JogandoReflexões & Opiniões

[Reflexão] Gamer Desde _ _ _ _ ?

Nem questão de vestibular ou prova, muito menos pedido de namoro ou casamento. A pergunta que me fez ficar pensando por quase uma semana antes de responder surgiu quando eu estava finalmente completando meu perfil na PlayFire – o chamado “Orkut” dos games.

Já faz um tempo que entrei pra PlayFire (que em breve vou esmiuçar aqui no Portallos) mas só agora depois de ver as “novas novidades” e o inteligente esquema de dar pontos para cada coisa que você faz que me empolguei a completar o meu perfil.

Este é o meu perfil na PlayFire. Faça o seu também!

E lá estava a derradeira pergunta, em apenas duas palavras, com uma caixa de texto logo em seguida, aguardando a minha resposta de quatro digitos.

Gamer since: _ _ _ _

Na verdade não é bem uma pergunta, mas sim uma afirmação. “Gamer desde: _ _ _ _.” Mas a raiz da crise existencial que tive para responder (ou preencher, tanto faz) essa informação vai muito além.

O quê exatamente é um “gamer” ? Será que é simplesmente quem sabe e acompanha, ainda que de longe, os games? Que joga de vez em quando para se divertir, nem que seja paciência no computador, ou aquela cobrinha come-come no seu celular usando e abusando das teclas 2 – 4 – 6 – 8 (Snake, para os íntimos)?

Ou será que para ser mesmo gamer a pessoa precisa ter algum console ou portatil, e uma quantidade razoável de jogos? Esse era o primeiro problema.

"Razoável" cabe bem aqui, não?

Definido isso (que aliás não defini nada, só sei que sou gamer e pronto) vinha a segunda parte do momento filosófico: mas desde quando eu sou gamer?

Existiria quem sabe algum gene que tornasse certos seres humanos pré-dispostos a se maravilharem com as possibilidades apresentadas pelos videogames, e a mágica que acontece na tela quando se aperta alguns botões (ou se mexe algum controle, ou se toca na própria tela…)?

Achievement Unlocked: Baby Gamer

Ou será que para se tornar gamer a pessoa precisa ser de alguma forma “apresentada” aos games? São tantas pessoas no Brasil e no mundo que parecem simplesmente ignorar a existência deles (recuso-me a acreditar que eles não saibam, ou pelo menos nunca tenham visto algo a respeito) que talvez essa seja a resposta.

No meu caso, por exemplo, meus pais tinham e jogavam um Atari (e sim, me deixavam jogar) e meus primos um Super Nintendo e um deles um Game Boy (ah, o Game Boy…). Então desde muito cedo cedo mesmo eu já sabia que eles existiam – mas ainda assim não era um “gamer”. Sem contar que já acompanhava uma ou outra publicação especializada, e meus olhos brilhavam sempre que eu via algo do gênero (e sim, eles ainda brilham).

No final das contas, que não foram poucas, cheguei à uma conclusão: 2003 é o ano. O mágico ano quando comprei, por incríveis R$ 30,00 um Game Boy Color do modelo Roxo-transparente sem a tampa das pilhas, com os cartuchos Donkey Kong Country e Pokémon Gold (infelizmente em “versões” que deixariam Miyamoto e cia. Com vergonha de mim, e quem sabe até raiva) de um professor e amigo meu, na 8ª série.

E aqui começou a saga do Hunterpiro

E assim começou minha vida gamer – que hoje aliás está melhor do que nunca. Com a dupla dinâmica DS e DSi, um PS2 que comprei por impulso (e na vontade de jogar Gran Turismo, Metal Gear e outros), e uma coleção de games que me renderia muitos pontos no Clube Nintendo. Mas aí vem a pergunta final:

Será que existem ex-gamers?

Se existem, não os conheço. Eu é que não serei um deles!

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.