JogandoRapidinhasVídeos & Trailers

Impressões rápidas | Marvel’s Avengers (Beta)

Lançamento completo em 4 de setembro

Ao longo de todo o mês de agosto, Marvel’s Avengers esteve em diversas modalidades de beta, exclusivo para quem fez a pré-venda, chegou primeiro para usuários do PlayStation e no último final de semana (21-23) acabou sendo liberado para todo mundo, em todas as plataformas que receberão o jogo. Foi neste final de semana que pude testar um pouco do título e fazer as capturas de gameplay, que estarão espalhadas ao longo deste texto, assim como em nosso canal no YouTube. Algumas informações importantes sobre o título também estão bem ilustradas neste artigo lá do começo do mês.

O conteúdo do beta foi bem gordo, oferecendo bastante horas de gameplay das inúmeras possibilidades a qual o título irá oferecer, tanto na experiência single player, quanto multiplayer online. Nesse último aspecto, não cheguei a testar essa parte online com ninguém, pois busquei justamente a sensação do jogo solo, a qual mais tinha interesse em verificar no pouco tempo em que possuía para testar o beta.

Vi bastante comentários pela internet de pessoas que estão desacreditadas com o título, em parte culpa de uma apresentação um pouco desastrosa na E3 do ano passado, a qual não cumpria certas expectativas a qual a comunidade parecia ter com o título. Da minha parte, estou animado para conferir o trabalho da Crystal Dynamics, estúdio responsável pela incrível trilogia que rebootou a franquia Tomb Raider.

Bela apresentação

E o beta abre com a conhecida cena da explosão da ponte, a qual os jogadores são apresentados ao elenco principal do jogo e que culmina no plot principal da trama original do game:

É uma ótima apresentação do clima proposto pelo jogo. A interação com o cenário tem muito do DNA do estúdio, como a parte em que o Hulk sai correndo em meio a destroços da ponte e carros indo para cima dele. Lembra muito alguns dos momentos mais marcantes dos segmentos de fuga que marcaram presença em Tomb Raider. Não sei se haverão outros como esse momento ao longo da campanha principal, mas particularmente adoraria que houvesse.

Outro momento desse estágio que gostei muito, e que me surpreendeu, foi a parte em que o jogador assume o controle da Viúva Negra. O combate contra o vilão ali é realmente muito bem coreografado na parte da ação, e na hora da porrada, a ideia de defesa, contra ataque, esquiva e abrir a defesa do oponente me pareceu bem engenhoso. Isso não se traduz tão bem com outros inimigos normais mais à frente do beta, mas ainda assim me deixou curioso se haverá mais situações assim, a qual não se pode simplesmente sair esmagando botões.

Nesse segmento do beta também será o único momento em que os jogadores podem experimentar jogar com Thor e Capitão América. É legal arremessar o martelo, assim como o escudo, e vê-los voltarem para o jogador com a maior facilidade. Mecanicamente o jogo parece conseguir traduzir muito bem os poderes dos personagens.

Desse segmento, o personagem que menos me animou foi o Homem de Ferro. Sei lá, o fato dele voar e ficar atirando raios me pareceu apenas meio genérico demais em meio ao cenário de um videogame. Mas eu volto a falar dele depois, quando chegar nas Harm Rooms.

— Dublagem

Ah, um detalhe muito legal: gostei bastante do beta já apresentar a dublagem em português do game! Com as vozes dos dubladores dos filmes. Um detalhe que certamente é muito bacana ao nosso mercado, enquanto que no idioma original não foi possível trazer os atores dos filmes para esse trabalho. E a Ms. Marvel, que não está no universo cinemático Marvel, também recebeu uma excelente voz dentro do jogo. Gostei!

Kamala & Hulk

O segundo conteúdo importante do beta foi a fase single player com Hulk e a Kamala Khun, a Ms. Marvel – que ainda não tem seu nome de herói, já que o jogo parece contar seu arco de origem.

Este segmento tenho alguns apontamentos a fazer. O primeiro é que é uma fase excessivamente grande. Em certo momento dela acabei me cansando um pouco do combate com o Hulk. Mas aparentemente ela está dentro do começo do jogo, e portanto tem um certo material para tutorial, ensinando muito sobre o combate.

A minha crítica aqui é que achei que o Hulk não é aquele trem desgovernado que gostaria que fosse. Cheguei a morrer algumas vezes com o grandão, porque não fiquei atento a sua barra de energia. Em comparação com os demais personagens, achei que sua resistência deveria ser mais marcante. Alguns inimigos com escudo são realmente ariscos de se pegar, além daqueles que safadamente ficam atirando a distância, e que se atacados se teletransportam para outro ponto de controle. Levei um tempo pra me acostumar com o combate de arena e a ficar atento para não sofrer nocaute por tomar muito dano.

Gostei mais de jogar com a Kamala, que é quase um Luffy (One Piece). A personagem é super simpática e visualmente é muito divertido ver seus golpes e seu jeito desengonçado de batalhar. A Crystal Dynamics fez um trabalho muito bom com sua jogabilidade, de uma forma que os jogos de One Piece nem sempre conseguiram transpor com o Luffy (talvez porque apenas imitam os movimentos do animê).

É difícil não comparar o título com o trabalho do estúdio em Tomb Raider. Os segmentos da Kamala tornam isso bem mais visível, com aquele trecho em que ela apenas anda pelo cenário procurando relíquias dos Vingadores. O segmento dela parece ter um melhor ritmo e dinâmica do que os segmentos do Hulk, apesar de que achei interessante uma parte da fase em que preciso meio que subir um anda com o verdão. Momento meio plataforma… ok. Ah e a luta contra o Abonimável foi mais simples do que achei que seria. Meio fácil demais. Mesmo assim, as cenas e cutscenes estão bem cinematográficas. Empolga bastante.

Abrindo o escopo

A terceira parte do Beta, depois de passear pelo Hub central e da Mesa de Guerra que se permite selecionar as missão, há meio que uma missão que pode funcionar em modo multiplayer, só que também não tem problema nenhum jogá-la single player.

Esse é um segmento no beta cuja a proposta é apresentar ao jogador as arenas abertas de exploração, a qual se pode ir para missões secundárias ou seguir a missão principal do multiplayer. Aqui não pude explorar muito profundamente a área, a qual só olhei algumas coisas aqui e ali, para entender a dinâmica do que os desenvolvedores chamam de War Zones.

Nesse momento passei também a prestar um pouco de atenção no inventário e equipamentos do personagem. É um sistema que remete a muitos jogos da atualidade, como The Division ou Destiny 2. O jogador fica a todo momento coletando melhores peças de equipamento e trocando para tornar o nível do personagem mais forte. No beta não deu para entender como isso transforma a jogabilidade de uma forma mais profunda. No geral apenas achei uma parte meio chata, até desnecessário inicialmente. O jogo parece que funcionaria bem sem isso. Entretanto entendo que talvez aspecto seja mais interessante momentos mais a frente do jogo, em termos de valor de replay e de poder oferecer desafios maiores quando se estiver mais perto de terminar o conteúdo base. Algo que também ocorre com o Destiny 2, só para dar exemplo similar.

Quanto a missão, achei a dinâmica dela melhor do que a mencionada acima. Ainda envolve muito combate por arena, mas o segmento de proteger um ponto, ficando sob o mesmo, adiciona um grau de dificuldade inesperado. Foi interessante. Foi uma missão rapidinha, mas que cumpre seu propósito e foi divertida. No jogo completo, ter mais tempo para explorar, com toda a calma do mundo estas áreas, certamente fará sua diferença.

Sala de treinamento

O último segmento do beta que chamou a minha atenção forma os desafios da sala de treinamento, chamado Harm Room. Estes desafios funcionam como uma espécie de modo horda, e não são tão fáceis como pode parecer.

O que eu espero dessa modalidade é que o jogo completo possa disponibilizar outros ambientes e arenas. Somente o mesmo espaço físico pode cansar depois de certo tempo, ainda que no beta tenha cumprido o objetivo de apresentar os jogadores essa modalidade, que também pode ser realizada em multiplayer com até quatro jogadores online, com uma mistura legal de personagens.

Aqui tem que se sobreviver a uma horda de 10 rodadas contra inúmeros inimigos. Na captura realizada, fiz o teste com três personagens: Kamala, Homem de Ferro e Hulk. Interessante apontar que na parte do Homem de Ferro podia se usar a Hulkbuster, a armadura imensa do Tony Stark. Ela é uma das habilidades especiais do personagem. O set de especiais de cada personagem também é bem legal, apenas com o não me impressionando muito porque é meio que óbvio seus golpes no estilo Hulk Smash. O especial da Kamala é divertido, pois ela aumenta seu tamanho, mantendo seu padrão de golpes. A palmada que ela dá também em ou outro especial é bem legal.

No geral, achei que as Harm Rooms cumprem bem o objetivo de permitir o jogador treinar estilos e combates dentro do catálogo de inimigos oferecidos. É preciso certa estratégia para ir contra alguns tipos de inimigos, tentar pegar os que atiram primeiro, quebrar os escudos daqueles que sofrem dano somente após realizar isso etc.

Por enquanto…

O que dizer destas rápidas impressões? Acho que Marvel’s Avengers está em um ponto interessante, e é um sentimento estranho ver tantas pessoas desinteressadas com o título. Espero que os reviews internacionais na próxima semana possam quebrar um pouco desse estigma. Do que vi aqui, me soa um título com potencial para ser divertido, tanto na experiência single player, quanto no multiplayer online.

Fato é que talvez o título não soe como um jogo de próxima geração, e me parece que tem uma boa parcela da comunidade que está mais interessada em ver o que a próxima geração irá fazer. Mas sei lá. É uma oportunidade tão rara, e é tão legal que a Square Enix tenha feito essa parceria com a Marvel para contar uma história totalmente original em relação ao universo cinemático. Espero que mais heróis possam surgir em futuros updates, que por sinal a produtora já se posicionou dizendo que parte desse conteúdo chegará de graça ao game. É um forte ponto positivo.

Por sinal, dia 1 de setembro ocorrerá a terceira transmissão online da Square/Crystal/Marvel apresentando ainda mais novidades do jogo. Para acompanhar, basta ficar de olho neste site. Além disso, já temos o trailer oficial de lançamento, que é perfeito para encerrar a postagem:

Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e criador do saudoso (e extinto) Fórum NGM. Tenho 35 anos, sou formato em Direito, e vivo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Gosto de escrever e sempre estou sem tempo.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.