Relembrando The Legend of Zelda: Ocarina of Time! (Nostalgia)

Que tal relembrar um dos melhores jogos de todos os tempos?

(por Rafael Gaara)

The Legend of Zelda: Ocarina of Time, um dos games mais épicos da história, aqui no Portallos.

Há pouco tempo atrás foi lançado no mercado The Legend of Zelda: Skyward Sword, muitos dizem que o jogo é tão incrível, que é provavelmente o melhor Zelda já lançado. Ainda não tive o prazer de jogá-lo, mas certamente o farei em um futuro próximo e poderei saber qual é o melhor Zelda. Dito isso, contarei um pouco sobre minha experiência com esse jogaço que é Ocarina of Time.

Assim que o game foi lançado, meu pai, um nintendista convicto (o console do meu pai hoje em dia é um Wii, enquanto eu tenho um DS e um X360), foi correndo comprá-lo, pois lá na época do NES, nós havíamos jogado Zelda 2 e curtido muito, claro que eu não conseguia fazer muito coisa no jogo, pois naqueles tempos eu tinha menos de 10 anos de idade. Eu sempre usava os avanços do meu pai, usava as armas e itens que ele conseguia. Não me lembro ao certo se ele reclamava, mas acho que não, ser pai não é fácil, eu no lugar dele certamente ficaria muito puto, xD.

Assim que pegamos o game, ficamos jogando apenas ele ininterruptamente. Dessa vez eu não atrapalhava meu pai, pois no Nintendo 64 era possível salvar os avanços em arquivos diferentes.

Lembro que no começo tive bastante dificuldade até mesmo para pegar a espada Kokiri naquela passagem secreta em Kokiri Forest. Com o tempo comecei a me acostumar com a mecânica de jogo e não tive maiores dificuldades em passar as duas primeiras dungeons. Mas como eu ainda era criança lembro-me de assustar às vezes com aqueles inimigos feiosos da Árvore Deku e da Caverna dos Dodongos.

Cada pedra espiritual recuperada eu ficava maravilhado com a animação 3D, que se hoje em dia eu ainda acho maneira, imagine na época, eram imagens de ponta.

As músicas me faziam ficar tocando a ocarina sem parar de tão viciantes e cativantes. Saria’s Song é lembrada facilmente por qualquer gamer daquela época, de tão marcante que era a canção.

Algumas revistas da época ensinavam a tocar outras melodias na ocarina, mas como eu era muito novo, não tinha muito paciência para tentar. Até consegui tocar o tema de abertura dos Simpsons e mais uma coisinha ou outra, mas jamais levei pra frente.

Outra coisa que me deixava fascinado eram as magias do jogo, elas eram simples e incríveis ao mesmo tempo. Inesquecível aquela fada piriguete que nos presenteava com as magias. Meninos novos tem a imaginação tãooo fértil. Sem mais comentários sobre isso xD.

Preciso citar como eu achei realistas as cidades que visitamos no jogo? A montanha dos Goron, a cachoeira/caverna dos Zora, o mercado de Hyrule e seu castelo, a já mencionada floresta Kokiri. Todas cheias de vida e interativas.

Voltando ao jogo. Na terceira dungeon eu já tive bem mais dificuldades, pois apesar do estômago do Lorde Jabu-Jabu não ter tantos inimigos, os mesmos eram mais difíceis que os inimigos das dungeons anteriores e os puzzles eram mais complicadinhos para um moleque de 11 a 12 anos. Mas com esforço e uma ajudinha ou outra de detonados, consegui superar a fase e seu irritante chefe Barinade.

Nem preciso falar que a “animação” da transição do Link de criança para adulto e todos eventos que ocorrem nessa parte são simplesmente fenomenais né?

Sobre as dungeons controlando o Link adulto eu digo: até hoje não joguei nada tão legal como aquelas fases de Ocarina of Time. Eram apenas momentos épicos. O Sheik (Zelda) parando Link a caminho do Templo do Fogo e lhe ensinando o Bolero of Fire foi épico. Linda canção!

Voltando um pouquinho no jogo, o Templo da Floresta é muito legal, me perdi um bocado ali, principalmente na parte que tem um poço esquisito. O chefe desse templo Phantom Ganondorf foi facinho passar. O esquema de jogar baseball com ele era bem simples, para não dizer idiota.

O Templo do Fogo é muuito lindo, mas sem dúvidas é uma das “fases” mais fáceis de passar, o que quebra um pouco o clima selvagem dessa dungeon.

Apesar do chefe dragão Volvagia e a mitologia do templo me fascinarem na época, passei por essa dungeon facilmente. Devo ressaltar que sempre achei o Martelo de Ferro uma das armas mais legais do jogo.

Depois desse chefe legal e fácil do Templo de Fogo, o bicho pega de vez, pois vem o temido Templo da Água, mais um de beleza e arte excepcionais, mas um verdadeiro quebra-cabeças, ainda mais para uma criança. Admito… fiquei agarrado em uma parte e comecei o jogo inteiro do zero, de tão frustrado que eu fiquei. Foi uma lição para mim: “nem tudo na vida é fácil” xD.

Bom, depois de um tempo parado jogando coisas mais fáceis para um moleque (como por exemplo, Star Fox 64) VOLTEI A JOGAR ZELDA.

Depois de refazer todo o caminho, me deparei novamente com o Templo da Água, mas estranhamente não agarrei nem um pouco dessa vez (confesso usei um detonado, xD). Seu chefe Morpha é meio sem graça em termos de visual, apesar da proposta do seu design fazer muito sentido.

Superado o obstáculo chamado Templo da Água, o jogo vai ficando cada vez mais épico. Quer um exemplo? O ataque de um monstro invisível à Kakariko Village!

Confesso que tremi ao explorar aquele poço da vila, cheio de inimigos sinistros e alguns invisíveis. Nessa parte ainda temos que voltar lá como criança, uma bela sacanagem com o jovem Link. Mas com perseverança, encarei e superei esse desafio.

O Templo das Sombras é uma fase fácil, mas seu chefe é chato de doer. Apesar de tudo não cheguei a ter tantas dificuldades assim. Aquele monstrão que é apenas um olho e duas mãos era bizarro demais, me dava medo. xD. Seu nome era Bongo-Bongo.

Finalmente o Templo dos Espíritos estava em minha frente, após atravessar um escaldante deserto e libertar alguns marceneiros no Forte das Mulheres Gerudo. O Templo era bem desafiador e com inimigos mais fortes, curti muito ele, mas como ele não tinha tantos puzzles assim (lembro-me vagamente de um mais difícil com uma estátua) passei esse templo de boa, sem muito stress.

Fases que exigem porrada e não cérebro sempre foram meu forte em qualquer jogo. Apenas as chefes do Templo dos Espíritos, duas bruxas com poderes elementais, exigiam mais paciência e agilidade do que músculos.

Pra finalizar esse épico (depois de libertar todos os sábios nos templos), enfrentamos Ganon. A luta não é das mais difíceis, mas o clima é tenso o que contribui para a imersão. Até hoje não acredito que o Nintendo 64 gerou aquelas cenas do ressurgimento de Ganon em meio às ruínas do castelo.

Só eu achei que poderíamos dar espadadas em outro local do monstrão? Os fortes que zeraram entenderão. Golpes de espada no rabo ou flechadas de luz na cara não deixam uma sensação tão épica assim. Mas como eu disse, a imersão faz um trabalho incrível e te deixa sorrindo o tempo todo.

Princesa salva! Missão dada, é missão cumprida!

Ainda podemos falar dos quase infinitos extras, como por exemplo, encontrar as aranhas Skulltulas, os corações, a Biggoron Sword (épico demais aquele Goron gigante), pescaria (joguei isso demais com a família e amigos), corrida com a Epona etc. Eu particularmente não sou tão chegado em extras, mas a espada Biggoron Sword, é lógico, peguei todas as vezes que joguei.

Enfim, um jogo como The Legend of Zelda: Ocarina of Time não tem como descrever de forma resumida, deixei passar muita coisa, mas deu pra dar uma ideia para aqueles que não jogaram e para os felizardos que jogaram fica um pouco de nostalgia, um texto “good times”.

Para aqueles que jogaram inúmeras horas desse clássico, essa obra de arte arquitetada por Shigeru Miyamoto eu deixo a seguinte mensagem: “Nós somos privilegiados por ter jogado essa lenda dos games”.

Até mais!

[Créditos ao Ry Spirit pelas FanArts]

Isso também pode lhe interessar

18 Comentários

  1. kkkkkkk, estranho vc dizer que jogava video game com seu pai, e mais ainda que ele é um nintendista. Meu pai na época que eu era criança nunca se interessou por video games, e hoje, vê-lo jogando de vez em quando com meu sobrinho (neto dele) me faz sentir um pouco de inveja, kkkkk.
     
    Você sem dúvida teve sorte, kkkkk.

    1.  @SHiN™ Realmente tive sorte e hoje já sendo adulto, sinto falta daqueles tempos…
      Mas vale mencionar que emquanto meu pai era um gamer, minha mãe sempre achou isso tudo uma bobagem… kkkkkk….

  2. Eu também jogava bastante com meu pai XD Mas tem um Zelda que é sobre uma lua que vai colidir e que tem acho que três dias. Eu conseguia chegar na lua, mas sem nenhum item e na forma de madeira ainda '-' Aí ficava apanhando para um carinha que tacava fogo em mim se não me engano

    1.  @LucasLukeSaluOkita Esse Zelda que você jogava é o Majora Mask… nunca joguei… está na lista de espera quando tiver uma brecha na vida social e profissional agitada de um adulto…

  3. Texto bacana, você deve ter tido uma infância muito divertida. Nunca joguei Zelda, mas tenho ma amiga que é meio viciada nesse jogo, então acabo sabendo de coisas através dela. XD

    1. Eu ia mandar um texto sobre OoT! xDDDDD Estou jogando esse jogo pela primeira vez agora, e me redimindo do pecado de nunca ter jogado antes. Realmente, o jogo é foda. É tudo aquilo que eu sempre ouvi falar. xD

      1. Ah Ocarina. Vira e mexe jogo ele mais uma vez. E eu achei Skyward Sword tão bom quanto.
         
        Lembro que esse foi o primeiro jogo da série que peguei. Isso porque eu comprei uma revista da Nintendo World com o Detonado do A link to de past (Só comprei porque vinha com um poster dos 150 pokemons *-*) e eu nem sabia que existiam mais jogos além desse rs. Fiquei bem confuso quando eu vi que o detonado não fazia sentido com o que eu estava jogando rs.
         
        Depois de muitos meses alugando eu passei o ocarina e acabei achando o do SNES pra alugar. Jogos excelentes.
         
        A propósito, só eu faço o Spirit Temple antes do Shadow Temple? ._.

        1.  @Zph Eu tentei na primeira, mas tem uma sala que tem q pegar uns ruppes pratas para passar no Spirit, que só da para pegar com as botas que você pega no Shadow temple, certo?

      2.  @lucassssst Antes tarde do que nunca… eu comecei a jogar Final Fantasy VI de SNES… tá muito foda por enquanto… jogo clássico não envelhece nunca, é divertido jogar em qualquer tempo…

        1.  @Rafael Gaara Eu só fui jogar meu primeiro Final Fantasy ano passado! Tem muita coisa antiga que eu quero jogar. Minha vida teria que ser milenária para eu conseguir fazer tudo o que quero. HAHAHAHA

    1.  @GuiPMenezes Claro que tem diferenças na experiência de jogar sendo uma criança/adulto e jogar no console/emuladores, mas nunca vamos conseguir jogar tudo… eu sempre quis jogar Final Fantasy VI e nunca tive a oportunidade em um console e recentemente não tinha tempo… agora que arrumei um tempinho estou jogando através de emulador… Faz parte…

  4. Como algumas pessoas tocaram no ponto em que cito meu pai, vai uma pequena biografia nerd da minha pessoa…
     
    A última vez que falei com o meu pai pelo telefone na semana passada foi para indicar para ele a coletânea de Kirby para Wii (li essa notícia aqui no Portallos)… xD!
    Além de Zelda, ele me ensinou a gostar e me deu os games de Mario, Kirby, Banjo e Kazooie, Star Fox entre vários outros games clássicos… Hoje ele já é aposentado e pode aproveitar bem os seus games… ele tem 51 anos…
     
    Inclusive ele disse que vai pedir de presente do dia dos pais para a minha irmã mais nova Zelda Skyward Sword… hehehe…
     
    Ele me deu um Atari quando eu ainda mal sabia ler, com uns 4 anos… depois veio NES, Mega Drive (troquei por um SNES posteriomente), N64… Minha mãe me deu um Play 2 e por último, eu mesmo comprei meuS atuais X360 e DS…
     
    Além disso ele é colecionador de cds e ama desenhos animados (mas não curte animês)… Sempre me incentivou a ler quadrinhos, jogar videogame, ver desenhos e séries clássicas como os Simpsons, Os Três Patetas, Flintstones e mais recentemente, deu para minha irmã mais nova e eu assistia de tabela, Procurando Nemo, Shrek, etc…Sempre ensinando a mim a importância de se comprar produtos originais para que eles durem o máximo possível (confesso que trai esse pensamento na época do Play 2, rsrsrs)…
     
    Como eu disse acima ele coleciona cds, em especial de rock, me mostrou o que é Led Zeppelin (a banda preferida dele), Black Sabbath, Ramones Red Hot Chilli Peppers (me deu todos cds originais da banda, minha favorita) entre milhares de outras bandas… Também confesso que escuto coisas não tão "legais" as vezes, mas todos temos nossos gostos musicais duvidosos escondidos…
     
    O resto da minha cultura nerd eu adquiri com a Manchete, Animax, Herói. Band, Globo, Conrad e Cartoon Network nos seus bons tempos… Além é claro da internet…
     
    Esse comentário é em homenagem ao meu pai, que me ensinou que o importante é se divertir… viver feliz de maneira responsável…
     
    E vocês como foram que se tornaram consumidores da cultura "nerd"?

    1. Sua estória é parecida com a minha.
       
      Eu também comecei a jogar Video-Game por causa do meu pai quando nem sabia ler direito, também aos 4 anos de idade. Eu nem sabia o que era Video-Game quando ele me apareceu com um Master System, depois ele me apareceu com os meus xodos Mega Drive (Com Sonic, MK e Street Fighter 2) e Playstation. No Playstation então ganhei em 97-98 (O console mais perto do lançamento que já tive) arregado com 50 jogos (Claro que tudo pirata), e meu pais nunca teve problema em deixar eu consumir produtos considerados violentos, dentre esses 50 jogos que ganhei junto com VG, estavam: Resident Evil, Silent Hill, Twisted Metal 2, Tekken 2, Die Hard Trilogy, Spawn, Samurai Showdown, MoH entre outros que muitos pais teriam convulsões ao verem seus filhos jogando.
       
      Ele me influenciou nas músicas também. Ouço Rock a todo volume desde que nasci, sem exagero, a primeira banda que me lembro de começar a ouvir foi Jethro Tull (Que gosto até hoje), depois veio Kiss, Metallica, Led Zeppelin, Black Sabbath e mais uma porrada.
       
      Filmes também foram influencia do meu pai. e seguindo a mesma linha dos games, ou seja ele sempre me deixava assistir filmes violentos e de terro, uma das minhas primeiras fitas VHS foram Brinquedo Assassino 2 e 3 junto com os 2 Batman do Tim Burton, e vejo filmes desde então, e eu sempre fui fã de filme de Terror e por causa disso eu tinha mais VHS de filmes de terror do que infantis, lembro que tinha: Poltergeist, Cimitério Maldito, Noite dos mortos Vivos, Garotos Perdidos, Alien, Hora do Pesadelo e mais uns outros de terror, curtia muito também os filmes de ação que meu pai gravava em VHS para mim, principalmente os da trindade, Van Damme, Stallone, Swarzenneger.
       
      O resto, HQ'a, animes, livros, desenhos, mangás, computação, eu fui descobrindo por conta própia ao longo dos anos.

    2.  @Rafael Gaara Eu trilhei um caminho solitário para o submundo nerd (pose de cara fodão olhado o horizonte)…………………….Meu pai até hj implica se eu ficar uma hora jogando video game. Fica me perguntando como posso achar graça nisso.Minha mãe não acha ruim, até arrisca jogar nintendo wii do meu primo, mas não faz a menor questão. Minha namorada implica comigo toda vez que jogo, acha um absurdo eu querer jogar ao querer sair com ela ou ver tv juntos rsrsEnfim, meu primeiro video game foi em 96, um snes, depois meu irmão comprou um ps1, depois nos dois compramos o 2 e agora estamos com o ps3.
      Ele gosta muito de animes, jogos, filmes, mas não gosta de ler rsrsEu sou o que sou hj por mim mesmo, sempre fui de desenhar, ler, ver animações, essas coisas. Mas minha infância foi em minas gerais, guapé. Lá só um cara tinha video game que eu me lembro e joguei duas vezes na casa dele, os outros dias dos 5 anos que fiquei lá foi só na rua e no sítio, ou em ambientes naturais perseguindo os bichos rsrs por isso hj tenho uma nostalgia enorme com paisagens verdes rsrs 

    3.  @Rafael Gaara Também aprendi a curtir Rock por causa dos meus pais, meu pai sempre foi um parceiro meio esporádico pra jogar games, tirando futebol, que eu nunca ganhei uma partida dele, no Wii teve mais jogo que a gente jogou junto.
      Já para animes, desde Cavaleiros do Zodíaco que sempre tem uma série que acompanhamos juntos, todas que passaram na Manchete, de Cavaleiros a Yu Yu Hakusho, depois Dragon Ball Z, Hunter e agora One Piece!
      Baita de um parceiro, temos sorte de ter pais assim!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.