AssistindoSeriados

Two and a Half Men – Análise A.C vs D.C

Antes de Charlie versus Depois de Charlie!

Recentemente fiz uma maratona e revi todos episódios de Two and a Half Men (Dois Homens e Meio) pois sou um grande fã da série. E aproveitando essa ocasião de estar com todos episódios da série frescos na cabeça resolvi criar um post para discutir a grande polêmica e crítica que persegue a série nos últimos 2 anos.

A série realmente piorou muito com a saída de Charlie Sheen? Ashton Kutcher conseguiu pelo menos não comprometer a qualidade com suas atuações? Jon Cryer manteve o nível de atuações das temporadas antigas? E Angus T. Jones, como ficou, como está, onde está?

Um papo sobre Two and a Half Men depois do Continue Lendo!

Antes, com Charlie (2003 – 2011)

Charlie, Alan e Jake são insuperáveis nos bons tempos, nas 3 ou 4 primeiras temporadas é impossível não morrer de rir com a interação desses três. Acredito que nem Charlie Sheen, nem Angus T. Jones e nem Jon Cryer (este talvez) sejam atores geniais, mas ali existia uma química e os roteiros ajudavam muito.

Os personagens coadjuvantes também davam um show, até hoje me divirto com as tiradas da Evelyn e da Berta, além é claro do jeito bobão e divertido do Herb, as piadas com drogas do farmacêutico Russel, as tiradas psicológicas da Rose e da psiquiatra do Charlie, até mesmo da Judith eu conseguia rir às vezes.

Quem não se lembra do Charlie compondo seus jingles no piano? São tão bons que me pego cantando vários deles até hoje, clássicos como a canção do Maple Loops, Cut the Cheese, Oshikuru: The demon samurai (essa é foda, clique aqui para ver!!!), além é claro da fase Charlie Waffles (Who loves boobies kids?). O cara era o rei das crianças! Gênio!

Também tivemos a fase em que Charlie ficou noivo da Chelsea, fase esta que para muitos foi o início da decadência da série, mas apesar disto ainda tivemos episódios muito engraçados como o hilário S07 E08  Gorp, Fnark, Schmegle (clique aqui para ver um trecho do episódio).

Bom, dá pra notar que acho essa fase incrível né?

Nunca fui fã de assistir séries dubladas, mas se estou sem nada pra fazer de madrugada, assistir Dois Homens e Meio no SBT é diversão garantida, independente de já ter assistido aqueles episódios 10 vezes, para mim é algo parecido com Chaves, consigo rir das mesmas piadas sempre. Além disso tenho todas as temporadas lançadas no Brasil em DVD para matar as saudades de vez em quando.

Não vou me estender mais nessa fase pois acredito que até a quinta temporada, TAHM é muito amada por todos e da sexta até a oitava temporada apesar da queda de qualidade ainda tínhamos todo o elenco principal presente e a maioria ainda curtia a série, vide audiência do SBT, CBS, Warner e venda de DVDs.

Depois de Charlie (2011 – ?)

Confesso que como grande fã da série e do personagem Charlie Harper, fui um dos que ficou “p da vida” quando Charlie Sheen foi demitido do elenco da série (por sua própria culpa, diga-se), no entanto, eu acima de tudo curtia também todo aquele pequeno universo de personagens que compõe a trama, tendo como verdadeiro “personagem principal” a casa na praia em Malibu, por isso resolvi não abandonar a série mesmo sem o seu personagem humano principal e assim começou a nona temporada de TAHM, mostrando que a solução dada para a saída de Charlie Sheen foi matar seu personagem. Considerei sua morte bem coerente, deixando a entender que Rose o matou por causa de ciúmes (versão oficial: ele caiu acidentalmente na frente de um trem xD).

Acho que foi uma boa ideia, já que o personagem Charlie Harper já vinha em clara decadência dizendo que amava qualquer mulher que encontrava pela frente, diferente do que sempre foi ao longo da série quando ele queria saber de pegar todas. Charlie estava chegando ao cúmulo de dizer que amava a Rose, mulher lunática que ele sempre teve pavor, apesar da amizade.

