Forza Horizon 4 | Acelerando e se apaixonando! (Impressões)

Se o automóvel é uma paixão para muitos, Forza Horizon 4 então é amor à primeira vista. Claro, isso se você não tiver jogado ainda os outros games anteriores.

Mas realmente é bem por aí. Ao pressionar o RT e acelerar seu carro Reino Unido afora, o coração bate forte e quentinho, embalado por um pacote com o melhor daquilo que um jogo de corrida pode oferecer atualmente.

Sério, fazer um post inteiro elogiando tudo do jogo é a coisa mais fácil do mundo, chega a ser surreal pensar que é uma série de jogos muito mais nova do que a maioria das que estão no mercado, e ainda assim a série Forza está num patamar muito acima de todo o resto.

E quando falamos da ramificação Horizon, surgida no Xbox 360, tudo fica ainda mais impressionante. Enquanto séries antigas como Need for Speed tentam se reinventar do zero a cada jogo e não conseguem, temos casos como The Crew que parece se inspirar cada vez mais em Horizon e parece estar num caminho certo, mas certamente ainda nem aparece no retrovisor.

O grande trunfo de Forza Horizon é seu charme, sua personalidade. É algo difícil de se conseguir atualmente, com essa enxurrada de jogos onde um sempre tenta competir e copiar os acertos do outro. Forza Horizon desde o primeiro jogo escolheu um caminho e três jogos depois a proposta só foi refinada.

É muito interessante observar com atenção o trabalho da desenvolvedora da série Forza Horizon, a inglesa PlayGround Games (aliás, comprada recentemente pela Microsoft) que foi formada justamente por funcionários que trabalharam em outros estúdios famosos por seus jogos de corrida, como Codemasters, Bizarre Creations, Criterion Games, Ubisoft Reflections, Slightly Mad Studios, Black Rock Studios, entre outros. Um pedigree e tanto!

Com uma equipe talentosa, Forza Horizon é um game agradável para jogadores de qualquer nível, se adaptando muito bem a diferentes estilos de pilotos. Com as assistências ligadas e os ajustes padrão, mesmo aqueles que não tem tanta familiaridade com jogos de corrida conseguem se divertir, junto com o carinha que gastou alguns milhares de reais em um setup com volantes e assentos e adora jogar com dificuldade alta.

Forza Horizon 4 começa de maneira similar aos anteriores, colocando o jogador para disputar algumas corridas básicas que servem como tutorial para as possibilidades que o jogo oferece. Cerca de duas horas depois, depois de conhecer as belezas das quatro estações, o game libera o jogador para poder escolher seu próprio caminho.

As quatro estações, e elas são uma adição importante ao Horizon. Toda quinta-feira a estação muda dentro do mundo de Horizon, e cada estação é um show á parte, quase como se fosse 4 mapas diferentes, permitindo que o jogador descobra o Reino Unido em diferentes cores, da colorida primavera ao ensolarado verão.

Cada estação tem seus desafios próprios, e junto com os eventos normais, podem distrair o jogador por meses a fio. E com a capacidade para até 72 jogadores online em uma mesma seção, dá até para considerar Forza Horizon um MMORG (Multiplayer Massive Online Racing Game). Inclusive vi pessoas comparando a jogos como Destiny, com diversas opções e eventos sazonais vindouros para manter o jogador incentivado a jogar.

Mas tudo bem se nada disso lhe interessar. Eu mesmo no último sábado apenas peguei um Ford Escort RS todo vermelho e pimpão, e fiquei simplesmente percorrendo as ruas ouvindo a rádio XS por um tempão! Outro grande acerto na minha opinião foi o jogo se passar no Reino Unido. Forza Horizon 3 é igualmente um jogo tão bom quanto o novo, mas confesso que a Austrália não me fisgou muito e não joguei tanto quanto eu gostaria, apenas umas 80 horas.

Fica até difícil encontrar algum ponto negativo no jogo, talvez a falta de um co-op local, mas diante de tantos acertos, fica fácil considerar Forza Horizon 4 um dos melhores jogos de corrida de todos os tempos. Não consigo nem imaginar muito o que mais poderia ser feito no próximo, talvez a inclusão de motos? Em algumas corridas temos motos nos acompanhando, quem sabe? The Crew seguiu a opção de apresentar veículos de diferentes estilos, no segundo jogo tem até hovercrafts, e bate aquela curiosidade de saber se a PlayGround conseguiria pegar essa característica do concorrente e aplicar ao Horizon, porém com aquele refinamento que ela demonstra saber executar com maestria.

Mas seja o que for feito, eu definitivamente quero conferir, Forza Horizon 4 é uma carta de amor a todos aqueles que amam dirigir carros e videogames, combinando os dois de uma maneira espetacular. Variedade é o grande trunfo e até mesmo partes que eu não gostava nos jogos anteriores, como provas de drift, em Forza Horizon 4 ficou mais bem equilibrada e gostosa de jogar, pois o game permite ao jogador focar nos tipos de prova de sua preferência, então pude jogar as corridas de drift quando eu realmente estava com espírito para tentar vencê-las.

Foi uma decisão muito acertada da PlayGround em investir na personalização do jogador, que agora pode ter seus próprios avatares que aparecem nas cenas antes e após as corridas. Também é possível comprar casas espalhadas no mapa do jogo, ainda que elas só sirvam como pontos de viagem rápida e modificações básicas. Com certeza essas duas novidades ainda devem ser aprimoradas nos jogos seguintes, anotem.

Ah, e outra coisa a se elogiar é que as micro-transações ficaram em segundo plano e as coisas legais de se comprar são os velhos pacotes de carros e atalhos de experiência, o que não atrapalha o andamento da progressão normal do jogo. Em tempos sombrios como o de agora, isso é um baita acerto da PlayGround.

Vale lembrar que o jogo está incluído no Game Pass e tem um demo disponível, então se ainda não jogou, minha recomendação é aproveitar e curtir Forza Horizon 4 em toda a sua glória, sem dúvida nenhuma, é um jogão!

Extra | O início, da primavera ao outono – Duração: 1h36m

10 Um espetáculo visual o ano todo
10 Trilha sonora continua empolgante
9 Acessível a quase todo tipo de jogador
9 Liberdade em escolher como jogar
10 Técnicamente perfeito
9.6
Tags from the story
, , , ,
More from Mauri Link

GestureTek, o real embrião do Project Natal? [X360]

Andei vendo o vídeo abaixo que mostra um pedaço da convenção Think...
Read More