Reflexão: Console Wars are over?

Todas as empresas de games seguem caminhos diferentes que se cruzam?

A indústria mudou. De uns tempos pra cá os games começaram a vender tanto,  até mais que filmes. Buscando os novos consumidores deste crescimento veio a Nintendo. Veio a Microsoft, e timidamente veio a Sony. A tirinha acima me fez pensar que a minha opinião sobre o panorama atual da indústria talvez não esteja tão doida assim.

Como a tirinha acima fala, parece que as Console Wars que acompanharam quase toda vida da indústria simplismente não fazem mais sentido. Como comparar empresas que buscam coisas quase que completamente diferentes? Mais ainda sim semelhantes nos objetivos finais?

Na minha visão: Nintendo se firmou como a “diversão da família, inovação”, e que o hardware se exploda. Eu não acho que ela está errada, pois seus jogos ainda funcionam em plataformas neste estilo, e talvez sem elas até perdessem seu brilho. Imaginem um Zelda sem novos periféricos e novas formas de usar os itens? Ia acabar sendo o mesmo jogo todas as vezes.

A Microsoft conseguiu fazer algo diferente lá com o Kinect, e conseguiu pegar um pouco do mercado da Nintendo, mas talvez por ter começado nesse nicho (se posso chamar isso de nicho) a menos tempo, ainda não conseguiu se equiparar à Nintendo. Investiu na XBLA, aonde estão seus principais, e basicamente deixou para as 3rds o mercado de grandes produções.

A Sony tentou copiar exatamente o periférico da Nintendo sem uma base tão boa instalada, e falhou miseravelmente. Afinal porque trocar o Wii por algo com menos jogos e experiência parecida (além de mais caro)? As grandes produções continuaram (e até as cópias), e é a base mais sólida do mercado para RPGs e outros jogos mais niche, inclusive grandes exclusivos japoneses.

É estranho perceber que em  parte do tempo as comparações que alimentaram fórum, discussões por anos em relação à indústria não fazem mais sentido algum.

Talvez até a reclamação geral com a E3 “fraca” não seja tão condizente, ou foi só eu que percebi que de uns anos pra cá o show não é muito mais para nós “Hardcore” (não acho o termo mais adequado, mas em falta de outro, vai esse mesmo), e sim para o grande público que quer ver um livro interativo da J.K. Rowling, um Rayman musical controlado por tablet, ou um uso inusitado para as funções do Kinect.  A parte das grandes produções, dos gráficos, da jogabilidade de apertar botões ainda está lá, só se tornou a parte menor do show.

No final o que importa mesmo é sentar-se no sofá e se divertir, não é? Diga aí nos comentários a sua visão disto tudo.

[Créditos da tiranha à  Magical Game Time]

Isso também pode lhe interessar

13 Comentários

  1. É por isso que eu (feliz dono de PS3) estou tratando de arranjar um Nintendo Wii e um portátil (decidindo ainda) e na prox gen tb quero ter todos 🙂

  2. Perfeitas, tanto a tirinha quanto a postagem. Que isso sirva para aquelas pessoas que vivem dizendo “Nintendo está se matando, não consegue alcançar as outras” ou para as que brigam sobre qual o melhor entre Xbox e Playstation. No final o que importa é a diversão, e cada um que procure o que atende melhor ao tipo de diversão que mais gosta.

  3. Perfeitas, tanto a tirinha quanto a postagem. Que isso sirva para aquelas pessoas que vivem dizendo “Nintendo está se matando, não consegue alcançar as outras” ou para as que brigam sobre qual o melhor entre Xbox e Playstation. No final o que importa é a diversão, e cada um que procure a melhor forma de diversão para si.

  4. O problema é que em vez de unificar são necessários mais de um console para jogar tudo que é legal, mas na verdade nem que você passe a vida toda só jogando você não vai jogar tudo que você quer (pelo menos não platinando, com todos os finais, 150 ou mais e tal) e o mesmo vale pra animes, séries, EXPERIÊNCIAS, tudo! Só de olhar o catálogo do netflix, de saber que eu nunca joguei FF7, ou de ver que eu nunca li/vi Code Gueass eu vejo o quanto eu ainda sou “n00b”, mas e daí… video games não foram feitos pra diversão?
    ps: nossa viajei muito, num tem nem mais a ver com o post… foi mal ^^

  5. concordo com tudo que ta escrito no post eu pensei a mesma coisa sobre a E3 desse ano ter sido feita pra um publico em geral e não só para os gamers, pela primeira vez eu acompanhei a E3 ao vivo e pra mim o que as empresas estão tentando fazer não é mais entretenimento de jogos eletrônicos mas só o entretenimento eletrônicos, os jogos não são mas só jogos, são franquias e hj produtoras sao empresas acima de tudo 

  6. Eu acho besta e exagerada essa ideia grudenta que as pessoas gostam de repetir de que a Nintendo faz jogos leves que fazem você sentir como criança de novo e o resto é entendiante como nossa realidade (acho até não-saudável esse tipo de pensamento, sem falar no absurdo de comparar com fila de banco coisas realistas tão fodas). Eu não jogo pra me sentir uma criança nem acho a realidade chata, jogo pra me divertir. Se tem algo que me entendia é ver essas console wars.

  7. Acho esse ideia de só jogar games com uma grande capacidade gráfica coisa de gente com a mente limitada. A Nintendo mostrou com Zelda: Skyward Sword que não é preciso um console ter grande potencial gráfico para um jogo ser bonito. Há ainda pessoas que desmerecem jogos por serem infantis. Desculpa, mas um jogo ser infantil, não o desmerece. Jogos como Kirby, por exemplo, são considerados infantis, mas, mesmo sendo uma experiência mais fácil que Mario Bros., ainda gera diversão em algumas pessoas. Acredito que pessoas que não gostam de jogar Mario, Kirby, etc. não seja nem pela franquia em si, ou os gráficos, mas sim o estilo dos jogos, não é a todos que o gênero plataforma agrada. Inclusive ouvi essa semana que um fulano da CNN disse que Pikmin era infantil. Desculpe, mas, ao meu ver, apesar de na prática a classificação etária ser o contrário, God of War, por exemplo, é mais acessível a “mente” de uma criança que Pikmin. Não me envergonho de dizer que, pelo menos para mim, Pikmin foi mais difícil que GoW. E sem querer desmerecer a Sony, mas ela é ótima em copiar as ideias da Big N. Sou nintendista, mas nem de longe odeio a Sony, pelo contrário, já tive um PS2 gosto de muitos jogos do console, mas, acredito que pela falta de franquias (que do outro lado, a Nintendo tem), a Sony se torna sem sal. Um das melhores franquias dela é GoW, mas por ser muito violento se torna pouco acessível ao público. Nisso, a Nintendo é bem mais inteligente. Mario, Zelda, Kirby, Metroid, Fox, e tantos outros, só são o que são pela grande acessibilidade ao público, acredito eu (claro que Miyamoto foi um gênio, também). Também acho que o público que se auto-intitula hardcore deveria engolir o orgulho um pouco e começar a provar jogos mais casuais, não há problema nenhum com isso, aliás, melhor pra pessoa que faz isso, só vai estar expandindo seus horizontes. Inclusive, esse é um problema que vejo em mim, por ser nintendista.

  8. “Na minha visão: Nintendo se firmou como a “diversão da família”
     
    A nintendo não se firmou como a diversão da familia ela sempre foi uma empresa pra familia, basta você apenas se lembrar do nome do primeiro console da nintendo pra saber disso.

  9. Na minha visão: Nintendo se firmou como a “diversão da família, inovação
     
    A nintendo sempre foi a empresa da familia ou vc esqueceu o nome do primeiro console da empresa.

  10. Na minha visão: Nintendo se firmou como a “diversão da família, inovação
     
    A nintendo sempre foi a empresa da familia basta vc lembrar do nome do primeiro console pra saber disso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.