Quão longe você iria, para salvar quem ama?

Quão forte é a sua determinação? Akemi Homura em Madoka Magica: emoção!

Pois é, comentei ainda no Portallos antigo que havia começado e terminado Madoka na terça-feira. Animê excelente, merecedor de todos os elogios que li sobre ele até agora. Não sei se, pra mim, será o animê do ano, porque Mawaru Penguindrum realmente me marcou mais até onde vi, mas estará no Top 3 muito provavelmente. Ele é, antes de tudo, extremamente bem feito, e extremamente bem bolado. Bem feito em questões técnicas: OST e animação soberbas. Bem bolado por redefinir o conceito paralisado no tempo que eram as histórias de mahou shoujos. Não só conseguiu fazer isso com primazia exemplar, como fez isso em apenas 12 episódios.

Este post contém spoilers. Despois do continue entro no ponto principal que quis tratar aqui, e sou bem específica. Se não assistiu Madoka Magica até o final, recomendo que não siga em frente na leitura.

Mas este não é um review de Madoka. Reviews são burocráticos… tenho que cobrir os pontos x, y e z para que esteja completo, e soa como se eu estivesse avaliando, como se eu tivesse o direito de avaliar alguma coisa. Não. Estou aqui para falar sobre como Akemi Homura é foda. Essa imagem que abre o post foi um print que tirei enquanto assistia ao episódio 10. Aquele episódio 10; sei que vocês me entendem. Homura acordando no hospital, depois de ver Madoka morrer três vezes, e sendo a última a pior de todas… a em que Homura tentou avisar as outras sobre Kyubei, não acreditaram, Sayaka virou majo e então Mami ficou berserk e matou Kyouko, morrendo pela flecha de Madoka quando tentou matar Homura. As últimas sobreviventes do grupo foram juntas à Walpurgis Night… estavam morrendo juntas… virariam majo juntas… mas a Madoka tinha uma Grief Seed sobrando. Salvou a amiga e a fez prometer que não permitiria que ela se tornasse Mahou Shoujo, quando voltasse ao passado, e ainda pediu para que ela a matasse, antes que virasse majo ali mesmo.

Vocês imaginam o que é acordar depois disso? Não é como se a cada retorno se passasse x tempo. É imediato. Como é continuar a viver, com tudo isso nas costas? Lutando sozinha, sem que ninguém saiba ou se lembre? Um choque suficiente para que ela se transformasse na Homura que conhecemos no início do animê (embora ainda tenha falhado uma vez mais, não por Madoka ter morrido, mas por ter virado a Mahou Shoujo mais poderosa e, então, ficado destinada a se tornar também a maior majo), e aí entendemos o sofrimento que aparentava, na primeira conversa com a Madoka, indo à enfermaria. Se segurando… Então, realmente, how far would you go, to save someone you love? A frase é de Heavy Rain, mas me lembrei imediatamente dela quando assisti ao décimo episódio. Quantas vezes a Homura repetiu esse mês? Quão importante a Madoka é para ela? É a única coisa que importa? É… impressionante. É comovente. É absurdamente triste.

Mais triste ainda se tudo terminasse sem a Madoka saber disso. Sacrifícios secretos estão entre as coisas que mais me emocionam em qualquer mídia, e quando as coisas se acabam sem a revelação, um mínimo de reconhecimento ou gratidão, e ainda por cima dão errado, desabo, é demais pra mim. Code Geass tem muito disso no final, (spoiler) com a Kallen percebendo o plano do Lelouch só naquele fatídico momento… o que deixa a história deles ainda mais triste, dada a frieza e impassividade com que ele recebeu o beijo dela, a última tentativa de dissuadi-lo da tirania de imperador, alguns episódios antes. (fim do spoiler) Blood+ também tem isso… (spoiler) os séculos e séculos de Haji servindo a Saya, e ela descobrindo isso finalmente, aquele lindo momento no episódio final em que ele se declara, e então a “morte” dele e a hibernação dela. (fim do spoiler) Acho finais tristes épicos. Madoka, no episódio 11, teve o ápice em termos de cenas tristes; chorei muito com o abraço da Homura na Madoka, contando tudo. Chorei também bastante no 12, mas esse episódio final teve uma sensação de “deu tudo certo” no fim das contas, então não consigo achá-lo trágico e juntá-lo ao exemplos acima. Mas não estou dizendo, de forma alguma, que é pior.

As cenas da Homura com o laço da Madoka na cabeça, no encontro com a família dela, são lindas, e fiquei muito feliz de ver que a relação dos incubadores com a humanidade em si foi totalmente alterada. Entendo a raiva que muitos têm do Kyubei, mas essa cena final mostra bem como eles são apenas seres extremamente racionais e privados de emoções. Não é maldade… eles sequer entendem nossos critérios de avaliação de ações entre boas ou más, enganosas ou verdadeiras. Fiquei em paz com a raça dele, depois de não ter conseguido evitar uma certa raiva com a mais do que intencional morte da Kyouko pela Sayaka majo, provocada por ele querendo que então a Madoka virasse Mahou Shoujo por falta de opção. E falando na Madoka, é minha segunda personagem favorita no animê. É muito raro eu gostar tanto de uma protagonista, ainda mais com esse design infantil e cor de rosa dela, mas tudo o que ela pensou ou fez foi… certo. É o que a mãe dela dizia, sobre ela ser 100% correta, não mentir, tomar as decisões certas. Até o fim, todas as suas ações foram foda e pensando nos outros. Chorei pela bondade dela vendo o pedido que fez ao Kyubei, condenando-se a eternamente viver para isso. Mas não sozinha, porque a Homura se lembra dela, e na última cena, com uma Terra aparentemente mais uma vez num dia apocalíptico, as duas estão juntas, cada uma em uma frente, lutando com tudo o que podem, se apoiando uma na outra. É lindo, e podem rir… embora eu duvide que quem assistiu consiga rir do que falei, porque é a verdade; é lindo mesmo, e muito foda.

Isso também pode lhe interessar

24 Comentários

  1. Anime foda!!!! Vê o que a Homura passou foi uma das coisas mais tristes que já vi em um anime e por isso foi dificil não se abalar ao descobrir a verdade sobre ela, o porque de suas ações. Engraçado que enquanto muitos ficaram com raiva do Kyubei, eu nunca consegui. Pois para mim além dos motivos que vc citou no post, eu penso que assim como as garotas usaram o Kyubei para realizar seus desejos "egoístas", Kyubei também as estava usando de sua forma "egoísta'. Se Alfonse e Edward de FMA tivesse ali tenho certeza que diriam que essa é a tal "lei da troca equivalente", onde nem sempre o valor do que se obtém é justo quando comparado com o que se perde.

      1. Eu usei o exemplo de FMA, pois é a série que recentemente abordou esse tema com bastante enfase e nem sabia que em Tsubasa tinha isso também já que nunca assisti.XD

          1. Não li Tsubasa, mas em Holic é realmente repetido do começo ao fim. XD O preço nunca pode ser muito alto nem muito baixo.

          2. Não sabia mesmo…Quanto a xxxHolic eu li só os primeiros 2 volumes do mangá e a muito tempo por isso nem me lembro mais.

  2. Post muito bonito falando de um anime bem marcante, confesso que não me emocionei tanto quanto a Dakini ou meus outros amigos que assistiram o anime mas sei que o anime é bem marcante por causa disso, tive alguns conflitos de opinião no twitter com esses mesmos amigos por não ter "entendido bem o anime".

    Concordo 100% com o texto sobre a Homura, já acho muito interessante quando colocam elementos de viagem no tempo em uma história (voltar sempre pro mesmo dia mas mantendo as lembranças) mas aí me colocam essa história emocionante da Homura e não tem como não "se apaixonar" pela personagem. Ela pra mim no começo era misteriosa demais, não era nem boazinha nem malvada, só depois do fatídico episódio 10 que realmente gostei dela não só pelo fardo que ela carregava, mas por ser badass também (convenhamos, explosivos são awesome).

    Outra coisa que achei muito interessante no anime foi a relação do Kyubei com as personagens, por ele não ter noção do que fazia era errado "afinal, o que é uma vida humana em um planeta com 6.9 bilhões de pessoas?" sim, extremamente cruel para nós, especialmente quando uma pessoa que conhecemos como no caso quando a amiga "de cabelo verde" da Madoka é "atraída" (não lembro bem das circunstâncias) por uma Witch.

    Fiquei incomodado com algumas coisas do plot, mas que não atrapalharam em NADA na história geral, outra coisa que me deixou meio :/ foi o traço do anime e os modelos das personagens (em especial a Madoka), mas também não atrapalhou em nada, sou daqueles que se uma história é boa ela pode ser contada até com bonequinhos palito.

    Uma coisa que me deixou surpreso foi a qualidade da animação em certas lutas, em especial a que a Sayaka pira e destrói a Witch sem perdão e também quando elas entravam nas barriers que era um estilo meio "retalho". Mas o que me surpreendeu DE VERDADE foi a ending, nunca fui de ouvir endings, sempre pulava, mas em madoka eu fazia QUESTÃO de ouvir, até nos epis que não tinha eu ficava >:///

    Ótimo post sobre um ótimo anime, meus parabéns Dakini.

  3. Claro que você ia achar foda as mesmas partes que eu achei, né? XDDD
    Me arrepiei só de ler e relembrar a descrição dos acontecimentos que levaram a Homura a ficar como no começo do anime. Uma das coisas que repetem algumas vezes na série é que usar seu desejo pelos outros acaba trazendo arrependimentos, e dúvidas sobre se ele é realmente pros outros e não pra que fiquem gratos a você. E ela consegue mostrar que realmente pensou na Madoka e apenas na Madoka ao fazer tudo que fez.
    Vi os episódios 10, 11 e 12 um grudado no outro, e… Chorei MUITO (e mais algumas vezes ao lembrar) na parte do abraço na Madoka, foi quando "jogaram na minha cara" o nível do sacrifício – ver o que viu e depois de tudo isso ter que se distanciar completamente da pessoa que considera mais importante, apenas pra evitar que ela sofra.
    E logo depois disso no episódio 12, fiquei vidrado, achando extremamente foda e lindo o desejo da Madoka, e logo depois eles ME DÃO UM GOLPE BAIXO fazendo com que ela visse tudo que a Homura tinha feito. E correspondendo a isso tudo, "Saikou no tomodachi" indeed. T_T . E repete o que a amiga fez num grau infinitamente maior, "sumindo" para salvar a todas sem que ninguém fosse lembrar dela. Não sei em qual das cenas, chorei mais, acaba se juntando tudo numa coisa só, e é uma das amizades mais fodas que me lembro de ter visto na vida (tenho um fraco incrível por histórias assim).

    Realmente concordo em tudo, inclusive quanto ao Kyubey… Bah, tenho a sensação de que nem adianta comentar muito porque acabo simplesmente repetindo o que você escreveu, só que pior. >_> E a sensação de que preciso ver Code Geass.

      1. Bem no final, minha favorita é a Madoka falando com a Homura. T____T Como eu disse no post, acho foda, muito lindo as duas estarem enfrentando tudo juntas. T______T E é a ÚLTIMA cena mesmo.

  4. Tb chorei muito nesse anime!Recomendo lerem o mangá, a PUNCH terminou de traduzir tudo.No manga é retratado algumas cenas com mais detalhes e falas.

    1. A Punch só disponibiliza o leitor deles, o mangá provavelmente algum outro scan que deve ter traduzido(provavelmente a Falcon, que é posta no leitor deles).

  5. Anime simplesmente ÉPICO, mas com essa minha péssima memória nem lembrava de alguns momentos citados. XD

    Um anime bem inovador, que quebra todos os conceitos de Mahou Shoujo, com uma animação única, traço único, história única. Um clima bem construído, principalmente o mundo das "bruxas" que possui um design totalmente psicodélico, como uma fantasia ou até mesmo como se as personagens estivessem sobre o efeito de alguma droga.

    Além da Homura um personagem que me marcou muito foi o Kyubey, que "vilão" bem construído aquele, dando uma reflexão que vai muito além do anime (fato, quando invento de discutir sobre Madoka Magica com meus amigos só falta rolar facada). Afinal Kyubey é mau? Não seria ele igual aos humanos em relação às raças inferiores? Alimentando seu "gado" para um dia conseguir o alimento.

    E putz, a ending é perfeita demais, quando começou a tocar a música no primeiro epi já tive certeza que tinha acertado na escolha do anime, e o finzinho da ending ainda dá um certo medo, com uma imagem se formado através das sombras.

    Nossa nunca tinha escrito tanto em um comentário, me empolgo quando vou falar de Madoka. XD

  6. "Sacrifícios secretos estão entre as coisas que mais me emocionam em qualquer mídia, e quando as coisas se acabam sem a revelação, um mínimo de reconhecimento ou gratidão, e ainda por cima dão errado, desabo, é demais pra mim."

    Pqp Dakini, deu vontade de colar essa parte do texto aqui e ir embora, mas não, tenho que comentar também. Você quando começa a comentar no twitter sobre algum anime que está assistindo me dá vontade de assistir automaticamente, e foi o que fiz. Assisti Madoka Magica em duas parcelas, 7×5, e se soubesse do que se tratava teria assistido muito, MUITO antes. Próximo do final do episódio 12, eu ainda processava toda a informação pra ao menos ter idéia do sofrimento da Homura, quando a Sayaka desaparece por causa da "negação da mudança", e a Humora com o laço vermelho na mão diz "Madoka" baixinho quase chorando, foi um choque, eu mesmo estranhei pois DO NADA eu quase chorei instantaneamente. Não quero nem falar mais nada pra não estragar a vibe, pretendo assistir denovo ainda esse ano.

    Mais um belo post, Dakini, admiro seu trabalho!

  7. Madoka Magica, Top 10 fácil! Qualidade SHAFT de animação! Não vou fazer mais um review aqui, até pq já fiz no antigo Portallos, e tbm pq já escreveram bastante aqui. Só uma coisa: Madoka é awesome!!! =D

  8. Nossa, Madoka Magica foi incrível, cada episódio que assistia, só me deixava mais ansioso pro próximo, claro que no começo eu não gostei muito (assim como em outros animes que adoro, tipo Durarara!! e Steins;Gate) mas o desenrolar da história é uma coisa magnifica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.