Jogando

Impressões iniciais | Plants vs. Zombies 2!

A batalha vegetal contra os mortos vivos pelos jardins da história!

Ontem a PopCap liberou na Apple Store o novíssimo Plants vs. Zombies 2: It’s About Time! O download tem aproximadamente 45MB, o app é único para dispositivos do iOS, ou seja, é uma única versão que funciona tanto o iPhone quanto iPad (ao contrário do primeiro game que no iPad precisava de uma versão própria) e para felicidades de todos é totalmente grátis!

Já jogou?

Joguei apenas algumas horas, mas já posso dizer que a sequência apresenta muitas melhorias em relação ao primeiro game. Graficamente ele está fenomenal! As plantas e zumbis parecem desenhos animados, com mais detalhes na forma como se mexem. O jogo está totalmente em português, o que torno-o mais acessível para quem não domina muito o inglês e precisa passar por alguns tutoriais para entender a mecânica do game.

PvsZ2 tira as simpáticas plantinhas dos jardins normais para arremessá-las por três períodos históricos. Para esse impressões iniciais, posso falar apenas do Antigo Egito, primeiro mapa e o único que abri durante as primeiras horas de gameplay. Há mais dois mapas em períodos históricos diferentes e a PopCap deve adicionar mais em futuras atualizações. Parece pouco, mas pelo que andei lendo por aí são aproximadamente 60 níveis iniciais, o que deve render uma quantidade razoável de horas. Lembrando que você não está pagando por nada para jogar o game. Eu mesmo gastei quase 3 horas ontem a noite e não terminei o mapa do Antigo Egito.

Há o sistema freemium para quem deseja adquirir dinheiro para comprar coisas extras no game. Mas também é possível colher moedas durante as partidas que também permite comprar itens, melhorias e plantas extras. Então você gasta dinheiro real apenas se você quiser.

Dentre as novidades, estão novas plantas, como a planta bumerangue e a couve enorme que dá socos nos zumbis que chegam perto dela. Algumas plantas foram remodeladas em relação ao primeiro game, como uma que acaba com túmulos (ela está diferente visualmente do item que usamos no primeiro PvsZ). Gostei do almanaque de personagens do game, que dessa vez está bem mais informativo, mostrando um indicador de força de ataque das plantas e do tempo que as sementes demoram para ficarem disponíveis após o uso e nos zumbis a resistência de cada tipo e em ambos os casos há uma historinha em bom tom de humor para cada personagem ser do jeito que é.

Power-ups também chegam fazendo a festa no game. Primeiro o jogador é apresentado ao adubo, aquela folhinha no canto inferior da tela. O adubo dá um booster em uma planta que o jogador escolher. Então colocando um adubo num girassol ela dará imediatamente sóis extras, um adubo naquela plantinha normal que cospe nos zumbis a faz colocar um capacete de soldado e por alguns segundos ela se torna uma metralhadora limpado toda a linha de zumbis que esteja protegendo, e um último exemplo, a couve quando recebe o adubo fica malucona e começa a socar insandecidamente 360º em seu eixo, acertando assim zumbis que estejam na linha de cima ou de baixo dela. Vale testar o que acontecendo com cada planta quando se dá um adubo para a mesma. Claro que o adubo é limitado. Você pode usar moedas para comprar mais ou esperar por zumbis que possuem um brilho verde e que liberam adubo ao jogador.

Outros poderes que são habilitados posteriormente (não está na tela que abre esse post) são especiais onde o jogador pode usar a tela de toque do iPhone ou iPad para exterminar os zumbis com o dedo. Você usa o movimento de pinça para arrancar a cabeça dos zumbis, ou com o dedo pode empurrar eles pra cima e jogar para fora da tela ou um onde o dedo fica eletrizado e pulveriza os zumbis próximos ao raio de eletricidade. São poderes bacanas, mas que evito de usar porque custam moedas pra caramba e porque achei que tiram um pouco do desafio do jogo que é usar as plantas. Basicamente são poderes overpower demais, e que custam bastante do seu estoque de moedas. Foram realmente criados para serem usados em último caso, quando o jogador não conseguir passar por algum nível muito extremo.

Além das fases normais, clássicas ao modelo da franquia, há bastante estágios especiais, assim como o primeiro game também possui. Estágios onde o game te dá as plantas aleatoriamente e você escolhe onde colocá-las, estágios onde você deve usar apenas o dedo ou aquelas onde é preciso cumprir determinados objetivos. Ponto positivo pois isso cria um efeito de estar sempre jogando um desafio diferente e não apenas estágios iguais, porém mais e mais difíceis.

E se a PopCap adicionou novas plantas, novos zumbis também foram criados. E nesse ponto meio que se justifica a ideia de viagem no tempo. No antigo Egito por exemplo há zumbis faraós que roubam sóis, escondidos em sarcófagos e são bem resistentes, zumbis que chegam em redemoinhos de areia no meio da fase, uns que usam máscaras e erguem túmulos, outros que usam placas para se esconderem e assim por diante. A nova ambientação cria novos e criativos zumbis com características próprias. E o desafio aumentou justamente porque foi dado ao jogador o poder do adubo. Não usar o adubo em fases tumultuadas é realmente difícil. Ao menos uma ou duas vezes você acaba tendo que recorrer ao adubo.

Resumindo tudo. Plants vs Zombies 2 até o momento me pareceu uma ótima sequência. Superior ao primeiro game em muitos aspectos, em elementos visuais, em jogabilidade, adicionando novos elementos as mecânicas, além de personagens. E eu sempre pensei que não dava para inventar muito depois de um game tão completo que o primeiro PvsZ aparenta ser. Realmente me surpreendeu. E tudo isso num game gratuito! Quem nunca brincou com essa franquia está perdendo um excelente título!

Parece que o título no momento está disponível apenas na Apple Store, mas a PopCap prometeu o lançamento dele ainda esse ano no sistema Android e no PC. Vale ficar de olho!

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios