Wallpaper do dia: Fragile Dreams!

Ah, meus tempos de feliz usuária (unicamente) de consoles Nintendo. Esperei fervorosamente por Fragile, mas quando finalmente anunciaram pros EUA (aquela linda da Xseed), eu já tinha comprado um PS3 e aí… A verdade é que tem vários jogos de Wii que eu ainda preciso jogar, mas que sequer comprei, ou comprei mas nunca chega a “vez” deles. Claro que coisas como Mario e Zelda compro no lançamento e jogo asap, mas outros jogos sofrem. Queria trophies no Wii U… e um whatever pra quem vier me xingar por isso.

Clique na imagem acima para a resolução 1680×1050 ou escolha a sua logo abaixo!

1024×768 | 1280×800 | 1280×1024 | 1440×900 | 1600×1200

[Créditos ao site Zerochan.]

Isso também pode lhe interessar

34 Comentários

  1. Esse também é um jogo que consta na minha lista de pendências desde que vi o primeiro trailer. Gostei principalmente pela ambientação atípica e personagens com bom appeal.

    Quanto aos troféus/conquistas, sem chance aparentemente. A infraestrutura online não será limitante e sufocadora como PSN/Live. Mas nada impede que uma produtora faça de maneira independente.

        1. Mas ele tb perguntou POR QUE é limitante, quer dizer, eu acho q ele lance de troféus deve ser opcional pra desenvolvedora não? Sem contar q como vai ter muitos titulos multi, q são as mesmas conquistas/troféus vai ser mais fácil “porta-los” pro WiiU

          1. basta dizer que para poder publicar algo em uma rede como Live/PSN você tem que passar por muitas aprovações, regras, formatos, padrões, o que restringe a criatividade durante o desenvolvimento. A idéia da Nintendo é dar liberdade para que cada jogo possa usar a infraestrutura de rede de maneira livre, ajustando-a para melhorar e usufruir do potencial de cada título, e isso tem repercurtido muito bem entre os game designers.

          2. Isso significa q em teoria os desenvolvedores teriam liberdade pra fazer o jogo do jeito q eles quiserem (incluindo o lance de ter ou não troféus) ?

          3. Sim, e do jeito que quiserem, sem terem que seguir as imposições. Embora eu estou torcendo para que ninguém venha com essas coisas de troféus e tranqueiras assim e foquem mais na qualidade dos jogos.

  2. Na verdade, na verdade, oq eu quero mesmo antes é uma rede mais robusta, com mais coisas, enfim, q competisse de igual com PSN/LIVE, se ela fizer isso é questão de tempo pra ter troféus, as próprias PSN/LIVE não tinham no começo! Acho melhor um passo de cada vez.

    Quanto ao wall, não sei pq mais é muito lindo [talvez parte de gostar tanto é pq gosto muito desse jogo só pq é diferente (não, ainda não joguei :'(], mas denovo com medo de usar por causa da roupa da mina… :/

          1. É, pra que apelar tanto Mashima?! *limpando o sangue do nariz* Avança com a historia caramba! *dando mais uma olhada no capitulo*

          2. Pow! Se vcs “reclamam”(entre aspas pois sei que vcs gostaram tbém *huhuhuhu*) do fã service de FT é pq não leram Air Gear. Sendo as duas séries da mesma revista acho até injusto o Mashima não ter a mesma liberdade que o Oh! Great pra pesar no ecchi.XDD

          3. O fanservice é foda hauaahau só que a historia tem que avançar junto, geralmente o Mashima equilibra bem os dois, mas nesse ultimo capitulo teve muito ecchi e praticamente nada acontecendo.

          4. Eu achei um capitulo bacana, gosto de capitulos de FT assim com somente interação de personagens e sem ação, pois acabam sendo engraçados. Desse capítulo tenho que destacar duas coisas: foi brochante o método de treinamento que o Natsu está fazendo, parecendo até que ele é algum corredor ou coisa do gênero e não mago.
            Segundo que me surpreendi com o fato do Natsu querer espiar as garotas no banho. Ele é tão “assexuado” que quando isso ocorre é algo a se destacar.

          5. Não sabia que vc lia FT, foda, agora falta HxH né hauuhaa. Cara isso foi inedito mesmo, Natsu nunca tinha feito nada do genero e agora aparece todo taradão uahuaaha mas putz o ultimo quadrinho foi bizarro xD

          6. Não sabia? Estranho, pois lembro de já até ter discutido FT em alguns posts do Portallos. Leio o mangá desde quando ele ainda tava no inicio da saga da Oracion Seis, sendo o terceiro mangá shounen infinito(o primeiro foi Naruto e o segundo por incrível que pareça foi Reborn) que comecei a ler após começar a ser um otaku que acompanha mangás. O último quadrinho é realmente bizarro, aquilo ali se alguma criancinha ver pode até ter pesadelos.XDDD

            HxH? Que isso mesmo? To nem aí pra esse mangá… vc jamais me verá acompanhando essa série.

          7. “Foi brochante o método de treinamento que o Natsu está fazendo, parecendo até que ele é algum corredor ou coisa do gênero e não mago. ”

            KKKKKKKKKKKKK, eu já esperava por algo assim no começo, afinal o Natsu é burro. MAS provavelmente ele vai encontrar alguém pra ensinar ele algumas novas técnicas, talvez o Makarov, ou algum personagem novo que tenha relação com os dragon slayers e talz, afinal, ele é um protagonista do estilo “Naruto” da vida, se é que me entende.  =]

          8. Cara, do jeito que o Mashima desenvolveu o Natsu, não consigo crer em ver alguém treinando-o algum dia. Natsu manda magias novas toda hora e agora tem ainda a magia apelona  que o Laxus “deu” pra ele na luta contra Hades, que acho totalmente nada a ver ele conseguir continuar usando. Enfim…duvido muito que o Mashima não continue abusando do recurso do Natsu mandar qualquer nova magia quando estiver para perder.

          9. Também não concordo com ele se capaz de continuar usando aquele modo lá. Não faz sentido…Quanto a magia no momento crucial da luta, eu já desisti, é sempre assim com o Natsu. Tanto que muita gente que eu conheço não gosta muito do mangá por causa desse recurso.

  3. Fechei faz um tempo. A história até chega a ser um pouco interessante mas algumas coisas ficam sem resposta e o jogo em si.. não sei se recomendaria não.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.