Por mais cruel que pareça, Alan também contribuiu com a morte de Charlie ao não contar a verdade sobre o falso marido de Rose ser um manequim em troca de dinheiro, mas isso não vem ao caso afinal trata-se de uma sitcom, mas me pergunto se os fãs já tinham notado isso. Continuando…

Nessa bagunça toda surge o personagem Walden Schmidt (ô nomezinho difícil de escrever, só Walden daqui pra frente ok), um personagem inicialmente bobo, infantil e chato.

Sim, já começo detonando, por que no início da nona temporada o personagem é muito ruim e a série mereceu as críticas que recebeu. Charlie realmente estava “Vencendo” como o próprio dizia e provavelmente zombava de Chuck Lorre pelo rumo que o seriado estava tomando, tanto que dropei a nona temporada depois do episódio em que a Evelyn e a mãe da Lyndsey começam um relacionamento (idosas lésbicas), nada contra esse episódio em si, mas eu já estava de saco cheio da série.

Só terminei de assistir a nona temporada nessa maratona que fiz recentemente, pois além da qualidade baixa ter se tornado mediana, o preconceito pela saída de Charlie já estava mais calmo. E nessa segunda chance que dei a nova história, percebi que a qualidade da nona temporada é acima da sétima temporada na maior parte do tempo e bem próxima do início da oitava o que é muito bom, já que os produtores naquela época tentavam reerguer a série da péssima sétima temporada (o final da oitava é terrível também).

Voltando a nona temporada, Walden após conhecer e começar a namorar com a  Zoey passa a agir e se portar um pouco melhor, sem manias idiotas como a do olho mágico ou a infantilidade absurda para um bilionário. Por mais que a personagem inglesa fosse extremamente irritante em alguns momentos, ela trouxe esse lado bom ao ser inserida na série. Outro detalhe que me irritava era aquele visual hippie ou hipster (como queiram) do Walden, que após alguns episódios da entrada da Zoey é mudado para algo mais comum do estereótipo de um playboy americano.

Episódios onde Alan e Walden interagem como amigos (gays) ou saem para beber e “pegar”mulheres são sempre os melhores, quando o episódio é focado em um romance de um dos dois (o que acontece com frequência) a qualidade cai muito, com exceção daquele episódio da décima temporada sobre o ménage não consumado entre Alan, Walden e Lyndsey que foi bem engraçado (apesar de um ménage não pode ser considerado romance né, depende do ponto de vista xD), quando a série se torna uma comédia romântica, ela se perde muito pois isso nunca foi a proposta de TAHM, mas anda acontecendo com frequência desde a entrada de Ashton Kutcher, apesar da culpa não ser dele e sim dos roteiristas. Confesso que até me divirto com Walden em vários episódios! Tudo depende dos roteiristas e direção, pois quando a retaguarda técnica funcionou, Ashton não comprometeu. Obviamente era muito mais fácil para Sheen que interpretava a si próprio!

Vamos falar agora um pouco sobre o Jake. Este personagem lá nos primórdios da série sempre foi engraçado pela sua ingenuidade, em diversos momentos nas 3 ou 4 primeiras temporadas víamos o Jake tentando segurar o riso enquanto atuava e isso era divertido. A interação entre ele e o Charlie sempre foi algo sincero, suas atuações tinham uma harmonia diferente apesar da péssima influência que o tio era para o garoto xD.

Nas últimas 3 ou 4 temporadas Jake se tornou um adolescente burro, maconheiro e encontrou sua alma gêmea em Eldridge, um personagem que na minha opinião jamais acrescentou nada a série e deve se considerar um ator de muita sorte por estar na série sem agregar nada, provavelmente recebendo um ótimo salário. Acredito que Eldridge foi inserido para dar algum background a Lyndsey, atual namorada do Alan e que, na minha opinião, agrega um pouco de valor a série, principalmente ao trazer algumas atitudes insanas do Alan à tona.

Alguns dirão que Eldridge e Jake formam uma espécie de Beavis e ButtHead na série (provavelmente essa era mesmo a intenção dos roteiristas), mas até hoje não consegui ver graça nos dois, as piadas são muito forçadas. Jake ao que parece, mesmo estando vivo tem menos importância que o Charlie morto, pois este vive recebendo referências e citações nos episódios atuais, enquanto Jake muitas vezes nem aparece. Depois de sua ida para o exército ao final da nona temporada essa pouca participação se acentuou muito.

Falando em pouca participação, os coadjuvantes clássicos foram quase que esquecidos, as únicas que ainda aparecem com certa frequência são a Berta e  Evelyn, sempre ótimas e algumas raras aparições do Herb, Judith, Rose, Russel e a psiquiatra em benefício da aparição de novos coadjuvantes, não tão bons, que dão vida ao universo de Walden como a sua mãe Robin Schimidt, a ex esposa Bridget, a ex namorada Zoey, o ex rival e atual sócio Billy Stanhope (este até que vem melhorando), além do patético e desanimador episódio do gorila na nona temporada.

Ainda não vi todos episódios lançados da décima temporada, mas até onde vi (aproximadamente 10 episódios), a série vem no mesmo ritmo do final da nona temporada, uma série que diverte, mas longe da sua melhor forma, o que também não é um grande demérito, afinal o desgaste depois de tantos episódios e temporadas é algo normal, apenas me pergunto se já não está na hora (ou passou da hora) de finalizar a série apesar da altíssima audiência.

Apresentar um final digno, quem sabe com Walden deixando Alan com a casa e com condições para mantê-la, Walden se casando com uma boa mulher (afinal parece ser a única coisa que ele não tem e quer ter), Jake ganhando na loteria (não consigo imaginar algo melhor com aquela burrice toda dele) e Charlie curtindo sua vida no inferno, pegando prostitutas, bebendo whisky, fumando charutos, e com a alma presa no corpo de uma mulher velha gorda e com bolas (quem assistiu a nona temporada sabe do que estou falando xD).

Conclusão

Enfim é isso, fizemos uma comparação entre o passado e o presente da série, viajei bastante sobre um final para a série e torço para que ela acabe logo, com um mínimo de dignidade, afinal Two And, como carinhosamente chamo a série, é uma das sitcoms de maior audiência de todos os tempos, com uma legião de fãs espalhados pelo mundo, inclusive este que vos escreve, e sempre estará na minha memória e de muitos outros (quem sabe milhões de fãs).

O tempo em que passei me divertindo na casa da praia em Malibu com estes malucos, em especial Alan Harper (o “Man” que insiste em me fazer rir e não abandonar nunca esta série) será sempre lembrado com carinho, mesmo que o futuro não seja dos melhores, prefiro guardar as boas lembranças para sempre e continuar acompanhando enquanto os produtores insistirem em não largar o osso! Ruim com ela, pior sem ela!

Deixem suas opiniões sobre o passado, o presente e o futuro da série nos comentários e até a próxima!

Obs 1: Não incorporei vídeos da fase do Charlie pois estão bloqueados por solicitação, para compensar também não coloquei vídeos da fase Walden!

Obs 2: Deixei vários links de texto para compensar a observação 1, é só estarem atentos.

Obs 3: Dedico esse post a minha namorada Jéssica, grande fã da série assim como eu!

Meeeeeen!!!

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Rafael Gaara

Apaixonado por blogs, cinema, games, séries, músicas, animes e mangás, não necessariamente nessa ordem! The GodFather, Final Fantasy X, Pokémon Yellow, The Legend of Zelda, Atari, Berserk, Code Geass, One Piece, entre outros, moldaram meu corpo, minha mente e meu espirito.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios