Conversa de MangáFolheandoJapãoLendo

Edição 1 | Your Lie in April e a melodia que supera tudo! (Impressões)

Talvez alguns conheçam este mangá por outro nome: Shigatsu wa Kimi no Uso. Este é o seu título original japonês e que também é utilizado no catálogo da Crunchyroll.pt para a versão em animê da série aqui no Brasil. Your Lie in April me parece ser como o título foi licenciado globalmente (exceto no caso do Crunchyroll.pt), chegando inclusive em mangá por aqui com o nome em inglês.

Admito achar estranho quando um mangá japonês acaba sendo licenciado com um nome em inglês para leitores brasileiros. Porém este não é o único caso por aqui. A Panini também lançou com o título em inglês o mangá One Week Friends (Isshūkan Furenzu) e The God’s Lie (Kami-sama ga Uso o Tsuku). E curioso que há títulos que chegam por aqui com seus títulos totalmente traduzidos, como é o caso de Shingeki no Kyojin ou Attack on Titan, como é também conhecido, e aqui oficialmente o mangá sai como Ataque dos Titãs. Outro atual que pode ser mencionado é o Sakamoto desu ga? que aqui tem saído como Quem é Sakamoto? e com um subtítulo “Eu sou Sakamoto, você sabe”. Claro que isso provavelmente acaba sendo aquelas maluquices de licenciantes, tem aqueles que deixam traduzir, tem quem não deixa, tem quem obriga o nome internacional (quase sempre em inglês) e tem quem pede o título original em Japonês. Enfim, cada caso é um caso. Ah, só mais um exemplo: Ansatsu Kyōshitsu que internacionalmente é conhecido como Assassination Classroom e é assim que é publicado por aqui.

Enfim, então vou tratar de Shigatsu wa Kimi no Uso usando o título oficial do mangá pela Panini, mesmo que este seja um daqueles casos em que o nome em japonês me pareça mais natural tendo em vista que foi assim que tive o primeiro contato com a obra. Esse, aliás, é outro ponto interessante a ser comentado aqui, pois Your Lie in April é caso de mangá que chegou somente agora ao Brasil e está um tanto atrasado com sua versão em anime.

A versão animada foi exibida no Japão e pela Crunchyroll em diversas partes do mundo, incluindo o Brasil, entre o final de 2014 e começo de 2015, rendendo 22 episódios. O final da temporada encerrou-se em março de 2015, sendo que o próprio mangá também se encerrou um mês antes, em fevereiro. Isso fez com que o animê fosse bem fiel ao mangá (ao menos é que me foi apontado fazendo algumas pesquisas pela web – se isso estiver errado me corrijam).

Com isso tenho um problema em particular: já assisti o animê até o fim há algum tempo atrás. Existe inclusive uma matéria aqui no site a seu respeito, que alias recomendo que você leia apenas se não se importar com spoilers, porque o texto é baseado na série como um todo. Quem está conhecendo o título agora, pelo mangá da Panini, fique no texto de hoje mesmo.

E não ajuda nada o fato de que o anime é excepcionalmente fantástico. Your Lie in April é uma obra que trabalha dentro de um universo musical que torna a trama algo tão peculiar. A dupla de protagonistas da série são músicos e para tal o título trabalha com momentos em que eles estão em palco, celebrando certa efervescência musical que extrapola a obra e chega a quem está apreciando-a, seja leitor ou espectador. O mangá inclusive, a julgar por essa primeira edição, faz um trabalho incrível nestes momentos musicais, ainda que ele não tenha como tirar o som de suas páginas.

É nesse ponto que a versão animada de Your Lie em April vence a versão original. Quando se coloca som, música e ritmo aos momentos delicados da trama é justamente onde a mesma transborda para algo transcendental. Chega ser difícil colocar em palavras.

Por isso é muito fácil responder a pergunta: leio o mangá ou assisto o animê? Se ambas as opções não são possíveis, digo que a melhor experiência com certeza é com o anime. Queria ter conhecido o mangá antes de ver a versão animada. Com certeza teria acompanhando ele até o fim para depois ver a animação ganhar vida. Porém, sendo bem honesto, agora já tendo assistido não tenho mais a vontade de conferir a versão impressa.

E não é como se You Lie in April fosse uma obra grande. Não é. São apenas 11 volumes. Só que eu sinto que já vivenciei tudo que tinha que vivenciar com essa história. Já me emocionei e me revoltei com a trama. O choque da surpresa e do inesperado não mais existe ao apreciá-la uma segunda vez.

Agora se você nunca viu o animê e tem curiosidade de ler o mangá, leia o mangá. Mal ele não fará. Mas então leia ele primeiro. Depois tenha a experiência completa com a versão animada. Dessa forma deve funcionar.

O caso é que Your Lie in April é muito dessas obras que você só quer ler/ver uma vez na vida. Talvez uma segunda se for apresentar para alguém. Não é uma história que voltaria uma segunda vez, e não porque ela é ruim, mas porque ela é muito boa… uma única vez.

