Japão

Sacrifícios necessários? Zero mostra sua verdadeira cara e sua determinação! [Code Geass Vol.2] [MdQ]

A pergunta que não quer calar: quem sobreviveu ao primeiro volume? Acredito que com o primeiro MdQ e toda a coisa se Mechas fora, alguns personagens sumidos, e personalidades um pouco mudadas muitos tenham desistido da compra. Mas fã que é fã é uma desgraça né? Compra até o fim, e essa é umas das coisas que motiva a continuar lendo a adaptação. Avante sobreviventes! Cliquem no “Continue” para discutirmos mais um volume.

O volume começa no núcleo escolar, bem calminho. A entrada da Kallen para o conselho ficou com uma desculpa esfarrapada na minha opinião. Esfarrapada pode ser até exagero, pois sentido ela faz. Zero precisa vigiar a garota de perto para evitar qualquer traição ou algo do tipo. Mas ficou meio estranho de como a proposta foi introduzida. Momento “melhores amigos”, do Lelouch e do Suzaku foi bacana, gostei dessa parte para melhor explicar a relação deles de perto.

Um dos grandes acontecimentos do volume foi a acusação do Suzaku pela morte do governador geral, e o resgate feito por Lelouch. Eu gostei bastante de como foi retratado essa cena no mangá, deu a sensação de medo amim, semelhante a que tive quando vi Lelouch marchando contra a horda da Britânia. A pergunta ficava sobrevoando minha mente a todo momento: aquela coisa de papelão vai desmoronar?

Suzaku salvo, e uma das melhores partes do mangá. Na verdade uma das mais cruciais em termos de história e personalidade, algo que é sublime em Code Geass. Dessa vez Majiko não deixou a peteca cair, e deu um show de bola nas expressões e nas passagens de quadro. Igualmente para o fragmento que origina o apelido de “Orange” para Jeremiah. Uma pena a Villetta não existir, pois isso sem dúvida deu um desespero bem maior a coisa toda, já que ela praticamente o ignora após o evento, mesmo sendo parceiros de longa data, aparentemente.

Teve também a reaparição da C.C., e ainda bem que a personalidade dela continua intacta. Aquele desdém com uma pontinha de preocupação sem dúvida é um dos charmes da persanagem. Pizza is back! Rá! muito bom também terem incluído isso assim como a historinha do gato. Na primeira vez rolou a tensão de alguém descobrir a identidade do Lelouch, principalmente a Kallen que tem um papel “maior” na trama do mangá, e o Suzaku por motivos óbvios.

Já falei isso no volume anterior e repito: não gosto de todo mundo virar estudante assim. Neste volume foi a vez da Euphemia. O encontro ser ambientado na escola, ao invés de num passeio pela cidade fez a história perder um pouco da grandiosidade da perspectiva mais geral quanto as diferenças entre as classes. Apesar disso, ri com a piadinha da bola de futebol. O encontro do Lelouch, como a maioria do mangá, foi apressado aqui e já houve a revelação oportuna para o caso do sequestro da frente de libertação do Japão.

Euphemia me pareceu bem mais determinada no mangá que no anime na hora de se declarar princesa Britanniana para “salvar” a todos os sequestrados. Também passou bem mais perrengue, já que não lembro dela ter ficado no meio do tiroteio que Zero provocou.

A esta altura o leitor é conscientizado da posição de Zero como guerreiro da justiça, protetor dos fracos, assim como o mundo da série. As últimas páginas valeram o volume todo pra mim. Desespero, nenhuma piedade, mortes, tudo pelo bem de uma “causa maior”. O impacto do que é Code Geass foi captado verdadeiramente nestas páginas. Zero manipulando as pessoas a sua volta com o Geass, e destruindo todos – sem distinção – que possam le opôr. Jeremiah pulando na água inútilmente buscando Zero. E a raiva e o ódio de Suzaku cimentados pelas ações de seus melhor amigo.

“Na próxima vez que alguém tentar me impedir…” Nessas palavras ecoaram a força e o lado mais sombrio da figura que chamam de Zero. Um marco Zero na história do mangá sem dúvida este volume 2. Bem, nos vemos no próximo MdQ!

Isso também pode lhe interessar

Rackor

Gamer de fliperamas aos consoles, passando pelo saudoso GB Color e seu Pokémon Yellow. Leitor de mangás, e dou preferência a estes ao invés de animes. Mais recentemente descobri as HQs, e desde então sou fã da trajetória de Geoff Johns em Laterna Verde, entre outros clássicos como Watchmen.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.