Lendo

#PdR – O diabo e o redemoinho!

Grande Sertão: Veredas!

Posted Image

(Por adreanekacs)

O texto a seguir contém spoilers sobre a trama!

A terra dos buritizais onde o diabo está no meio da rua, no redemoinho, é o palco do microcosmo de Riobaldo, narrador e protagonista de Grande Sertão: Veredas.

Antes de tudo é preciso dizer que esse livro não é fácil. São mais de 600 páginas de narração ininterrupta, sem quebras ou divisões de capítulos. A linguagem é a de um sertanejo, sendo caracterizada por um forte regionalismo e neologismos. As palavras são escritas da forma como são pronunciadas e isso confere mais vida ao livro. É como se o próprio leitor fosse o compadre Quelemém (interlocutor de Riobaldo, que não se pronuncia em todo o romance), escutando de perto o velho homem que um dia fora um jagunço lutando no sertão.

É indescritível o sentimento de acompanhar a fala do velho (agora fazendeiro) e suas questões filosóficas. Riobaldo se pergunta sobre o bem, o mal, deus, o diabo e a vida, partindo a seguir para relatos mais definidos de sua vivência. Quando criança, ele se aventurou em uma travessia do rio São Francisco com o garoto Reinaldo, logo ficando fascinado por ele. Reinaldo era Diadorim, a pessoa ao lado de quem Riobaldo viveria e lutaria em sua vida adulta.
Depois de perder sua mãe, o narrador é levado à fazenda de seu padrinho (na verdade, seu pai) Selorico Mendes. Mais tarde, Riobaldo é convidado por Zé Bebelo para integrar seu bando e lutar contra os jagunços Hermógenes e Ricardão. Depois, Riobaldo deixa o bando e integra o de Joca Ramiro, onde reencontra Diadorim. A amizade dos dois evolui para amor platônico. Riobaldo sempre presta atenção em Diadorim, grava na memória suas belas feições, estuda profundamente seu comportamento e sofre quando ele sofre. Diadorim também nutre um imenso carinho por Riobaldo e sente ciúmes quando o vê com mulheres (sobretudo Otacília, com quem Riobaldo termina por se casar). A relação deles não é jamais trazida para o plano físico, permanecendo ideal e impossível.

Após um conflito com Zé Bebelo (que termina com ele exilado em Goiás), o bando de Joca Ramiro se dispersa. Já seguindo o chefe Titão Passos, Riobaldo e Diadorim são informados de que Joca havia sido morto à traição por Hermógenes e Ricardão, o que desperta a fúria e o desejo de vingança de Diadorim, para a perplexidade de seu grande amigo. Nas Veredas-Mortas, o protagonista faz um pacto com o Diabo em uma encruzilhada, à meia noite, para derrotar os assassinos e trazer paz a Diadorim. Mas o demônio nunca é efetivamente mostrado, só há o silêncio, e o silêncio nada mais é do que nós mesmos em demasia. O diabo estava lá? Ele existe e não existe? Ele aceitou o pacto? Até que ponto as crendices populares diziam respeito à realidade? Não há resposta para essas perguntas e, até sua velhice, Riobaldo não é capaz de entender o que aconteceu naquela noite, se de fato algo aconteceu. Diante de um ponto de vista racional, nada ocorrera, mas não havia garantia.
Posted Image
O confronto final contra o bando de Hermógenes se dá quando Riobaldo já é o chefe do bando, no Paredão. É nessa batalha que Diadorim enfim consegue sua vingança, matando Hermógenes, mas sendo mortalmente ferido. A morte de Diadorim é o evento que mais atormenta Riobaldo e o enche de culpa, levando-o inclusive a adoecer. Logo ele descobriria o segredo de seu grande amor, quando suas roupas são retiradas e o corpo de uma mulher é revelado. Diadorim era Maria Deodorina, filha de Joca Ramiro. Seu amor impossível estava ao seu alcance, livre de todos os segredos e obstáculos que o envolvia, mas era tarde demais. O que restava a Riobaldo era somente a dor.

Posted Image

Posteriormente Riobaldo herdaria as terras de seu pai e se casaria com Otacília, mas sem jamais esquecer seu grande amor ou deixar de ser atormentado por suas dúvidas e lembranças. Ele esmiúça e explica tudo em demasia talvez por sentir a necessidade de entender, mas não há conclusão definitiva. Por mais que esse romance seja estudado, destrinchado e reavaliado em todo o mundo, sempre se chega a conclusões diferentes. Grande Sertão: Veredas é um livro único para cada leitor.
“O diabo não há! É o que eu digo, se for… Existe é homem humano. Travessia.”

Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Rackor

Gamer de fliperamas aos consoles, passando pelo saudoso GB Color e seu Pokémon Yellow. Leitor de mangás, e dou preferência a estes ao invés de animes. Mais recentemente descobri as HQs, e desde então sou fã da trajetória de Geoff Johns em Laterna Verde, entre outros clássicos como Watchmen.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Dê uma ajuda ao site simplesmente desabilitando seu Adblock para nosso endereço.