Do que se trata?

Preciso tomar cuidado aqui. Conhecendo toda a obra tenho que me policiar para não dizer mais do que o primeiro volume entrega ao leitor novato, apesar de que há um momento peculiar nessa edição que já me apertou o coração e deu aquele indicio sobre eventos futuros. Isso eu não pesquei quando vi esse mesmo momento no anime pela primeira vez, talvez por ingenuidade minha, não sei.

A trama apresenta o jovem Kousei Arima, que no passado, quando menor, uma fase mais criança mesmo, foi considerado um pianista prodígio, mas Arima sofreu uma grande tragédia em sua vida e perdeu sua audição musical.

Não, ele não é surdo. Arima adquiri um trauma que não o permite mais sentar na frente de um piano para tocá-lo, por mais apaixonado que ele seja pelo mundo da música, que agora o assombra como uma triste e maldita melodia. Arima toca, mas ele não consegue escutar o som. Seu mundo perdeu as cores e tudo para ele é uma vida preto e branco.

Só que isso aparenta mudar quando Kaori, uma jovem violinista surge para Arima. Kaori é cheio de energia, personalidade e, ao contrário de Arima, é daquelas que rompe as regras de barreiras musicais. Ela toca do seu jeito, não respeita ritmo e partitura, e mesmo assim suas versões são aplaudidas em pé pelo público, mesmo que juízes achem terrível essa falta de decoro.

Com isso o mundo de Arima vira de pernas para o ar, conhecendo uma garota tão apaixonada pela música quanto ele, mas sem as regras e regulamentos na qual ele se prendia no passado. Uma garota que o intimida, que parece querer ajudá-lo a superar seu trauma.

Mas isso é só a primeira edição. Kaori também tem uma história, mas que a primeira edição ainda não vai trabalhar ou mostrar, então nada posso dizer a respeito disso nesse momento.

Considerações de primeira edição

Your Lie in April, que pode ser traduzido como “sua mentira em abril”, título este que só irá fazer sentido muito mais adiante da história, é um mangá juvenil, mas com uma história emocional, sentimental e que serve como superação a traumas da morte. Existem temas muitos pesados na obra, ao mesmo tempo em que sua autora, Naoshi Arakawa, sabe lidar com estes temas com um toque muito gentil e bem humorado, deixando a obra leve e divertida, exceto nos casos onde ela precisa ter um pouco mais de seriedade. Nestas horas o coração do leitor aperta um pouco.

Existe um fator muito bom em Your Lie in April, que é não dizer tudo que precisa ser dito. A autora sabe esconder sentimentos, deixando apenas pistas do que está acontecendo. Nesse primeiro volume toda a atenção vai para Arima, porém todos os personagens jovens possuem medos e angústias que eles não conseguem colocar para fora, não conseguem se expressar. E a autora consegue criar estes personagens que você percebe que eles sofrem justamente por não conseguirem dizer ou fazer algo que claramente um adulto saberia se expressar.

Pensando apenas na primeira edição, o ritmo é muito bom. Há alguns segredos do passado do Arima que vão ser melhores trabalhados em edições posteriores, mas já dá para ter uma noção aqui sobre o que são. E o mundo dele também chega a ser bem explorado e muda totalmente com a entrada da Kaori.

Não conheço muito o mundo da música, não toco nenhum instrumento musical e muito menos de música clássica, mas é legal como mangá também ensina um pouco a seu respeito, com pequenas inserções da autora sobre as melodias que seus personagens mencionam ou tocam em alguns capítulos. É um tipo de extra que agrega valor à edição.

É um mangá recomendado para o público infanto-juvenil, sem dúvida alguma, pois trata desse momento da vida do amor juvenil, de conhecer garotas, de não entender direito as lições da vida e acima de tudo, do amadurecimento e crescimento pessoal. É uma história bonita, com personagens muito carismáticos. E olha que aqui é só o começo, há mais 10 volumes para se emocionar e vivenciar as experiências em conjunto com Arima e Kaori (e seus amigos que ganham um maior peso em volumes posteriores, por enquanto nesta primeira edição eles funcionam apenas como coadjuvantes para a trama engrenar em certos momentos, mas a importância de cada um irá surgir mais a frente).

Talvez em uma perspectiva mais distante, You Lie in April parece um pouco clichê do gênero romance e vida escolar, mas a obra consegue trazer um pouco mais do que isso. É um mangá de amor e de medos, de traumas e superação, mas acima de tudo o mangá soa como uma história que poderia ser real.

Gosto de como essa primeira edição o próprio Arima nessa certas situações, avaliando a si mesmo e explicado como seu mundo está mudando, como por mais que ele queira, seu trauma não parece algo fácil de ser vencido. É uma daqueles primeiras edições que vai ou racha. Se você comprou a trama e os personagens, e não conhece a história, certamente vai apreciar até seu final. Posso apostar nisso.

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios