fanáticos pelo Sheldon (muito talvez nem saibam que fã ou fan derive desta palavra) criticassem você sem ao menos absorver o que você estava falando.

    Gostei do seu post, mas, se quer uma opinião: mantenha o foco.

  11. voce tem algum problema em caracterizar um personagem voce parece estar obcecado pelos defeitos que nao percebe o que a de bom nele voce parece nao admitir que um serie foi igualada e depois ultrapassada sheldon e uma pessoa que eu considero algo grandioso expor sua opiniao nao e um mal mas ela ultrapassa alguns limites a garota que voce citou estava errada em uma parte
    eu acho que sheldon e uma pessoa que fala suas opinioes e um motivo e por sempre ou quase sempre estar certo pense mais e depois escreva mais alguma coisa sobre ele

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.