LendoMiscelâneaReflexões & Opiniões

Ser ou não ser Essencial? Eis a questão?

Nome da nova coleção semanal de quadrinhos Disney é questionada por colecionadores…

 Foi lançado na sexta-feira passada a nova coleção semanal Essencial Disney. O formato é o mesmo utilizado nas coleções dos anos anteriores: Clássicos da Literatura Disney (2010/2011) e Pateta Faz História (2011). Capa cartonada, boa encadernação, papel branquinho, textos que servem de introdução aos volumes etc.

Perfeito? Longe disso…

A proposta da coleção é apresentar um pouquinho dos conceitos básicos e perpétuos de alguns personagens da casa, no caso: Tio Patinhas, Donald, Pateta e Mickey. O anúncio oficial foi publicado aqui no blog no fim de janeiro (veja). Basicamente a coleção mostra um pouco dos vários aspectos de cada um destes quatro personagens. Tio Patinhas contra seus arqui-inimigos e suas grandes viagens, a velha sina do Donald contra seu azar, seus empregos e as confusões familiares, Pateta contra suas próprias atrapalhadas, seja lembrando de antepassados, ou no dia a dia doméstico ou em seus passatempos e Mickey contra os bandidos de sempre, além dos momentos mais calmos, em suas aventuras com Pluto e Minnie.

Até aí tudo bem, parece inclusive uma ótima proposta para novos leitores conhecerem melhor as bases das histórias em quadrinhos da Disney, que nem sempre se assemelham com os antigos desenhos animados (a versão em quadrinhos é melhor trabalhado em personalidades e complexidade destes). O que anda pegando é o nome “Essencial” contra a seleção de histórias da coleção. O jornalista Paulo Ramos, em seu blog, questionou isso ontem à tarde (leia).

A verdade é o conteúdo de Essencial Disney é baseado em uma coleção espanhola chamada “Serie Oro” (Inducks), que apesar de ter volumes individuais voltados a estes aspectos básicos dos quadrinhos Disney, não teve a pretenção de se proclamar “essencial”. Parece que os colecionadores brasileiros esperavam uma coleção mais séria, com um material mais clássico, HQs mais fundamentais, mais importantes dentro do acervo histórico Disney.

Mas a Editora Abril decidiu ir exatamente pelo contrário. Apostou no enorme material inédito da Serie Oro, composto massivamente de HQs da Disney Itália (que muitas vezes não tem fôlego para sair nas mensais inéditas, devido a terem poucas páginas por edição). O tema dos volumes tem a essencia da temática Disney em quadrinhos, mas o conteúdo em si não é tão essencial, ele apenas prova que conceitos clássicos criado décadas no passado ainda são aplicados até hoje em histórias mais recentes.

A contextualização da coleção é bacana, tentando explicar e mostrar um pouco como funciona os personagens em seu ambiente, a seleção de histórias entretanto não é tão importante quanto os colecionadores esperavam, mas ainda assim é material inédito e, na minha opinião, é muito bem vindo. Revistas como Disney BIG e os almanaques de personagens, que trazem apenas republicações, já estão abarrotadas de HQs clássicas, históricas e… essenciais.

O fato desse acervo histórico não estar dentro de Essencial Disney não significa que a Editora Abril esteja negando aos leitores conhecerem esse material, porque na verdade ele sai exaustivamente todo mês, nas revistas próprias para republicação. Mas no geral eu concordo que o nome da coleção semanal é infeliz, e traz mais problemas do que deveria.

A seleção de HQs inéditas também não é fenomenal. O arquivo italiano tem grandes histórias, mas também tem grandes porcarias. E nem sempre a seleção é excepcional. O volume 1 com o Tio Patinhas e Maga Patalógika eu achei ótimo as HQs selecionadas, mesclando traços e fases bacanas dessa rivalidade entre personagens, porém o volume 2 com Donald e seus sobrinhos apresenta uma seleção fraca de histórias, com artitas de traço sem expressividade para uma coleção desse porte (a última HQ parece pavorosa). Nesse ponto a Editora Abril deveria ter um cuidado maior. Tudo bem colocar material inédito e mais recente, mas tem que selecionar a dedo isso. Caso contrário o resultado é o que já vemos atualmente com os colecionadores, onde muitos possuem extremo preconceito no conteúdo italiano. Não é o conteúdo italiano que é ruim, é a seleção que peca muitas vezes. Toda produção, de qualquer estúdio, de qualquer país tem altos e baixos.

Enfim, Essencial está nas bancas. Toda semana um novo volume. Material inédito aos montes para quem não aguenta tanto repeteco nas revistas Disney. Infelizmente a distribuição ficou setorizada, então os estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste só devem ver os primeiros volumes pro final de Abril ou começo de Maio.

Essencial ou não, vou colecionar. O que importar pra mim não é o nome, não é a seleção, e sim a diversão que tenho lendo quadrinhos Disney. No fim, é só isso que realmente importa. Ou não?

(Edições estão lacradas. Isso evita que as bancas de jornal danifiquem os volumes. Como eles são setorizados, isso garante que o pessoal da fase 2 encontre as edições no mesmo estado de conservação do que a galera da fase 1)

(Texto antes de cada volume contextualiza um pouco o tema proposto. É uma parte importante da coleção. Só acho que o trabalho editorial deveria ter sido maior, com mais páginas e ilustrações)

(Giorgio Cavazzano nos anos 70, ainda sobre a influência de seu mestre, o grande Romano Scarpa)

(Stefano Intini tem um traço muito caricato, gostei muito dessa HQ. Os personagens tem ótimas expressões nena história)

(História criada em 2001, quando Pokémon ainda era febre entre a criançada)

(HQ produzida pelo Estúdio da Disney Dinamarca. Ironicamente o melhor do volume 2. As páginas branquinhas deixam os desenhos dessa HQ fabulosos)

(HQs italianas com Mickey e Pateta geralmente são bem melhores do que HQs com o Donald. Então espero um ótimo volume 3!)

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios