AssistindoPapo Pipoca

Cinema: Deixe-Me Entrar – Eu Fui!

Deixe-Me Entrar

Cuidado! Risco de spoilers!
Se você é alérgico – ou ainda não viu o filme – se afaste!

Uma verdadeira homenagem ao filme original…

E passaram-se quase dois anos, desde a primeira vez que comentei aqui sobre o filme Deixe Ela Entrar. Eu e o Araphawake acompanhamos de perto a produção dessa refilmagem e estávamos com grandes esperanças de que o filme não fizesse feio na tela. E agora posso dizer com segurança que Deixe-me Entrar é ótimo! Tanto que até Stephen King, em sua tradicional lista de melhores filmes do ano, elegeu o título como o melhor filme de 2010. Se o Mestre do Suspense está dizendo, quem sou eu pra discordar, certo? Mas ainda que seja um ótimo filme, Deixe-Me Entrar sofre de algo comum das refilmagens: a comparação com o filme original.

A história continua a mesma: Owen (Kodi Smit-McPhee), é um garoto de 12 solitário e neglicendiado pelos pais e que também sofre com o abuso dos garotos mais velhos da escola. Owen passa os dias imaginando uma vingança e as noites espiando a sua vizinhança. Eis que em uma dessas noites aparece Abby (Chloe Moretz), uma menina que se muda para o apartamente ao lado com seu ‘pai’ (Richard Jenkins).O grande trunfo de Deixe-Me Entrar é também a sua perdição: em uma decisão ousada, Matt Reeves optou por refilmar praticamente quadro-a-quadro o filme original, apenas aparando algumas arestas e deixando o roteiro mais bem acabado. A sorte é que ele contou com a ajuda de John Ajvide Lindqvist, que roteirizou o filme original e que também é autor do livro Låt den rätte komma in do qual ambos os filmes são baseados.

Reeves conta também com uma equipe técnica (e um orçamento) extremamente competente. A fotografia do filme é de uma beleza ímpar, e a trilha sonora – que pra mim foi um dos pontos negativos do filme original – é usada de forma econômica e possui notas mais suaves e sombrias, que melhor condiz com todo o ambiente intimista do filme. Uma pena que o diretor erre a mão nas cenas em computação gráfica, deixando os movimentos extremamente artificiais. Outra grande diferença entre os filmes, é que na refilmagem norte-americana o fator gore é ainda maior, como na cena do túnel onde vemos Abby em seu primeiro ataque ou até mesmo na ‘transformação’ dela, Reeves escancara a aparência bestial da garota. Eu até gostei do resultado, pois aí temos um contraste ainda maior entre a aparência infantil de Abby e a sua real natureza, mas isso pode ser um fator negativo para alguns.

E o que dizer da atuação de Kodi Smit-McPhee e Chloe Moretz? Desde o início eu gostei da contratação dos atores para os papéis principais, a Moretz é uma das melhores atrizes mirins dos últimos tempos (rivalizando aí até com a Dakota Fanning), ela brilhou em (500) Dias Com Ela e roubou a cena em Kick-Ass. A minha surpresa foi vê-la tão, tão… feminina no papel de Abby. Arrisco a dizer que até feminina demais, pois uma cena crucial do filme original não está presente neste remake e era essa cena que tornava a androginia da atriz sueca muito mais válida. Mas enfim, Moretz realizou um trabalho impressionante, só que desta vez ela finalmente ficou ofuscada pela brilhante atuação de  Kodi Smit-McPhee. Sério, vou ficar de olho em qualquer filme em que esse garoto esteja envolvido de agora em diante. Confesso que senti um nó na garganta na cena em que ele fala com o pai ao telefone, com uma tristeza no olhar tão profunda, voz trêmula e uma só lágrima escorrendo pelo rosto… Atuação impecável!

Mas o grande problema mesmo de Deixe-Me Entrar é que, por ele ser um remake a fator surpresa é quase nulo. Mas isso só se foi um dos sortudos a ver o filme original. Se você está conhecendo agora a obra de John Ajvide Lindqvist, assista sem medo e surpreenda-se com um filme maduro e extremamente emocionante. Aliás, até se você já viu o Deixe Ela Entrar deve assitir este remake só pra conferir essa incrível história novamente…

Deixe-me EntrarFicha Técnica

Título Original: Let Me In
Dire
tor: Matt Reeves.
Roteiro: Matt Reeves, John Ajvide Lindqvist.
Gênero: Drama/Suspense
Elenco: Kodi Smit-McPhee, Chloe Moretz, Richard Jenkins, Cara Buono e Elias Koteas.
Estréia nacional: 28/01/2011

Trailer:

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Theo Medeiros

Cinéfilo, gamer, adorador de música e entusiasta tecnológico. Acha que Nescau é melhor que Toddy e que bacon é a oitava maravilha do mundo.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios