JapãoReflexões & Opiniões

Opinião | Já deu uma olhada no mangá do Toriko?

E o traço do mangá é bem mais animal que o estilo pasteurizado do animê!

Você já deve saber que a recentemente a Panini começou a lançar aqui na República das Bananas o mangá do Toriko. Pois então, nessa sexta-feira passei na banca aqui da minha cidade em busca de uns gibis Disney e na falta deles resolvi pegar o volume 2 de Toriko (o primeiro está vindo pela Comix em algumas semanas). E UAU! Que surpresa ver o traço animal do mangá!

Ok, eu podia ter olhado pela internet para descobrir isso, mas nunca tive curiosidade mesmo. De fato acompanho o animê da série e acho bem divertido, mas tem seus momentos em que a animação parece meio pasteurizada, como se anestesiassem a tensão ou o impacto que algumas cenas do mangá. Já olhando o material original, fico espantando como o autor já tem um traço afiadíssimo desde o começo da série. Nem todo autor de mangá consegue algo assim. Até mesmo o traço do Eiichiro Oda em One Piece nos primeiros volumes deixa um pouco a desejar em comparação com o traço dele após já estar habituado no universo da série.

Tiro meu chapéu para o Mitsutoshi Shimabukuro (nome difícil de lembra de cabeça – lê aí de novo e digita sem olhar!). Ainda não pude ver o volume 1, mas nesse segundo volume já há quadros realmente impressionantes e alguns deles estão após o continue lendo. E eu não achava que seria assim, até porque estas duas primeiras capas da série são meio… toscas. Mais uma vez aquele ditado de não julgar as coisas pela capa vem a calhar.

E aí, vale a pena pela história?

E como! Na verdade Toriko me lembra bastante uma mistura muito maluca de Dragon Ball com One Piece. Tem os personagens todos musculosos e exageradamente fortes e adultos como a fase Z do Dragon Ball num universo fantástico de criaturas e comidas pra lá de originais e criativas, meio como o mundo de One Piece. Tudo isso regado numa boa dose de humor e clichês do gênero shonen, como batalhas, lutas e tensão através de vilões absurdamente amedrontadores em determinados momentos. E você pode dizer que é meio boboca a ideia de um mangá levando as coisas pro lado gastronômico do jeito que faz, mas que nada! Depois que o autor explica melhor como esse universo funciona, você fica fascinado com a ideia de um mundo assim!

Claro que posso dizer estas coisas apenas com base no que vi pelo animê. Mas aposto que no mangá deve ser ainda melhor. Você se lembra quando One Piece, Bleach e Naruto eram as melhores coisas pra se acompanhar no mundo da Shonen Jump? Hoje em dia eu já considero que Toriko só perde para One Piece. Naruto ainda é legal, mas já cansou e Bleach… coitado do Tite Kubo, anda meio perdido no último arco “infinito” do mangá. Toriko realmente usa uma formula cansativa e cheia de clichê, mas assim como One Piece, ele consegue ser original e trazer um universo tão inventivo e maravilhoso que você fica maluco querendo ver mais e mais! E olha que depois a coisa fica ainda mais imensa em termos de mundo!

Estava apenas feliz com o lançamento do mangá aqui no Brasil, mas depois desse volume em mãos posso dizer que estou bem mais empolgado para começar a ler e acompanhar Toriko pelo mangá da Panini. Não que o animê não seja divertido, mas depois de ver esse traço, desconfio que o mangá é muito mais animal! Alias tem uma cena aí abaixo com o Toriko comendo morcegos vivos!! Wow, eu não me recordo de ter visto isso na animação!

Fique com algumas imagens!

Quem já acompanha ou vai dar uma olhada para ver se vale acompanhar Toriko depois desse post comenta aí! Um dia ainda quero fazer uma análise gigante da série por aqui, assim como já fiz com One Piece, Naruto, Bleach, Hunter x Hunter e Katekyo Hitman Reborn! Um dia sai…

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios