AssistindoSeriados

Reassisti | Heroes, a 4ª Temporada e estou pronto para Heroes Reborn!

Agora no final de setembro, está previsto para estrear Heroes Reborn, uma nova mini série baseada no universo de Heroes, série de grande sucesso que foi ao ar entre 2006 até 2010 pelo canal americano NBC. E eu me recordo como inicialmente Heroes foi um grande sucesso. Muitos ainda se lembram da primeira temporada, “salve a líder de torcida (cheerleader), salve o mundo“, e a tensão de todo o desenrolar da trama de pessoas que estavam ganhando estranhas habilidades e o risco de um psicopata que acumulava tais habilidades. Bons tempos.

Claro que o desenrolar da série não teve o mesmo sucesso de seu primeiro ano. Aí a audiência caiu, o que resultou em seu cancelamento no quarto ano do show, e de forma inesperada, já que os produtores acreditavam e apostavam em uma quinta temporada. Ficou-se um gancho que nunca pudemos ver como se desenrolou, ainda que nos anos seguintes, esperava-se que a NBC fizesse alguma mini série ou filme fechando a série, o que nunca aconteceu. E o tempo esfriou e o projeto de concluir Heroes ficou no esquecimento. Até 2015, quando Heroes Reborn trará tudo de novo!

É interessante lembrar que Heroes foi uma série que foi importante a seu tempo. Em 2006 não havia tantos seriados explorando a mitologia dos humanos com super poderes e habilidades que facilmente encontramos nos quadrinhos americanos. Não se falava tanto de séries de super heróis e vilões. Heroes foi importante a sua maneira e criou uma narrativa madura e densa, atraindo tanto um público jovem quanto adulto. E tenho pra mim que ela só decaiu e foi cancelada porque os produtores ficaram com medo de desapegarem de personagens e reinventar esse universo, o que parece que finalmente acontecerá com Heroes Reborn. Entretanto vou deixar para discutir a nova mini série no final desta matéria. Agora é hora de relembrar Heroes – Season 4!

Quarta Temporada : O espetáculo final!

Enfim, aproveitando que Heroes está completíssimo no Netflix Brasil, resolvi aproveitar este final de semana para uma insana maratona de sua quarta temporada, que possui 19 episódios. Fiz isso porque segundo alguns sites que monitoram o conteúdo do Netflix, aparentemente a série pode sair do catálogo do serviço agora no final do mês de setembro. Apesar de acreditar que com uma nova mini série estreando lá fora, o mais inteligente seria a Netflix renovar esse conteúdo para mais um ano, já que haverá (se não não estiver tendo) uma procura por todas as temporadas assim que Heroes Reborn estrear lá fora. Eu já me antecipei e revi seu último ano.

Por que o último ano? Bem, basicamente porque não me recordava aonde a série parou. Quais personagens morreram, quais finalizaram suas histórias, o destino de alguns etc. Se você nunca viu e quer conhecer Heroes, com certeza deve ver a primeira temporada. Eu me recordo do ano 1, então o mais lógico seria ver mesmo o final, sem ter que sofrer novamente pela segunda e terceira temporada, que são fracas.

O grande mal de Heroes talvez tenha sido dois, na verdade. O segundo ano da série sofreu uma redução de episódios, pois ela foi produzida naquele ano na qual os roteiristas americanos entraram em greve nos Estados Unidos e isso estragou o ritmo de uma porrada de séries na ocasião. Com uma temporada curta, e ruim, Heroes perdeu muito público, e demorou a retornar. Quando o terceiro ano retornou, ainda que com a promessa de muitos episódios, já era tarde demais. O estrago já havia sido feito.

A quarta temporada tenta conserta muito dos estragos do ano 2 e 3 da série. Ela reinicia a história para muitos personagens, enquanto resolve parte dos ganchos e problemas que a série criou ao longo das temporadas anteriores. No geral, não acho uma temporada ruim, mas ela claramente tem alguns problemas, mas ela aposta alto no seu final, acreditando que iria entrar nos eixos no quinto ano, que infelizmente não aconteceu.

O grande problema de Heroes é justamente se desapegar de personagens. Peter, Parkman, Hiro, Claire, Trace, Sylar, Nathan e mais alguns de pequena importância, todos retornam e são pontos importantes da trama. A série nesse ponto não conseguiam se reinventar e trazer novos personagens tão marcantes e icônicos quanto as estrelas do primeiro ano do show. E o primeiro ano foi importante justamente porque naquele momento, cada um fazia parte de um grande quebra cabeças que reuniria todos no final da temporada, de forma fluida, sem que o roteiro forçasse isso. Aí quando você passa por 4 temporadas, fica maior clichê e até zoado que novamente, todos eles precisem se unir e salvar novamente o mundo. Nesse momento Heroes já precisava se reinventar e introduzir novos personagens. E não conseguiu.

Muitos personagens com habilidades são introduzidos no quarto ano é verdade. Emma, a moça surda que pode ver as cores do som, e eventualmente atrair as pessoas com o poder da música, foi uma grande adição, mas fora ela, todo o elenco do circo apenas aparenta ser figurantes, sem explorar qualquer background ou história, exceto a de Samuel, o grande vilão.

E olha que revendo de novo, eu gosto do personagem como um vilão. A temporada inteira ele tem um caráter cinzento, com momentos onde esbanja carisma, e tem certas sabedorias em suas palavras, ainda que em boa parte do tempo apenas esteja manipulando as pessoas, porém ele essencialmente é um personagem ruim, seja porque foi desprezado no passado, seja porque não sabe seu lugar no mundo.

Eu gosto também de alguns episódios do Hero nesse quarto ano. Sua resolução com a Charlie é tocante e emocionante, assim como a sua desenvoltura para mudar a morte da personagem, sem que necessariamente altere a linha do tempo da história em si. Outro episódio incrível é o de seu julgamento entre a vida e a morte, quando vários personagens icônicos fazem uma participação especial. Sem mencionar quando ele sofre um baque e não consegue mais falar a não ser através de referências nerds. É genial!

Apenas sei que revendo esse último ano de Heroes novamente me fez ter saudades dessa série. Nem tanto de seus personagens, mas do universo construido em si. Há muitos episódios criativos em si, ainda que haja tramas paralelas demais ocorrendo. Em uma maratona, isso não foi problema, mas eu me lembro o quanto era frustrante quando acompanhava de forma semanal essa temporada. Há um episódio ótimo com Peter e Sylar onde eles estão presos num mundo vazio, e ficam 5 anos lá, sendo que na realidade foram apenas 12 horas. É inteligente como os produtores resolveram esse dilema do que fazer com Sylar.

Sylar alias foi um dos grandes tabus de Heroes. Ele surgiu como um vilão inacreditável, mérito da grande interpretação de Zachary Quinto, e que durou mais tempo do que deveria. Os produtores não queriam abrir mão de Zachary Quinto e isso estragou um pouco a série, que não conseguia sair desse ciclo de Sylar como o único vilão realmente perigoso da série. Enjoa depois de tanto tempo. Fico até feliz do ator já ter confirmado que não voltará para seu papel em Heroes Reborn. Sim, Heroes não precisa mais de Sylar, por favor! E não importa se ele ficou bonzinho depois de tudo que ele fez, todos que ele matou. É um personagem grande demais e que ofusca todo o resto.

E nem sei se devo entrar no mérito que precisou de 4 temporadas para resolver deixar Sylar um cara do bem. Ele merecia isso? Ou merecia pagar por seus crimes? Ou quem sabe morrer? É complicado dizer porque nunca saberemos o que os produtores iriam fazer com o personagem na quinta temporada. Eu só sei que redenção é possível com vilões e não vejo algo necessariamente ruim ter criado uma forma de Sylar mudar sua personalidade. O lance de troca de corpos e mentes no final do terceiro ano e que se desenvolveu em parte do ano 4 é algo bem complexo e criativo, até mesmo nos dias de hoje. Acho que é mais um ponto de mérito de Heroes do que algo a se reclamar.

Alias é meio interessante como a quarta temporada me lembrou hoje em dia de X-Men. Samuel recrutando cada vez mais pessoas com habilidades, como uma espécie de bússola, num circo que se esconde quando quer, e com poderes tão destrutivos quanto um Magneto (porém Samuel controlava a terra), e ora ele de fazia de mentor e pai de seu grupo, como um Professor Xavier. Eu não me lembro de ter essa comparação quando vi essa temporada pela primeira vez. Bacana ter revisto e pensado nisso.

Por fim, achei que foi muito mais agradável retornar a esse universo. Havia muita amargura pela internet quando a série estava no ar. Como ela havia ficado ruim, como o roteiro não era mais interessante e blá blá blá. Não sei se foi a saudade, ou se hoje em dia sou mais tolerante com certos seriados. Mas Heroes me pareceu bem divertido novamente. E mesmo depois de tantos anos, a TV americana ainda não tem personagens que parecem tão quadrinhos como Heroes foi. Valeu a pena rever essa quarta temporada e me reaquecer para Heroes Reborn!

samuel-heroes

O que já se sabe sobre Heroes Reborn?

Para não dar spoilers demais, vou me atentar apenas a algumas informações básicas que making off e teasers já revelaram. Bem, a trama se passará 5 anos após o final da quarta temporada, quando a Claire resolve contar ao mundo que existem pessoas com habilidades especiais. Lembra que ela se joga do topo de um brinquedo do circo de Samuel, em frente as câmeras e repórteres que estavam no local? Então, 5 anos depois, as consequência disso são as piores possíveis.

A série não vai mais trabalhar com os personagens clássicos, apesar de que alguns irão fazer participações especiais, mostrando é claro o que aconteceu com eles depois destes 5 anos. O mundo agora conhece estes humanos com poderes (chamado de EVOs no trailer) e os caça sem piedade. Os heróis desapareceram do mundo, porém algo está para mudar! E é isso que veremos em Heroes Reborn!

Novos personagens, novos poderes, novos vilões, mas tudo naquele universo que os fãs de Heroes já conhecem. Quem nunca viu a série antiga, poderá começar a ver a partir daqui, que não fará qualquer falta, mas quem se tornar fã, com certeza vai atrás das temporadas anteriores para aprender mais sobre alguns personagens que retornaram e irão servir como ponto para o novo elenco, que a gente torce para ser tão carismático quando os antigos foram. E caramba, finalmente o Hiro do futuro será contextualizado! Foda!

Eu só espero que o retorno de Parkman seja merecida, porque o papel dele na quarta temporada é um dos piores de todo o elenco clássico. A história do Parkman é péssima, pois ele não tem controle sobre si mesmo, sobre a sua família, não ajuda ninguém e quando ajuda, é meio que sem querer. É um personagem bananão demais aqui. Eu torço muito para que produtores agora corrijam ele e o torne um personagem mais sólido, condizente com a sua habilidade, um cara que consegue ler mentes e induzir as pessoas. Que ele não seja o fracote que se mostrou no quarto ano!

Encerro a matéria com dois vídeos, o trailer oficial de Heroes Reborn e um especial por trás das câmeras. Lembrando que a mini série de 13 episódios estreia nos Estados Unidos agora dia 24 de setembro com um especial de 2 horas! Será um evento imperdível!

obs: vale lembrar que apesar de ter as quatro temporadas completas no Netflix Brasil (por enquanto), também existe o box completo da série à venda aqui no Brasil, em DVD (aqui) ou em Blu-ray (aqui), apesar de ambos estarem meio sumidos das lojas online em geral. Porém não duvido que retornem caso Heroes Reborn faça sucesso.

Não é a melhor temporada, mas é uma que se esforça pra ser boa
Os episódios da trama com Hiro Nakamura são o melhor do ano 4
Finalmente se resolve o problema do Sylar (ainda que seja polêmico a resolução)
A série precisava se reinventar e dropar personagens do ano 1, e não o fez
O vilão, Samuel, apesar dos pesares, foi um personagem bem construido
Rever a temporada final após todos estes anos, se mostrou bem prazeiroso
Não é obrigatório, mas é um ótimo ponto de preparo para Heroes Reborn!

Não é necessário rever, porém rever foi uma ótima lembrança do porque Heroes foi o sucesso que foi!

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios