Crítica | O Cavaleiro das Trevas Ressurge – Eu fui! (+)

RISES!

Os posts EU FUI! são tradicionais aqui  no Portallos. Neles já acompanhamos a equipe do blog e os leitores partilharem as experiências sobre os filmes assistidos. E pensando sobre Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o novo filme do Batman que estréia nessa sexta e sobre como ele é o capítulo final de uma trilogia sobre o personagem, me peguei pensando mais sobre Batman Begins, que foi o início de tudo. E então, pensei na possibilidade dos posts EU FUI serem enriquecidos também com as expectativas das pessoas antes delas irem assistir ao filme.

Foi assim que surgiu a idéia de criar uma prequência, algo que cada vez mais vemos nos filmes. O Eu Vou! é uma livre discussão sobre o filme, mas é bom que todos aqueles que queiram participar evitem spoilers, os quais podem ser usados livremente quando o post ganhar seu EXP e virar o EU FUI. Dessa maneira, teremos um post com mais conteúdo, onde poderemos confrontar a nossa expectativa com a nossa experiência final.

De minha parte, sempre deixei bem claro que não sou lá muito fã dos dois filmes Batman dirigidos por Christopher Nolan, embora eu goste muito do personagem Batman, pois ele pra mim é o “melhor personagem Marvel” que a DC possui. Batman Begins é um filme bem interessante, Batman: O Cavaleiro das Trevas me conquistou pelo pano de fundo da história. E a minhas expectativa para O Cavaleiro das Trevas Ressurge são bem medianas, a coisa que mais me instiga na realidade é ver é como o legado do Batman será colocado no filme. Sei que o Nolan não dá a mínima para as histórias em quadrinhos do herói, mas ele tem David Goyer ao lado, e isso tem que fazer a diferença.

Sendo um filme que encerra uma grande história contada em três atos, quero ver se os acontecimentos que vi desde o Begins vão se refletir nessa última história, se eles vão fazer a diferença no final. Quero saber se todo o sacrifício de Bruce Wayne terá valido a pena, se toda a sua abnegação converterá a sua ideia em algo que o povo irá assimilar e fazer bom uso.  Afinal, a idéia do Batman será o legado de Bruce Wayne ou tudo será perdido?

Olhando o todo, será que verei Wayne como um verdadeiro herói ou só uma pessoa amargurada, assombrada por sentimentos de vingança disfarçados de boas intenções? Se um dos grandes inimigos que Batman encontrou no caminho se auto-intitulava um agente do caos, que tipo de agente será o Batman? Essas e outra perguntas minhas serão em breve respondidas…

E agora, fiquem com os comentários da equipe sobre o filme, com direito a spoilers à vontade!

Atualização em 30/07/2012 por Mauri Link

Ontem finalmente consegui assistir Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Antes, já tinha lido várias resenhas e ouvido declarações de diversos tipos de pessoas, desde o discurso do mais fanático até a conversa da tia que entrou na sala de cinema por impulso. A minha expectativa pelo filme já era um tanto baixa, no entanto eu ainda queria ser surpreendido.

Infelizmente, fui ao cinema, mas não fui surpreendido.

Contemplando agora toda a trilogia, a impressão que eu tenho é que Nolan fez 3 filmes que possuem apenas elementos do universo do Batman mas se distanciam do modelo tradicional do personagem. Na real, isso meio que já acontecia com a maioria dos filmes baseados em HQ’s, em graus variados. É algo que se distancia da proposta do Marvel Studios, que busca estabelecer conexões com a fonte original dos personagens ao mesmo tempo que podemos perceber o que foi mudado para que tudo possa funcionar na telona.

Christopher Nolan acabou sendo o diretor de uma trilogia do Batman quase “meio sem querer”, pois o que ele buscava era um filme sobre Adam Hughes. Só que O Aviador (Martin Scorcese) veio e deixou Nolan no vácuo.

Mas o irmão de Nolan, Jonathan, e o roteirista Davd S. Goyer eram fãs do Cavaleiro das Trevas e coube a eles convencerem Nolan a fazer um filme sobre outro milionário excêntrico: Bruce Wayne.

Nolan então mergulhou nas revistas do Batman, e o trio conseguiu convencer os receosos chefões do Warner Studios que eles poderiam fazer um filme diferente sobre o Batman, bem diferente dos últimos. Um filme com um tom mais sério, mais parecido com nosso mundo atual, de humor pontual e com personalidades melhor exploradas. E que ainda assim pudesse ter tantos elementos dos quadrinhos quanto fosse possível aproveitar.

Essa foi a benção e a maldição da trilogia Nolan. Diversas sagas do Batman podem ser referenciadas nela, como Batman: Ano Um, O Cavaleiro das Trevas, A Piada Mortal, Terra de Ninguém, A Queda do Morcego, O Longo Dia das Bruxas, entre outros. Mas ao mesmo tempo a trilogia se distancia dos quadrinhos, buscando uma identidade própria.

O resultado disso soa confuso para mim, pois não consigo encontrar nos filmes de Nolan os personagens com os quais convivo há anos. Fico com aquela sensação que estar ouvindo uma história antiga, daquelas que aconteceram há tanto tempo que ela se tornou algo além dela, como Ra’s Al Ghul disse a Bruce Wayne: “If you make yourself more than just a man, if you devote yourself to an ideal, you become something else entirely”.

Fazer os filmes do Batman foi muito benéfico para Nolan. Mais do que dinheiro, Nolan gosta de contar histórias fechadas (e mesmo cada filme dele do Batman tem um final definitivo, ainda que dúbio.) e o sucesso de seus bat-filmes possibilitou que ele pudesse realizar filmes que ele queria, como O Grande Truque e A Origem.

Mas enfim a saga do Batman de Nolan chega ao fim, e o diretor antes do lançamento deu declarações que ele fez o filme de uma maneira que não poderia prosseguir mais com a saga. Os filmes de Batman serviram como um trampolim gigantesco para a carreira de Nolan, e após o terceiro filme, ele estaria livre e com poder para fazer o que bem quisesse.

E o hype para esse último filme foi imenso, passando a dividir as atenções do público com Os Vingadores e O Hobbit como o filme mais esperado de 2012.

“In Nolan we trust” – diziam.

E se minha fé era pequena, e que recebi em troca dela foi uma decepção enorme. Em Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge encontrei um Bruce Wayne irreconhecível. “It’s not who I am underneath, but what I do that defines me.”

E as ações de Batman foram covardes, construídas com base em mentiras. Mentiu na forma de herói de Batman escondendo quem Harvey Dent havia se tornado. Mentiu na forma de executivo sobre sua nova fonte de energia. Tudo para “proteger” sua cidade. Mas como mentiras não duram muito, a paz que ele trouxe para a sua cidade também não durou.

Em vez de um Batman combativo, vigilante, olhando pelas pessoas comuns, eu vi um acovardado Bruce Wayne se deteriorando, vivendo recluso em sua mansão. Enquanto isso, a prisão Black se entupiu de detentos. A sujeira de Gotham foi varrida para debaixo do tapete.

Mas eis que chega um vilão para quebrar essa mentira, e que no processo quer quebrar também o seu “defensor”. Bane é um vilão sem-graça nos quadrinhos, e aqui em Ressurge ele ficou mais ainda. O plano dele parece ótimo a primeira vista, que é derrubar os poderosos da cidade e trazer justiça ao povo. Ele chega agindo e discursando como um político. Para quem mal consegue falar e ser entendido, ele tem uma baita disposição para falar. E olha aí, o filme contou com uma equipe de produção milionária, e não perceberam que ninguém entendia p@rra nenhuma do que Bane dizia. A solução foi fazer gambiarra com o som…

O plano de Bane parecia interessante, o problema é que no fim tudo ia explodir. Explodir usando como bomba o reator de energia que as Indústrias Wayne criaram e que Wayne dizia que não funcionava, e nem Fox e nem mesmo o inteligentíssimo Wayne foram espertos o suficiente para mandarem desmontar o dispositivo.

A ocasião faz o vilão, assim como aconteceu em Batman Begins. De novo, uma geringonça de Wayne é usada para ameaçar Gotham. Talvez Alfred no fim estivesse certo, Bruce nunca deveria ter voltado, e a cidade ia sofrer menos nas mãos desses lunáticos.

Mas já que Bruce Wayne fez a cagada junto com Fox, os dois tinham que consertar. O Q do Batman deu a ele um brinquedinho novo e lá se foi o Homem-Morcego (após 40 minutos em que eu quase dormi) tentar impedir Bane de seu intento, depois que Selina Kyle mexeu com os brios dele. E fala sério, com tanta mulher gata por aí, escolhem a mais chuchuzinha da atualidade para viver uma das vilãs/heroínas mais sexies dos quadrinhos e que no cinema foi imortalizada pela Michelle Pfeiffer. Bem, cada um tem a Mulher-Gato que merece…

Os dois policiais principais da trama são Gordon (claro) e um jovenzinho esquentado chamado Blake. Gordon resolve ir atrás de Bane, mas é pego e surrado. Mas como ele sim é um cara foda consegue escapar com a ajuda do tal de Blake. E esse Blake hein? Ele sim pode ser chamado de o maior detetive do mundo, pois ligou os pontinhos e sabe que Batman é Bruce Wayne. Toma essa, Bátema!

Nessa altura do campeonato Alfred já disse adeus. As décadas de serviço aos Wayne foram jogadas no lixo, pois ele escondeu a verdade de Bruce. Gotham City tem sérios problemas com pessoas que não dizem a verdade. Bane ataca a bolsa de valores de Gotham e usa as digitais que Selyna roubou para realizar transações financeiras em nome de Bruce Wayne e acabar com as finanças dele. Bruce Wayne fica sem um tostão, mas antes disso o Batman consegue escapar do cerco policial de uma maneira vergonhosa.

Os oito anos recluso fizeram muito mal para Wayne, mais do que imagina. Ele é seduzido facilmente pela Miranda (que nem é aquela do Mass Effect) e ele passa a confiar mais nela, o que vai complicar mais ainda sua vida muito em breve. E de novo, caramba, depois da Rachel feiosa do filme anterior, Bruce dá uns pegas nessa outra mulher sem sal. Depois de ignorar as moçoilas do baile russo, ver isso me deixou revoltado de vez. Esse Batman de Nolan não é esperto, definitivamente.

Mas Bane não, e ele é tão gente boa que conta toda a verdade sobre seus planos para o Cavaleiro das Trevas, que foi traído pela mocinha de orelhas de gato (se Bruce tivesse dado uns pegas nela em vez da Miranda quem sabe ela o teria ajudado) e teve de encarar o terrível Bane e sua voz megafônica.

Então, dois caras treinados pela Liga das Sombras, que deveriam saber lutar, trocam sopapos desajeitados. Lembrou-me daquela vez que vi dois bonecos de posto juntos aqui no posto de combustível perto de casa. Pô, até entendo a justificativa de o Batman usar uma armadura, mas isso é péssimo para as cenas de luta. Todo o treinamento ninja aqui se perde. E Batman poderia usar alguma coisa bacana de seu cinto de utilidades além do pozinho de fumaça, mas como esse Batman de Nolan é meio burrão não demora muito pro Bane acabar com a raça dele.

Vai um fan-service aí? Pois aquilo que era comentado nas rodinhas dos fóruns se concretizou, e assim como aconteceu no quadrinho, Bane quebra a coluna do Batman na base da joelhada. Mas… quebrou mesmo? Sei lá, a cena foi tão rápida e Nolan nem se preocupa em fazer uma tomada interessante que fiquei com dúvida na hora.

Bane leva Bruce para a pior prisão do mundo, que deve ficar em Gotham mesmo, tamanha a facilidade com que se vai pra lá. Joga Wayne lá apostando que ele nunca sairá de lá como ele fez. Bane é o único que conseguiu escapar de lá quando ainda era uma criancinha leite com pêra e que toma ovomaltine, reza a lenda. Mas as lendas geralmente não são precisas, ainda mais para Nolan.

Bane toca o terror em Gotham City por vários meses, o tão aclamado exército americano paga pau pra ele e finge que não é com eles. A bandidagem é solta, esvaziando Blackgate. O Arkham? O quê, isso existe? O pessoal de lá é solto também, mas nenhum deles se parece com os típicos malucos que ficam nele. Acho que Batman não cumpriu a promessa que fizera a Gordon no primeiro filme…

Lá na pior prisão do mundo, continuam mentindo (eles também!) para Bruce sobre Bane ser a criança que fugira dali. Wayne ficou se sentindo mal com isso, e depois de ser curado da costelinha quebrada, na base da cordinha, cai mais algumas para aprender a levantar. Até seu antigo mentor, Ra’s Al Gh, aparece do nada e revela que o jedi-ninja é pai do Bane (NOOOOOOOOOOOOOO)… E depois dessa revelação de explodir cabeças Wayne finalmente consegue sair dali, em mais uma sequência sem emoção dirigida pelo “magnífíco Nolan”. Deus, espero que ele aprenda algo com o Snyder durante a produção de Homem de Aço. Mas só um pouquinho, não precisa exagerar que nem O Senhor do Slow-motion.

Wayne volta rapidinho para Gotham (afinal, aquela prisão deve ficar no quintal da Mansão Wayne ou algo assim) e perde dias pintando o bat-símbolo com um material inflamável em uma das pontes de Gotham, sem ser visto por ninguém, afinal, ele é ninja. Esse símbolo é aceso logo mais para indicar que “ôôÔôô, o morcegão voltou, o morcegão voltou, ôôÔôô”.

A batalha final é entre policiais destreinados bárbaros contra a bandidagem, é o Morcego contra Tumblers inúteis, é Batman contra Bane, de novo. Mas agora Batman treinou durante três meses e está mais fodão que o Bane, no melhor estilo Dragon Ball, e mesmo Bane dando socos que fazem um belo estrago na parede, o esperto do Batman finalmente percebe que aquela máscara serve para alguma coisa além de megafone e estraga ela, transformando o Bane em um boneco de posto furado agora.

Aí acontece um plot-twist que parece interessante. Miranda revela ser a única fugitiva da prisão-poço, e Bane o cara que a ajudou nisso. Os presos detonaram Bane aquele médico que curou a coluna costelinha de Bruce deu um jeito de salvar a vida do sujeito, talvez na base da cordinha também? Vi uma cicatriz que percorre a coluna inteira do Bane, será que o médico maluco colocou uma corda na coluna dele???

Pois é, o fodão Bane era só um capanga a serviço da menininha que fugiu da prisão-poço, que cresceu e agora quer vingança pela morte de seu pai, Ra’s Al Ghul. Ela quer vingança por Batman ter matado seu pai e frustrado os planos da Liga das Sombras. Ela não é Miranda, ela é Talia! E ELA É UMA TALIA FEIA! OMG!!! Por favor, sigam a Talia em Batman: Arkham City para se redimirem dessa visão.

Talia fere Batman com uma faquinha de cortar pão, e logo o Cavaleiro das Trevas fica a sua mercê. Ela foge para cuidar que a bomba exploda, e Bane aproveita que o Batman ficou mais fraco que ele e tenta matá-lo na base da cordinha (será que ele tirou das costas dele?). Mas é salvo por Selina, que assim como o Batman consegue pilotar qualquer coisa sem problemas, e ela dá um tiro em Bane com o canhão da motoca do Batman. Triste fim para o capanga do megafone.

Não podemos esquecer que enquanto tudo isso acontecia o Blake ficou agindo por Gotham, mostrando que ele sim é foda. Se não fosse por ele, minha esperança já teria acabado há tempos. Falando em acabar, quero acabar logo com o post, então pra resumir Batman e sua turma conseguem impedir que Talia prosseguisse com seu plano, mas a bomba vai explodir e o único que pode levá-la para longe é o Morcego. Então, o home-morcego e o Morcego levam a bomba atômica para longe, e a explosão só clareia a tela um pouquinho.

Mas a cidade milagrosamente não foi afetada. Batman acaba com seus dias de Homem-Aranha e finalmente é reconhecido como o grande herói de Gotham, já que Dent era o Cavaleiro Branco de duas-caras. Corre o boato de que Bruce Wayne morreu durante a confusão, e quem se dá é o Alfred, que ganha uma mansão com trocentos quartos só para ele e resolve aparecer.

O mordomo segue com seu ritual e vai lá naquele restaurante de sempre, e vislumbra Bruce Wayne e Selina Kyle juntos. Ele percebe que aquela bebida que tomou é forte demais e vai embora do local. E Blake? Descobrimos que o primeiro nome dele é Robin, e não é difícil entender p motivo dele esconder isso, afinal, ele devia sofrer muito com as gozações na escola. Robin descobre a bat-caverna, e assim como Gordon ganhou um bat-sinal com um símbolo diferente, Robin agora vai ser um Batman diferente. Pois ele não é ninja.

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge encerra uma trilogia sobre o Batman comandada por Christopher Nolan. O diretor mostrou uma abordagem que tentou ser mais realista do que os filmes anteriores baseados no personagem. Nesse último filme, apesar de alguns deslizes, como se parecer em certos momentos como Homem de Ferro, o resultado pode ser considerado positivo.

Nolan e seu irmão, junto com Goyer, conseguiram recuperar a imagem do Batman depois de todo o estrago feito por Joel Schumacher, criando um universo único e muito interessante, que conquistou a platéia. Posso não gostar dessa trilogia, mas não nego todas as coisas boas que ela trouxe ao personagem. As pessoas passaram a respeitar mais o Batman, se identificaram com a abordagem mais “realista”.

Uma trilogia composta de três bons filmes, um exemplo de como se reconstruir uma mitologia. Temos muito a agradecer ao Christopher Nolan, Jonathan Nolan e a David S. Goyer. Um trio heroico!

Quanto a mim, aguardo por um reboot, que assim como aconteceu recentemente com o Aranha, possa me agradar mais.

Deh-Shay, Deh-Shay, Bah Sah Rah. Bah Sah Rah!

Adicionado por Meltoh:

O momento pelo qual passei a aguardar Batman The Dark Knight Rises, com toda a expectativa foi o momento que coloquei os pés para fora do cinema, após a sessão do filme passado. Sabe aquela sensação de que o universo de uma história é tão bem elaborado que de certa forma você quer ver mais sobre ele, ver sobre aqueles personagens, as suas ações, o desenrolar das tramas…

Foi assim com Batman, esperei longos quatro anos. Na época sequer haviam muitos boatos sobre a continuação. Nolan parecia que queria mesmo um pouco de férias e tempo para trabalhar em seu outro filme: A Origem. E esse tempo para colocar as idéias sobre o morcegão no lugar, fez com que Nolan nos entregasse mais uma joia de beleza difícil de achar, um filme que vai ser apreciado hoje e por muitos anos, não somente fazendo história como um filme de super-herói, mas como uma obra de arte.

Na minha humilde opinião, dizer que fugiu um pouco  das HQ’s é apenas em parte válido. Os filmes de heróis hoje em dia buscam essa identidade mais realista, por assim dizer. Vide Homem de Ferro e o novo Homem-Aranha por exemplo… O certo não é chamar isso de distanciamento, mas de adaptação. O Batman já foi reverenciado de formas diversas, desde quando surgiu lá atrás como detetive, passando pelo tom sobrio mais recentemente como as HQ’s de Alan Moore e de Frank Miller. É um personagem que foi constantemente se reinventando, mas sem perder aquela essência e a ideologia do herói.

Nolan adaptou da sua forma o Batman numa Gotham real, num mundo real, sem perder referências diversas aos quadrinhos. Poxa, o quanto eu fiquei feliz ao ver referências ao Killer Croc nesse terceiro filme, ou mesmo ao Asa Noturna… A própria questão do “símbolo” do Batman é uma coisa que já aparecia nas HQ’s, mais especificamente em The Dark Knight Returns de Frank Miller, que por sinal, antes de ver o filme ontem, eu falei com um amigo que achava que o filme terminaria com algo parecido com o que a HQ nos mostrou, e quase acertei né? As homenagens à quem é fã de quadrinhos estavam lá, mais nesse filme que nos outros.

Por outro ângulo, Nolan em toda a trilogia reapresentou o Batman aos cinemas com maestria, apagando a péssima impressão deixada por Joel Schumacher e revivendo a chama do herói que estava muito apagada. Acabei repetindo o Mauri nessa parte, mas é o que também acho, é uma adaptação, Nola fez o Batman e seu dever para com o Gotham. O Bruce Wayne pode ter errado algumas vezes, mas dependendo do ponto de vista e da situação, o que ele fez foi o que achou que fosse o certo a fazer, isso só mostra o quão ele é ser humano, além do seu alter-ego de super-herói. Ele pode ter errado, mas foi o primeiro a decidir fazer o que fez para salvar a sua cidade.

O terceiro filme não pode ser visto isoladamente, pois se perde muita coisa, ele é parte de algo maior, é o terceiro ato de uma grande história. Aplaudi alto no cinema, e fico feliz que algumas pessoas também o fizeram. Sabem reconhecer um bom filme quando estão diante dele. Digo que o Batman de Nolan foi uma das poucas trilogias perfeitas de filme que o cinema nos mostrou em sua história, onde nós temos o início de um herói, a sua derrota pelas mãos de um inimigo, o seu retorno e sua consagração.

Tive só uma grande dúvida… Superou o segundo? Não estou em condições de dizer isso ainda, se bem que o segundo foi mais focado no Coringa do que no Batman né? E para falar a verdade isso nem importa mesmo, prefiro pensar que tudo foi uma grande história…

E que venha o Batman 4 ou Batman 1 de novo, não importa! O Morcegão está de volta!

Isso também pode lhe interessar

60 Comentários

  1. Estou ansioso demais!!! Sábado assistirei sem dúvidas… queria ir na pré estréia, mas aqui em BH vai ser em sessões às 23:55 e 00:01 de quinta para sexta, ai nem rola…
     
    Pelos reviews que já li, será um filme no mínimo muito bom, épico… Pode não ser melhor que o filme anterior, cada um vai tirar suas próprias conclusões, mas se mantiver 70% da qualidade, pra mim está ótimo…

  2. O último filme vai ser bom acho que deveria assistir pra mim esse será o melhor filme da trilogia, mesmo o segundo filme ter sido muito bom com um Coringa que era o oposto do Batman onde queria implantar o caos e em consequência aquele final trágico e também um filme de escolhas em que ele fala para o Batman que o ser humano quando manipulado pode ser muito perigoso e cometer barbaridades por isso ele bota aquelas pessoas no barco até onde as pessoas iriam fazer em busca da sobrevivencia onde 2 barcos carregado de explosivos um com bandidos e outro com pessoas inocentes e um deveria se sacrificar e acabou que o lado mais incomum o dos bandidos e com isso a desistência do Bruce de ser o Batman e transformar o Harvey como o Cavaleiro Branco de Gotham e salvar a cidade, pelo que vi nos trailer Bane teria a mesmo ideais do Batman onde quer causar impacto e transformar em simbolo na cidade por isso o grande choque 2 pessoas com mesmo ideais mais agindo de forma diferente, ainda queria um pouco mais de misticismo que tinha do primeiro mas e aguardar pra ver…

  3. o último filme pra mim esse será o melhor filme da trilogia, mesmo o segundo filme ter sido muito bom com um Coringa que era o oposto do Batman onde queria implantar o caos e em consequência aquele final trágico e também um filme de escolhas em que ele fala para o Batman que o ser humano quando manipulado pode ser muito perigoso e cometer barbaridades por isso ele bota aquelas pessoas no barco até onde as pessoas iriam fazer em busca da sobrevivencia onde 2 barcos carregado de explosivos um com bandidos e outro com pessoas inocentes e um deveria se sacrificar e acabou que o lado mais incomum o dos bandidos e com isso a desistência do Bruce de ser o Batman e transformar o Harvey como o Cavaleiro Branco de Gotham e salvar a cidade, pelo que vi nos trailer Bane teria a mesmo ideais do Batman onde quer causar impacto e transformar em simbolo na cidade por isso o grande choque 2 pessoas com mesmo ideais mais agindo de forma diferente, ainda queria um pouco mais de misticismo que tinha do primeiro mas e aguardar pra ver…

  4. o último filme pra mim será o melhor filme da trilogia, mesmo o segundo filme ter sido muito bom com um Coringa que era o oposto do Batman onde queria implantar o caos e em consequência aquele final trágico e também um filme de escolhas em que ele fala para o Batman que o ser humano quando manipulado pode ser muito perigoso e cometer barbaridades por isso ele bota aquelas pessoas no barco até onde as pessoas iriam fazer em busca da sobrevivencia onde 2 barcos carregado de explosivos um com bandidos e outro com pessoas inocentes e um deveria se sacrificar e acabou que o lado mais incomum o dos bandidos e com isso a desistência do Bruce de ser o Batman e transformar o Harvey como o Cavaleiro Branco de Gotham e salvar a cidade, pelo que vi nos trailer Bane teria a mesmo ideais do Batman onde quer causar impacto e transformar em simbolo na cidade por isso o grande choque 2 pessoas com mesmo ideais mais agindo de forma diferente, ainda queria um pouco mais de misticismo que tinha do primeiro mas e aguardar pra ver…

  5. Eu vou com certeza!!! Não poderei ir no final de semana por estar trabalhando, mas o ingresso para assistir no dia da minha folga já foi comprado pela internet para evitar o sufoco que passei das filas quando fui assistir "Os Vingadores".
     
    Não li reviews ainda pra não pegar qualquer spoiler mas já vi site de critica dando nota máxima pra esse filme. O que só faz minha empolgação ir lá em cima e não querer descer de jeito nenhum. XD

  6. Quando sai o eu vou???Porque eu fui e só poso dizer uma coisa:NÃO DEVE NADA PRO já perfeito SEGUNDO FILME!!!…Olhe lá se não for melhor …

    1. A única palavra que veio em minha mente foi que o filme é uma obra-prima do cinema, desde o começo do surgimento dessa trilogia fiquei com um pé atras porque eu estava acostumado com aquela Gotham surrealista dos quadrinhos de lunáticos,bandidos,monstros e tudo mais e um cara vestido de morcego metendo a porrada neles, no filme mostra mais que isso faz alusões a nossa sociedade como corrupção,criminalidade e etc e surgi um mascarado com ideais de justiça onde qualquer um poderia ser o Batman, muita gente vai criticar e falar que o 2 filme foi melhor que esse mas pra mim vejo o The Dark Knight como um caso a parte mesmo que o diretor e é claro que não iria usar o Bane como seu ultimo vilão para fechar sua trilogia depois do sucesso do segundo, mesmo assim o filme foi impecável e aquela atriz Anne Hathaway que fez a Selina estava na duvida como seria utilizada no filme se seria só um par romântico do herói ou seria algo a mais e ela me mostrou que foi uma pessoa fundamental no filme.

  7. Assisti o filme ontem e achei ótimo, mas para mim não superou o segundo…
    Batman Rises é menos realista, mas não deixa de ser um filme acima da média…
    Como ainda não podemos dar spoliers, em notas a trilogia para mim ficaria assim:
     
    Batman 2 – 10,0
    Batman 3 – 9,0
    Batman 1 – 8,5
     
    Aquela atuação do Heath Ledger e o realismo do segundo filme é histórico, é até injusto comparar com o terceiro filme… vai ter pessoas que vão considerar esse terceiro filme melhor pelo clima épico, mas o tom sombrio do segundo pra mim é insuperável… questão de gosto pessoal mesmo, porque a trilogia toda é excelente…

  8. Também não saquei esse desdém todo pelo filme… Assim, ele tem sim suas falhas e O Cavaleiro das Trevas é bem mais fechadinho, mas TDKR é um filmaço que recomendo com certeza! É muito fácil pegar QUALQUER filme e ridicularizar todas as cenas de alguma maneira, mas isso não quer dizer que elas são, de fato, ridículas.Acho que essa crítica aí é resultado da emoção do momento por não curtir esse universo do Nolan, hein :p Agora, sobre o reboot… só eu acho que uma série de filmes num universo parecido com aquele que vimos em Arkham Asylum e City seria ANIMAL? Acho que é a única chance da Warner se dar bem com um recomeço depois dessa saga do Nolan…

    1. Desculpa se tá uma merda ler o texto, é que por algum motivo eu não consigo criar parágrafos. Quer dizer, eu até consigo, mas quando mando "post comment" eles desaparecem.

    2.  @BrunoBessa Aoesar de não gostar muito dos jogos Arkham, eu acredito que um filme com uma atmosfera parecida com eles seria mais legal para mim do que os filmes do Nolan (desde que o Batman use o Bat-Móvel xD).
       
      E sim, eu recomendo a trilogia para todo mundo, domingo mesmo no churrasco da minha família fiquei enchendo o saco de todo mundo que não tinha ido ver o filme para fazê-lo, mas o resultado final desses filmes pra mim é apenas bom, mas não posso negar seus valores.

      1.  @Mauri Link Dafuq? Não gosta do Batman do Nolan, não gosta do Batman dos jogos Arkham… você gosta do Batman em algum lugar? xDD Não diga série dos anos 60, não diga série dos anos 60…

        1.  @BrunoBessa Do Batman, gosto da série de TV, de quase todas as animações (incluindo Batman do Futuro), do Batman de Burton, dos jogos da Konami, e claro, os quadrinhos, em especial Batman Noel, que é a história do Batman que mais curto.

        2.  @Mauri Link Eu não lembro muito das animações, porque via quando era muito criança, mas os jogos Arkham não tem alguma ligação com elas? Tirando o óbvio fato de que são um pouco mais… sombrios e até mesmo voltadas pro realismo, de certa forma.Mas eu concordo que o Batman do Nolan é bem diferente de sua fonte, mas ainda assim eu curto demais essas 'versões realistas' dos heróis que podemos ver no cinema. O Batman talvez seja o mais distante de sua contraparte dos quadrinhos, mas ainda assim eu acho que o espírito do personagem ainda está lá. Ou não. 

        3.  @BrunoBessa Os jogos Arkham bebem bastante da fonte das HQ's e animações. E sim, eu também vejo o Batman de Nolan como mais um dos "Batmans" que tanto me instigaram na linha Túnel do Tempo. Mas assim como não gostei tanto de algumas versões do Batman apresentadas nessa linha, não gostei do Batman de Nolan, embora é visível que de uma certa forma o cerne do personagem está lá.
           
          É como no caso do Aranha, gosto muito do 616, do 2099, do Ultimate e do Noir, mas não curto tanto o Aranha 1602, por exemplo.

  9. Confesso que entrei algumas vezes neste site para acompanhar o post desde o "Eu vou" até o "Eu fui", esperava um crítica mais profissional, não precisa encher o filme de elogios… também acho que faltou uma dramatização no famoso "quebra costas" mas… você exagerou e pisou na bola. Não deu apenas sua opinião a respeito do filme, que seria muito bem vinda. Esta linha você passou… e acabou desrespeitando os fãs (seus leitores) e o que esta trilogia significa.

  10. Muito bom o filme, superou as minhas expectativas, que eram muito baixas após o dois ser sensacional, e ver o Bane como vilão desse filme. Não chega perto do dois, até mesmo por conta do Coringa, vilão mor do Batman, mas mantém o padrão. Spoilers abaixo.
     
    Sinopse (Level 1 de Spoilers): Oito anos após a morte de Harvey Dent, a cidade de Gotham City está pacificada e não precisa mais do Batman. A situação faz com que Bruce Wayne (Christian Bale) se torne um homem recluso em sua mansão, convivendo apenas com o mordomo Alfred (Michael Caine). Um dia, em meio a uma festa realizada na Mansão Wayne, uma das garçonetes contratadas rouba um colar de grande valor sentimental. Trata-se de Selina Kyle (Anne Hathaway), uma esperta e habilidosa ladra que, apesar de flagrada por Bruce, consegue fugir. Curioso em descobrir quem é ela, Bruce retorna à caverna para usar os computadores que tanto lhe serviram quando vestia o manto do Homem-Morcego. Aos poucos começa a perceber indícios do surgimento de uma nova ameaça a Gotham City, personificada no brutamontes Bane (Tom Hardy). É o suficiente para que volte a ser o Batman, apesar dos problemas físicos decorrentes de suas atividades como super-herói ao longo dos anos.
     
     
    Level 2 de Spoilers:
    – O segundo filme é bastante comentado no início, já o primeiro é muito comentado no final.
    – não me sai da cabeça que o Duas Caras não morreu no segundo filme…sei não heim……….
    – é só impressão minha ou a amiga da Celina (Mulher gato), Holly Robinson, parece com a Harlequina?
    – quem serve de juiz depois da invasão é o Dr. Jonathan Crane, o Espantalho, que por sinal ele apareceu nos 3 filmes…
     
    Level 3 de Spoilers:
    – Pensei que o Bane iria estragar o filme, que ele fosse ficar muito caricaturado, mas “humanizaram” ele, sem a parada de esteroides ou fórmula pra ficar forte. A Anne Hathaway também me surpreendeu, achei que um dos dois iria estragar o filme, mas não.
    – assim que vi o Blake (personagem que não existe no universo DC) imaginei que ele seria algum personagem importante…eis que ele será o………(não comento pq é level 6 de Spoilers, mas não é difícil adivinhar NE?)
    – a Miranda assim que vi achei que ela seria alguém foda no filme, talvez num próximo, por ser ambientalista viraria a Hera Venenosa, lá pelo meio do filme achei que ela seria a Batgirl / Batwoman, eis que ela é……….. (não comento pq é level 8 de Spoilers, mas não me surpreendeu tanto)
    – Esperava um pouco mais da cena das explosões no estádio, e da luta final Batman x Bane.
     
    Level 4 de Spoilers:
    – Estranhei quando falaram que o Bane era filho do Ra's Al Ghul, quem conhece mesmo Batman sabe que o Ra’s tem uma filha, que sempre tem um caso com o Batman, que inclusive eles tem um filho juntos, que as vezes aparece.
    – Não curti a cena final, acho que poderia deixar a entender apenas, não precisava mostrar que……….e que……..
     
    Level 5 de spoilers
    – Baseando nas cenas finais, da a entender que o filme não será o ultimo… mas o diretor Christopher Nolan falou que não irá fazer outro, postou uma carta http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/notici… , e o Bale disse que só faria esse terceiro se não tivesse o……….. na trama.
     

    1.  @Carlos Mazmanian acredito que a loirinha que vc disse parecer com a Harley Quinn deva ser a Cat-Girl… ela é loira tb e novinha… aprendiz da catowoman… 

      1.  @ThaisHoffmann Nem to ligado, estranhei tb o fato de não ter menção nenhuma a nenhum gato no filme, ela não ter um gatinho de estimação, querer roubar uma estátua de gato / felino, coisa corriqueira nos animes…

  11. referências no filme que eu tirei das HQs e até mesmo de outas mídias. Algumas partes contém spoilers
     
    – John Blake parece ser uma amálgama de todos os garotos que já vestiram o uniforme do Robin. Ele é um tira, assim como Dick Grayson foi durante um tempo. Ele tem uma mãe que morreu doente e um pai ligado à contravenção que foi morto por um chefão do crime igual a Jason Todd. Ele deduz que Bruce Wayne é o Batman do mesmo modo que Tim Drake fez. Ele até é chamado de "esquentadinho" durante o filme e, veja só, o 4º e último Robin – Damian Wayne – é conhecido pelo seu temperamento explosivo.
    – Bane também parece ter sido construído a partir de um mix de outros vilões que já desfilaram pelas HQs. Além do próprio Bane, ele agrega características do Líder Mutante (da minissérie Cavaleiro das Trevas), do diácono Blackfire (da mini O Messias), do KGBesta e até do líder terrorista Qayin (da graphic novel O Filho do Demônio).
    – A amiga da Selina interpretada pela Juno Temple é claramente inspirada na personagem Holly Robinson.
    – Teria o vice-comissário Peter Foley feito uma alusão ao Killer Croc qdo comenta que Gordon teria visto crocodilos gigantes nos esgotos? Na animação Gotham Knight (compêndio de curtas situado entre os filmes BB e TDK), Batman e Gordon enfrentam o Killer Croc nos esgotos de Gotham. E é neste mesmo desenho animado que o Dr Crane aparece fazendo uma espécie de julgamento e sentenciando uma pessoa à morte.
    – O empresário John Daggett foi inspirado em Roland Daggett da série animada dos anos 90. Roland era o dono das Indústrias Daggett, uma companhia rival das Empresas Wayne.
    – Da série camp dos anos 60 temos 2 homenagens (pelo menos o que eu pude perceber): (1) o uniforme da MG, que a própria figurinista de TDKR disse ter se inspirado no modelito usado pela Julie Newmar; (2) a bomba sendo jogada no mar…
    – Da minissérie O Reino do Amanhã: (1) o aparato que Wayne usa para "melhorar" o joelho e as justas detonadas se parece com o exoesqueleto que ele utiliza na série; (2) qdo a Selina desaparece e o deixa falando sozinho, ele comenta "Então, essa é a sensação…" (na minissérie é o Superman que some de repente, mas Bruce fala exatamente isso).
    – Da minissérie O Cavaleiro das Trevas: (1) o retorno após um período afastado de suas atividades como Batman; (2) a aposentadoria forçada e a vida excêntrica como um ermitão após a morte de um ente querido – no filme foi a morte da Rachel, na mini, a morte do Jason Todd;(3) o "blefe" da própria morte; (4) o comentário que o policial mais velho faz para o mais novo na cena da perseguição ("Prepare-se para assistir a um show, filho"). – Do arco A Queda do Morcego: (1) o origem do Bane; (2) a liberação dos detentos da Prisão Blackgate pelo Bane; (3) o Alfred indo embora pq não quer ver o seu patrão/ filho se auto destruir; (4) Bane detonando a coluna do Batman.
    – Do arco Terra de Ninguém: Gotham sendo isolada do resto do país com o auxílio das forças armadas e sendo declarada terra de ninguém.
    – Do recente arco Gates of Gotham: as pontes que ligam a cidade ao continente são destruídas e a população isolada.
    – Da minissérie Bane of the Demon: a ligação dos Al Ghul com Bane.

      1. como já comentei uma vez, o Coringa foi e sempre séra o vilão do Batmá.
         
        Bane para mim nunca foi la grande vilão (e alias por que ele não tem aquele veneno nesse filme? ele arrebenta paredes e quebra pescoços sem nada que lhe de mais força?).
         
        mas como não sou ligado as hq's, gostei sim do filme, fechou de forma legal, "ele sobreviveu ou o velho viu ele?".
         
        o tal Robin-Batman, foi um personagem legal, mas ele descobriu quem era o batman somente por um sorriso? WHATA!?
         
        TDK e seu Coringa, continua sendo o melhor filme do batman, esse filme foi somente para fechar tudo, fechar a historia da liga das sombras, fechar as mentiras colocadas em gotham, fechar o desfecho de tudo relacionado a familia Wayne.
         
         

  12. Galera, em breve mais membros da equipe agregarão conteúdo ao post, como o Meltoh e o Rackor. Nesse primeiro momento, tô sendo bem mais questionador e citei mais as coisas que não gostei na história, e mais para a frente trarei algo mais focado em crítica, antes quero rever o filme novamente.  Por enquanto é só um palhinha mesmo, pois eu queria abrir o post logo para vocês poderem comentar.
     
    Deh-Shay, Deh-Shay, Bah Sah Rah. Bah Sah Rah! Deh-Shay, Deh-Shay, Bah Sah Rah. Bah Sah Rah! Deh-Shay, Deh-Shay, Bah Sah Rah. Bah Sah Rah!

  13. Bom finalmente li o "eu vou" e o "eu fui" (que a meu ver ficou meio banalizada, é cada filminho aqui que fazem um hype tremendo)…e complementando o que eu já disse antes (posts abaixo)…
     
    do filme todo mundo tava ou 8 ou 80…ou não esperavam grande coisa (assim como eu) ou esperavam ser tremendamente foda…superou as minhas expectativas…mas não se compara ao segundo (como também já disse)
     
    do mauri comecei lendo discordando dele, depois passei a concordar, alias, talvez nem concordar, e sim entender a visão dele, pois tb achei umas partes fail…oq não deu para entender é que primeiro ele esculhamba o filme, para no final dizer que ele é bom… e será mesmo que acabou por ai???? será q não vem um quarto filme do Batmam nos mesmos moldes, ou um filme só do Robin… 

  14. O Nolan esta acima do bem e do mal. Qualquer opinião q nao seja "é o melhor filme do mundo", "melhor versao do batman desde sempre", "muito melhor q Vingadores" ja é logo taxada de errada, burra ou tendenciosa. Alias, dizer q Vingadores é infantil e o todo poderoso Batman do Nolan (sim, pq o Batman é dele) é uma piada sem tamanho. Batman é tão cliche, tão facil de entender e tao personagem de quadrinho q qualquer filme da marvel. Será q acham q ele é tão maduro assim por ser preto? Não sei. 
    Quanto ao filme, n é melhor q o segundo e tb n tinha como ser, a atuação do Heath é daquela q se faz uma vez so, em um filme escolhido pelo destino, porem, é um fim competente pra trilogia dele e um filme tão bom quanto o ótimo filme dos Vingadores (embora eu tenha gostado mais do filme da marvel).

  15. Eu geralmente só leio e não posto nada no Portallos, mas acho que alguns usuários viajam com certas coisas…  Sou fã do Batman a anos, acompanhei todos aqueles filmes com Mulher Gato, Charada, Pinguin, Mister Frii (frio pra quem preferir) e o próprio Coringa. Mesmo aquela desenho dos anos 90 do Batman e a Liga da Justiça me mostraram um Batman legal e curtia muito, até o momento que descobri que aqueles "Batmans" não tinha nada haver com os das HQ's, parece besteira, mas influencia em você acompanhar um personagem. O Batman da DC, dos Gibis é um ser sombrio, cheio de estilo, demonstrando poder, força, alguem temível para qualquer vilão.  Vendo aonde quero chegar, é que os filmes atuais não tem nada haver com Gibi da DC, na minha opinião. E nos ultimos anos, o Batman tem sido maior lucro deles e se não melhor personagem da DC. Pessoal tem IP alto entre os dois primeiros filmes do Batman, mas tirando o segundo, os outros dois (1 e o 3) são "fracos" para uma adaptação.
    Visto comparações com a Marvel e seus filmes, Os Vingadores foi um filme INCRÍVEL…   até então, eu nunca vi usar tantos personagens tão interessantes em um filme nesse estilo (Mundo dos Gibis) e serem tratados de igual peso, sem nenhum perder seu "brilho", a qualidade que todos fã, Marvetes e afins pode ver de seus personagens favoritos. Adaptação memorável até então. Sem falar em cada personagem ter sua sequencia e cada sequencia ligar um a outra (Capitão America > Homem de Ferro 2 > Thor) até formar uma unica equipe (Os Vingadores). Se não for melhor filme no estilo, até então não tem, mas existe bons…
    Sem dúvida não dá para comparar, a trilogia Batman foi um enorme sucesso e teve seu fim, mas quando a estoria chega no fim, o fim tem que ser no minimo, épico e esse Batman, na minhã opinião não foi. Se a ordem dos filmes foce invertido ( Do Dois no lugar do um) seria outra historia. Torço que não seja o ultimo, pq um personagem tão bom, se não melhor da DC Comics, não merece fim "fraco" desse.

  16.  @Gatsu Dois pontos que preciso discordar, irmãozão. Primeiro, se o filme 2 entrasse no lugar do terceiro, seria um trilogia sem pé nem cabeça, sem final. O terceiro batman cumpriu como encerramento de história, ali você não vê um enredo começando, mas, sim terminar.
     
     
    Desde o começo você tem essa sensação no filme, de que está assistindo a um final de filme, um final de 3hrs. Ou seja, um filme para quem acompanhou todos os outros.
     
    E preciso discordar desse hyper que causam com Os vingadores. O que os vingadores teve de bom? Vi gostei, mostrou os herois que eu tinha carinho, mas nada mais foi do que uma salada mista de personagens em cenas de ação, para os fãs mais dedicados, achassem supremo.
     
    E nós bem sabemos que a Marvel costuma ser uma empresa que tem toda dedicação em tratar suas histórias. O pessoal fala um monte de blábláblá da marvel estudio e eu até agora só vi vontade de fazer filme de super heroi para brindar os fãs, mas, salvando o ultimo hulk, só vi filmes normais.

      1.  @FilipeGabriel Mas ai que tá, eu não descordo disso, lógico que se trocar as sequencias iria ficar sem sentido. Não sei se não me coloquei bem, mas eu quis dizer se a historia fosse construída para ter um final com inimigo tipo, CORINGA, ai beleza. ÉPICO, mas não foi o caso. Não teve nada haver com a serie anteriormente, um personagem de cair de tal maneira, um inimigo como Bane… (Batman já teve inimigos melhores).
         
        Uew, pensei que fosse um filme de acão??? Ele cumpriu bem seu papel, teve uma historia (até longa de mais), uma boa introdução e o fim foi tudo aquilo que quem acompanha os gibis da Marvel, sabe que termina dessa forma: PANCADARIA. Nenhum personagem decaiu do que ele era ali. E a Marvel tem sucesso, pq? O Bicho come na hora que tem que acontecer. Hoje Os Vingadores é o terceiro maior filme com bilheteria perdendo apenas de Titanic e Avatar.
         
        E não só, o que comparamos é um fim de uma saga de um ótimo herói que chega a seu fim e de um começo para Os Vingadores que terá sequencia e tem tudo para melhor.
         
        E discordo totalmente. Capitão America, Homem de Ferro 2, Thor foram ótimos filmes.
         
        E realmente, nenhum fã que é fã vai dizer que foi ruim, mas Batman merecia ou merece um fim melhor.

    1.  
      Concordo plenamente contigo Filipe, ainda acrescento que Os vingadores é um filme bom, mais não passa disso, se eu tive-se uns 16 anos talvez o acha-se fodastico, porque o filme é teen demais, já os Batman do Nolan é outro patamar e acho que algumas pessoas começam a criticar desse ponto de vista, queriam algo mais proximo do universo Marvel de ser! E discordo do que a maioria vem falando, que o segundo filme é muito melhor que este, antes eu achava o primeiro filme muito fraco em comparação ao segundo, e então toda minha pespe-quitiva  mudou após o terceiro filme, este consegue dar um sentido maior ao primeiro e fechar tudo bem, é como um arco e flecha, a melhor analogia que consigo fazer dos três filmes, veja como funciona toda a coisa, o primeiro filme é o arco, o segundo a corda, e o terceiro e ultimo a flecha, agora entenda porque esta analogia, como funciona com um arco e flecha, o arco é envergado pela corda que por sua vez esta sendo puxada para impulsionar a flecha ao alvo, e é tudo um conjunto que funciona, não da mais pra ver cada filme da saga isoladamente ao meu ver, e concordo plenamente contigo nas suas curtas palavras.

  17.  @ThaisHoffmann Cara, pois pra mim, se tem um cara que nao tinha NADA de Batman foi o Keaton!! Ate o Clooney e o Kilmer tinham um pouquinho mais!! Quase nada!!
    Eu sou do time do Bale mesmo…ali ta parecido com um Bruce dos quadrinhos, a versão o Lee Bermejo…de onde o Coringa do Ledger foi, "inspirado"!! 

  18.  @Gatsu Exaltam muito o filme mas não consigo ver o que há de tão bom em algumas caracterizações:
     
    – Hank Pym e Jan não fundam a equipe por causa do atrasado diretor
    – Há muita mistura de dois universos diferentes, o que pode dificultar uma pessoa a ler, caso queira
    – Stark é muito carismático, piadista e sarcástico no filme, enquanto no 616 ele não tem nada a ver com o perfil, assim como o Ultimate
    – Momentos de humor excessivos
     
    Gostei muito de Vingadores mas um dos pontos negativos foram estes, ao menos pra mim. 😛

  19.  @Mauri Link cara, só voltando aqui porque fiquei curioso… o que exatamente você não gosta no Batman dos jogos Arkham? É que como ele é a minha versão favorita do morcego (prefiro ela que a versão do Nolan), fiquei meio encucado com isso :s

    1.  @BrunoBessa É mais com relação ao gameplay, justamente o que faz dele um jogo… por exemplo, ter que ficar batendo em trocentos bandidos que após algum tempo acordam e obrigam o jogador a repetir tudo. Também o lance de ficar quebrando câmeras sem muito sentido, a quantidade absurda de traquitanas do Charada, os upgrades de combate e armas, etc. Fora o Batman bombadão. Enfim, coisas pequenas, que eu queria poder desativá-las enquanto jogo, o que também acontece nos jogos do Aranha, do Wolverine… Efim, eu tenho uma idéia de como um jogo de super-herói ideal pra mim poderia existir, sem ter que apelar para tantas tradições comuns dos jogos eletrônicos. Qualquer dia eu falo mais disso.
      Porém, isso não impediu de comprar Arkham Asylum/City nos seus respectivos dias de  lançamento.

      1.  @Mauri Link Ah, entendi, então seu problema é com o jogo em si. Mas quando eu mencionei esse Batman eu quis dizer os personagens e o universo, e como seria interessante ver algo mais parecido com aquilo nos cinemas. 
         
        Pelo menos eu acho que essa versão dele tem mais cara de Batman do que a do Nolan, que apesar de eu gostar muito não tem tanto um feeling de Batman assim. Por isso mencionei os jogos, porque caso a Warner faça um reboot acho que essa direção é a única que poderia me agradar (já que ela também nos traz mais possibilidades de futuros encontros com outros heróis da DC que são mais sobrenaturais)

  20. Embora tenha me incomodado com algumas falhas levantadas pelo algumas falhas levantadas pelo Mauri(prisão bem pertinho…..), minha visão do filme se aproxima muito mais com a do Meltoh
     
    É que a do Mauri me lembrou muito as análises do blog Mais de Oito Mil, em que todas as cenas são ridicularizadas, mas lá é um blog de comédia, e no final a autora volta tudo e faz uma análise séria do que viu, para dar a opinião de verdade. O que eu vi aqui foram as piadas, sem a análise série depois(teve um pouco sim, mas beeeem geral).
     
    Realmente não gostei da Miranda ser a vilã. Não vejo Comics, só conheço os heróis americanos pelas animações e filmes. Talvez esteja sendo idiota dizendo isso justamente com essa base, mas achei horrível esse polot twist. o Bane tinha moral, de verdade. Não dá para comparar com o Coringa, mas a atuação do cara também foi muito boa. Aí veio essa "virada" que pareceu tirada da bunda do roteirista. Os quadrinhos podem demonstrar essa vilã, mas para alguém como eu, que só vi os filmes, foi altamente forçado. Pareceu que foi feita só para fazer surpresa. Para uma adaptação em filme que consegue atrair um público bem mais amplo, a história tem que funcionar para aqueles que leram e os que não leram os quadrinhos(ou animações e o resto). Igual como colaram uma referência ao vilão crocodilo no texto(eu nem conheço esse) mas que não atrapalhou em nada quem assistia não sabia sobre ela. Mas essa, tirou muito do clima, tirar um vilão bom como o Bane tinha sido mostrado para uma personagem fraca que nem sabia que existia até esse filme(se apareceu nos outros foi tão boa que nem me lembro).
     
    Além disso, o Batman não morreu. Pensei ter sido ilusão do Alfred, mas e a mulher-gato? ele conhecia ela por acaso? Juntocom o piloto automático, Bayne sobreviveu. Não sou contra não matarem ele, mas se fosse para fazer isso, não tivesse aquele drama todo com a bomba. Teria sido infinitamente melhor se o tivessem matado e passado a bola em definitivo para o Robin, que aliás, foi muito bem feito.(e mesmo que Bruce tenha se aposentado, não é a mesma coisa de ele ter morrido e passado a bola).
     
    Tirando esses dois pontos, importantes, mas não decisivos, digo que a trilogia se encerrou com um muito bom filme.
     
    E para alguém como eu, que só conheceu Batman nas animações da liga da justiça, e nesses filmes, o "mundo de Nolan" ficou fantástico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.