Dando Nota!Jogando

Análise | My Friend Pedro

Disponível no Nintendo Switch e PC

My Friend Pedro análise review

My Friend Pedro é aquele jogo que mistura piruetas, tiroteios e uma banana falante que lhe serve como guia  em uma aventura surreal, recheado de bom humor. O jogo é uma produção do estúdio independente DeadToast Entertainment (composto por uma única pessoa), com suporte dos malucos da Devolver Digital, que atuam como publisher do título. É uma parceria que soa natural, pois My Friend Pedro tem aquela pontinha de loucura, nonsense, violência e boas tiradas que a Devolver vem apostando muito nesta geração.

Seu lançamento aconteceu agora, no último dia 20 de junho e, por enquanto, apenas no Nintendo Switch e PC. Trata-se de um jogo de correr e atirar, mas um pouco menos frenético do que se espera do gênero. É muito sobre saltar, ser preciso, deixar tudo em câmera lenta e realizar piruetas malucas. Ao jogador é dado a liberdade de atirar em direções opostas, além de rodopiar à vontade – em um estilo semelhante ao balé – para desviar das balas inimigas. Visualmente é quase uma dança, quando, obviamente, tudo funciona.

My Friend Pedro análise review

Prazer, Pedro a Banana

Você, um cara de máscara, acorda em um local estranho. Sem memória alguma. Você não sabe seu nome, quem é ou o que está fazendo ali. Só um único ser está li contigo, e ele diz ser seu amigo: uma banana chamada Pedro. A banana, ou melhor, Pedro lhe diz algo como “cara, olha só, não faça muitas perguntas, os caras aqui vão lhe matar se você não os matar primeiro, beleza?“.

My Friend Pedro análise review

Com esse argumento convincente para dar início a qualquer jogo de videogame, tem início a uma fuga, seguida por uma caçada alucinante por aqueles que querem acabar com o amigo de Pedro. Você logo se torna um alvo, e Pedro vai lhe dizendo para aonde ir, quem matar e como acabar com toda essa loucura.

Talvez a narrativa soe despretensiosa, porém My Friend Pedro sabe construir uma insana história, com toques de surrealismos que justificam toda a loucura do protagonista ao ouvir os conselhos de uma banana. E para um videogame, funciona muito bem. Especialmente quando a trama inspira os cenários e ambientes dentro da aventura.

Em meio a essa loucura, o próprio desenvolvedor encontra brechas para fazer boas piadas dentro do mundo dos videogames, e da própria internet. Uma delas, talvez a que mais se ouviu por aí, é a justifica de que o jogador deve passar por um estágio dentro do esgoto porque fases assim sempre existem dentro dos games mais famosos. É justo. Logo descobrimos os haters e o próprio local em quê a internet se encontra no mundo real.

My Friend Pedro análise review

Dança das balas

Elemento principal de My Friend Pedro, a valsa do jogador em meio a um ritmo de ação em que você precisa atirar em múltiplos inimigos, enquanto pula entre plataformas, fazendo piruetas, desviando de balas e desacelerando o tempo para manter um combo ativo. Esta mecânica é o grande diferencial do título.

E a física do jogo funciona muito bem dentro do que o mesmo se propõem a ser. Especialmente na parte do pulo e das acrobacias. Raramente essa ação de saltar falha dentro do jogo. E ela combina muito bem com o ato de estar sempre atirando nos inimigos. É muito orgânico como estes dois verbos dentro do jogo se somam.

My Friend Pedro análise review

Entretanto me sinto obrigado a dizer: os controles me deram muito trabalho até me sentir confortáveis com seus comandos. Isso jogando no Nintendo Switch, e seus minúsculos joy-cons. Talvez a parte que mais me incomodou foi a utilização dos bumpers e gatilhos no Switch, pois o jogo exige constante de três ações vinda destes botões. São botões que não são tão confortáveis de se usar no Switch.

Outro movimento que fica desengonçado no joy-con foi a relação do botão de pular com a utilização do analógico da direito para usar a mira da arma. Usar ambos em conjunto exige uma destreza sem tamanho. O que minimiza esse efeito desordenado é o lance da utilização da câmera lenta, que dá ao jogador tempo para usar outro movimento e comando, enquanto o tempo está quase parado.

My Friend Pedro análise review

Tempo a seu favor

E sim, desacelerar o tempo é uma mecânica primordial para “dançar” bonito em My Friend Pedro. Quando o jogo está nesse estado de lentidão, os saltos se tornam mais cinematográficos, o personagem dá mais cambalhotas e torna-se mais fácil para mirar e acertar os inimigos.

O próprio contador de combo funciona melhor com o constante uso dessa mecânica. No tempo normal, tive uma leve impressão de que contador diminui muito facilmente até que o jogador consiga chegar a outro inimigo. Saltando em câmera lenta, fica mais eficaz manter o combo ativo.

My Friend Pedro análise review

My Friend Pedro consegue assim um bom ritmo entre a ação desenfreado, porém cadenciada a lentidão de uma mecânica que torna o combate melhor planejado. O que, por consequência, cria cenas incríveis em quê o jogador está no ar, caindo de uma plataforma, atirando, e ao chegar no chão conseguiu eliminar três ou quatro inimigos.

Vale lamentar até que o jogo não tenha nenhum sistema de replay, na qual o jogador possa assisti a esse balé após uma fase vencida. Gostaria de ter visto algumas das minhas vitórias em replay sem o uso da câmera lenta. Uma pena que não haja esse feature no jogo. O que existe é uma pequena tela ao concluir a fase que mostra pequenos momentos do que você fez no estágio, mas nunca a fase toda.

My Friend Pedro análise review

Ambientes e situações

My Friend Pedro, no geral, tem ambientes muito parecidos entre si. Ao todo são quatro mundos que compõe o game, que não é tão longo como talvez possa parecer. O terceiro mundo é o mais deferente dos demais, se passando em uma espécie de alucinação do protagonista. É aqui que as coisas ficam diferentes e bem interessantes do restante do game.

My Friend Pedro análise review

Além disso há também pontuais momentos em que o jogo tenta apimentar suas regras e dinâmicas. Há uma fase de moto, outra em um trem em movimento. Há batalhas de chefes e mais próximo do final do jogo, armadilhas são criadas para exigir mais habilidades acrobáticas do jogador, pois nesse ponto você já está mais especializado no combate. Porém, não se engane, a fórmula principal se faz presente e o jogo tem muito do mesmo em grande parte de sua jornada.

A maior parte dos estágios tem como foco o combate frenético entre inimigos que saem de portas ou estão em plataformas. Mas conforme o jogo progride outras situações vão criando outras situações além do puro combate. O mundo alucinógeno, por exemplo, tem diversas situações de saltos e plataformas que adicionam um ritmo divertido, especialmente aos demais mundos, que possuem ambientes mais fechados.

My Friend Pedro análise review

Armas e… uma frigideira

No que diz respeito ao combate, faço elogios ao sistema de armas, que também cria variações que impedem que o ritmo se torne enjoativo. Inicialmente o jogador tem um par de pistolas, que podem ser usadas em direções diferentes e possuem munição infinita, o que funciona dentro da premissa arcade do título. Entretanto outras armas vão sendo adquiridas e se tornam mais interessantes que o par básico de pistolas.

Gostei em particular da espingarda, que elimina inimigos com um único tiro caso o jogador esteja próximo o suficiente. Porém essa não é uma arma dupla, e só pode ser usada em uma única mão. Dentre o catálogo oferecido pela aventura estão um par de metralhadoras, um rifle de assalto que solta uma granada (que me matou constantemente pelo uso errado do botão) e um rifle de sniper que é destravado no último mundo. O uso da sniper é interessante porque não exige que o jogador fique parado. Nada disso, o ritmo continua, independente da arma utilizada. Você nunca está parado em My Friend Pedro.

My Friend Pedro análise review

Outra mecânica interessante diz respeito a placas de metal e uma frigideira. O jogador pode atirar em placas e as balas serão sempre redirecionadas aos inimigos dentro do raio de alcance, o mesmo vale para uma improvável frigideira que pode ser encontrada em alguns estágios. O jogador a chuta para o meio dos inimigos e descarrega seu pente na mesma. Ao fim, todos os inimigos estarão mortos.

My Friend Pedro análise review

Considerações finais

My Friend Pedro é um interessante e divertido jogo independente. Admito que me surpreendeu em diversos momentos, e sua narrativa me deixou intrigado para saber como o jogo terminaria. Mas não crie muitas expectativas quanto a isso. Ao menos pra mim, a conclusão me pareceu meio decepcionante. O humor ao longo da jornada é certamente o melhor de sua narrativa.

Mecanicamente também vi problemas, ao menos com os controles do Nintendo Switch. Gostaria de tê-lo testado em um Pro Controller ou quem sabe em um controle de outra plataforma, como do Xbox One. Uma pena que não pode fazer isso. A proposta do jogo é divertida sim, mas a curva para se acostumar é maior do que achei que seria. A diversão surge depois de certa insistência em aprender e se acostumar.

My Friend Pedro análise review

No geral o título cumpre o básico de seus aspectos técnicos. Visualmente é bacana, mas nada que impressione em seu design. O som também é okey, sem nenhuma trilha que tenha grudado na cabeça. Seu melhor atributo sem sombra de dúvida diz respeito a sua jogabilidade, especialmente quando o jogador se acostuma com os controles e todos os recursos que advém de suas mecânicas.

Pensando em títulos recentes que a Devolver distribuiu no Nintendo Switch, tais como The Swords of Ditto e Katana Zero, considero que My Friend Pedro foi o mais fraco dentre essa rodada. Katana Zero – que tem uma proposta realmente parecida com My Friend Pedro – tem um estilo, ação e fluidez bem mais assertiva. Claro que, mesmo todos estes poréns, o título se sai muito bem dentro do que se espera de um jogo independente. O que ele promete fazer o jogo faz de uma forma original e divertida.

My Friend Pedro análise review

Galeria

Dando uma nota

Proposta da dança de balas sustenta a originalidade do jogo - 8.5
Curva de aprendizado dos controles é maior do que se espera - 7
Narrativa que aposta em um bom tom de humor - 8
Visualmente é bem simples, porém nunca se torna feio - 7.5
Estilo bem arcade, não é longo, mas aposta em rejogar por melhor pontuação - 7
É estiloso quando se pega o jeito da ação - 7.9
Sabe criar bons momentos, e mantém o ritmo do começo ao fim - 8

7.7

Bom

My Friend Pedro é um jogo independente com uma ótima ideia. Executa muito bem essa ideia em parte, quando os controles clicam na mão do jogador. É divertido e instigante, ainda que no geral ele seja bem básico em seus aspectos mais técnicos.

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios